Cerco de Tiro (1187)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Cerco de Tiro
Cruzadas
Tyre 1187.jpg
Miniatura do século XV representando o ataque dos defensores cristãos contra o exército de Saladino. Parte do manuscrito As Passagens do Ultramar, de Sébastien Mamerot
Data 12 de novembro de 1187 - 1 de janeiro de 1188
Local Tiro
Desfecho vitória cruzada

Beligerantes
fronteira Cruzados fronteira Aiúbidas
Comandantes
Vexillum Regni Hierosolymae.svg Conrado de Monferrato

Vexillum Regni Hierosolymae.svg Sancho Martin

Flag of Ayyubid Dynasty.svg Saladino

Flag of Ayyubid Dynasty.svg Abdal Salam

Flag of Ayyubid Dynasty.svg Abdal Mocene

Flag of Ayyubid Dynasty.svg Alfaris Bedrane

Forças
número desconhecido de soldados
17 galés
número desconhecido de soldados
10 galés
Baixas
Insignificantes Consideráveis

O Cerco de Tiro teve lugar de 12 de novembro de 1187 a 1 de janeiro de 1188. Um exército comandado por Saladino fez um assalto anfíbio sobre a cidade, defendida por Conrado de Monferrato. Após dois meses de luta contínua, Saladino dispersou seu exército e recuou para Acre. [1]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em julho de 1187, Conrado de Monferrato deixa Gênova. Sua primeira intenção era apoiar seu pai na Terra Santa. Conrado era o segundo filho do marquês Guilherme V de Monferrato, o Velho, e sua esposa Judite de Babemberga (1110/1120–1168), filha de Leopoldo III de Babemberga. Ele era meio-irmão de Amadeu III de Saboia, cunhado de Luis VII de França, e primo de Federico I Barbarruiva e de Leopoldo V da Áustria. Seu pai era o senhor do Castelo de São Elias, um pequeno feudo (hoje Tayibe, no distrito Central, na cidade de Israel). [2]

Conrado primeiramente foi para o Acre que estava nas mãos dos muçulmanos que, depois da desastrosa Batalha de Hatim, detinham grande parte da Terra Santa, [3] incluindo Jerusalém. [4] Os remanescentes dos exércitos cruzados se reuniram em Tiro, que era uma das principais cidades sob o domínio cristão. Então Conrado seguiu [navegou] para o norte, para Tiro, e encontrou o que havia sobrado dos exércitos cruzados derrotado pelos Aiúbidas na Batalha de Hatim, comandados por Saladino. Em Tiro estavam Raimundo III de Trípoli, Reginaldo de Sidom, Balião de Ibelin [5] e outros nobres que haviam escapado àquela batalha de Hatim, alguns dos quais eram, Raimundo, o filho do príncipe de Antioquia, com toda a sua companhia, os quatro filhos de Ermengarda, a dama do Senhorio de Tiberíades e seu esposo Gualtério, eram eles Hugo II de Saint-Omer, Raul de Saint-Omer, Guilherme e Oste, também o conde Joscelino de Courtenay. Raimundo, em seguida, voltou para Trípoli e morreu, pouco depois, por conta de seus ferimentos e Balião foi para Jerusalém buscar, em segurança, seus familiares. .[6]

Neste meio tempo, Saladino, em sua campanha, pós Hatim, seguindo para o norte, tomara a maior parte das cidades e fortalezas do Reino de Jerusalém,. Assim caíram as cidades de Tiberíades, Acre, em 9 de julho, Nablus, Jafa, Toron, Sidom, Beirute, antes de 6 de agosto e Ascalão, sucessivamente. Movendo contra Jerusalém, e sua consequente captura em 2 de outubro, quando a cidade foi entregue por Balião. [7]

Já no Tiro, Reginaldo de Sidom, assumindo a liderança da cidade, preparava-se para negociar a sua rendição com Saladino. Nesta negociação, Conrado teria derrubado uma bandeira de Saladino, após o que pediu apoio incondicional aos moradores de Tiro. Reginaldo recusou-se a cooperar e retirou-se para o seu Castelo de Beaufort, seguindo pelo rio Litani, sob a alegação de que iriam refortificar seu castelo em Belfort. [8]

Com exceção do Líbano, que durou vários meses sob a liderança de Conrado de Monferrato, Conrado se tornou o líder do exército naquele lugar. Ele imediatamente começou a organizar sua defesa nas muralhas da cidade, e ordenou que se fizessem trincheiras profundas através da toupeira que unia a cidade à costa, para impedir que o inimigo se aproximasse da fortaleza.[9]

O cerco[editar | editar código-fonte]

Conrado chega a Tiro: esboço marginal no final dos anos 12 " Brevis Historia Regni Hierosolymitani ", uma continuação dos " Anais de Gênova " (Bib. Nat. Française)

O exército muçulmano chegou em 12 de novembro de 1187 e imediatamente iniciou o cerco. Essa era uma nova tentativa de tomar a cidade. O resto do exército chegou 13 dias depois. [10] Quando Saladino atacou a cidade, os aiúbidas viram que a cidade estava bem sitiada.

As batalhas foram acirradas com baixas de ambos os lados. O exército de Saladino tinha dezessete catapultas no cerco que constantemente atacavam as muralhas da cidade, enquanto os navios dos cruzados, cheios de arqueiros, besteiros e máquinas de atirar pedras, assediavam o exército atacante. [11]

Todos os ataques de Saladino fracassaram, e o cerco se arrastou, com ocasionais investidas dos defensores, liderados por um cavaleiro espanhol chamado Sancho Martin, [12] mais conhecido como o Cavaleiro Verde devido à cor de seus braços.[13] A sua bravura e habilidade foram mencionadas como de causar admiração em ambos os exércitos cristãos e muçulmanos, e particularmente em Saladino. Foi dito que Saladino ofereceu-lhe muitas riquezas se ele se convertesse ao Islão e lutasse em seu exército, no entanto, ele recusou[13] e continuou liderando os ataques cristãos contra o exército muçulmano.[13]

Saladino então apresentou o pai de Conrado Guilherme V de Monferrato, seu prisioneiro, em frente aos portões da cidade (ele havia sido capturado na Batalha de Hatim). [14] Guilherme havia deixado seu pequeno feudo e se envolvera nas sangrentas batalhas de Hatim, onde foi capturado por Saladino. E saladino, segundo suas palavras, libertaria o pai de Conrado e lhe daria presentes caso entregasse a cidade aos muçulmanos. Seu pai pediu que Conrado resistissemesmo que os muçulmanos ameaçassem matá-lo. Em resposta a Saladino, Conrado, gritou que talvez fosse melhor a morte, porque seu pai, Guilherme, tivera uma boa vida, e ele mesmo, Conrado, apontou sua besta para o pai. Conrado percebera o blefe de Saladino, e seu pai seria libertado em Tortosa em 1188 vindo a morrer, posteriormente, em 1191, em Tiro, onde havia permanecido. [15]

Ficou claro para Saladino que apenas vencendo no mar ele poderia tomar a cidade e convocou uma frota de 10 galés comandada por um marinheiro norte-africano chamado Abdal Salam. A frota muçulmana teve sucesso inicial em forçar as galeras cristãs a entrar no porto, mas durante a noite de 29 e 30 de dezembro, uma frota cristã de 17 galés atacou cinco das galeras muçulmanas, infligindo uma derrota decisiva e capturando-as. Cronistas muçulmanos afirmam que a incompetência de Alfaris Bedrane levou à derrota. [10] As galés restantes foram obrigadas a se retirarem, dados seus números baixos. Após este revés naval, as forças de Saladino fizeram uma tentativa final de tomar a cidade, mas foram novamente derrotadas, sofrendo pesadas perdas. [13]

Após esses eventos, Saladino convocou seus emires para uma conferência, para discutir se eles deveriam se retirar ou continuar tentando. As opiniões foram divididas, mas Saladino, vendo o estado de suas tropas, decidiu se retirar para o Acre. O cerco terminou em 1 de janeiro de 1188. [10]

Em detrimento a isto a cidade sofreu uma série de ataques, após o que Saladino desistiu e virou-se para o sul, em direção à Cesaréia, Arçufe e Jafa. [16]

Consequências[editar | editar código-fonte]

Após a vitória, o prestígio de Conrado recebeu um grande impulso. Para Saladino, [17] constituiu um ponto de virada em seu prestígio. Provou a incapacidade de seu exército de sustentar longos cercos. Para os cruzados, foi uma vitória muito importante porque Tiro tornou-se uma referência para o futuro renascimento cristão durante a Terceira Cruzada. Se Tiro não tivesse resistido, é provável que a Terceira Cruzada tivesse obtido muito menor sucesso. [18] Assim, sem a derrota em Hatim e a conseqüente perda de Jerusalém, provavelmente, não haveria a Terceira Cruzada.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. A. KONSTAM, Atlas histórico das Cruzadas, 133
  2. "Crusades." Encyclopædia Britannica Online. Encyclopædia Britannica, 2011. Web. 24 de outubro de 2011.
  3. Peter W. Edbury, The Conquest of Jerusalem and the Third Crusade. Ashgate, 1996.
  4. "Saladin and the Fall of Jerusalem". Por Geoffrey Regan, página 135.
  5. "Knights of Jerusalem: The Crusading Order of Hospitallers 1100-1565". Por David Nicolle, página 73.
  6. «Cerco de Jerusalém (1099)». Wikipédia, a enciclopédia livre. 2 de maio de 2018 
  7. "God's War: A New History of the Crusades". Por Christopher Tyerman, página 230.
  8. MADDEN, Thomas (2005). A história ilustrada das Cruzadas. Ann Arbor: University of Michigan P
  9. A. KONSTAM, Historical Atlas of The Crusades, 119
  10. a b c Nicholson p.81-82
  11. "Saladin and the Fall of Jerusalem". Por Geoffrey Regan, página 135.
  12. Folda p.28
  13. a b c d Payne p.280-282
  14. Dias 1940, p. 173.
  15. P. M. Holt, The Age of the Crusades: The Near East from the Eleventh Century to 1517. Longman, 1986.
  16. Steven Runciman, A History of the Crusades, vol. II: The Kingdom of Jerusalem and the Frankish East, 1100–1187. Cambridge University Press, 1952.
  17. "Lust for Power". Por Dick W. Zylstra, página 67.
  18. Lane-Poole p.241-243

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ambrósio (2003). The History of the Holy War. Traduzido por Ailes, Marianne. Sufolque: Boydell Press 
  • Bennett, Matthew; Hooper, Nicholas (1996). The Cambridge Illustrated Atlas of Warfare: The Middle Ages, 768-1487. Cambrígia: Cambridge University Press 
  • Boadino (1897). The Life of Saladin. Traduzido por Wilson, C. W. Londres: Sociedade de Textos Peregrinos da Palestina 
  • Boas, Adrian J. (2015). The Crusader World. Londres e Nova Iorque: Routledge 
  • Dias, Eduardo (1940). Árabes e muçulmanos. Lisboa: Livraria clássica editora, A. M. Teixeira & c.a. 
  • Gillingham, John (1978). Richard the Lionheart. Londres: Weidenfeld & Nicolson. ISBN 0-297-77453-0 
  • Godofredo de Vinsaufe (2001). Richard of Holy Trinity - Itinerary of Richard I and others to the Holy Land (formerly ascribed to Geoffrey de Vinsauf). Ontário e Cambrígia: Parentheses Publications 
  • Nicholson, H. J. (1997). The Chronicle of the Third Crusade: The Itinerarium Peregrinorum et Gesta Regis Ricardi. Farnham: Ashgate 
  • Oman, Charles William Chadwick (1924). A History of the Art of War in the Middle Ages Vol. I, 378–1278 AD. Londres: Greenhill Books 
  • Runciman, S. (1987). A History of the Crusades: Volume III, The Kingdom of Acre and the Later Crusades. Cambrígia: Cambridge University Press 
  • Sepulveda, Cristóvão Ayres de Magalhães (1902). História orgânica e politica do exército português Vol. I. Lisboa: Imprensa Nacional 
  • Sepulveda, Cristóvão Ayres de Magalhães (1901). Organização militar dos árabes na Peninsula. Lisboa: Imprensa Nacional 
  • Verbruggen, J. F. (1997). The Art of Warfare in Western Europe During the Middle Ages: From the Eighth Century to 1340. Sufolque: Boydell & Brewer 
  • «The Templar Castle of Vadum Iacob» (em inglês) 
  • «The Crusaders' Lost Fort - BBC Timewatch» (em inglês) 
  • Aldo A. Settia, voce: Guglielmo V di Monferrato, detto il Vecchio, in Dizionario Biografico degli Italiani, vol. LX,
  • Frontier Activities: the Transformation of a Muslim Sacred Site into the Frankish Castle of Vadum Iacob, Crusades, 3, 83-98, R. Ellenblum, 2003
  • George Payne Rainsford James (1854), Uma história da vida de Richard Coeur - de - Leão, rei da Inglaterra, vol. 2
  • Helen Nicholson, David Nicolle (2005), Guerreiros de Deus: Cavaleiros Templários, Sarracenos e a Batalha por Jerusalém
  • Jaroslav Folda (2005), Crusader arte na Terra Santa: a partir da Terceira Cruzada para a queda do Acre 1187 - 1291
  • Raoul Molinari (a cura di), La Marca Aleramica. Storia di una regione mancata, Umberto Soletti Editore, Baldissero d'Alba, 2008.
  • Stanley Lane - Poole (1985), Saladino e a queda do Reino de Jerusalém
  • The Templars: Knights of God, p. 14, Edward Burman
  • Walter Haberstumpf, Corrado di Monferrato alla corte del basileus Isacco 2. Angelo (1186-1187 c.), in Atti del Convegno Storico Terre sul Po dal Medioevo alla Resistenza (Crescentino, 2-3 ottobre 1998), p. 137-152
  • Walter Haberstumpf, Dinastie europee nel Mediterraneo orientale. I Monferrato e i Savoia nei secoli XII – XV, Torino 1995 ([1]).
  • Nicholson, Hellen (2005). God's Warriors: Knights Templar, Saracens and the Battle for Jerusalem. [S.l.: s.n.] 
  • (em inglês) Itinerarium Peregrinorum et Gesta Regis Ricardi, ed. William Stubbs, Rolls Series, (London: Longmans, 1864) III, 1, 5, 13, 17–18 (pp. 210–11, 214–17, 224–26, 231–34), traduzido por James Brundage, The Crusades: A Documentary History, (Milwaukee, WI: Marquette University Press, 1962), 175–81 [2]
  • (em inglês) James Jr Reston (2001). "Warriors of God: Richard the Lionheart and Saladin in the Third Crusade". Random House, New York. ISBN 0-385-49561-7.
  • Bernard Hamilton, The Leper King and His Heirs: Baldwin IV and the Crusader Kingdom of Jerusalem, 2000.
  • Leopoldo Usseglio, I Marchesi di Monferrato in Italia ed in Oriente durante i secoli XII e XIII, Casale Monferrato 1926.