Casa de Saboia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde outubro de 2014)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Casa de Saboia
Casa di Savoia (em italiano)
Brasão de armas da casa de Saboia.
Estado Flag of Albania (1939-1943).svg Albânia
Flag of Independent State of Croatia.svg Croácia
Flag of Italy (1861-1946).svg Etiópia
Royal Standard of the King of France.svg França
Flag of Italy (1861-1946).svg Itália
Flag of Spain.svg Espanha
Título Conde de Saboia
Imperador da Etiópia
Rei da Albânia
Rei do Chipre
Rei de Jerusalém
Rei da Croácia
Rei da Itália
Rei da Sardenha
Rei de Espanha
Origem
Fundador Humberto I de Saboia
Fundação 1003
Atual soberano
Pretendente Amedeo de Saboia-Aosta¹
Linhagem secundária
Saboia-Aosta
Saboia-Genoa
Saboia-Carignano
¹ Ambos disputam a liderança da casa real.

A Casa de Saboia (português europeu) ou Casa de Savoia (português brasileiro), em italiano: Casa di Savoia, é uma das mais antigas famílias nobres europeias, presentes desde o seculo X no território o Reino de Borgonha, onde depois fundou um Ducado no século XV. Nesse século, extinguiu-se a dinastia Lusignan obtendo a coroa titular dos Estados Cruzados, de Chipre, Jerusalém e Armênia, obtendo consequente aumento de prestígio nas cortes europeias.[1]

Aproximadamente no século XVI mudou seus interesses territoriais e econômicos das Regiões Alpinas para a península Itálica (evidenciado pela mudança de capital do ducado de Chambéry para Turim em 1563). No início do século XVIII, na conclusão da Guerra da Sucessão Espanhola alcançou o controle do Reino da Sicília (1713) e o Reino de Sardenha (1720) No século XIX, liderou o movimento pela unificação italiana, que levou à proclamação do Reino da Itália. A partir desta data até a mudança institucional em julho de 1946, com o exílio do falecido rei (O exílio dos descendentes masculinos da casa de Savoia foi mantido até a reforma constitucional de 2002), a história da Casa e da Itália se confunde.[2]

Além disso, de 1870 a 1873 , o duque Amadeu de Saboia-Aosta foi rei da Espanha sob o nome de Amadeu I de Espanha.

Durante o regime totalitário de Benito Mussolini, a dinastia obtém formalmente a Etiópia (1936) e depois a Albânia (1939) e, união pessoal no reinado de Vítor Emanuel III , enquanto que em 1941, com o duque Aimone de Savoia-Aosta obteve a coroa da Croácia, porém esses últimos títulos foram perdidos em 1945, devido a derrota na Segunda Guerra Mundial .

História[editar | editar código-fonte]

Estados italianos em 1494

Em 1720, Vítor Amadeu II de Saboia, tornou-se Rei da Sardenha assim como a sua descendência. O seu descendente Vítor Emanuel II tornou-se o primeiro Rei da Itália [3]unificada em 1861.

O reinado da Casa de Saboia em Itália terminou em 13 de junho de 1946, com um referendo no qual os italianos escolheram a república como a sua forma de Estado. Segundo a constituição da República Italiana, os descendentes titulares da Casa de Saboia do sexo masculino ficavam proibidos de entrar em Itália. Só em 2002, essa disposição foi alterada e os membros titulares da família foram autorizados a entrar e permanecer no país.

A família Saboia foi a proprietária do Santo Sudário entre 1453 e 1983. Habitaram vários palácios, que foram denominados como as antigas residências da Casa de Saboia.

Brasões[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

  1. Litta, Pompeo (1781-1851). Famiglie celebri di Italia. Duchi di Savoia / P. Litta [S.l.: s.n.] 
  2. Le Illustri Alleanze della Real Casa di Savoia (em italiano) [S.l.: s.n.] 1868-01-01. 
  3. Os primeiros a usar o título de rei da Itália foram os soberanos lombardos dos quais deriva a a tradição de coroação em Pavia, então capital do Reino Lombardo, com a Coroa de Ferro. A estes seguiram-se os soberanos carolíngios Berengário e Arduíno d'Ivrea. Depois o título foi incorporado pelos soberanos do Sacro Império Romano-Germânico que o associaram ao título imperial. A coração continuou a ser em Pavia. Caído depois em desuso, o título foi novamente usado por Napoleão Bonaparte, que foi coroado com a Coroa de Ferro na Catedral de Milão, em 26 de maio de 1805.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Barbero, Alessandro . O Ducado de Saboia, o tribunal de um Estado da Administração franco-italiana , Roma-Bari 2002, ISBN 88-420-6708-3
  • Ricchiardi, Henry.Bandeiras e Emblemas do Piemonte, Turim, Pearson, 1996.
  • Hills, Joseph . História de Turim, 2002, Turim.
  • Cibrario, Louis. História de Turim de 1846, Turim.
  • Amoretti, Guido . O Ducado de Saboia 1559-1713, Turim, Daniela Piazza Publisher, 1984.
  • Vários autores, A História do Piemonte e Florença e Bonechi, 2006. (5 volumes)
  • Pauletti, Giovanni Andrea . História de Turim com uma breve descrição de todos os membros da Casa de Saboia, 1676.

Ligações externos[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Casa de Saboia