Catedral Nossa Senhora da Conceição (Guarulhos)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Catedral Diocesana
de Guarulhos
Catedral Nossa Senhora
da Conceição
Fronte da Catedral
Início da construção década de 1665
Religião Católica
Diocese Diocese de Guarulhos
Sacerdote Odilo Pedro Scherer
Website diocesedeguarulhos.org.br/paroquias/regiao-imaculada/catedral-nossa-senhora-da-conceicao/
Geografia
País  Brasil
Cidade Guarulhos
Endereço Praça Tereza Cristina, 1 – Centro

A Catedral Metropolitana de Guarulhos, mais conhecida como Catedral Nossa Senhora da Conceição[1] foi construida e fundada em 1665 no centro da cidade de Guarulhos. A Igreja é a sede da Diocese de Guarulhos. Sua arquitetura é uma das mais belas do Estado de São Paulo.

A catedral possui duas comunidades:

  • Matriz Catedral Nossa Senhora da Conceição - Praça Tereza Cristina - Centro de Guarulhos
  • Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos - Praça do Rosário - Centro de Guarulhos

Catedral é símbolo do nascimento da cidade[editar | editar código-fonte]

Neste local foi erguida, em 604 d.C., a primeira igreja da Inglaterra, feita de madeira. A igreja foi feita sob as exigências de São Melito, seguidor de Agostinho de Cantuária, cuja missão principal (a chamada "Missão gregoriana") era evangelizar os anglo-saxões do reino de Essex que habitavam a região. O prédio da igreja foi reformado em 675, 962 e novamente em 1087 até ser destruída por um incêndio na Grande Londres.

Após as sucessivas reformas, a catedral permaneceu abandonada até que o arquiteto inglês Inigo Jones iniciou uma restauração definitiva da catedral em 1633, acrescentando a atual fachada neoclássica e outra cúpula de madeira. No entanto, a antiga catedral foi incendiada novamente e a cúpula acabou por ruir novamente e a igreja teve de ser reformada, porém desta vez foi contratado o renomado arquiteto Christopher Wren que aplicou o estilo barroco na catedral.

O projeto de Christopher Wren possuía cinco estágios de construções. Wren inicialmente examinou os projetos anteriores para entender as falhas nas estruturas anteriores. Wren constatou que todos os desenhos incluíam uma cúpula demasiadamente grande para a estrutura de tijolos e resolveu demolir todas as ruínas restantes em 1670 para começar absolutamente "do zero". Wren elaborou uma catedral em formato de cruz grega, mas seu projeto foi renegado por outros arquitetos por ser considerado muito complexo. Projeto final de Christopher Wren para a Catedral de São Paulo.

A terceira proposta de Wren para a nova igreja foi baseada nas suas últimas concepções, mantendo a cruz grega. Para facilitar os estudos da construção, Wren elaborou uma maquete de gesso e madeira que custou cerca de 500 libras esterlinas e possuía cerca de treze metros de altura. Wren batizou sua maquete de Great Model. Apesar dos esforços de Wren, os clérigos ingleses consideraram o desenho muito diferente dos modelos de igreja existentes na Inglaterra, preferindo a planta da igreja em formato de cruz latina. As exigências dos críticos da época despertou a fúria de Wren que decidiu não expor mais suas ideias ou projetos.

O quarto desenho de Wren incluía uma igreja em estilo gótico, considerada a arquitetura mais refinada da época. Wren tentou alinhar elementos renascentistas com o estilo gótico de seus planos.

O quinto e último projeto foi autorizado pelo próprio rei com inclusão de alguns ornamentos ao projeto apresentado. Alguns destes ornamentos foram adicionados enquanto da construção da igreja, inclusive a grande cúpula. O projeto final de Wren foi baseado na Cúpula de São Pedro.

Incidentes[editar | editar código-fonte]

A Catedral de São Paulo sobreviveu ao blitz de 10 de outubro de 1940 e de 17 de abril de 1941. Em 12 de setembro de 1940, uma bomba-relógio foi descoberta e removida da catedral. A bomba tinha poder de fogo o suficiente para destruir completamente a catedral e deixar uma cratera de 100 pés de profundidade no local.

A catedral correu perigo novamente em dezembro de 1940, quando foi encontrada uma bomba alojada na concha de chumbo do domo e foi removida com sucesso e a bomba veio a se incendiar fora da catedral.

Construção atual[editar | editar código-fonte]

A construção atual é bastante contemporânea. De seu esqueleto antigo, em 1960 foram criados os dois largos corredores conhecidos hoje. Já o altar sofreu muitas alterações e, até mesmo, chegou a ser locomovido para frente, voltando ao seu local original posteriormente. Várias das mudanças ocorridas na igreja também foram ocasionadas pelo comprometimento da estrutura, que oferecia riscos.

Preocupado com a conservação do prédio, e com a preservação histórica, o pároco da igreja, padre Antonio Bosco da Silva, conta que planeja contratar serviços de raspagem em algumas estruturas, para que seja descoberta sua estrutura original. “Há cerca de seis meses, descobrimos se tratar de uma peça muito antiga uma pia de água benta, esculpida em pedra”, conta. Em uma reforma iniciada em 2013, foram colocados azulejos nas laterais internas, os quais representam os mistérios de Jesus Cristo. Também, a sua fachada externa foi pintada de branco e amarelo, além da colocação de plantas em suas laterais.

Além do mais, em seu interior estão sepultados os restos mortais dos Bispos Dom Luiz Gonzaga Bergonzini, bispo entre os anos de 1992 e 2011, e Dom Joaquim Justino Carreira, bispo entre os anos de 2012 e 2013.

Imagem da padroeira[editar | editar código-fonte]

Uma polêmica surge em torno da história da imagem da santa que dá nome à Catedral, Nossa Senhora da Conceição. Determinados documentos e registros dão conta de que a estátua é tão antiga quanto a paróquia. Em contrapartida, outros escritos informam que a imagem foi trazida de Portugal a Guarulhos somente no século passado, em 1923.

Tombamento indefinido[editar | editar código-fonte]

Apesar do reconhecimento de sua antiguidade e da preservação de imagens, além da algumas composições arquitetônicas, a Catedral não foi tombada como patrimônio histórico municipal e tampouco nas esferas estadual e nacional.

A questão se deve às várias modificações ocorridas com as reformas pelas quais a igreja passou desde sua criação. Entre as alterações está a pintura de peças esculpidas em pedra e a retirada de estatuetas e ornamentos.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Catedral Nossa Senhora da Conceiçao, Guarulhos, São Paulo, Brazil». www.gcatholic.org. Consultado em 5 de novembro de 2016 
Ícone de esboço Este(a) artigo sobre capela, igreja ou catedral é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Lei n" 3.198 de 23/12/1981