Cemitério

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde setembro de 2013)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Cemitério dos Prazeres em Lisboa, Portugal.
Cemitério da Johanniskirche em Nuremberg, Alemanha.

Cemitério é o lugar onde são sepultados os cadáveres . Na maioria dos casos os cemitérios são lugares de prática religiosa.

Por analogia, chama-se cemitério um lugar onde se enterram ou acumulam produtos, tipicamente resíduos e detritos (por exemplo, cemitério de resíduos nucleares). É o mesmo que necrópole ou sepulcrário.

A palavra "cemitério" (do latim tardio coemeterium, derivado do grego κοιμητήριον [kimitírion], a partir do verbo κοιμάω [kimáo] "pôr a jazer" ou "fazer deitar") foi dada pelos primeiros cristãos aos terrenos destinados à sepultura de seus mortos. Os cemitérios ficavam geralmente longe das igrejas, fora dos muros da cidade: a prática do sepultamento nas igrejas e respectivos adros era desconhecida nos primeiros séculos da era cristã. A partir do séc. XVIII criou-se um sério problema com a falta de espaço para os enterramentos nos adros das igrejas ou mesmo nos limites da cidade; os esquifes se acumulavam, causando poluição e doenças mortais, o que tornava altamente insalubres as proximidades dos templos. Uma lei inglesa de 1855 veio regular os sepultamentos, passando estes a serem feitos fora do centro urbano. A prática da cremação, cada vez mais frequente, permitiu dar destino aos corpos de maneira mais compatível com as normas sanitárias.

Em muitas cidades existem cemitérios onde os ritos funerários são cumpridos de acordo com a respectiva religião (católica, protestante, judaica, islâmica) ou fraternidade (maçônica). Criaram-se também cemitérios nacionais para o sepultamento de chefes militares e figuras notáveis da vida pública, como o de Arlington, perto de Washington DC, EUA.

Alguns cemitérios modernos rompem com a imagem tradicional das necrópoles com jazigos e monumentos de mármore, substituindo-os por parques arborizados (memorial parks), onde simples chapas de metal assinalam local da sepultura.

Outra prática comum, pela questão espacial, é a verticalização dos cemitérios, onde os túmulos são dispostos uns sobre os outros e em andares para as visitações.

Cemitérios famosos[editar | editar código-fonte]

Um dos mais famosos cemitérios do mundo é o Cemitério do Père-Lachaise, de Paris, assim chamado devido a um confessor jesuíta de Luís XIV que ali tinha residência. Vêem-se no Père-Lachaise, entre outros, os túmulos de Abelardo e Heloísa, Molière, Chopin, Musset, Balzac, Kardec e Comte. Em Inglaterra, destacam-se os cemitérios de Kensal Green e Highgate (ambos em Londres). Na Itália são dignos de nota, pela sua beleza, os cemitérios de Gênova e Milão.

No Brasil destaca-se o Cemitério da Consolação, fundado em 1858.

Na Europa existem diversos cemitérios medievais, que aos poucos, quando escavados, são uma preciosa fonte para a compreensão de certos hábitos alimentares, doenças e anatomia do homem medieval. A título exemplificativo, poderemos ver o Cemitério medieval das Barreiras, localizado em Fão, no concelho de Esposende, entre muitos outros. Contudo, os cemitérios medievais não podem ser confundidos com os cemitérios de concepção romântica (a larga maioria dos grandes cemitérios ainda em uso na Europa), pois aqueles não tinham geralmente muros, portão, ou sequer túmulos de grande dimensão.

Cemitérios históricos e monumentais em Portugal[editar | editar código-fonte]

Cemitérios como fonte de pesquisa[editar | editar código-fonte]

O cemitério faz parte do roteiro histórico de visitação em diversas regiões turísticas do mundo, como por exemplo, o Père-Lachaise, em Paris, na França e o Recoleta, em Buenos Aires, na Argentina, nos quais são identificados elementos que demonstram a história social e artística destas regiões, através da estatuária, das obras arquitetônicas, dos epitáfios e dos símbolos encontrados e analisados nos túmulos, valorizando e exaltando a preservação desse imenso patrimônio público, que ficaram conhecidos como “museus ao céu aberto”.

Os cemitérios podem nos dar valiosas informações, como sugere Harry Bellomo, no livro Cemitérios do Rio Grande do Sul (Brasil): Arte, Sociedade e Ideologia. Sendo eles uma:

Cemitério militar Norte americano, em Colleville-sur-Mer, Normandia, França, onde estão enterrados milhares de soldados americanos mortos na Segunda Guerra Mundial.
Cemitério Muçulmano de Macau, China
  • Fonte histórica para preservação da memória familiar e coletiva
  • Fonte de estudo das crenças religiosas
  • Forma de expressão do gosto artístico
  • Forma de expressão da ideologia política
  • Forma de preservação do patrimônio histórico
  • Fonte para conhecer a formação étnica
  • Fonte para o estudo da genealogia
  • Fonte reveladora da perspectiva de vida

Essas informações são obtidas através da análise de epitáfios, de fotos tumulares, das simbologias contidas nas obras funerárias e da expressão artística dos monumentos e mausoléus.

A presença de corpos de pessoas famosas, como a Marquesa de Santos, também fazem dos cemitérios locais de visitação turística.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • FIX, Reinaldo Guilherme. Os muros que separam os mortos: um estudo de caso dos cemitérios da Consolação, dos Protestantes e da Ordem Terceira do Carmo. Trabalho de Graduação Individual. USP, São Paulo, 2007. (disponível na biblioteca da FFLCH-USP)
  • QUEIROZ, José Francisco Ferreira - Os Cemitérios do Porto e a arte funerária oitocentista em Portugal. Consolidação da vivência romântica na perpetuação da memória. Tese de Doutoramento em História da Arte apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Porto, 2002 (sumário e prefácio consultáveis em http://dited.bn.pt/31118/2105/2598.pdf - elenco de fontes e bibliografia consultável em http://dited.bn.pt/31118/2105/2599.pdf)
  • KEMERICH, Pedro Daniel da Cunha Kemerich; UCKER, Fernando Ernesto; de BORBA, Willian Fernando - Cemitérios como Fonte de Contaminação Ambiental. Scientific American Brasil 2012, Disponível em: http://www2.uol.com.br/sciam/artigos/cemiterios_como_fonte_de_contaminacao_ambiental_imprimir.html

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Cemitério
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Cemitério