Ceres (Goiás)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ceres
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Ceres
[[1]]
Hino
Gentílico ceresino
Localização
Localização de Ceres em Goiás
Localização de Ceres em Goiás
Mapa de Ceres
Coordenadas 15° 18' 28" S 49° 35' 52" O
País Brasil
Unidade federativa Goiás
Municípios limítrofes Rialma, Carmo do Rio Verde, Rubiataba e Ipiranga de Goiás
Distância até a capital 180 km
História
Fundação 1953 (67 anos)
Aniversário 4 de setembro
Administração
Prefeito(a) Rafaell Dias Melo (PSDB, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [1] 213,497 km²
População total (estimativa populacional IBGE/2016[2]) 22 034 hab.
Densidade 103,2 hab./km²
Clima tropical semi úmido
Altitude 590 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[3]) 0,775 alto
 • Posição GO: 2º
PIB (IBGE/2008[4]) R$ 178 756,119 mil
PIB per capita (IBGE/2008[4]) R$ 9 352,10

Ceres é um município brasileiro do estado de Goiás. Sua população em 2016 foi estimada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em 22.034 habitantes.[2]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Ceres teve sua origem na Colônia Agrícola Nacional de Goiás, cujo primeiro administrador foi o engenheiro Bernardo Sayão Carvalho de Araújo, mais tarde construtor da rodovia Belém-Brasília. Em 4 de setembro de 1953, com terras desmembradas do município de Goiás, o distrito foi elevado à categoria de município. Ceres está situada às margens do Rio das Almas que a separa de Rialma, sendo ligada a esta por duas pontes. Suas principais atividades econômicas são a agricultura (milho, soja e arroz) e a pecuária leiteira e de corte, destacando-se também no ramo de saúde.

Economia e serviços[editar | editar código-fonte]

O município é também grande produtor de abacaxi, banana, melancia, mandioca, cana-de-açúcar, batata, cará, laranja e produtos hortifrutigranjeiros. Possui indústrias de farinha, móveis, carroças e serralherias, fábricas de queijo, cerâmica, torrefadoras de café e cerealistas.

É referência no setor médico-hospitalar no interior goiano e em todo o Brasil, como cidade brasileira com maior número de leitos hospitalares por habitante[carece de fontes?].

Cultura[editar | editar código-fonte]

Eventos[editar | editar código-fonte]

Ceres possui vários eventos importantes.

  • Fevereiro: comemorações religiosas da semana santa, com as tradicionais missa de lava pés, missa de ramos e a procissão do senhor morto, na sexta-feira da paixão, Retiro de carnaval no APC, Noite evangélica.
  • Março: 17 de março, feriado municipal em comemoração ao Dia de São Patrício, padroeiro de Ceres.
  • Maio: dia do Trabalho.
  • Junho: arraial da Praça, Grande Festa Junina na Praça Cívica de Ceres. Tradicionais barraquinhas, organizadas por diversas escolas; Jogos Estudantis.
  • Julho: semana de Bernardo Sayão – homenagem em comemoração ao nascimento de Bernardo Sayão.
  • Agosto: Festa Folclórica.
  • Setembro: aniversário da cidade; desfile estudantil, corrida de pedestres.
  • Outubro: feira de ciências nas comemorações ao Dia da Criança;
  • Dezembro: comemoração do Dia de Nossa Senhora Imaculada Conceição.

Um dos destaques da cidade é o Centro Cultural de Ceres que foi construído em uma área de 1.527m², como instalação em três níveis.[carece de fontes?].

Geografia[editar | editar código-fonte]

O município localiza-se no Vale do São Patrício numa área total de 214,322 km².

Clima[editar | editar código-fonte]

Ceres possui um clima tropical semi-úmido. No inverno, as mínimas podem chegar aos 10 °C ou menos e as máximas alcançam os 30 °C. Nesse período, a umidade relativa do ar fica baixa (entre 10% e 20% na hora mais quente do dia). Na primavera, as temperaturas sobem mais ainda e podem superar os 40 °C. O mês de setembro é o mais quente tanto à noite quanto de dia, pois as mínimas ficam próximas dos 30 °C e as máximas acima de 40 °C.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  2. a b «Estimativa Populacional 2016». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2016. Consultado em 8 de agosto de 2016 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 2 de agosto de 2013 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]