Centro de Arte Moderna Gulbenkian

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Centro de Arte Moderna Gulbenkian
Centro de Arte Moderna
Tipo museu de arte, atração turística, museu de arte moderna, museu de arte contemporânea
Inauguração 1983 (39 anos)
Acervo 11 887 obra criativa
Administração
Diretor(a) Benjamin Weil
https://gulbenkian.pt/cam/en/ Website oficial
Geografia
Coordenadas 38° 44' 7.67" N 9° 9' 14.46" O
Localidade Fundação Calouste Gulbenkian
Localização Avenidas Novas - Portugal

O Centro de Arte Moderna Gulbenkian (CAM) é um dos principais espaços para a arte contemporânea em Portugal, englobando uma das maiores coleções de arte portuguesa moderna e contemporânea. O seu edifício encontra-se atualmente em renovação, com projeto de Kengo Kuma, e reabrirá ao público em 2023, para celebrar o 40º aniversário do CAM. Até à abertura do edifício, o CAM continua a desenvolver a sua atividade fora de portas.[1]

Acervo[editar | editar código-fonte]

Constituída desde o final dos anos de 1950, a Coleção Moderna reúne os artistas mais representativos do século XX português até à actualidade; inclui ainda obras de autores internacionais, nomeadamente um núcleo de arte britânica adquirida desde o final dos anos 50 e obras de arte arménias.

Para além de possuir a maior colecção de arte portuguesa do século XX e XXI, de que apresenta em permanência um núcleo selecionado (periodicamente renovado), o CAMJAP tem uma programação diversificada de exposições temporárias que se realizam no seu edifício e na Sede da Fundação.

Em junho de 2016, o Museu Calouste Gulbenkian vai reunir sob o mesmo nome as coleções de arte antiga e moderna da fundação, desaparecendo a designação de Centro de Arte Moderna.[2]

Educação[editar | editar código-fonte]

O seu sector de Educação favorece o debate em torno de temática da Cultura Visual na Contemporaneidade, da História de Arte e da Estética, desenvolvendo diversas iniciativas. O Jazz em Agosto é também uma realização anual: durante duas semanas, com uma oferta que se tem situado entre os 12 a 20 concertos na revelação de aspectos mais inovadores do Jazz.

Edifício[editar | editar código-fonte]

O edifício é da autoria de Sir Leslie Martin e seus associados. A sua construção teve início em Maio de 1980, sendo composto por 3 pisos numa área total de 13.800 m²[3].

Prémio Maria Madalena de Azeredo Perdigão[editar | editar código-fonte]

O prémio Maria Madalena de Azeredo Perdigão é atribuído também anualmente, com o objectivo de destacar, no campo das artes do espectáculo, um artista português ou estrangeiro, que esteja a desenvolver a sua carreira em Portugal, e que indubitavelmente se distinguida, pelo carácter inovador e originalidade, da sua obra, e indiscutivelmente contribua para o alargamento das fronteiras estéticas e dos modelos de produção usuais.

Referências

  1. «Centro de Arte Moderna Gulbenkian» 
  2. «Museu Gulbenkian passa a designar as coleções de arte antiga e moderna» 
  3. Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian (1983). Catálogo do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, DFL - Documentos Felicidade Alves.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Centro de Arte Moderna Gulbenkian
Ícone de esboço Este artigo sobre um museu é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.