Celso Loureiro Chaves

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Celso Loureiro Chaves
Celso Loureiro Chaves.JPG

Celso Loureiro Chaves em 2015
Informação geral
Nome completo Celso Giannetti Loureiro Chaves
Nascimento 14 de setembro de 1950 (67 anos)
Origem Porto Alegre, Rio Grande do Sul
País  Brasil
Gênero(s) Música de câmara
Música erudita
Música contemporânea
Ocupação(ões) compositor, pianista, professor

Celso Giannetti Loureiro Chaves (Porto Alegre, 14 de setembro de 1950) é um compositor, pianista e professor brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Seu interesse pela música vem desde a infância, e com seis anos pediu aos pais que lhe ensinassem piano. Seguiu os estudos de música junto com a educação geral, ingressou na faculdade de Arquitetura e logo depois na de Música, na área de Composição. No Instituto de Artes da UFRGS encontrou aquele professor que seria uma grande influência em sua carreira como compositor, Armando Albuquerque, além de contatar com outros artistas importantes, como Jean Jacques Pagnot e Zuleika Rosa Guedes, sua mestra em piano.[1]

Formou-se em ambos os cursos mas logo seguiu uma carreira oficial no governo do estado, trabalhando no Departamento de Assuntos Culturais da Secretaria Estadual de Educação, ao mesmo tempo que atuava como programador de música erudita na Rádio Gaúcha Zero Hora FM, atual Atlântida FM, chegando à sua Direção. Apresentou o programa Transasom na RBS TV, e permaneceu nestas atividades até a década de 1980, mas desde 1977 já era professor na escola que o formara.[2]

Em 1985 foi doutorar-se na Universidade de Illinois, voltando ao sul em 1989. Atualmente é o titular de História da Música e de Composição no Departamento de Música da Instituto de Artes. Como intérprete de piano é uma presença respeitada no circuito musical erudito da capital. Em 1994 gravou o CD Uma idéia de café, com a obra para piano de Armando Albuquerque, o qual foi lançado posteriormente em 2001. Seu livro Memórias do Pierrô Lunar foi lançado pela L&PM em 2006.[3]

Seu segundo CD, o primeiro com composições de sua autoria, Balada para o avião que deixa um rastro de fumaça no céu foi lançado em 2013 no Salão de Atos da UFRGS, em Porto Alegre, com participação da pianista Luciane Cardassi e da Orquestra de Câmara do Theatro São Pedro, sob a regência de Antônio Carlos Borges Cunha. Por esse CD, Celso recebeu em 2014 o Prêmio Açorianos de Melhor Compositor Erudito. [4]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Balada para o avião que deixa um rastro de fumaça no céu.
  • Discurso sobre árvores.
  • Cinco cadências para contrabaixo e orquestra
  • A estética do frio, para orquestra de cordas, dedicada a Vítor Ramil.
  • A estética do frio II para piano, clarinete e cordas.
  • Trilha sonora para o filme Me Beija, de Werner Schünemann.
  • Trilha sonora para o filme Anahy de las Misiones, de Sérgio Silva.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Participações em discos[editar | editar código-fonte]

  • Paulo Inda.I, Fumproarte, 2006.
  • Luciane Cardassi. Prelúdios em Porto Alegre, Fumproarte, 1998.
  • Armando Albuquerque. Mosso, RBS/Som Livre Discos, 1985. Produtor [5]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Prêmio Açorianos[editar | editar código-fonte]

Ano Categoria Indicação Resultado
2001[6] Disco Erudito Uma Ideia de Café Venceu
2013[7] Compositor Erudito Celso Loureiro Chaves Venceu
Álbum Erudito[8] Balada Para o Avião que Deixa um Rastro de Fumaça no Céu / Estética do Frio II Indicado

Referências

  1. [1] Unimúsica homenageia o compositor Armando Albuquerque, mestre do século 20. Clic RBS, 05/11/2014 7.
  2. [2] Celso Loureiro Chaves, por trás da partitura. Entrevista a Ademar Vargas de Freitas, para o Jornal da Universidade. Junho de 2003. Sítio do Tablóide Digital. 02/03/2010 - 02h07.
  3. [3] MEMÓRIAS DO PIERRÔ LUNAR E OUTRAS HISTÓRIAS MUSICAIS. L&PM Editores. 31/07/2015.
  4. [4] Cerimônia do Açorianos de Música terá homenagens a Lupicínio. Abril de 2014. Sítio da Prefeitura de Porto Alegre. 14/05/2014 - 08h43.
  5. Mosso, tributo ao compositor gaúcho. Sítio do Tablóide Digital. 02/03/2010 - 02h01.
  6. Prefeitura Municipal de Porto Alegre. «Vencedores do Prêmio Açorianos de Música - 2001». Consultado em 18 de abril de 2018. 
  7. Governo do Estado do Rio Grande do Sul (15 de maio de 2014). «TVE apresenta Prêmio Açorianos de Música com homenagem a Lupicínio Rodrigues». Consultado em 7 de maio de 2018. 
  8. Zero Hora (25 de março de 2014). «Prêmio Açorianos de Música divulga lista completa de indicados». Consultado em 7 de maio de 2018. 
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) compositor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.