Catarina Eufémia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Catarina Eufémia
Gravura de Catarina Eufémia, como parte da obra de arte "Revolução subterrada", na passagem subterrânea da estação de Alcantâra-Mar, em Lisboa
Nome nativo Catarina Efigénia Sabino Eufémia
Nascimento 13 de fevereiro de 1928
Baleizão
Morte 19 de maio de 1954 (26 anos)
Baleizão
Cidadania Portugal
Ocupação ativista política, trabalhador agrícola
Causa da morte trauma balístico

Catarina Efigénia Sabino Eufémia (Baleizão, Beja, 13 de Fevereiro de 1928 — Monte do Olival, Baleizão, Beja, 19 de Maio de 1954) foi uma trabalhadora agrícola portuguesa que, na sequência de uma greve de assalariadas rurais, foi assassinada a tiro por um agente da Guarda Nacional Republicana.[1] Com vinte e seis anos de idade, analfabeta, Catarina tinha três filhos, um dos quais de oito meses. Ofereceu resistência ao regime salazarista, sendo ícone da resistência no Alentejo. Sophia de Mello Breyner, Carlos Aboim Inglez, Eduardo Valente da Fonseca, Francisco Miguel Duarte, José Afonso, José Carlos Ary dos Santos, Maria Luísa Vilão Palma e António Vicente Campinas dedicaram-lhe poemas.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

“Anteontem, numa questão entre trabalhadores rurais, ocorrida numa propriedade agrícola próximo de Baleizão, e para a qual foi pedida a intervenção da G.N.R. de Beja, foi atingida a tiro Catarina Efigénia Sabino, de 28 anos, casada com António do Carmo, cantoneiro em Quintos. Conduzida ao hospital de Beja, chegou ali já cadáver. A morte foi provocada pela pistola-metralhadora do sr. Tenente Carrajola, que comandava a força da G.N.R. No momento em que foi atingida, a infeliz mulher tinha ao colo um filhinho, que ficou ferido, em resultado da queda. A Catarina Efigénia tinha mais dois filhos de tenra idade e estava em vésperas de ser novamente mãe. O funeral realizou-se ontem, saindo do hospital de Beja para o cemitério de Quintos. Centenas de pessoas vieram de Baleizão para acompanharem o préstito, verificando-se impressionantes cenas de dor e de desespero. Segundo nos consta, o oficial causador da tragédia foi mandado apresentar em Évora.”

Diário do Alentejo, 21 de Maio de 1954, com uma falsa referência à sua gravidez

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Nasceu em 13 de Fevereiro de 1928, filha de trabalhadores agrícolas.[3] Começou a trabalhar em casa desde muito nova, não tendo frequentado a escola primária devido à falta de tempo.[4]

Principiou a laborar na agricultura durante a adolescência.[4] Aos dezassete anos casou-se com António Joaquim, que trabalhava como operário na Companhia União Fabril, tendo-se mudado para o Barreiro.[4] Algum tempo depois, António Joaquim foi despedido da empresa, pelo que regressaram a Baleizão, onde Catarina Eufémia se voltou a empregar na agricultura, enquanto que o seu esposo tornou-se cantoneiro.[4]

Assassinato[editar | editar código-fonte]

Em 19 de Maio de 1954, ocorreu uma manifestação de trabalhadores agrícolas em Baleizão, por melhores salários e condições de trabalho,[3] tendo Catarina Eufémia liderado um grupo de catorze ceifeiras, que exigiam um aumento de salário de dois escudos por jorna.[4] Quando os trabalhadores procuraram encontrar-se com o proprietário, este alertou a Guarda Nacional Republicana, que depressa chegou ao local,[3] tendo cercado o grupo das ceifeiras na Herdade do Olival.[4] A partir deste momento, existem vários testemunhos contraditórios sobre o acidente, embora tenham sido encontradas provas de que Catarina Eufémia tenha caído após ter sido agredida por um agente, e que quando se levantou foram disparados três tiros, atingindo-a mortalmente.[3] Prestes da Fonseca não descartou a hipótese dos disparos terem sido acidentais, algo que era muito comum com as armas utilizadas pelo agente.[3] O autor dos disparos foi identificado como o tenente Carrajola,[4] segundo responsável pelo corpo de intervenção de Beja da Guarda Nacional Republicana.[3][5] Na altura do seu falecimento, Catarina Eufémia tinha apenas 26 anos de idade.[3][1]

O funeral de Catarina Eufémia teve a presença de muitos populares, que protestaram contra o seu homicídio, tendo sido violentamente dispersados por agentes da Guarda Nacional Republicana.[4] Nove camponeses acabaram por ser presos, tendo sido julgados e condenados a cerca de dois anos de prisão.[4] De forma a evitar que fossem feitas romarias ao seu local de enterramento, os restos mortais não foi inicialmente depositados em Baleizão, mas na aldeia de Quintos.[4] O corpo só foi transladado para Baleizão após a Revolução de 25 de Abril de 1974.[4] Após o incidente, o viúvo e os três filhos[3] voltaram a mudar-se para o Barreiro.[6]

O tenete Carrajola foi levado a julgamento; foi absolvido, sendo a morte da camponesa justificada por um disparo acidental da arma.[3] Foi transferido para Aljustrel, onde faleceu de causas naturais em 1964.[4]

Após o seu falecimento, Catarina Eufémia tornou-se num ícone da resistência ao regime ditatorial.[7] A sua simbologia foi principalmente formada pelo Partido Comunista,[3] do qual pode ter sido uma militante, na altura do seu falecimento.[8] Porém, o autor Pedro Prostes da Fonseca questionou a ligação de Catarina Eufémia ao Partido Comunista no seu livro O Assassino de Catarina Eufémia, não existindo provas concretas que teria feito parte do partido, embora o seu esposo tivesse ligações com militantes comunistas.[3] Catarina Eufémia chegou a combater contra ao regime, ao fazer a distribuição de jornais clandestinos.[3]

Parque Catarina Eufémia, na cidade do Barreiro.

Homenagens[editar | editar código-fonte]

No local onde se deu o incidente, foi colocado um monumento em forma de foice, que pretendeu homenagear não só Catarina Eufémia, mas também os comunistas alentejanos que lutaram contra o regime.[3] Todos os anos, o Partido Comunista faz uma romagem até ao monumento em 19 de Maio, como forma de recordar a morte de Catarina Eufémia.[3] Também foram organizadas romagens ao cemitério de Baleizão, em 19 de Maio de 2019[7] e 2020.[9] Foi igualmente colocada uma estátua sua no largo central de Baleizão.[3]

O nome de Catarina Eufémia foi colocado num parque no centro do Barreiro[6] e em várias ruas e largos em território nacional,[3] incluindo uma rua no Sobral da Adiça.[10] Também foi homenageada pelo cantor José Afonso, e por vários escritores, como Carlos Aboim Inglez, Eduardo Valente da Fonseca, Francisco Miguel Duarte, Ary dos Santos, Vicente Campinas,[4] e Sophia de Mello Breyner Andresen, no seu poema Catarina Eufémia.[3]

Apesar do grande número de homenagens que lhe foram feitas, Prostes da Fonseca criticou o progressivo esquecimento de Catarina Eufémia, principalmente entre as camadas mais jovens, realçando a sua importância cultural, como um símbolo da resistência ao Estado Novo.[3]

Referências

  1. a b «Efemérides Lusa - 19 de maio». SAPO. 19 de Maio de 2020. Consultado em 19 de Maio de 2020 
  2. «Catarina Eufémia». Infopédia. Consultado em 23 de Agosto de 2013 
  3. a b c d e f g h i j k l m n o p q r «Catarina Eufémia. O coração que "batia comunismo" vai-se apagando aos poucos». Sol / SAPO. 13 de Fevereiro de 2018. Consultado em 19 de Maio de 2020 
  4. a b c d e f g h i j k l m «Memórias: Catarina Eufémia». Esquerda. 19 de Maio de 2015. Consultado em 20 de Maio de 2020 
  5. «Efemérides de 19 de maio de 2020». Sol / SAPO. 19 de Maio de 2020. Consultado em 19 de Maio de 2020 
  6. a b PEREIRA, António Sousa (19 de Maio de 2020). «A(nota)mento – Barreiro: Das diferenças ideológicas à xenofobia ideológica». Rostos. Consultado em 19 de Maio de 2020 
  7. a b «PCP e BE prestam homenagem a Catarina Eufémia». Rádio Pax. 19 de Maio de 2019. Consultado em 19 de Maio de 2020 
  8. CAPELO et al, 1994:62
  9. «Bloco de Esquerda presta homenagem a Catarina Eufémia». Rádio Pax. 19 de Maio de 2020. Consultado em 19 de Maio de 2020 
  10. «Moura: Começaram os trabalhos de pavimentação na Rua do Areeiro». Rádio Pax. 8 de Maio de 2020. Consultado em 19 de Maio de 2020 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CAPELO, Rui Grilo; RODRIGUES, António Simões; et al. (1994). História de Portugal em Datas. Lisboa: Círculo de Leitores, Lda. 480 páginas. ISBN 972-42-1004-9 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Catarina Eufémia

Leitura recomendada[editar | editar código-fonte]

  • GARRIDO, Manuel de Melo (1974). A Morte de Catarina Eufémia. A Grande Dúvida de Um Grande Drama. Beja: Associação de Municípios do Distrito de Beja 
  • SANTOS, Natália (2005). Catarina Eufémia: (Des)Montagem de um Mito. Coimbra: [s.n.] 
  • TORDO, João Tordo (2011). Anatomia dos Mártires. [S.l.]: Dom Quixote 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]