Catolicato de Ganzasar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Catolicato da Albânia
(Catolicato de Ganzasar)
Gandzasar111.jpg
Mosteiro de Ganzasar, sede do Catolicato da Albânia de 1400 a 1815.
Fundador Eliseu ou Bartolomeu (Séc. I); Urnair (313)
Independência 706 (Autonomia)
Reconhecimento Igreja Apostólica Armênia, como Igreja Autônoma.
Primaz Católico Sargis II Gantsasaretsi (último)
Sede Primaz Barda, Azerbaijão; Mosteiro de Ganzasar (Azerbaijão]
Território Norte da Azerbaijão e Sul do Daguestão
Posses Nenhuma
Língua Armênio
Adeptos 0
Site

O Catolicato de Ganzasar ou Catolicato da Albânia (armênio: Հհյ ռելռելռելնից կկն; azerbaijano: Alban Katolikosluğu) foi uma Sé autônoma da Igreja Apostólica Armênia que existiu de 706 a 1815 e incluiu a província de Albânia (armênio: Աղվանք, azerbaijani: Albaniya) no atual Azerbaijão.[1][2][3][4] A Sé dos Católicos inicialmente ficava em Barda,[5] mas na Idade Média foi transferida para o Mosteiro de Ganzasar [1][6][7]

História[editar | editar código-fonte]

Mosteiro de Amaras, Sé original do Catolicato da Albânia

O Cristianismo foi introduzido na região durante o século I, possivelmente pelo Apóstolo Bartolomeu.[8][9][10] O Rei Urnair da Albânia foi batizado pelo Católico Armênio Gregório, o Iluminador em 313.[11] Ele fez do cristianismo a religião estatal do Reino da Albânia.[11] Os Católicos da Albânia foram então ordenados pelos Católicos dos Armênios.[11]

Em 590, a Igreja da Albânia declarou-se independente e proclamou seu Católico como autocéfato.[2][12] Por um período de mais de cem anos, a Igreja da Albânia foi, portanto, uma Igreja ortodoxa oriental autocéfala.[12]

A partir de 706 a Igreja Apostólica da Albânia ficou subordinada à Igreja Apostólica Armênia.[13][14][15][16][17][18][19] O Primaz permitiu-se ser ordenado pelo Católico armênio, mas ainda carregou o título Católico da Albânia e permaneceu o líder de uma jurisdição autônoma armênia.[20] O Catolicato consistia em dez dioceses (a capital Barda, bem como Amaras, Balasacã, Gardamã, Haxo, Cabalaca, Colmanque, Xaqui, Siunique e Utio).[20]

No século VIII Barda era uma Metrópole e em 768 o local do Sínodo de Bispos.[21]

O Reino entrou em colapso no Séc. IX e foi islamizado no século IX.[22] Durante este período, a Sé foi transferida para o Mosteiro de Ganzasar.[1][6] O Catolicato durou até 1815, quando as autoridades russas rebaixaram o Catolicato a uma Diocese Metropolitana.[12] Em 1836, a Metrópole foi abolida, e toda a região da Albânia do Cáucaso foi dividida em duas dioceses.[6][23] Destas, a Diocese de Artsaque ainda existe, agora localizado na região de Alto Carabaque e pertence a nível eclesiástico a Santa Sé de Echemiazim.[12]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Site do Mosteiro de Ganzasar (em inglês e russo)

Site do Mosteiro de Amaras (em inglês e russo)

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c Suny, Ronald Grigor (1993). Looking toward Ararat: Armenia in modern history (em English). Bloomington: Indiana University Press. OCLC 26014198 
  2. a b «Игорь КУЗНЕЦОВ, "Удины" [Материалы к изучению Кавказской Албании]». www.vehi.net. Consultado em 31 de janeiro de 2022 
  3. Robert H. Hewsen , Armênia: Um Atlas Histórico . Chicago: University of Chicago Press , 2001, pp. 40, 72, 80.
  4. Vladimir Minorsky . Cáucasa IV . Boletim da Escola de Estudos Orientais e Africanos, Universidade de Londres, Vol. 15, No. 3. (1953), pp. 504-529.
  5. Gadjiev, Murtazali (21 de junho de 2017). «Construction Activities of Kavād I in Caucasian Albania». Iran and the Caucasus (em inglês) (2): 121–131. ISSN 1573-384X. doi:10.1163/1573384X-20170202. Consultado em 31 de janeiro de 2022 
  6. a b c Hacikyan, Agop Jack (2000). The Heritage of Armenian Literature: From the sixth to the eighteenth century (em inglês). [S.l.]: Wayne State University Press 
  7. «History and Architecture - Amaras Monastery, Nagorno Karabakh Republic». www.amaras.org. Consultado em 31 de janeiro de 2022 
  8. As obras de Sophronius, arcebispo de Chipre (1911). Tíflis. p.397.30
  9. http://allsaintsrothbury.org.uk/BARTHOLOMEW.pdf
  10. «index». web.archive.org. 24 de setembro de 2008. Consultado em 31 de janeiro de 2022 
  11. a b c Foundation, Encyclopaedia Iranica. «Welcome to Encyclopaedia Iranica». iranicaonline.org (em inglês). Consultado em 31 de janeiro de 2022 
  12. a b c d «Бакинско-Азербайджанская епархия РПЦ | VII. Последующая судьба Албанской Церкви». baku.eparhia.ru. Consultado em 31 de janeiro de 2022 
  13. Minorsky V. Caucasica IV  // Boletim da Escola de Estudos Orientais e Africanos. - 1953. - T. 15 , No. 3 . - S. 504-529 .
  14. Runciman S. O imperador Romanus Lecapenus e seu reinado: um estudo de Bizâncio do século X. — Cambridge University Press , 1988.
  15. Foundation, Encyclopaedia Iranica. «Welcome to Encyclopaedia Iranica». iranicaonline.org (em inglês). Consultado em 31 de janeiro de 2022 
  16. Maisak T. A. Rumo à publicação dos palimpsestos caucasianos-albaneses do Mosteiro do Sinai  // Questions of Linguistics. - M. , 2010. - Nº 6 . - S. 88-107
  17. Bartikyan R. A História dos Albaneses Caucasianos Por Movses Dasxuranci, traduzido por S. JF Dowsett // Tempos Bizantinos . - Nauka, 1967. - T. 27 . - S. 353-354 .
  18. «Глава 10. Урекаванк. Непредсказуемое прошлое» (em inglês). 11 de julho de 2005. Consultado em 31 de janeiro de 2022 
  19. Lornejad, Siavash; Doostzadeh, Ali (2012). ON THE MODERN POLITICIZATION OF THE PERSIAN POET NEZAMI GANJAVI (em inglês). [S.l.]: CCIS 
  20. a b «Игорь КУЗНЕЦОВ, "Удины" [Материалы к изучению Кавказской Албании]». www.vehi.net. Consultado em 31 de janeiro de 2022 
  21. Aram Mardirossian: Les canons du synod of the Partav (768) . In: Revue des Études Arméniennes NS 27 (1998/2000) 117–134.
  22. http://udilang.narod.ru/papers/Schulze_History-of-Udi.pdf
  23. Karny, Yo'av (5 de dezembro de 2001). Highlanders: A Journey to the Caucasus in Quest of Memory (em inglês). [S.l.]: Macmillan