Castro Pinto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Castro Pinto
9° Governador da  Paraíba
Período 22 de outubro de 1912 até
24 de julho de 1915
Antecessor(a) João Lopes Machado
Sucessor(a) Coronel Antônio da Silva Pessoa
Senador pela  Paraíba
Período 1908 até 1912
Deputado Federal pela  Paraíba
Período 1907 até 1908
Dados pessoais
Nome completo João Pereira de Castro Pinto
Nascimento 3 de dezembro de 1863
Mamanguape  Paraíba
Morte 11 de julho de 1944 (80 anos)
Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Progenitores Mãe: Maria Ricarda Cavalcanti de Albuquerque
Pai: José Pereira de Castro Pinto
Alma mater Faculdade do Recife
Profissão Político, Magistrado e Professor

João Pereira de Castro Pinto (Mamanguape, 3 de dezembro de 1863Rio de Janeiro, 11 de julho de 1944) foi um político, magistrado e professor brasileiro.

Castro Pinto fez os primeiros estudos no Colégio Rio Branco, na capital estadual, e o curso de Humanidades, equivalente ao Ensino Médio atual, no Liceu Paraibano. Graduou-se em direito pela Faculdade do Recife, em 1886. Filho de José Pereira de Castro Pinto e Maria Ricarda Cavalcanti de Albuquerque.

Exerceu diversas funções na área jurídica e trabalhou também como jornalista. Antes de se eleger deputado à Assembleia Constituinte pela Paraíba, reeleito em 1886, foi promotor público em sua cidade natal e juiz federal substituto. Renunciou ao cargo para o qual foi eleito e passou a ser redator oficial do Senado.

Exerceu a Promotoria em Pernambuco e no Ceará, até que, a convite de Pais de Carvalho, então governador do estado do Pará, assume a Chefia de Gabinete do Governo, além de dar aulas de Lógica no Ginásio Paraense e ser redator do jornal A Província do Pará.

Álvaro de Carvalho, regressando ao Governo da Paraíba, convida-o de volta à terra natal, nomeando-o professor de Matemática do Liceu Paraibano, embora Castro Pinto tivesse combatido sua primeira gestão. No ano seguinte à aceitação do cargo e ao retorno, Castro Pinto é eleito deputado federal (1906). Em 1908, torna-se senador e, em 1912, governador da Paraíba, por indicação do próprio Álvaro de Carvalho.

Sua gestão foi marcada pela valorização das letras e das artes, com destaque para as atuações de Rodrigues de Carvalho e Carlos Dias Fernandes. Em julho de 1915, renuncia ao cargo e muda-se para o Rio de Janeiro, onde morre, em 1944.

O principal aeroporto da Paraíba, em Bayeux, zona metropolitana de João Pessoa, recebeu seu nome, como homenagem. É patrono da Cadeira 33 da Academia Paraibana de Letras.

Academia Paraibana de Letras[editar | editar código-fonte]

É patrono da cadeira de número 33 da Academia Paraibana de Letras, que tem como fundador Samuel Duarte, atualmente é ocupada por Damião Cavalcanti.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]