Caza

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Cada (em árabe: قضاء‎; romaniz.: qaḍāʾ; pl. أقضية, aqḍiyah) ou caza (em turco otomano: kazâ[1]) é uma divisão administrativa usada historicamente no Império Otomano e atualmente em vários de seus Estados sucessores. O termo vem do turco otomano e significa "jurisdição"; é frequentemente traduzido como "distrito",[2] "subdistrito"[3] (embora isso também se aplique a um anaia) ou "distrito jurídico".[4]

Império Otomano[editar | editar código-fonte]

No Império Otomano, um caza era originalmente uma "área geográfica sujeita à jurisdição legal e administrativa de um cádi.[1] Com as primeiras reformas do Tanzimat de 1839, os deveres administrativos do cádi foram transferidos para um governador (caimacão), com os cádis atuando como juízes da lei islâmica.[5] Na era Tanzimat, o caza se tornou um distrito administrativo com a Lei de Reforma Provincial de 1864, que foi implementada na década seguinte.[4] Unificou a jurisdição de um governador (caimacão) nomeado pelo Ministério do Interior,[6] um tesoureiro (diretor financeiro) e um juiz (cádi) em uma única unidade administrativa. Foi parte dos esforços da Sublime Porta para estabelecer administração uniforme e racional em todo o império.[4]

O caza era uma subdivisão de um sanjaco[1] e correspondia aproximadamente a uma cidade com suas aldeias vizinhas. Por sua vez, foram divididos em anaias (governadas por mudures e muteselins) e aldeias (caries, governados por mutares). As revisões de 1871 na lei administrativa estabeleceram o anaia (ainda governado por um mudur), como um nível intermediário entre o caza e a aldeia.[6]

Referências

  1. a b c Somel 2010, p. 151.
  2. Faroqhi 1999, p. 88.
  3. Quataert 2005, p. 108.
  4. a b c Rogan 2002, p. 12.
  5. Somel 2010, p. 144-145.
  6. a b Çetinsaya 2006, p. 8-9.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Çetinsaya, Gökhan (2006). The Ottoman Administration of Iraq, 1890-1908. SOAS/Routledge Studies on the Middle East. Londres e Nova Iorque: Routledge. ISBN 9780203481325 
  • Faroqhi, Suraiya (1999). Approaching Ottoman History: An Introduction to the Sources. Cambrígia: Imprensa da Universidade de Cambrígia. ISBN 9780521666480 
  • Quataert, Donald (2005). The Ottoman Empire, 1700-1922. Cambrígia: Imprensa da Universidade de Cambrígia. ISBN 9781139445917 
  • Rogan, Eugene L. (2002). Frontiers of the State in the Late Ottoman Empire: Transjordan, 1850-1921. Volume 12 of Cambridge Middle East Studies. Cambrígia: Imprensa da Universidade de Cambrígia. ISBN 9780521892230 
  • Somel, Selçuk Akşin (2010). «Kazâ». The A to Z of the Ottoman Empire. Volume 152 of A to Z Guides. Lanham, Marilândia: Rowman & Littlefield. ISBN 9780810875791