Catedral de São Carlos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Catedral de São Carlos (desambiguação).
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Catedral Diocesana
de São Carlos
Catedral de São Carlos
Catedral de São Carlos, no dia dos 149 anos da cidade
Construção antiga 1856
atual 1946, 1956 e 1962
Diocese Diocese de São Carlos
Bispo Dom Paulo César Costa
Padre Padre José Luis Beltrame e
Padre Kécio Henrique Feitosa
Local São Carlos, SP,  Brasil

A Catedral de São Carlos ou Catedral São Carlos Borromeu está localizada na Praça Dom José Marcondes Homem de Melo, em São Carlos (São Paulo). Com uma cúpula com mais de 70 metros de altura e 30 metros de diâmetro, é uma réplica arquitetônica da Basílica de São Pedro no Vaticano.[1]

A catedral está construída no local onde se ergueu a primeira capela, entre as ruas Conde do Pinhal e Treze de Maio, na área central. O projeto é do professor Ernfried Frick e conta com vitrais de Helmar, os altares são em mármore carrara e a Via Sacra foi executada pela artista de São Carlos "Almira Ragonesi Bruno". A imagem de São Carlos Borromeu da época de fundação da cidade, com a cabeça e mãos esculpidas em madeira, está na Catedral.

História[editar | editar código-fonte]

A primeira capela foi erguida durante o ano de 1856, antes mesmo da autorização escrita do bispo Dom Antônio Joaquim de Melo (a qual chegou somente em 4 de fevereiro de 1857). Certamente os construtores já contavam a autorização oral do bispo, pois naquele tempo a correspondência era muito demorada. Era uma construção bem rústica, constituída principalmente de madeira. Foi consagrada a São Carlos Borromeu por ser o santo de devoção da família Arruda Botelho, dona das terras onde a capela estava sendo construída. A família viria fundar a cidade de São Carlos em 4 de novembro de 1857, doando parte de suas terras (incluindo a capela) para tal feito.

No dia 27 de dezembro de 1857, o padre Joaquim Cipriano de Camargo (que era vigário de Araraquara) inaugurou a capela de São Carlos, celebrando a primeira missa.

Aos 2 de fevereiro de 1858, o Bispo de São Paulo, Dom Antônio Joaquim de Melo, elevou a Capela à categoria de Paróquia de São Carlos. Devido à precariedade do templo, o pároco (padre Joaquim Botelho da Fonseca) foi enviado somente dois anos depois.

Em 1868 foi realizada a primeira reforma do templo, e contou com a ajuda da Câmara Municipal. Foi edificado de modo a abranger em seu recinto a capela primitiva, que foi sendo desmanchada à medida que ia sendo erguida a nova.

Uma visita do imperador Dom Pedro II a São Carlos, em 1886, motivou a ampliação da pequena matriz. Também ergueu-se uma torre, cuja cúpula era arredondada e na qual, em 21/03/1910[2], foi inaugurado um relógio, produzido pela fábrica de Relógios Michelini. Em 1918, uma reforma na fachada alteraria também a torre, que passaria a ser de base quadrada, encimada por pirâmide oitavada.[3]

Com a criação da Diocese de São Carlos em 7 de junho de 1908, a matriz de São Carlos foi elevada à categoria de Catedral.

Durante o episcopado de Dom Gastão, segundo bispo da diocese de São Carlos, que durou de 1937 a 1945, iniciaram-se as discussões sobre uma grande reforma da catedral. Dom Gastão desejava construir uma nova catedral, em um local diferente (onde hoje se encontra a Praça da XV), mantendo a antiga catedral intacta. Porém, a população são-carlense queria que a nova catedral fosse levantada no mesmo local da antiga. O problema só foi resolvido em 1946, durante o episcopado de Dom Ruy Serra. O novo bispo decidiu conservar a catedral no mesmo lugar, e no dia 4 de novembro de 1946 deu a bênção à pedra fundamental da nova catedral.

A nova catedral[editar | editar código-fonte]

Em 13 de novembro de 1948, foi assinado em Roma a autorização da demolição da Catedral velha e que permitia o uso da capela do Seminário Diocesano de São Carlos como catedral provisória.

A nova Catedral começou a ser erguida em volta da antiga. As obras de construção começaram em 4 de novembro de 1946, enquanto a demolição da antiga catedral se deu em 9 de julho de 1949. O antigo relógio foi desmontado e doado à Paróquia Santo Antônio de Pádua (São Carlos) em 1955, onde permanece até hoje.

A nova Catedral de São Carlos foi sendo inaugurada em partes. Em 4 de novembro de 1956 a nova Catedral foi aberta ao culto público, mesmo inacabada. As missas eram celebradas no salão térreo, enquanto a nave principal ainda estava em construção.

A inauguração da capela-mor deu-se no dia 4 de abril de 1962, um Domingo de Ramos, por Dom Ruy Serra. Este dia também foi marcado por nele ter sido realizada a primeira missa versus populum (de frente para o povo) em São Carlos, de acordo com as novas normas litúrgicas do Concílio Vaticano II. As missas até então eram celebradas versus Deum (com o padre voltado a Deus, de costas para o povo).

O piso de toda a igreja foi colocado em 1963 (1700 m² de arenito polido). O altar-mor foi sagrado no dia 27 de maio de 1965; o altar do Santíssimo Sacramento foi sagrado no dia 20 de julho do mesmo ano; os 200 bancos foram inaugurados em 1969.

Finalmente, no dia 8 de dezembro de 1970, foi solenemente sagrada a catedral de São Carlos. O ato litúrgico foi presidido por Dom Ruy Serra e por Dom José Aquino Pereira, bispo de São José do Rio Preto.

Iluminação da catedral e seus jardins[editar | editar código-fonte]

No dia 5 de novembro de 2006, foi inaugurada a nova iluminação exterior da Catedral, com mais de 270 pontos de luz, dando mais vida à catedral, e transformando-a em uma bela atração turística agora também à noite. É possível contemplar o novo visual da catedral até mesmo da rodovia Washington Luís, que passa por São Carlos.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. http://catedralsaocarlos.com.br/padroeiro
  2. Avulsos - S. Carlos, 21, O Estado de S. Paulo, p.5, 22/03/1910
  3. Ary Pinto das Neves, O jardim público de São Carlos do Pinhal, São Carlos, 1983

Ligações externas[editar | editar código-fonte]