Cateter de balão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Cateter de balão
Balloon-Tipped Catheter.png
Cateter de balão sendo utilizado em uma angioplastia coronária.
Informações
Nome completo: cateter de balão
Campo da medicina: hemodinâmica
Tipo de intervenção: percutânea, minimamente invasiva
Star of life caution.svgAviso médico
Enfatiza-se a leitura de A Wikipédia não dá conselhos médicos

Cateter de balão é um tipo de cateter com um balão inflável na sua extremidade. Seu uso mais comum é na angioplastia, ampliando por expansão o lúmen em artérias e veias obstruídas, restabelecendo assim o fluxo normal do sangue. Quando necessário na angioplastia, o cateter de balão também pode realizar a implantação de stents.

O cateter é introduzido no vaso sanguíneo com o balão desinflado até atingir o objetivo, e então é inflado para executar o procedimento necessário. Depois de concluído o procedimento, é novamente desinflado e removido.

Aplicações[editar | editar código-fonte]

Angioplastia[editar | editar código-fonte]

Os cateteres de balão utilizados na angioplastia são de design over-the-wire (guiados por fio) ou rapid exchange (troca rápida), que são cerca de 90% do mercado de intervenção coronária. Os cateteres guiados por fio são úteis em vias vasculares altamente tortuosas, no entanto têm um tempo de deflação maior e menor capacidade de compressão.

Na angioplastia, o cateter de balão é usado para comprimir a placa dentro de uma artéria obstruída, podendo também ser utilizado na implantação de stents durante o procedimento. Quando o balão é inflado, o stent é expandido e permanece dentro da artéria após a remoção do cateter com o balão desinflado. Os stents que são usados ​​em conjunto com um cateter de balão são conhecidos como stents expansíveis por balão.

Pneumologia e cardiologia[editar | editar código-fonte]

Os cardiologistas Jeremy Swan e William Ganz desenvolveram no início dos anos 70, uma técnica que permitia o registro dos parâmetros hemodinâmicos das artérias pulmonar e coronárias, utilizando um cateter de balão, que ficou conhecido como cateter de Swan-Ganz. Com o desenvolvimento tecnológico dos transdutores eletrônicos, e a descoberta de anticoagulantes como a heparina, a técnica foi aperfeiçoada, possibilitando uma maior precisão nas medidas dos parâmetros. A partir dos anos 80, o procedimento tornou-se de rotina nas UTI's, permitindo a aferição dos parâmetros fisiológicos com maior rapidez e facilitando o tratamento em casos mais graves como infarto e insuficiência respiratória aguda.[1]

Pieloplastia uretral[editar | editar código-fonte]

Um cateter de balão uretral [en] é utilizado ​​para tratar obstruções da junção ureterpélvica, causadas por fatores intrínsecos da parede da uretra, como fibroses e hipertrofia. Também são utilizados no tratamento de doenças do trato urinário, desviando a urina para o canal ileal, procedimento conhecido como bexiga de Bricker [en], procedimento significativamente menos invasivo do que outros no tratamento da uropatia obstrutiva [en].[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Cateterismo

Referências

  1. «Catéter de Swan-Ganz». Universidade Estadual e Campinas 
  2. Pappas P, Stravodimos KG; et al. (5 de março de 2008). «Ureterointestinal strictures following Bricker ileal conduit: management via a percutaneous approach» (em inglês). US National Library of Medicine. Consultado em 23 de agosto de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Balloon catheter no dicionário Merriam-Webster (em inglês)