Casa Fanti Ashanti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Casa Fanti Ashanti
Tipo templo
Geografia
Coordenadas 2° 32' 22.4743" S 44° 13' 26.9591" O
Localização São Luís
País Brasil

A Casa Fanti-Ashanti localiza-se no bairro do Cruzeiro do Anil, em São Luís, no estado do Maranhão, no Brasil.[1][2][3]

Histórico[editar | editar código-fonte]

É uma casa de candomblé e tambor de mina, da nação Jeje-Nagô, fundada 1954, mas que só começou a funcionar em 1958, e dirigida pelo babalorixá Euclides Menezes Ferreira, (de Oxaguian c/Oxum) e Mãe Isabel de Xangô com Oxum.

Os Fantis e os Ashantis eram povos da antiga Costa do Ouro, na África, atual República do Gana. É uma Casa de Mina e Candomblé que mantém a tradição desde sua fundação.

Pai Euclides foi iniciado no tambor de mina por Maria Pia dos Santos, tendo sua principal entidade cabocla, o turco Juracema, confirmada por Anastácia Lúcia dos Santos, fundadora do terreiro da Turquia. [4]

Em 1980, Pai Euclides teve teve seus 'santos' confirmados no nagô (no xangô de Pernambuco). A raiz é do Terreiro Obá Ogunté também conhecido como Sítio de Pai Adão - Nagô do Recife - liderado hoje por Manuel Papai e Maria das Dores já falecida, juntamente Pai Raminho de Oxossi. Após tal confirmação, a Casa Fanti-Ashanti passou a se orientar principalmente para o candomblé, embora continuasse realizando o culto a entidades do tambor de mina e da cura ou pajelança.[4]

O terreiro é comandado por Tabajara, coadjuvado pelos encantados Juracema e Jaguarema que estão presentes em todas as atividades, exceto nos rituais de Candomblé, onde a entidade maior é Oxaguiam, dono da cabeça de pai Euclides, babalorixá do terreiro, que herdou seus conhecimentos religiosos de um antigo Tambor de Mina de São Luís - o Terreiro do Egito - fundado em 1864, por uma africana de Kumasi (Gana), e que funcionou até o final da década de 70. Euclides Menezes Ferreira é pioneiro em São Luís na prática do Candomblé.

Culto[editar | editar código-fonte]

Além dos rituais do Tambor de Mina, do Candomblé e das festas de Ogum, Oxossi, Obaluaiyê, Oxum, Oxalá, Nanã, Xangô, Oxumaré e Oyá, a Casa também realiza o Samba de Angola para os boiadeiros. Há também rituais ligados à pajelança, ao catolicismo popular (Festa do Divino Espírito Santo) e ao folclore (como o boi de Corre Beirada e o Tambor de de Crioula de Taboca).

O Tambor de Mina é uma manifestação religiosa na qual são cultuados voduns, orixás e encantados (caboclos, gentis e fidalgos). Entre os voduns mais conhecidos estão: Doçu, Averequete, Badé Queviosso, Sobô, Euá e Abê. Entre os fidalgos ou gentis mais conhecidos, têm destaque: Dom João, D. Luís, Rei Sebastião, D. Pedro Angaço, Rainha Dina e Rainha Rosa (geralmente associados a orixás e a santos católicos), Rei da Turquia, Vandereji e Légua Buji (os dois últimos também conhecidos como voduns 'cambinda'). Rei da Turquia e Légua Boji, como chefiam grandes famílias de caboclos, são também classificados em terreiros de São Luís como entidades caboclas.[4]

Outros rituais realizados são: Mucambo ou Festa de Pagamento (na qual as entidades distribuem presentes aos tocadores e demais auxiliares do culto e moedas entre todos que estão presentes); Bancada ou Arrambam (quando são suspensas as atividades religiosas do terreiro durante a quaresma); Saída de Vodunsi (toque festivo realizado após o período de reclusão para iniciação); Avaninha (reza em língua africana realizada após a ladainha); Tambor de Choro (toque sem dança realizado após o falecimento de algum filho da casa); Festa de Caboclo (encantados, fidalgos e gentis); Tambor de Borá ou Canjerê (toque realizado para as entidades indígenas).[5]

Na Casa Fanti Asshanti, é realizado o tradicional Baião de Princesas, ritual celebra princesas e outras entidades femininas veneradas pelo culto de Mina, que, na ocasião, se fariam presentes entre os fiéis, incorporadas nas vodunsis.

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • FERREIRA, Euclides Menezes. Casa de Fanti-Ashanti e seu Alaxé. Ed. Alcântara, 1987.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre candomblé é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.