Centro de Desenvolvimento Comunitário

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
CDC
CDCManicore.gif
Nome Centro de Desenvolvimento Comunitário
Alcunhas Bacurau do Madeira
Gigante do Madeira
Torcedor/Adepto Tricolor
Mascote Bacurau
Fundação 30 de maio de 2007 (13 anos)
Estádio Bacurauzão
Capacidade 3.500 pessoas
Localização Manicoré, AM
Presidente Roberto Soares
Treinador Hudson Santos
Patrocinador Castrol Brasil

Boutique do Torcedor

Material (d)esportivo Pratic Sports
Competição Campeonato Amazonense
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

O Centro de Desenvolvimento Comunitário (popularmente CDC) é um clube de caráter social e esportivo fundado em Manicoré, cidade do interior do estado do Amazonas. Foi o único clube de futebol profissional da região do Rio Madeira até 2013, quando o Nacional de Borba se profissionalizou no futebol.[1]

História[editar | editar código-fonte]

O clube foi fundado a partir da seleção municipal de Manicoré campeã da Copa dos Rios em 2007, e com a decisão da Federação Amazonense de Futebol de realizar novamente, depois de mais de 40 anos, a segunda divisão estadual, o clube se tornou profissional.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

O CDC se tornou clube profissional em 2007, botando Manicoré no mapa do futebol profissional amazonense, tornando-a também a única cidade da Região do Rio Madeira a ter um clube profissional. O clube disputou Série B de 2007 e terminou com um 4º lugar entre 7 clubes, não conseguindo o acesso.

Participando novamente em 2008, ficou com o 3º lugar na segunda divisão estadual e conseguiu o acesso inédito a Série A do Campeonato Amazonense, beneficiado pela desistência do CEPE Iranduba de disputar a 1ª divisão do ano seguinte.

Já na elite do futebol amazonense em 2009, chegou a brigar contra o rebaixamento à Série B amazonense de 2010, escapando na última rodada do segundo turno, ao final ficando com a 8º colocação entre 10 times, com 13 pontos ganhos.

Em 2010, voltou a brigar contra o descenso, mas nesta edição não houve escapatória para o "Bacurau", que foi rebaixado para a Série B amazonense de 2011, ficando na 9º colocação entre 10 times, com 13 pontos ganhos.

Série B 2011[editar | editar código-fonte]

Na Série B mais disputada desde a volta da competição, o clube acabou ganhando o primeiro turno, sendo que conseguiu também a vaga na 1ª divisão de 2012, na final acabou perdendo o título pra Grêmio Coariense com duas derrotas. Após punição ao Coariense, o CDC foi considerado o campeão da segunda divisão.

2012[editar | editar código-fonte]

Em 2012 mais um Campeonato fraco para o Bacurau do Madeira, o CDC lutou do inicio ao fim contra o rebaixamento, e, surpreendido pela reação do Rio Negro no campeonato, foi rebaixado na última rodada do segundo turno com a vitória do Galo sobre o Operário por 3-1 e sua derrota para o Nacional pelo mesmo placar.

Transferência para Nova Olinda[editar | editar código-fonte]

Durante seus primeiros anos, o clube enfrentou vários problemas financeiros que acabaram culminando na transferência do clube de Manicoré para Nova Olinda do Norte, devido a uma parceria mais viável com a prefeitura da cidade e após a campanha na Série B em 2013, oficializou a mudança. Acabou não tendo sucesso e, após o fim da Série B de 2014, se afastou dos campeonatos profissionais, focando apenas nas categorias de base.[2]

Retorno ao profissional: Série B 2017[editar | editar código-fonte]

Após 3 anos de ausência, o clube acertou o retorno para sua cidade de origem, bem como anunciou a participação na Série B de 2017.[3]

Faltando pouco mais de uma semana para o início da competição, o Bacurau anunciou o técnico para a disputa: Manoel Galdino. Além disso, apresentou o elenco, composto por 31 jogadores, todos nascidos em Manicoré.[4]

Ao final da Competição, o clube acabou ficando em último lugar, passando a maior parte do torneio como lanterna, com uma breve recuperação no início do segundo turno, que não foi suficiente para subir de posição na classificação geral.

Série B 2017/2[editar | editar código-fonte]

Após a FAF realizar a Segunda Divisão referente ao ano de 2016 no ano de 2017, a Série B de 2017 foi confirmada para entre os meses de Novembro e Dezembro. O Bacurau do Madeira foi um dos que confirmaram participação e que primeiro iniciaram a preparação para o torneio.[5][6] Faltando dois meses para a competição, o Diretor de Futebol Mozart Carlos foi anunciado pela diretoria, assim como o Técnico João Carlos Cavalo e parte o elenco que disputará a competição, todos ex-Fast, incluindo Ronan, jogador considerado o melhor da Série A do Barezão de 2016.[7][8]

Parcerias[editar | editar código-fonte]

Fundado em Manicoré, o clube já mudou de "sede esportiva" três vezes: jogou uma temporada em parceria com o município de Nova Olinda do Norte, depois fez uma parceria breve com um clube amador de Manaus para a categoria de base. Por último, para a disputa da Série B de 2020 o clube fez parceria com o município de Novo Aripuanã, apesar de pretender mandar todas as suas partidas na capital Manaus.


Parceria com time amador de Manaus em 2018

Em busca de Títulos, e garotos novos para o crescimento da equipe, o CDC fez uma parceria com uma equipe do Futebol Amador, em Manaus, chamado de Trem Bala Clube, que compõe sua equipe com Garotos de 15 a 20 anos de idade, com isso a parceria foi feita muito rapidamente em acordo com o fundador do Time Amador chamado Leonardo Gomes, no qual é o goleiro da equipe Juniores do CDC Manicoré. Visando competições e em busca de títulos o CDC investiu no Trem Bala para solicitação e autorização dos jogadores a vestir o manto da equipe do Rio Madeira.

Patrimônio e símbolos[editar | editar código-fonte]

Estádio[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Estádio Flávia de Oliveira

O CDC inicialmente mandava seus jogos no Estádio Flávia de Oliveira, estádio municipal de Manicoré conhecido popularmente por "Bacurauzão", este que possui capacidade para abrigar 3.500 torcedores e abrigava todas as partidas do clube no âmbito profissional. Atualmente oclube manda seus jogos na cidade de Manaus.

Demais símbolos[editar | editar código-fonte]

Escudo

O escudo do CDC é tricolor, que envolve as cores Azul, Vermelho e Amarelo com varias estrelas, muito parecido com o escudo do Boca Juniors argentino. Centralmente está inserido "CDC". Em 2018 a equipe montou um equipamento com as cores Verde e Amarelo, em homenagem ao Brasil que está disputando a Copa do Mundo na Rússia 2018.

Mascote

O mascote do clube é o "Bacurau", pequena ave de rapina que habita a região amazônica e bastante presente na região da calha do Rio Madeira.

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Participações[editar | editar código-fonte]

Participações em 2020
Competição Temporadas Melhor campanha Estreia Última P Aumento R Baixa
Amazonas Campeonato Amazonense 4 8º colocado (2009 e 2018) 2009 2018 3
2ª Divisão 8 Vice-campeão (2011 e 2017.2) 2007 2020 3

Retrospecto[editar | editar código-fonte]

Clube se profissionalizou em 2007.

Amazonas Campeonato Amazonense de Futebol
Ano 2009 2010 2012 2018
Pos.


Amazonas Campeonato Amazonense de Futebol - Segunda Divisão
Ano 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016
Pos. P.D. P.D. N.R. N.R. N.R.
Ano 2017 2017.2 2018 2019 2020
Pos. N.D. N.D. A.D.


  • P.D. - Estava na Primeira Divisão
  • N.D. - Não disputou
  • N.R. - Edição Não realizada

Títulos[editar | editar código-fonte]

Estaduais[editar | editar código-fonte]

  • RFEF - Copa del Rey.svgCopa dos Rios: * (2007)

*Títulos conquistados representando Seleção de Manicoré

(2011)
  • AmazonasTaça FAF: 1
(2011)

Referências