Centrosaurus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Centrosaurus
Intervalo temporal: Cretáceo Superior
76,5–75,5 Ma
Centrosaurus apertus skull and jaws, Dinosaur Provincial Park, Alberta, Canada, Late Cretaceous - Royal Ontario Museum - DSC00078.JPG
Classificação científica edit
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Clado: Dinosauria
Ordem: Ornithischia
Subordem: Ceratopsia
Família: Ceratopsidae
Subfamília: Centrosaurinae
Clado: Eucentrosaura
Tribo: Centrosaurini
Gênero: Centrosaurus
Lambe, 1904
Espécies:
C. apertus
Nome binomial
Centrosaurus apertus
Lambe, 1904
Sinónimos
  • Monoclonius nasicornus
    Brown, 1917
  • Monoclonius dawsoni
    Lambe, 1902
  • Monoclonius longirostris
    (Sternberg, 1940) Kuhn, 1964
  • Monoclonius cutleri
    Brown, 1917
  • Centrosaurus flexus
    (Brown, 1914) Lambe, 1915
  • Eucentrosaurus apertus
    (Lambe, 1904) Chure & McIntosh, 1989

Centrosaurus (do latim "lagarto pontiagudo") foi uma espécie de dinossauro herbívoro e quadrúpede que viveu durante o período Cretáceo. Media em torno de 6 metros de comprimento e pesava cerca de 4 toneladas.[1]

O Centrosaurus tinha centenas de dentes nas mandíbulas para cortar plantas duras. O seu bico ósseo era muito delgado, o que lhe permitia alimentar-se seletivamente das suas plantas favoritas. A sua crista era adornada por uma variedade de espinhos, bem como dois chifres curvados anteriormente. Dessa forma, poderia facilmente reconhecer os seus companheiros. O grande chifre nasal era, muito provavelmente, usado como forma de impressionar e advertir os seus rivais e não como defesa contra predadores.[2]

História da descoberta[editar | editar código-fonte]

O esqueleto "Monoclonius nasicornus"

Os primeiros restos de Centrosaurus foram descobertos e nomeados pelo paleontólogo Lawrence Lambe em estratos ao longo do rio Red Deer em Alberta, Canadá. O nome Centrosaurus significa "lagarto pontiagudo" (do grego kentron, κέντρον, "ponta ou espinhos" e sauros, σαῦρος, "lagarto"), e refere-se à série de pequenos marimbondos colocados ao longo da margem de seus folhos, não ao nariz. chifres (que eram desconhecidos quando o dinossauro foi nomeado). O gênero não deve ser confundido com o estegossauro Kentrosaurus, cujo nome é derivado da mesma palavra grega.[3][4]

Mais tarde, vastos leitos ósseos de Centrosaurus foram encontrados no Parque Provincial dos Dinossauros, também em Alberta. Alguns desses leitos se estendem por centenas de metros e contêm milhares de indivíduos de todas as idades e todos os níveis de conclusão. Os cientistas especularam que a alta densidade e o número de indivíduos seriam explicados se eles tivessem morrido ao tentar atravessar um rio inundado.[5] Acredita-se que uma descoberta de milhares de fósseis de Centrosaurus perto da cidade de Hilda, Alberta, seja o maior leito de ossos de dinossauro já descoberto. A área é agora conhecida como o mega-osso de Hilda[6]

Por causa da variação entre espécies e até mesmo espécimes individuais de centrosaurinos, tem havido muito debate sobre quais gêneros e espécies são válidos, particularmente se Centrosaurus e/ou Monoclonius são gêneros válidos, não diagnosticáveis ou possivelmente membros do sexo oposto. Em 1996, Peter Dodson encontrou variação suficiente entre Centrosaurus, Styracosaurus e Monoclonius para justificar gêneros separados, e que o Styracosaurus se assemelhava ao Centrosaurus mais do que qualquer um deles se assemelhava ao Monoclonius.[7]

Dodson acreditava que uma espécie de Monoclonius, M. nasicornus, pode realmente ter sido uma fêmea de Styracosaurus.[7] Suas avaliações foram parcialmente seguidas, com outros pesquisadores não aceitando Monoclonius nasicornus como um Styracosaurus feminino, ou Monoclonius como um gênero válido.[8] Embora o dimorfismo sexual tenha sido proposto para um ceratopsídeo mais basal, o Protoceratops,[9] não há evidências firmes de dimorfismo sexual em nenhum ceratopsídeo.[10][11][12] Outros sinonimizaram C. nasicornus com C. apertus,[13] ou consideraram uma espécie separada de Centrosaurus: Centrosaurus nasicornus.[14] Também foi sugerido como o ancestral direto do Styracosaurus albertensis.[15] Um estudo de 2014 sobre mudanças durante o crescimento em Centrosaurus concluiu que C. nasicornus é um sinônimo júnior de C. apertus, representando um estágio de crescimento intermediário.[16]

A espécie C. brinkmani, que foi descrita em 2005, foi transferida para o novo gênero Coronosaurus em 2012.[17]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Reconstituição do animal em vida

Os corpos maciços do Centrosaurus eram carregados por membros atarracados, embora a até 5,5 metros eles não fossem dinossauros particularmente grandes.[15] Como outros centrosaurinos, o Centrosaurus tinha chifres grandes e únicos sobre o nariz.[7] Esses chifres se curvavam para frente ou para trás, dependendo do espécime. A ornamentação do crânio foi reduzida à medida que os animais envelheciam.[16] O folho era relativamente curto em comparação com o comprimento total do crânio, e podia atingir mais de meio metro (68,8 cm) de comprimento nos adultos maiores e mais velhos.[16]

Tamanho comparado ao humano

O Centrosaurus se distingue por ter dois grandes chifres que se engancham para a frente sobre o folho. Um par de pequenos chifres direcionados para cima também é encontrado sobre os olhos. Os folhos do Centrosaurus eram moderadamente longos, com fenestras bastante grandes e pequenos chifres ao longo das bordas externas.[5]

Classificação[editar | editar código-fonte]

O gênero Centrosaurus dá nome à subfamília Centrosaurinae. O cladograma abaixo representa uma análise filogenética por Kentaro Chiba feita em 2018:[18]

Centrosaurinae

Diabloceratops eatoni

Machairoceratops cronusi

Nasutoceratopsini

Avaceratops lammersi (ANSP 15800)

MOR 692

CMN 8804

Nasutoceratops titusi

Novo taxon de Malta

Xenoceratops foremostensis

Sinoceratops zhuchengensis

Wendiceratops pinhornensis

Albertaceratops nesmoi

Medusaceratops lokii

Eucentrosaura
Centrosaurini

Rubeosaurus ovatus

Styracosaurus albertensis

Coronosaurus brinkmani

Centrosaurus apertus

Spinops sternbergorum

Pachyrhinosaurini

Einiosaurus procurvicornis

Pachyrostra

Achelousaurus horneri

Pachyrhinosaurus canadensis

Pachyrhinosaurus lakustai

Pachyrhinosaurus perotorum

Paleobiologia[editar | editar código-fonte]

Arte conceitual de vários Centrosaurus nadando, o que poderia ter causado a formação de leitos ósseos pelos animais que se afogavam

Como outros ceratopsídeos, as mandíbulas do Centrosaurus foram adaptadas para cortar material vegetal resistente. A descoberta de gigantescos leitos ósseos de Centrosaurus no Canadá sugere que eles eram animais gregários e poderiam ter viajado em grandes rebanhos.[5] Um leito ósseo composto de restos de Centrosaurus e Styracosaurus é conhecido da Formação Dinosaur Park no que hoje é Alberta.[19] As mortes em massa podem ter sido causadas por animais não pastores reunidos em torno de um poço durante uma seca.[20] O Centrosaurus é encontrado mais abaixo na formação do que o Styracosaurus, indicando que o primeiro teria sido deslocado pelo segundo conforme o ambiente mudou ao longo do tempo.[8]

Os grandes babados e chifres nasais dos ceratopsianos estão entre os adornos faciais mais característicos de todos os dinossauros. Sua função tem sido objeto de debate desde que os primeiros dinossauros com chifres foram descobertos. Teorias comuns sobre a função de folhos e chifres destes animais incluem defesa contra predadores, combate dentro da espécie e exibição visual. Um estudo de 2009 das lesões cranianas de Triceratops e Centrosaurus descobriu que as lesões ósseas nos crânios eram mais provavelmente causadas por combate intraespecífico ("combate chifre a chifre") do que por ataques predatórios. Os babados do Centrosaurus eram finos demais para serem usados como defesa contra predadores, embora os babados mais grossos e sólidos do Triceratops possam ter evoluído para proteger seus pescoços. Os babados do Centrosaurus eram provavelmente usados "para reconhecimento de espécies e/ou outras formas de exibição visual".[2]

Paleoecologia[editar | editar código-fonte]

Gorgosaurus sobre Centrosaurus.

O folho de um Centrosaurus apertus juvenil foi identificado como tendo marcas de, provavelmente, um terópode dromeossaurídeo, troodontídeo ou tiranossaurídeo jovem. As marcas estão associadas ao osso esquamosal, e não há evidências de tecidos moles ou músculos importantes nesta área em ceratopsianos. Portanto, possivelmente, esta parte foi comida em um estágio já avançado, pois, como o ceratopsiano era jovem, ele foi devorado rapidamente, apoiado pelo possível processamento e consumo de animais juvenis completos por tiranossaurídeos.[21]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  • Este artigo foi inicialmente traduzido, total ou parcialmente, do artigo da Wikipédia em inglês cujo título é «Centrosaurus», especificamente desta versão.

Referências

  1. «Centrosaurus - Students / Britannica Kids». kids.britannica.com (em inglês). Consultado em 2 de agosto de 2017 
  2. a b Farke, A.A.; Wolff, E.D.S.; Tanke, D.H. (2009). «Evidence of Combat in Triceratops». PLoS ONE (em inglês). 4 (1): e4252. PMC 2617760Acessível livremente. PMID 19172995. doi:10.1371/journal.pone.0004252 
  3. «Centrosaurus». Prehistoric-wildlife.com. Consultado em 20 de março de 2022 
  4. Lawrence Lambe (1904). «On the squamoso-parietal crest of the horned dinosaurs Centrosaurus apertus and Monoclonius canadensis from the Cretaceous of Alberta». Transactions of the Royal Society of Canada. 2 (em inglês). 10 (4): 1-9 
  5. a b c Brooks Britt; Kenneth Carpenter; Catherine A. Forster; David D. Gillette; Mark A Norell; George Olshevsky; J. Michael Parrish; David B. Weishampel. «Centrosaurus». In: Peter Dodson. The Age of Dinosaurs (em inglês). [S.l.]: Publications International, LTD. p. 135. ISBN 0-7853-0443-6 
  6. «Scientists find dino deathbed, signs of carnage». Edmonton Sun (em inglês). 18 de junho de 2010. Arquivado do original em 22 de abril de 2021 
  7. a b c Dodson, P. (1996). The Horned Dinosaurs: A Natural HistoryRegisto grátis requerido (em inglês). Princeton, EUA: Princeton University Press. pp. 197-199. ISBN 978-0-691-05900-6 
  8. a b Ryan, Michael J.; Evans, David C. (2005). «Ornithischian Dinosaurs». In: Currie, Phillip J.; Koppelhus, Eva. Dinosaur Provincial Park: A Spectacular Ancient Ecosystem Revealed. Bloomington: Indiana University Press. pp. 312–348. ISBN 0-253-34595-2 
  9. Dodson, P. «Quantitative aspects of relative growth and sexual dimorphism in Protoceratops». Journal of Paleontology. 50: 929–940 
  10. Forster, C. A. (1990). The cranial morphology and systematics of Triceratops, with a preliminary analysis of ceratopsian phylogeny. Ph.D. Dissertation. University of Pennsylvania, Philadelphia. 227 pp.
  11. Lehman, T. M. (1998). «A gigantic skull and skeleton of the horned dinosaur Pentaceratops sternbergi from New Mexico». Journal of Paleontology. 72 (5): 894–906. doi:10.1017/S0022336000027220 
  12. Sampson, S. D.; Ryan, M.J.; Tanke, D.H. (1997). «Craniofacial ontogeny in centrosaurine dinosaurs (Ornithischia: Ceratopsidae): taphonomic and behavioral phylogenetic implications». Zoological Journal of the Linnean Society. 121 (3): 293–337. doi:10.1111/j.1096-3642.1997.tb00340.xAcessível livremente 
  13. M.J. Ryan and D.C. Evans, 2005, "Ornithischian dinosaurs". In: P.J. Currie and E.B. Koppelhus (eds.), Dinosaur Provincial Park: A Spectacular Ancient Ecosystem Revealed. Indiana University Press, Bloomington pp 312-348
  14. Russell, L.S. (1930). «Upper Cretaceous dinosaur faunas of North America». Proceedings of the American Philosophical Society. 69 (4): 133–159 
  15. a b Paul, Gregory S. (2010). Princeton Field Guide to DinosaursRegisto grátis requerido (em inglês). [S.l.]: Princeton University Press. ISBN 978-0-691-13720-9 
  16. a b c Frederickson, J. A.; Tumarkin-Deratzian, A. R. (2014). «Craniofacial ontogeny in Centrosaurus apertus». PeerJ (em inglês). 2: e252. PMC 3933270Acessível livremente. PMID 24688836. doi:10.7717/peerj.252 
  17. Ryan, M. J.; Evans, D. C.; Shepherd, K. M.; Sues, H. (2012). «A new ceratopsid from the Foremost Formation (middle Campanian) of Alberta». Canadian Journal of Earth Sciences. 49 (10). 1251 páginas. Bibcode:2012CaJES..49.1251R. doi:10.1139/e2012-056 
  18. Kentaro Chiba; Michael J. Ryan; Federico Fanti; Mark A. Loewen; David C. Evans (2018). «New material and systematic re-evaluation of Medusaceratops lokii (Dinosauria, Ceratopsidae) from the Judith River Formation (Campanian, Montana)». Journal of Paleontology (em inglês). na imprensa (2): 272–288. doi:10.1017/jpa.2017.62 
  19. Eberth, David A.; Getty, Michael A. (2005). «Ceratopsian bonebeds: occurrence, origins, and significance». In: Currie, Phillip J.; Koppelhus, Eva. Dinosaur Provincial Park: A Spectacular Ancient Ecosystem Revealed. Bloomington: Indiana University Press. pp. 501–536. ISBN 0-253-34595-2 
  20. Rogers, R. R. (1990). «Taphonomy of three dinosaur bone beds in the Upper Cretaceous Two Medicine Formation, northwestern Montana: Evidence for drought-related mortality». SEPM Society for Sedimentary Geology. PALAIOS. 5 (5): 394–41. JSTOR 3514834. doi:10.2307/3514834 
  21. Hone DWE, Tanke DH, Brown CM. 2018. Bite marks on the frill of a juvenile Centrosaurus from the Late Cretaceous Dinosaur Provincial Park Formation, Alberta, Canada. PeerJ 6:e5748 https://doi.org/10.7717/peerj.5748