Casa do Regente Feijó

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Casa do Regente Feijó ou Casa do Sítio do Capão
A Casa do Regente Feijó, no bairro do Jardim Anália Franco, São Paulo.
Estilo dominante Casa Bandeirista
Construção 1698
Classificação nacional CONDEPHAAT e CONPRESP
Data 1984 e 1991
Estado de conservação SP
Geografia
Cidade São Paulo

A Casa do Regente Feijó ou Casa do Sítio do Capão, está localizada no distrito de Vila Formosa, divisa com o distrito da Água Rasa, na cidade de São Paulo. É uma casa bandeirista, do século XVII, construida em taipa de pilão.Foi tombada pelo CONDEPHAAT em 1984, e pelo CONPRESP em 05/04/1991.[1][2]


História[editar | editar código-fonte]

O primeiro registro da casa data de 1698 e, a partir de então, passou por diferentes proprietários até ser adquirida, em 1829, pelo padre Diogo Antônio Feijó. O sítio de 75 alqueires, onde estava a casa, chamava-se Sítio do Capão do Tatuapé, mas Feijó mudou o nome para Sítio Paraíso e viveu no local até 1843.[3] Em 12/10/1835, Diogo Antônio Feijó foi empossado Regente do Império e, a partir de então, ficou popularmente conhecido como Regente Feijó; razão pela qual a casa onde morava passou a ser designada Casa do Regente Feijó.

Em 1911 o sítio tornou-se propriedade da Associação Feminina Beneficente e Instrutiva - AFBI, fundada e presidida por Anália Franco. No local passou a funcionar a Colônia Regeneradora Dom Romualdo Seixas, uma instituição dedicada às órfãs desvalidas de todas as idades; a meninos órfãos; a meninos viciosos e órfãos ou abandonados; a velhos inválidos e a “mulheres arrependidas". Anália Franco, para tanto, reformou as edificações existentes, executando diversas intervenções na casa e nos anexos, com acréscimos em alvenaria de tijolos e não mais no sistema original, de taipa de pilão.[3]

A casa é um remanescente da arquitetura bandeirista, mas, ao longo do tempo, passou por diversas reformas perdendo muitas características originais. O telhado de quatro águas, típico dessas construções, foi totalmente redesenhado quando ganhou o segundo andar. Apesar disso, em 2006 foi feito um trabalho de restauro que deixou expostos pedaços da construção original, como paredes de taipa de pilão, camadas de tinta e pinturas decorativas.[3]

A área onde está a casa é um remanescente da mata atlântica, onde se misturam espécies nativas da região com espécies exóticas, de outras regiões. Atualmente o imóvel pertence a Universidade Cruzeiro do Sul, Campus Anália Franco.[3][4]


Tombamento
Órgão Data Documento
CONDEPHAAT 1984 Resolução nº 18
CONPRESP 05/04/1991 Resolução nº 05 (item 60)


Galeria[editar | editar código-fonte]

Camera-photo.svg
Ajude a melhorar este artigo sobre Arquitetura ilustrando-o com uma imagem. Consulte Política de imagens e Como usar imagens.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Prefeitura de São Paulo. «Mapa Digital da Cidade de São Paulo». Consultado em 9 de dezembro de 2019 
  2. CONDEPHAAT - SP. «São Paulo - Sede do Sítio do Capão». Prefeitura de São Paulo. Consultado em 9 de dezembro de 2019 
  3. a b c d Maisa Infante (1 de fevereiro de 2017). «Patrimônio Histórico: Casa do Regente Feijó». Revista do Tatuapé nº 126. Consultado em 9 de dezembro de 2019 
  4. DPH (26 de outubro de 2009). «Casa do Regente Feijó, remanescente da arquitetura bandeirista». Subprefeitura Aricanduva/Formosa/Carrão. Consultado em 9 de dezembro de 2019 
Ícone de esboço Este artigo sobre patrimônio histórico no Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.