Caso Bernardo Boldrini

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Caso Bernardo
Local do crime Frederico Westphalen, Rio Grande do Sul.
Vítimas Bernardo Uglione Boldrini
Réu(s) Leandro Boldrini (pai)
Graciele Ugulini (madrasta)
Edelvânia Wirganovicz
Evandro Wirganovicz
Advogado de defesa Dr. Ezequiel Vetoretti e Dr. Rodrigo Grecelle Vares (réu Leandro Boldrini)
Dr. Vanderlei Pompeo de Mattos (ré Graciele Ugulini)
Dr. Jean de Menezes Severo e Dr. Gustavo da Costa Nagelstein (ré Edelvânia Wirganovicz)
e Dr. Helio Francisco Sauer (réu Evandro Wirganovicz).
Local do julgamento Tribunal do Júri do Fórum de Três Passos
Situação Julgado em 1ª Instância, com a condenação dos réus.

O Caso Bernardo Boldrini ou caso do Menino Bernardo se refere ao crime ocorrido em 4 de abril de 2014, quando Bernardo Uglione Boldrini (Santa Maria, 6 de setembro de 2002Frederico Westphalen, 4 de abril de 2014) foi assassinado por superdosagem do medicamento Midazolam. O caso aconteceu entre as cidades de Três Passos e Frederico Westphalen, no interior do Rio Grande do Sul.

Ele foi morto aos 11 anos de idade, tendo seu corpo sido encontrado 10 dias depois, no dia 14 de abril de 2014, numa cova feita num matagal, no interior de Frederico Westphalen.[1] Foram acusados e condenados pelo crime o pai Leandro Boldrini, a madrasta, Graciele Ugulini, a amiga dela, Edelvânia Wirganovicz e o irmão desta, Evandro Wirganovicz.

Em maio de 2014, a Lei Menino Bernardo, chamada pela imprensa de Lei da Palmada, foi sancionada em sua homenagem. O caso foi listado pelo portal Brasil Online,[2] Estado de S. Paulo[3] e a revista Veja ao lado de outros crimes que chocaram o Brasil.[4]

Vítima[editar | editar código-fonte]

Nascido em 6 de setembro de 2002, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, Bernardo era filho de Leandro Boldrini e Odilaine Uglione. Morava em Três Passos com o pai, a madrasta, Graciele Ugulini, e uma meia-irmã pequena, filha do casal. Sua mãe havia cometido suicídio em 2010, no consultório do pai.[5] Ele foi morto com 11 anos de idade e seu corpo está enterrado na cidade de Santa Maria, no mesmo jazigo da mãe.[6]

O crime[editar | editar código-fonte]

Em abril de 2014, Bernardo foi dado como desaparecido. O pai comunicou aos policiais que o filho tinha ido dormir na casa de um amigo em 4 de abril, numa sexta-feira, mas quando chegou ao local em 6 de abril, descobriu que o garoto nem havia chegado lá.[7] Após o início das buscas pelo menino, a polícia chegou a Edelvânia, além de descobrir que, no início da tarde de 4 de abril, Graciele, a madrasta, havia sido multada pela polícia por excesso de velocidade, dirigindo entre os municípios de Tenente Portela e Palmitinho, a cerca de 50 quilômetros de Três Passos, com Bernardo no banco de trás. Ela seguia para Frederico Westphalen, onde se encontraria com Edelvânia. Segundo o depoimento de um policial rodoviário, tanto o menino como a motorista aparentavam tranquilidade.[8]

De acordo com as apurações, foi antes de iniciar o trajeto que Bernardo tomou uma primeira dose do medicamento por via oral, tendo Graciele lhe dito que era um remédio para evitar enjoos durante a viagem (ela tinha dito a ele que sairiam para comprar uma televisão). A substância foi reaplicada depois, por via intravenosa, já na presença de Edelvânia.[9] No dia 14 de abril de 2014, após o depoimento de Edelvânia, o corpo de Bernardo foi encontrado sem roupas, numa cova num matagal em Frederico Westphalen, cidade que fica a cerca de 80 quilômetros de Três Passos.[10]

A delegada que investigava o caso pediu, então, a imediata prisão do pai e da madrasta, juntamente com a de Edelvânia. Evandro foi preso em maio.[11] A presença de Midazolam foi detectada no fígado, nos rins e no estômago do garoto. Há duas possibilidades de aplicação da droga: via oral (comprimidos foram comprados em farmácia por Graciele e Edelvânia) e por injeção (ampolas do remédio foram retiradas do consultório de Boldrini). Pelo estado de decomposição do corpo, não pôde ser analisada a presença de picadas na pele.[12]

Após as injeções letais, o menino foi jogado em uma vala cavada dois dias antes – onde depois recebeu soda cáustica antes de o buraco ser fechado com ele, já morto, dentro. No dia 4 de abril, o casal ainda havia ido a uma festa e, no dia 7 de abril, o pai havia ido trabalhar normalmente.[13] Após as investigações, a polícia apurou que Leandro e Graciele consideravam que Bernardo estaria atrapalhando a relação do casal.[14] Já Edelvânia e Evandro teriam agido motivados por dinheiro, sendo que a ela Graciele teria oferecido dinheiro para a quitação de um imóvel.[15]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Bernardo vivia com o pai e a madrasta, porém, segundo as investigações, a relação familiar entre os três não era boa. Em gravações apresentadas para esclarecer o caso, a madrasta chega a dizer "vamos ver quem vai primeiro para debaixo da terra" e "prefiro apodrecer na cadeia do que ficar nessa casa contigo incomodando".[16][17]

Já o pai demostrava desinteresse pelo menino. Numa gravação, onde Bernardo chegou a empunhar um facão, este lhe disse: "vamos, machão, faz alguma coisa com esta faca". Testemunhas relataram, também, que Bernardo chegava a ficar vários dias fora de casa, sem que o pai o procurasse. Durante o julgamento, uma ex-professora do menino e testemunha do caso disse: "[Bernardo] nunca ganhou colo do pai".[18][19] Ainda em 2014, Bernardo pediu a um juiz para mudar de família, o que, depois do crime, acabou causando uma discussão sobre o funcionamento da rede de apoio e amparo às crianças no Brasil.[20][21]

Edelvânia, peça-chave do crime[editar | editar código-fonte]

Após fazer buscas pelo menino em Três Passos, a polícia chegou a Edelvânia Wirganovicz, em cuja casa foram encontradas uma pá e uma cavadeira. Na delegacia, por fim, ela acabou elucidando o caso, tendo depois levado a polícia ao local onde o corpo havia sido escondido, além de ter afirmado que Bernardo tinha morrido com a aplicação de uma injeção letal.[22][23]

Em julho de 2014, em entrevista ao Fantástico, disse: "Fomos lá naquele dia fazer o buraco. Mas, com a enxada não dava. Aí, fomos comprar as coisas. A pá, uma cavadeira. E a enxada foi jogada fora. Foi jogada no mato. Compramos um produto para dissolver a pele e não dar cheiro. Foi comprada uma soda”. Sobre o dia do assassinato, afirmou: "Entramos no meu carro. O menino sentou atrás. As coisas já estavam no porta-malas. Era uma pá e soda. Era o kit do remédio para matar, né. E então, ela foi no meu carro dirigindo. Eu fui no banco da frente, Bernardo foi atrás. Ela disse que ia levar ele numa benzedeira, que ia benzer ele. Disse que lá tinha que fazer procedimento, um ‘piquezinho’ na veia."[24]

Julgamento[editar | editar código-fonte]

Leandro, Graciele e Edelvânia foram presos ainda em abril de 2014. Evandro foi preso em maio do mesmo ano, após se descobrir que, poucos dias antes do crime, ele havia estado na área onde o corpo foi encontrado.[25]

O julgamento popular (júri popular) ocorreu entre os dias 11 e 15 de março de 2019, em Três Passos, tendo sido presidido pela juíza Sucilene Engler Werle. Durante o julgamento, os promotores Ederson Vieira, Bruno Bonamente e Silvia Jappe exibiram fotos do cadáver de Bernardo e sustentaram que os quatro réus tiveram participação no assassinato, mas com motivações distintas. Segundo Vieira, "o Evandro fez por dinheiro, não matou por prazer. Os outros três mataram por prazer".[26]

Em sua defesa, Leandro disse que Graciele e Edelvânia haviam matado o menino e não ele.[27] Graciele afirmou que Leandro era inocente e que havia falsificado a assinatura dele para a efetuar a compra do medicamento. Disse, também, que a morte havia sido um acidente, mas que admitia ter errado do início ao fim. Em seguida, afirmou que Edelvânia quis levar o menino ao hospital após vê-lo desacordado.[28]

Segundo Edelvânia, ela quem comprou o medicamento e a pá. Além disso, ao ver o menino desacordado, ou sem sinais vitais, quis ir à delegacia, mas foi ameaçada por Graciele. Durante o depoimento, retirou a culpa do irmão Evandro e chegou a desmaiar.[29] Por fim, Evandro afirmou que não tinha feito nada e que havia apenas ido pescar na região onde o corpo de Bernardo foi encontrado.[30]

Sentença[editar | editar código-fonte]

A leitura da sentença foi transmitida ao vivo, em torno das 19h00min de 5 de março de 2019, em rede nacional. Diversos sites, como o G1, também fizeram transmissões em tempo real. Todos os réus foram condenados, cabendo a aplicação de recurso.[31][32][33]

De acordo com a sentença, Leandro foi condenado a 33 anos e 8 meses de prisão em regime fechado por homicídio doloso quadruplamente qualificado, ocultação de cadáver e falsidade ideológica. Graciele foi condenada a 34 anos e 7 meses de prisão em regime fechado por homicídio quadruplamente qualificado e ocultação de cadáver.[34]

Edelvânia foi condenada a 22 anos e 10 meses de prisão em regime fechado por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. Evandro foi condenado a 9 anos e 6 meses em regime semiaberto por homicídio simples e ocultação de cadáver. Evandro, que já cumpria pena há 5 anos, cumprirá o restante no regime semiaberto.[34]

Referências

  1. «Pai de Bernardo aponta madrasta e amiga como autoras do crime». noticias.uol.com.br. Consultado em 16 de março de 2019 
  2. «Relembre 22 crimes que chocaram o Brasil». Bol. Uol. 30 de julho de 2015. Consultado em 14 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 5 de agosto de 2019 
  3. «10 crimes que chocaram o Brasil no ano de 2014». O Estado de S. Paulo. 22 de dezembro de 2014. Consultado em 17 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2016 
  4. Redação (14 de dezembro de 2014). «Os serial killers e crimes que chocaram o país em 2014». Veja. Grupo Abril. Consultado em 16 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2017 
  5. «Antes de morrer, mãe de Bernardo registrou ocorrência por ameaça». G1. 16 de julho de 2015. Consultado em 5 de novembro de 2019 
  6. RS, Do G1 (16 de abril de 2014). «Após velório, Bernardo é enterrado ao lado da mãe em cemitério do RS». Rio Grande do Sul. Consultado em 16 de março de 2019 
  7. «Vídeo mostra Bernardo com amigo poucos dias antes de morrer no RS». G1. 18 de abril de 2014. Consultado em 5 de novembro de 2019 
  8. «Vídeo mostra madrasta de Bernardo chorando e negando injeção letal». G1. 20 de julho de 2014. Consultado em 5 de novembro de 2019 
  9. Ilha, Flávio (5 de abril de 2014). «Promotoria vê indícios para condenar pai de Bernardo». O Globo. Consultado em 5 de novembro de 2019 
  10. «Menino de Três Passos que estava desaparecido há 10 dias é encontrado morto em Frederico Westphalen». GaúchaZH. 15 de abril de 2014. Consultado em 16 de março de 2019 
  11. Vitorio, Tamires (16 de março de 2019). «Caso Bernardo: pai, madrasta e mais dois são condenados». Exame. Consultado em 5 de novembro de 2019 
  12. Jr, João Batista de (13 de março de 2019). «Sedativo, soda cáustica e cova: como o menino Bernardo Boldrini foi morto». Veja. Consultado em 5 de novembro de 2019 
  13. «Frieza e ira de advogado: os detalhes do depoimento do pai de Bernardo». VEJA.com. Consultado em 16 de março de 2019 
  14. «Amiga diz que ouviu de madrasta que casal pretendia matar Bernardo». G1. 13 de maio de 2014. Consultado em 5 de novembro de 2019 
  15. «No dia da morte, Bernardo viajou achando que ganharia aquário». G1. 13 de maio de 2014. Consultado em 5 de novembro de 2019 
  16. «Veja imagens e ouça novos diálogos da briga de pai e madrasta com Bernardo Boldrini». GaúchaZH. 28 de agosto de 2014. Consultado em 16 de março de 2019 
  17. «Relembre: áudios e vídeos apresentados no júri mostram brigas e descaso com Bernardo». GaúchaZH. 11 de março de 2019. Consultado em 16 de março de 2019 
  18. «Pai de Bernardo reclama da personalidade do filho e nega assassinato». Folha de S.Paulo. 13 de março de 2019. Consultado em 16 de março de 2019 
  19. RS, Do G1 (27 de agosto de 2014). «'Bernardo fazia tudo sozinho', diz dentista do menino em audiência». Caso Bernardo Boldrini. Consultado em 16 de março de 2019 
  20. «Ex-professora do pai de Bernardo diz que Leandro Boldrini foi criado por família que "não lhe dava carinho"». GaúchaZH. 13 de março de 2019. Consultado em 16 de março de 2019 
  21. «As falhas na rede de proteção que não salvou Bernardo Boldrini». GaúchaZH. 27 de setembro de 2014. Consultado em 16 de março de 2019 
  22. «Menino Bernardo teve morte 'violenta', indica certidão de óbito». VEJA.com. Consultado em 16 de março de 2019 
  23. RS, Do G1 (21 de julho de 2014). «'Saudade é grande', diz avó de Bernardo mais de 3 meses após crime». Caso Bernardo Boldrini. Consultado em 16 de março de 2019 
  24. RS, Do G1 (21 de julho de 2014). «Amiga de madrasta de Bernardo não é assistente social, diz conselho». Caso Bernardo Boldrini. Consultado em 16 de março de 2019 
  25. «Caso Bernardo: quatro anos depois, como vivem os acusados de matar o menino». GaúchaZH. 3 de abril de 2018. Consultado em 16 de março de 2019 
  26. «Promotores mostram fotos de Bernardo morto e apontam culpa dos quatro réus por 'homicídio repugnante'». G1. Consultado em 16 de março de 2019 
  27. «Pai de Bernardo aponta madrasta e amiga como autoras do crime». noticias.uol.com.br. Consultado em 16 de março de 2019 
  28. «Madrasta de Bernardo, Graciele Ugulini diz em interrogatório que morte 'foi um acidente, uma sucessão de erros'». G1. Consultado em 16 de março de 2019 
  29. «Ré do caso Bernardo Edelvânia Wirganovicz passa mal durante julgamento em Três Passos». G1. Consultado em 16 de março de 2019 
  30. «Mulher disse que Evandro não negou participação na morte de Bernardo». G1. 12 de setembro de 2014. Consultado em 5 de novembro de 2019 
  31. «Leandro Boldrini, Graciele, Edelvânia e Evandro são condenados pela morte de Bernardo». Correio do Povo. Consultado em 16 de março de 2019 
  32. «Pai, madrasta e outros dois réus são condenados pela morte do menino Bernardo em Três Passos». G1. Consultado em 16 de março de 2019 
  33. «Réus por morte de Bernardo são condenados pela Justiça». GaúchaZH. 15 de março de 2019. Consultado em 16 de março de 2019 
  34. a b Massaro, Henrique (15 de março de 2019). «Leandro Boldrini, Graciele, Edelvânia e Evandro são condenados pela morte de Bernardo». Correio do Povo. Consultado em 5 de novembro de 2019