Centro Cultural São Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Centro Cultural São Paulo
Centro Cultural Vergueiro
CCSP visto da rua Vergueiro.
Inauguração 1982 (35 anos)
Capacidade 321 pessoas[1]
Geografia
Cidade São Paulo

O Centro Cultural São Paulo (popularmente conhecido como Centro Cultural Vergueiro ou apenas Centro Cultural) é uma instituição pública subordinada à Secretaria Municipal de Cultura do município de São Paulo que reúne a Pinacoteca Municipal, a discoteca Oneyda Alvarenga, a coleção da Missão de Pesquisas Folclóricas de Mário de Andrade, um conjunto de bibliotecas, espaços expositivos, cursos diversos, teatros e cinema.[2]

É considerado um dos principais (senão o principal) espaço cultural da cidade e uma das primeiras instituições da cidade a ser considerada "centro cultural" na acepção plena da palavra. Foi inaugurado em 1982.[3]

História[editar | editar código-fonte]

Vista interna do CCSP
Vista interna lateral superior do CCSP
Vista interna central inferior do CCSP

O Centro Cultural São Paulo foi idealizado na década de 1970 e construído em terreno disponibilizado pelas desapropriações ocorridas pela chegada do metrô aos arredores.

Na administração de Miguel Colasuonno, prefeito de 1973 a 1975, foi idealizado um projeto de urbanização para a região onde estavam incluída uma grande biblioteca pública, hotéis, um shopping center e edifícios de escritórios. No entanto, com a mudança de governo o projeto foi alterado restando apenas a intenção de se construir a biblioteca pública, que abrigaria a ampliação da Biblioteca Mário de Andrade.

Os arquitetos Eurico Prado Lopes e Luiz Telles venceram a concorrência pública aberta em 1976, no entanto, mais uma mudança de governo, em 1979, alteraria o destino do terreno: Reynaldo de Barros considerou a obra grande demais para abrigar somente uma biblioteca e pediu adaptações no projeto para que este tivesse um programa similar ao centro Georges Pompidou, inaugurado em 1977, em Paris. Mário Chamie, secretário de cultura considerou a localização a ideal para abrigar este centro cultural desejado, por ser uma região central e integrada ao sistema de transporte público (com ligação direta com o metrô) de São Paulo, através da Estação Vergueiro, inaugurada em 1975.

O projeto que, inicialmente seria uma biblioteca, passou a considerar, além da biblioteca, um teatro, salas de cinema, espaço para exibições de música, ateliês e espaços para exposições. O início da construção se deu em 1978.[3]

Projeto[editar | editar código-fonte]

Detalhe do edifício, concreto armado e logo inspirada na estrutura metálica interna.

O projeto de Eurico Prado Lopes e Luiz Telles é considerado um dos mais significativos até hoje executados em São Paulo. A solução estrutural é complexa, utilizando concreto armado e ferro. O partido arquitetônico visou a horizontalidade, privilegiou a fluidez dos amplos espaços e incluiu diversos acessos.[4]

O logotipo do centro cultural foi criado pela esposa de Mário Chamie, inspirado na estrutura do prédio.[3]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Em 28 de setembro de 2014, foi publicado na Folha de S.Paulo o resultado da avaliação feita pela equipe da Folha ao visitar os sessenta maiores teatros da cidade de São Paulo. O local foi premiado com com três estrelas, uma nota "regular", com o consenso: "Na sala Jardel Filho, o espaço é simples, e os assentos não são confortáveis. Há vazamento de som, que atrapalha as apresentações, e o espaço para cadeirantes não é bem situado. Na programação, há boas produções de teatro e dança. Os [preços dos] ingressos são um atrativo (...) A assessoria diz que o CCSP está trabalhando para resolver as duas questões: o vazamento sonoro e a localização da área para cadeirantes."[1]

Atividades[editar | editar código-fonte]

Entre as varias atividades educativas e culturais fornecidas pelo centro cultural, se destaca o projeto Sintonia do Rock que fornece shows de rock ao vivo com entrada franca e acontece todos os anos no mês de julho. Outra atividade, com entrada também gratuita é a Semana de Danças, que leva mostra de danças ao local durante varias semanas do ano. Mas alem dos projetos que ocorrem anualmente no CCSP ha muitos shows de diversos tipos musicais, peças de teatro de todos os gêneros, e outros projetos que visam levar cultura a população.

Além das atividades cedidas pelo Centro, muitos jovens se reunem lá para praticar o street dance e também o break dance em grupos. Outros jovens se encontram para estudar ou jogar jogos de tabuleiros nas mesas de fora da biblioteca.[5]

Acessibilidade[editar | editar código-fonte]

O Centro Cultural possui um programa de livre acesso, onde as pessoas com deficiência e mobilidade reduzida podem frequentar facilmente todas as oportunidades que o CCSP fornece. Os funcionários são treinados para ajuda-los e além disso o Centro fornece atividades e espaço físico para possibilitando o acesso de cadeirantes, deficientes auditivos e visuais.

Ha também wi-fi grátis em alguns pontos do CCSP para colaborar com a educação das pessoas, basta fazer um pré cadastro no site e confirmação no centro de informações.

O local fornece também um local para guardar bicicletas.[5]

Biblioteca[editar | editar código-fonte]

O Centro cultural possui cinco bibliotecas em seu interior, a Biblioteca Sérgio Milliet, a segunda maios da cidade; a Biblioteca Alfredo Volpi que resguarda um catalogo sobre artes plásticas, fotografia e arquitetura; a Gibiteca, que além dos gibis oferece palestras, exposições e oficinas de gibis. A Biblioteca Louis Braille, acessivel para deficientes visuais e auditivos pois contem audio-livros e livros em braille, além de computadores com a técnologia de braille. E por último o espaço contém a Sala de leitura Infanto-Juvenil, um arquivo de multimeios com artigos sobre a arte contemporânea brasileira e a Coleção de Arte da Cidade, que contém obras de Tarsila do Amaral.

Dados[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Fabiana Seragusa e Rafael Balago (28 de setembro de 2014). «Especial avalia os 60 maiores teatros de SP; veja lista com acertos e falhas». Folha de S.Paulo. www1.folha.uol.com.br. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  2. «Casa das caldeiras - 3.3 Centro Cultural São Paulo». Consultado em 5 de abril de 2009 
  3. a b c «Centro Cultural São Paulo - Histórico». Consultado em 5 de abril de 2009 
  4. «Arcoweb - 30 obras que são referência para a arquitetura brasileira». Consultado em 5 de abril de 2009 
  5. a b Sampaio, Leandro. «Centro Cultural São Paulo». www.cidadedesaopaulo.com. Consultado em 26 de abril de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Centro Cultural São Paulo
Ícone de esboço Este artigo sobre o Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.