Casey Affleck

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Casey Affleck
Affleck em 2016.
Nome completo Caleb Casey McGuire Affleck-Boldt
Nascimento 12 de agosto de 1975 (42 anos)
Falmouth  Massachusetts
Nacionalidade norte-americano
Ocupação Ator e Diretor, Produtor e Roteirista.
Atividade 1988-presente
Oscares da Academia
Melhor Ator
2017 - Manchester by the Sea
Globos de Ouro
Melhor Ator - Drama
2017 - Manchester by the Sea
Prémios BAFTA
Melhor Ator Principal em cinema
2017 - Manchester by the Sea
Prémios National Board of Review
Melhor Ator
2016 - Manchester by the Sea
Melhor Ator Coadjuvante
2007 - The Assassination of Jesse James by the Coward Robert Ford
IMDb: (inglês)

Casey Affleck (Caleb Casey McGuire Affleck-Boldt, Falmouth, 12 de agosto de 1975) é um ator, diretor, produtor e roteirista norte-americano.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Caleb Casey Affleck-Boldt, filho de Chris Ann, uma professora e Timothy Affleck, um assistente social, barman e ex-ator da Companhia de Teatro de Boston, nasceu em 12 de agosto de 1975.

Casey é irmão mais novo do também ator e diretor Ben Affleck, com quem colaborou profissionalmente em filmes como Good Will Hunting (1997) e Gone Baby Gone (2007). O sobrenome "Affleck" é escocês, mas o ator também é descendente de alemães, ingleses, irlandeses e até suíços.

Seu signo é leão e seu traço mais marcante são os olhos azuis.

Quando tinha cinco anos quebrou o braço esquerdo que quase teve que ser amputado. Ele passou doze horas em cirurgia para reparar a fratura composta infectada. Sua cicatriz é visível.

Enquanto criança teve inúmeros animais de estimação, incluindo gatos, serpentes e tartarugas. Hoje em dia está envolvido em muitas campanhas e movimentos pelos direitos dos animais, como PETA e Farm Sanctuary.

Casey fala fluentemente espanhol. Ele foi para a Universidade George Washington, mas depois se transferiu para Columbia University em Nova York, onde estudou astronomia, filosofia ocidental e física, mas nunca chegou a diplomar-se. O ator Joaquin Phoenix apresentou sua irmã Summer a Casey. Ambos se apaixonaram e se tornaram um casal: namoraram durante seis anos. Durante este período tiveram seu primeiro filho Indiana August, que nasceu em maio de 2004, em Amsterdam.

Dois anos após o nascimento de seu primogênito, o casal, no dia 3 de junho de 2006, oficializou o relacionamento e se casou formalmente.

Aproximadamente um ano após, em novembro de 2007, o casal teve o segundo filho: Atticus. Casey mora em Los Angeles, na Califórnia e em Winter Park, na Flórida, com a sua família.

Casey tem uma tatuagem na omoplata direita: um símbolo de fraternidade nativa americana. Ele também tem outra tatuagem: um círculo no lado de dentro do braço direito

Em 2010, na época do filme I'm Still Here, duas mulheres integrantes da equipe denunciaram Casey por assédio sexual. De acordo com o site IG o ator negou todas as acusações e o processo terminou em um acordo extrajudicial.

As denúncias nunca deram em nada e nenhuma das ações chegou a ser julgada, mas esta situação gerou polêmica.

O tempo passou e em 2014, o ator formou o The Affleck / Middleton Project, que é uma empresa de produção de serviço completo projetada para desenvolver e produzir conteúdo de filmes e televisão em diversos gêneros.

Casey e sua esposa fizezam terapia de casal para tentar salvar o casamento, mas foi inócuo devido à falta de confiança dela em sua mudança de atitude. Em março de 2016 o casal anunciou a separação.

Neste mesmo ano, Casey disse ao New York Times:

"Foi tudo resolvido para a satisfação de todos. Fiquei chateado e magoado. Estou certo de que todos ficaram, mas já superei isso. Foi uma situação infeliz - principalmente para os espectadores inocentes das famílias dos envolvidos.".

Atualmente ele está divorciado, mas está namorando uma atriz.

As notícias dos incidentes sobre assédio sexual ressurgiram durante a temporada de premiações do Oscar de 2017.

Inclusive, ainda hoje se comenta negativamente sobre tais incidentes, mas isso não o impediu de ser o vencedor do Oscar de melhor ator em 2017. A atriz que lhe entregou o Oscar foi a única presente que não aplaudiu seu êxito profissional mostrando sua inconformidade com a vitória do colega. O ator deu uma declaração sobre as denúncias:

"Eu acredito que qualquer tipo de maus-tratos a qualquer pessoa por qualquer motivo seja abominável e inaceitável. Todos merecem ser tratados com respeito no local de trabalho e em qualquer outro lugar. Não há nada que eu possa fazer sobre isso, a não ser falar sobre meus próprios valores e como eu tento viver de acordo com eles o tempo todo. Continuarei a viver minha vida da forma que eu sei que vivo.".

No ano seguinte, em 2018, Casey deveria entregar o prêmio na categoria de melhor atriz.

Entretanto, em meio à criação de movimentos contra o assédio sexual como o #MeToo, algumas pessoas já estavam problematizando a possível presença de Affleck na premiação marcada para quatro de março de 2018.

Esta expressão (MeToo) veio de ‘The Silence Breakers’ - quebra do silêncio.

A ideia é criar empatia entre as vítimas de assédio. As mulheres usam a hashtag para denunciar abusos sofridos.

Os dados oficiais revelam o quanto o abuso é real. Uma em cada quatorze mulheres sofreu abuso sexual, segundo a Organização Mundial da Saúde. O #MeToo também aflora outras questões cujas mulheres são vítimas.

Ele se espalhou na defesa de causas feministas. O movimento aflorou em Hollywood e tem uma importância enorme para as mulheres que trabalham na indústria do entretenimento. Alguns defendem que o #MeToo é uma moda, já outros acreditam que o movimento cumpriu um papel muito importante no combate ao abuso sexual e ao assédio praticado contra as mulheres. Outro lado do movimento é que ele foi adotado por homens, demonstrando que eles também estão comprometidos com a igualdade de tratamento e o respeito entre os sexos. O cineasta Cameron Bossert lançou um abaixo-assinado virtual para impedir a participação de Casey na cerimônia do Oscar de 2018. O abaixo-assinado obteve 20.000 assinaturas.

Por isso, a possível presença de Affleck era um assunto delicado para a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Holllywood, organizadora do Oscar. Aos 42 anos - até o momento somando vinte e quatro anos de carreira ao todo com trinta e sete filmes e séries - o ator se viu como pivô deste escândalo. Um assessor dele informou ao site "Deadline" que Casey desistiu de participar da cerimônia rompendo com uma tradição segundo a qual o vencedor na categoria de melhor ator apresenta o prêmio feminino de melhor atriz no ano seguinte. Affleck notificou a Academy of Motion Picture Arts and Sciences de que além de não entregar o Oscar de Melhor Atriz, também não ia marcar presença no evento para não ser uma distração do movimento #MeToo. O aviso que ele não iria à premiação foi recebido com alívio e também eliminou uma situação embaraçosa para as cinco atrizes principais nomeadas.

O aviso da decisão tomada pelo ator foi agradecido. Um porta-voz da Academia disse que o organismo agrade a decisão de manter a concentração no espetáculo e nos grandes trabalhos de 2018.

Segundo o site IG, Timothy Affleck, defendeu o filho Casey, dizendo:

"Hollywood é um lugar asqueroso. Esse lugar pegou em cheio meu filho, mas ele sabe o que está fazendo. É um homem bom e gentil que trata bem as mulheres - eu posso garantir isso. Depois de quarenta anos você conhece seu filho.".

Sobre o tratamento que estão dando a Casey, para Kenneth Lonergan, que trabalhou com Affleck em Manchester à Beira-Mar, filme que lhe rendeu o Oscar, eles foram um pouco além da conta:

"Eu apoio muito o movimento #MeToo, mas pude sentir com mais força que ele foi tratado de forma abominável. As pessoas realmente não sabem do que estão falando. Estou com medo e temo que eles estejam fazendo isso em nome de uma causa muito boa.".

Carreira[editar | editar código-fonte]

1995-2006: primeiros trabalhos[editar | editar código-fonte]

Seu primeiro papel no cinema foi no filme To Die For (1995) de Gus Van Sant, no filme ele atuou como um adolescente sociopata ao lado de Joaquin Phoenix e Nicole Kidman.[1] Depois de estrelar no filme Race the Sun (1997) co-estrelado por Halle Berry, ele apareceu em dois filmes junto com o irmão mais velho Ben Affleck: Chasing Amy (1997) e Good Will Hunting (1997). Casey, em seguida, estrelou o filme Desert Blue (1998), com Kate Hudson, Drowning Mona (1999) com Bette Midler, Jamie Lee Curtis, Neve Campbell e Danny DeVito e Soul Survivors (2011) com Luke Wilson, todas as três produções receberam críticas negativas e se tornaram fracasso de bilheteria.[2]

Em 2001, Affleck, tornou-se parte do elenco na refilmagem do filme Ocean's Eleven (2001), dirigido por Steven Soderbergh.

Estrelado por, George Clooney e Brad Pitt, Affleck interpreta Virgil Malloy.

Affleck reprisou esse personagem em duas continuações, Ocean's Twelve (2004) e Ocean's Thirteen (2007).

Neste último filme, várias cenas foram gravadas no México, lugar onde Casey viveu quando criança, e que tinha diálogos alargados em espanhol, que ele fala fluentemente.[3] Affleck co-escreveu o roteiro do filme Gerry com Gus Van Sant e Matt Damon. O filme é sobre dois homens que se perdem durante uma caminhada no deserto, recebeu críticas mistas; depois de estrear no Festival de Cinema de Sundance, e teve apenas um lançamento limitado nos Estados Unidos em 2003.[4]

Em 2006, Affleck foi destaque em Lonesome Jim (2006) e The Last Kiss (2006), onde ele interpreta um amigo do personagem de Zach Braff. Ele então fez uma participação especial no vídeo "Tired of Being Sorry", dirigido por Joaquin Phoenix para Balthazar Getty da banda Ringside.

2007-presente: Aclamação da crítica[editar | editar código-fonte]

Ganhou mais de uma dúzia de prêmios, incluindo um oscar, por sua atuação em Manchester by the Sea.

Em 2007, Affleck estrelou o filme ocidental The Assassination of Jesse James by the Coward Robert Ford (2007), atuando como Robert Ford ao lado de Brad Pitt como Jesse James. Por sua atuação, ele recebeu indicações ao Oscar de melhor ator coadjuvante, Globo de Ouro de melhor ator coadjuvante, Screen Actors Guild para melhor ator coadjuvante.

O site Entertainment Weekly observou que "um revelador Casey Affleck traz Ford para a vida com um sentimento maduro de covarde de um subalterno, bajulação e petulância".[5][6] Outros comentadores elogiaram Affleck por ser "fantástico" e uma "verdadeira revelação"[7] ao mesmo tempo que outros o opinaram como "uma impressão indelével como o inseguro, fraco fisicamente pouco atraente".[8] O diretor do filme, Andrew Dominik , disse que Affleck era tão bom para o papel, em parte porque, como Ford, ele "sabe o que é viver na sombra de alguém", referindo-se ao irmão mais velho de Affleck.[9]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel
2018 Light of my Life Dad
Old Man and the Gun John Hunt
2017 A Ghost Story C
2016 Horas Decisivas Raymond Sybert
Triple 9 Chris Allen
Manchester by the Sea Lee Chandler
2014 Interestelar Tom
2013 Amor Fora da Lei  Bob Muldoon
Tudo por Justiça Rodney Baze Jr.
2012 ParaNorman Mitch
2011 Roubo nas Alturas Charlie
2010 WWII in HD: The Air War Joe Armanini
I'm Still Here Casey Affleck
The Kind One Danny Landon
The Killer Inside Me Lou Ford
2007 Medo da Verdade Patrick Kenzie
O Assassinato de Jesse James Pelo Covarde Robert Ford Robert Ford
Treze Homens e um Novo Segredo Virgil Malloy
2006 Um Beijo a Mais Chris
2005 Lonesome Jim Jim
2004 Doze Homens e Outro Segredo Virgil Malloy
2002 Gerry Gerry
2001 Onze Homens e um Segredo Virgil Malloy
Alucinação Sean
American Pie 2 - A Segunda Vez é Ainda Melhor Tom Myers
2000 Attention Shoppers Jed
Hamlet Fortinbras
Rebelde Até o Fim Jay
Quem Não Matou Mona? Bobby Calzone
1999 Floating Prep #1
American Pie - A Primeira Vez é Inesquecível Tom Myers
200 Cigarros Tom
1998 Uma Aventura no Deserto Pete Kepler
1997 Gênio Indomável Morgan O'Mally
Procura-se Amy Little Kid
1996 Corrida Rumo ao Sol Daniel Webster
1995 Um Sonho Sem Limites Russel Hines
1988 Lemon Sky Jerry

Televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel Notas
2018 Lewis and Clark Meriwether Lewis Minissérie
1990 The Kennedys of Massachusetts Robert Kennedy (12-15 anos) Minissérie

Oscar

Ano Categoria Indicação Notas
2008 Melhor ator coadjuvante O assassinato de Jesse James pelo covarde Robert Ford Indicado
2017 Melhor ator Manchester à Beira Mar Ganhou

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Em 2007, Affleck ganhou reconhecimento e elogios da crítica por seu trabalho em The Assassination of Jesse James by the Coward Robert Ford (2007), pelo qual ele recebeu indicações para o Oscar de melhor ator coadjuvante, Globo de Ouro de melhor ator coadjuvante, Screen Actors Guild para melhor ator coadjuvante e venceu o Satellite Award de melhor ator coadjuvante.[10] Em 2017 venceu o Globo de Ouro de Melhor Ator e o Oscar de Melhor Ator pela sua atuação no drama Manchester By The Sea. Vencedor do Oscar de melhor ator em 2017, ao longo da década de 1990 e início de 2000, desempenhou papéis coadjuvantes em filmes como Good Will Hunting (1997) e Ocean's Eleven (2001), bem como em filmes independentes, como Chasing Amy (1997).

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]