Catulo da Paixão Cearense

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Catullo da Paixão Cearense)
Ir para: navegação, pesquisa
Catulo da Paixão Cearense
Nascimento 8 de outubro de 1863
São Luís, Maranhão
Morte 10 de maio de 1946 (82 anos)
Nacionalidade Brasileira
Progenitores Mãe: Maria Celestina Braga
Pai: Amâncio José Paixão Cearense
Ocupação Poeta, músico, compositor, relojoeiro

Catulo da Paixão Cearense ( São Luís, 8 de outubro de 1863Rio de Janeiro, 10 de maio de 1946) foi um poeta, músico e compositor brasileiro. A data de nascimento foi por muito tempo considerada dia 31 de janeiro de 1866, pois a data original fora modificada para que Catulo pudesse ser nomeado ao serviço público.

Filho de Amâncio José Paixão Cearense (natural do Ceará) e Maria Celestina Braga (natural do Maranhão).

Mudou-se para o Rio em 1880, aos 17 anos, com a família. Trabalhou como relojoeiro. Conheceu vários chorões da época, como Anacleto de Medeiros e Viriato Figueira da Silva, quando se iniciou na música. Integrado nos meios boêmios da cidade, associou-se ao livreiro Pedro da Silva Quaresma, proprietário da Livraria do Povo, que passou a editar em folhetos de cordel o repertório de modismos da época.

Catulo da Paixão Cearense passou a organizar coletâneas, entre elas O cantor fluminense e O cancioneiro popular, além de obras próprias. Vivia despreocupado, pois era boêmio, e morreu na pobreza.

Em algumas composições teve a colaboração de alguns parceiros: Anacleto de Medeiros, Ernesto Nazareth, Chiquinha Gonzaga, Francisco Braga e outros.

Suas mais famosas composições são Luar do Sertão (em parceria com João Pernambuco), de 1914, que na opinião de Pedro Lessa é o hino nacional do sertanejo brasileiro, e a letra para Flor amorosa, que havia sido composta por Joaquim Calado em 1867. Também é o responsável pela reabilitação do violão nos salões da alta sociedade carioca e pela reforma da "modinha".

Biografia[editar | editar código-fonte]

Catulo da paixão cearense, nasceu em São Luís, em 8 de outubro de 1863, foi muito prestigiado por diversos intelectuais, pela beleza de suas escritas.

Aos 19 anos, Catulo interrompeu os estudos e abraçou o violão, instrumento naquela época, repelido dos lares mais modestos.Iniciante tocador de flauta, a trocou pelo violão, pois assim, podia cantar suas modinhas.

Nesse tempo passou a escrever e cantar as modinhas como, "Talento e Formosura", "Canção do Africano" e "Invocação a uma estrela".

Moralizou o violão levando-o aos salões mais nobres da capital.

Em 1908, deu uma audição no Conservatório de Música.

Catulo foi autodidata autentico. Suas primeiras letras foram ensinadas por sua genitora e toda sua grande cultura foi adquirida em livros que comprava e por sua franquia à Biblioteca do Senador do Império, por ser professor dos filhos do Conselheiro Gaspar da Silveira.

"Aprendi musica, como aprendi a fazer versos, naturalmente", dizia o Velho Marruêro.

Seu pai faleceu em 1 de agosto de 1885, desgostoso por seu filho ter abandonado os estudos para ser poeta, sem tempo de assistir a moralização do violão, o que veio a marcar tremendamente Catulo.

À medida que envelhecia mais se aprimorava. Catulo homem, não se modificava, sempre fiel ao seu estilo.

"...Com gramática ou sem gramática, sou um grande Poeta..".

A sua casinhola em Engenho de Dentro, afundada no meio do mato era histórica. Alí recebia seus admiradores, escritores estrangeiros, acadêmicos nacionais, sempre com banquetes de feijoada e o champagne nunca substituía o paratí, por mais ilustre que fosse o visitante.

As paredes divisórias eram lençóis e sempre que previa

a presença de pessoas importantes, dizia para a mulata transformada em dona de casa. "Cabocla , lave as paredes amanhã, que Domingo vem gente!"

Sua primeira modinha famosa "Ao Luar" foi composta em 1880.

Catulo morreu aos 83 anos de idade, em 10 de maio de 1946,a rua Francisca Meyer nº 78, casa 2. Seu corpo foi embalsamado e exposto a visitação pública até 13 de maio, quando desceu a sepultura no cemitério São Francisco de Paula, no Largo do Catumbí, ao som de "Luar do Sertão".