Caso dativo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O caso dativo é um caso gramatical geralmente usado para indicar o nome dado a algo. O termo deriva do latim dativus, significando "próprio ao ato de dar". A coisa dada pode ser um objeto tangível — como "um livro" ou "uma caneta" — ou alguma coisa abstrata, intangível, como "uma resposta" ou "uma ajuda". O dativo geralmente marca o objeto indireto de um verbo, embora em alguns casos seja usado para o objeto direto de um verbo diretamente relativo ao ato de dar algo. Em português, equivale aproximadamente ao objeto indireto e ao complemento nominal, embora a língua não tenha um caso dativo propriamente dito. Pode ser representado pelas preposições "a" ou "para", e pelas contrações "ao", "à", "aos", "às".

De modo semelhante, na língua planejada Esperanto, o dativo também não existe de forma delimitada. Ao invés disso, usa-se a preposição al para assinalar o objeto indireto.

Em certas línguas, o caso dativo assimilou as funções de outros casos já extintos. O dativo indica também a posse no grego clássico, que perdeu os casos locativo e instrumental, assumindo as funções destes. Na língua gaélica escocesa, o caso dativo é usado por substantivos depois de preposições simples e artigo definido. No georgiano, o caso dativo também marca o sujeito da oração em alguns verbos e alguns tempos. Isto também é chamado construção dativa.

O dativo era comum entre as línguas indo-europeias primitivas e sobrevive até hoje nos ramos balto-eslavo e germânico, entre outros. Também subsiste sob formas semelhantes em várias línguas que não são indo-europeias, como na família de línguas uralo-altaica.

Entre as línguas que usam ou usaram o caso dativo estão:

Latim[editar | editar código-fonte]

Fora o caso principal (dativus), há cinco outras espécies:

  • Dativus finalis, com a significação de propósito, p. ex. auxilio vocare - "pedir ajuda", venio auxilio - "venho para ajudar", dono accipio - "recebo isto como um presente" ou puellae ornamento est - "isto serve para ornamento da menina";
  • Dativus commodi (incommodi), que significa ação para alguém, p. ex. Graecis agros colere - "cultivar os campos para os gregos"; combinação de dativus commodi e finalis (dativo duplo): tibi laetitiae, "para a tua alegria";
  • Dativus possesivus, que indica posse, p. ex. angelis alae sunt, "os anjos têm asas".
  • Dativus ethicus (dativo ético) indica que a pessoa em que o dativo é ou deve ser especialmente preocupado com a ação, por exemplo: Quid mihi Celsus agit? "O que é o Celso está fazendo para mim?" (expressando o orador especialmente interessado no que Celsus está fazendo por ele ou ela)[1]; ou Cui prodest? "De quem é esse interesse?" (literalmente, "Para quem isso faz bem?")
  • Dativus auctoris, significando; 'aos olhos de', por exemplo, "vir bonus mihi videtur", "ele parece ser um bom homem".
  • O dativo expressa agência com o gerundivo quando é usado para transmitir obrigação ou necessidade,[2] por exemplo: "haec nobis agenda sunt", "estas coisas devem ser feitas por nós."

Grego[editar | editar código-fonte]

Antigo[editar | editar código-fonte]

Além de sua função principal como o dativo, o caso dativo tem outras funções no grego clássico:[3] o nome grego para o dativo é δωτική πτώση, como seu equivalente em latim, derivado do verbo "dar", em grego antigo, δίδωμι.

Dativus finalis: O dativus finalis, ou "dativo de propósito", é quando o dativo é usado para denotar o propósito de uma determinada ação. Por exemplo:

  • "τῷ βασιλεῖ μάχομαι"

    • "Eu luto pelo rei".

  • "θνῄσκω τῇ τιμῇ"

    • "Eu morro pela honra".

Dativus commŏdi (incommodi): O Dativus commŏdi (incommodi), ou o 'dativo do benefício (ou dano)' é o dativo que expressa a vantagem ou desvantagem de algo para alguém. Por exemplo:

  • Para o benefício de: "πᾶς ἀνὴρ αὑτῷ πονεῖ" (Sófocles, Ajax 1366).

    • "Todo homem se esforça por si mesmo".

  • Pelo dano ou desvantagem de: "ἥδε ἡ έρμέρα τοῖς Ἕλλησι μεγάλων κακῶν ἄρξει." (Tucídides 2.12.4).

    • "Este dia será o começo de grandes tristezas para os gregos (isto é, para sua desvantagem)".

Dativus possessivus: O dativus possessivus, ou o "dativo da possessão" é o dativo usado para denotar o possuidor de um determinado objeto ou objetos. Por exemplo:

  • "ἄλλοις μὲν γὰρ χρήματά ἐστι πολλὰ καὶ ἵπποι, ἡμῖν δὲ ξύμμαχοι ἀγαθοί." (Tucídides 1.86.3).

    • "Para os outros temos muito dinheiro e navios e cavalos, mas nós temos bons aliados (ou seja, para outros há muito dinheiro ...)".

Dativus ethicus: O dativus ethicus, ou o "dativo ético ou educado", é quando o dativo é usado para significar que a pessoa ou coisa falada é considerada com interesse por alguém. Este dativo é principalmente, se não exclusivamente, usado em pronomes. Como tal, é também chamado de "dativo de pronomes". Por exemplo:

  • "τούτῳ πάνυ μοι προσέχετε τὸν νοῦν. (Demóstenes 18.178).

    • "Preste muita atenção a isso, eu te imploro (ou seja, por favor, pague ..)".

  • "ὦ μῆτερ, ὡς καλός μοι ὁ πάππος." (Xenofonte, Cyropaedia 18.178).

    • "Oh, mãe, quão lindo vovô é (eu acabei de perceber!)".

Dativus auctoris: O dativus auctoris, ou o "dativo do agente", é o dativo usado para denotar o executor de uma ação. Observe, no entanto, que no grego clássico, o agente geralmente está no genitivo depois de ὑπό (por, nas mãos de). O agente está no dativo apenas com o passivo perfeito e mais-que-perfeito, e depois do adjetivo verbal em -τέος. Por exemplo:

"πολλαὶ θεραπεῖαι τοῖς ἰατροῖς εὕρηνται."

(Isócrates 8,39)

"Muitas curas foram descobertas por médicos."

Dativus instrumenti: O dativus instrumenti, ou o 'dativo do instrumento', é quando o dativo é usado para denotar um instrumento ou meio de uma certa ação (ou, mais precisamente, como o caso instrumental). Por exemplo:

"με κτείνει δόλῳ"

(Homero, Odisséia 9.407)

"Ele me mata com uma isca (ou seja, por meio de uma isca)."

Dativus modi: O dativus modi, ou o "dativo de maneira", é o dativo usado para descrever a maneira ou o modo pelo qual algo aconteceu. Por exemplo:

"νόσῳ ὕστερον ἀποθανόντα."

(Tucídides 8.84)

"tendo morrido de uma doença."

Dativus mensurae: O dativus mensurae, ou o "dativo da medida", é o dativo usado para denotar a medida da diferença. Por exemplo:

  • "τῇ κεφαλῇ μείζονα." (Platão, Fedo 101a)

    • "Mais alto por uma cabeça."

  • "μακρῷ ἄριστος." (Platão, Leis 729d)

    • "De longe o melhor."

Os artigos no caso dativo em Grego são:

Artigos em Grego no caso dativo
Masculino Feminino Neutro Masculino plural Feminino plural Neutro plural
Artigo definido ΤΩΙ (τῳ) ΤΗΙ (τῃ) ΤΩΙ (τῳ) ΤΟΙΣ (τοις) ΤΑΙΣ (ταις) ΤΟΙΣ (τοις)

Moderno[editar | editar código-fonte]

O caso dativo, estritamente falando, não existe mais no grego moderno, exceto em expressões fossilizadas como δόξα τω Θεώ (do eclesiástico τῷ Θεῷ δόξα, "Glória a Deus") ou εν τάξει (ἑν τάξει, lit. "em ordem", ou seja, "tudo bem" ou "OK".) Caso contrário, a maioria das funções do dativo foram incluídas no acusativo.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  1. Guijarro-Fuentes, Pedro; Larrañaga, Pilar. «Clitics: to be or not to be». Berlin, Boston: DE GRUYTER: 1–10. ISBN 9783110238815 
  2. M.,, Wheelock, Frederic. Wheelock's Latin 7th edition ed. New York: [s.n.] ISBN 9780061997211. OCLC 670475844 
  3. James., Morwood, (2001). The Oxford grammar of classical Greek. Oxford: Oxford University Press. ISBN 0198604564. OCLC 59483080