Cedilha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ç ç
Ȩ ȩ
Ģ ģ
Ķ ķ
Ļ ļ
Ņ ņ
Æ̧ æ̧
Ŗ ŗ
Ş ş
Ţ ţ

A cedilha (¸, exemplo:Ç) (do castelhano cedilla, «pequeno z») é um sinal diacrítico.

Historicamente, a cedilha castelhana (e, por extensão geográfica, portuguesa, catalã e francesa) coloca-se somente sob um c originado, entre outras possibilidades, de um c latino palatalizado. Ela forma, portanto, a letra ç (cê cedilhado), pronunciada originalmente /ts/, depois convertida em /s/.

História[editar | editar código-fonte]

A origem da cedilha.

A cedilha é um pequeno z, em português poder-se-ia chamá-la zedilha. A grafia atual teve origem na escrita gótica medieval . A utilização do sinal gótico é devido à limitação do alfabeto latino. O nome da cedilha provém do castelhano, tendo sido cunhado no século XVII.

O castelhano abandonou o uso da cedilha no século XVIII (o ç foi substituído por z ou c simples antes de e e i). Os outros idiomas próximos, catalão, francês e português, a conservaram.

A introdução e a manutenção da cedilha em português é uma maneira eficaz e consensual de regular definitivamente o problema da pronúncia ambígua do c latino. De fato, se o cê cedilhado precede um a, um o ou um u é pronunciado [s], ao contrário do cê não cedilhado, que é pronunciado [k], quando precede as mesmas vogais. Desta forma, o sinal permite evitar que se renuncie aos vínculos com o passado, preservando a coerência gráfica da língua e tornando a escrita menos ambígua. A presença da cedilha é importante numa palavra, pois deixa clara sua etimologia.

Em galaico-português, castelhano medieval e em alguns dialetos latim vulgar[editar | editar código-fonte]

Çç A cedilha foi usado sob a letra c nas correspondências equivalentes aproximadamente ao português por exemplo, para gerar o som de [ts] como: partiçon, terçero e anriçi.

Em português, catalão, francês, occitano, e mirandês[editar | editar código-fonte]

Çç.

A cedilha é utilizada em português, catalão e francês sob a letra c para gerar o som /s/ antes de a, o e u. Também é usado por alguns escritores galegos. 1

Em albanês[editar | editar código-fonte]

Çç.

Utiliza-se, na ortografia atual da língua albanesa a letra ç para gerar o som /ʧ/.

Em turco[editar | editar código-fonte]

Çç, Şş.

Estas duas letras são utilizadas na ortografia da língua turca desde a romanização adotada em 1 de novembro de 1928. São consideradas letras distintas, classificadas respectivamente após c e s e não como suas variantes. É possível que o uso de ç para gerar /ʧ/ seja inspirado no albanês (ainda que contraste com o valor de c como /ʤ/ — uma originalidade turca), enquanto que ş segue o uso na língua romena (que havia adotado o alfabeto latino dez anos antes).

Em romeno[editar | editar código-fonte]

Şş, Ţţ.

A ortografia atual da língua romena, latina e fortemente inspirada pelo italiano e pelo francês, remonta ao século XIX e sua última reforma notável data de 1953.

A letra ţ denota o som /ʦ/, como na palavra italiana pizza (pitsa). Já a letra ş origina o som /ʃ/ como na palavra portuguesa enxugar.

Emprega-se normalmente duas letras diacríticas compostas por uma vírgula em sua parte inferior. Estas letras são consideradas independentes e são ordenadas depois do s e do t.

Em letão[editar | editar código-fonte]

O letão utiliza a cedilha na forma de "vírgula subscrita" para identificar a palatalização das consoantes /g/, /k/, /l/, /n/ e /r/, que se escrevem neste caso ģ, ķ, ļ, ņ e ŗ. Note-se que a cedilha coloca-se sobrescrita apenas no caso do g minúsculo por razões de leitura. Para a maiúscula G, onde não há o mesmo problema, deixa-se a cedilha na parte inferior: Ģ.

A pronúncia do r e do ŗ não é mais distintiva no letão atual e na prática já foi suprimida do alfabeto oficial.

Ver também[editar | editar código-fonte]