Catarina Portas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa ou a usada não é a mais adequada.

Catarina de Sousa Lobo Martins Portas (Lisboa, 1969)[1] é uma jornalista e empresária portuguesa.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

É filha do arquitecto Nuno Portas e de sua segunda mulher Margarida Maria Gomes de Sousa Lobo, enteada de Afonso Howell e meia-irmã dos políticos Miguel Portas e Paulo Portas.[3]

Tornou-se jornalista em 1988 e trabalhou em rádio (Correio da Manhã Rádio e Rádio Comercial) e televisão, primeiro na RTP (Onda Curta, Falatório, Raios e Coriscos e Frou Frou) e depois na SIC (No Sofá Vermelho). Na imprensa escrita, foi redactora de O Independente, da Marie Claire (onde ganhou os prémios Gazeta/Revelação, do Clube de Jornalistas, e Revelação/Reportagem, do Clube Português de Imprensa) e colaborou com o Diário de Notícias. Foi cronista do Público, onde assinou a coluna A Feira da Ladra entre 2007 e 2009.[1]

Participou nos lançamentos da Moda Lisboa e do Instituto das Artes do Ministério da Cultura. Publicou dois livros: Olivais: retrato de um bairro (com Helena Torres e fotografias de Adriana Freire)[4] e Goa: história de um encontro (com fotografias de Inês Gonçalves). Realizou o documentário Bruta Flor do Querer,[1] vencedor do Prémio de Melhor Curta-Metragem Documental nos XII Encontros Internacionais de Cinema Documental 2001.

A partir de 2004 tornou-se empresária, dedicando-se à revitalização de marcas antigas portuguesas, através das lojas A Vida Portuguesa. Em 2009 recuperou bebidas tradicionais lisboetas no Quiosque de Refresco (Praça Luís de Camões, Praça do Príncipe Real e Praça das Flores) em parceria com João Regal do DeliDelux.

Tem-se envolvido também em causas públicas: a da reabertura do Museu de Arte Popular e a da sobrevivência da Fábrica de Faianças Artísticas Bordallo Pinheiro. Dela partiu a ideia para o Jardim Bordallo Pinheiro no Museu da Cidade de Lisboa, um projecto concretizado pela artista plástica Joana Vasconcelos.

Em Dezembro de 2009 foi eleita pela revista Monocle um dos vinte nomes a nível mundial que merecem um palco maior,[5] e integrou a lista de talentos globais que ditam as tendências do futuro da revista Wallpaper[6] em Janeiro de 2011.

Descreve-se como uma "lisboeta irrequieta" e "uma empresária com atitude de jornalista".

Referências

  1. a b c «A Vida Portuguesa». Presentes.pt. Consultado em 26 de Abril de 2012. 
  2. «Catarina Portas». Avidaportuguesa.com. Consultado em 25 de Abril de 2012. 
  3. «Eurodeputado Miguel Portas morreu hoje em Antuérpia». Diário Digital. Consultado em 26 de Janeiro de 2012. 
  4. «2 registos para: Portas, Catarina, 1969». Direção-Geral do Livro e das Bibliotecas. Consultado em 25 de Abril de 2012. 
  5. «Catarina Portas distinguida pela revista Monocle». Jornal i. Consultado em 26 de Abril de 2012. 
  6. «Catarina Portas». Wallpaper. Wallpaper.com 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) jornalista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre um empresário é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.