Cernache

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para pela freguesia do concelho da Sertã, veja Cernache do Bonjardim.
Portugal Portugal Cernache 
  Freguesia  
Cernache está localizado em: Portugal Continental
Cernache
Localização de Cernache em Portugal
Coordenadas 40° 08' 25" N 8° 28' 05" O
País Portugal Portugal
Concelho CBR.png Coimbra
Administração
 - Tipo Junta de freguesia
 - Presidente Vítor Manuel Alves de Carvalho (PCP-PEV)
Área
 - Total 19,17 km²
População (2011)
 - Total 999 999
    • Densidade 52 164,8 hab./km²
Código postal 3040
Orago Nossa Senhora da Assunção
Sítio http://www.jf-cernache.pt/

Cernache é uma freguesia portuguesa do concelho de Coimbra, com 19,17 km² de área e 4 048 habitantes (2011). A sua densidade populacional é de 211,2 hab/km².

Foi vila e sede de concelho entre 1420 e 1836[1]. O município era constituído por uma freguesia e tinha, em 1801, 1 638 habitantes.

Localização[editar | editar código-fonte]

A povoação de Cernache, centro da freguesia de Cernache, encontra-se no extremo sul, fazendo fronteira com o concelho de Condeixa, distando cerca de 8 quilómetros de Coimbra.

Localização no Concelho de Coimbra

Demografia[editar | editar código-fonte]

População[editar | editar código-fonte]

População da freguesia de Cernache [2]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
2 309 2 686 2 828 2 866 2 927 2 811 2 850 3 010 2 964 3 030 3 101 3 496 3 650 3 871 4 048

Evolução da População (1864 / 2011) Grupos Etários (2001 e 2011) Grupos Etários (2001 e 2011)

No censo de 1864 tinha a designação de Cernache e nos censos de 1878 a 1930 figura com a designação de Sernache dos Alhos. Passou a ter a actual designação por decreto de 02/06/1910 (Fonte: INE)

História[editar | editar código-fonte]

Numerosos vestígios atestam a presença dos povos hispano-romanos na freguesia, mas é com a fixação da capital em Coimbra, no reinado de D. Afonso Henriques, que se inicia o desenvolvimento da povoação. Ao tempo, graças às influências dos mosteiros dos cónegos regrantes de Santo Agostinho e de Celas, que aqui possuíam extensas propriedades.

Desse tempo, restam alguns rodízios na ribeira de Cernache e seus inúmeros pequenos afluentes, a testemunhar a importância de tal actividade no passado. Na verdade, grande parte dos cereais consumidos em Coimbra foi durante séculos farinada pelos moleiros desta freguesia, que cobravam uma certa maquia estabelecida pela Câmara da cidade.

Cernache foi concelho, com Câmara e todos os funcionários administrativos e judiciais necessários, chamando-se então Sernache dos Alhos[1], pela abundância e boa qualidade destas liliáceas que os seus campos férteis produzem. É daqui que sai também a maior parte da cebola que se vende enrestiada nas feiras de S. Bartolomeu em Coimbra ou nas de Soure e Montemor.

Elevada a vila em 1420, por carta de D. João I, que entregou o senhorio a seu filho D. Pedro, duque de Coimbra, Cernache recebeu mais tarde o seu foral, concedido por D. Manuel I, em 15 de Setembro de 1514, mercê que o decreto de 6 de Novembro de 1836 suprimiu.

Da sua história ressaltam, ainda, os donatários ilustres. Assim, no século XVI, foi de Gonçalo Nunes Barreto, a quem D. Fernando concedeu a jurisdição civil, em 1376. O infante regente D. Pedro doou a povoação, juntamente com Almalaguês e Sobreiro, a Guilherme Arnao, fidalgo inglês vindo no séquito da rainha D. Filipa, como mordomo. Muito ligado ao infante, morreu com ele na batalha de Alfarrobeira. Dele descendem os Arnaut.

A sede da freguesia, que começou a estender-se ao longo da Estrada Nacional n.º1, esteve desde tempos muito antigos ligada a Coimbra. Nas imediações passava a estrada romana de Lisboa a Braga, e os peregrinos chegavam a esta vila, onde Álvaro Anes de Cernache fundara um hospital e uma albergaria especialmente para os acolher. Sobre esta escreveu Giovanni Confalonieri, em 1594: "Tem uma hospedaria bem cuidada, com serviço de pratos, por certo parecido com Itália".

Património[editar | editar código-fonte]

Quinta dos Condes de Esperança[editar | editar código-fonte]

À entrada de Cernache, assinalada por um torreão de gosto romântico, fica a antiga Quinta dos Condes de Esperança, com o seu parque agradabilíssimo de grutas e altos plátanos, que já teve fama de ser um dos melhores do País. Foi adquirida pela Companhia de Jesus, que ali instalou um bem apetrechado colégio dirigido pelos padres jesuítas. Actualmente, continua a funcionar um colégio, o CAIC. É um colégio privado mas, devido a um acordo com o Estado Português, todos os alunos que o frequentarem, apenas precisam de pagar as refeições. O CAIC leciona do 5º ao 12º ano.

Igreja matriz[editar | editar código-fonte]

A igreja matriz testemunha o passado histórico da vila, apresentando vestígios dos séculos XIII-XIV, românicos, na sacristia e capela-mor. O corpo, renascentista, sofreu grandes ampliações no século XVI, ganhando um notável efeito decorativo no interior, por causa das suas elegantes capelas laterais. Possui ainda um notável conjunto de obras de arte, de que se destacam a estatuária pétrea da Renascença coimbrã, uma credência, também de calcário de Ançã, da época de D. João V, os azulejos, datados de 1770 e fabricados em Coimbra, e o retábulo maneirista. Na capela do Santíssimo, a merecer a maior atenção é o famoso relevo de alabastro de Nottingham, considerada a mais bela escultura de todas quantas se fizeram em Inglaterra no século XIV. Representa a Coroação da Virgem e terá vindo para Portugal com o séquito de D. Filipa de Lencastre, pela mão de Guilherme Arnao, senhor da povoação.

Museu Moinho das Lapas[editar | editar código-fonte]

Dos 72 moinhos outrora existentes na freguesia de Cernache, restam, ao longo da ribeira que atravessa a vila, o moinho das Lapas agora transformado em museu, o moinho do José Café transformado num pequeno museu particular da actual proprietária Amélia Póvoa, o moinho do António Póvoa, parcialmente conservado com os seus pertences e o moinho do "Sono", o único ainda em actividade.

Os restantes ou foram demolidos ou encontram-se degradados ou mesmo em ruína. Sobre os moinhos e moleiros de Cernache veja-se o livro com o mesmo título, n.º 8 da série "Coimbra Património" editado em 2007 pela Câmara Municipal de Coimbra, à venda na Casa da Cultura.

Actualidade[editar | editar código-fonte]

Cabeça do aeródromo de Coimbra, o ainda hoje conhecido por Aeródromo de Cernache estende-se pela freguesia vizinha.

A antiga vila viu desaparecer as suas indústrias tradicionais, a da moagem e a de escovas e vassouras, para, em seu lugar, surgirem as indústrias de cerâmica, alimentares e muitas outras de menor dimensão.

Personalidades[editar | editar código-fonte]

Pintor Belchior da Fonseca[editar | editar código-fonte]

O pintor Belchior da Fonseca seria possivelmente natural de Cernache, pois aqui residiu na segunda metade do século XVI. Um dos mais ilustres filhos da terra foi, porém, Álvaro Anes de Cernache, que foi porta-bandeira da Ala dos Namorados na Batalha de Aljubarrota e anadel-mor dos besteiros a cavalo.

Poeta Campos de Figueiredo (1895-1965)[editar | editar código-fonte]

Filho de um ferreiro, natural de Cernache, imortalizou a terra em belos poemas. Analisado pelos maiores nomes da crítica literária, foi incluído como um dos "Vinte Poetas Contemporâneos" por David Mourão-Ferreira (Lisboa, 1961). Ao sol, à chuva, ao vento, edificastes A casa onde eu nasci, a vossa face Regou, de pranto, a terra que lavrastes. Encontram-se poemas da sua autoria na revista Altura[3] nº2 de Maio de 1945.

Professor Aníbal Pinto de Castro (1938-2010)[editar | editar código-fonte]

Um dos mais ilustres filhos da terra, de humildes origens, foi catedrático de literatura, autor de "Retórica e Teorização Literária em Portugal", de 1973.

Escritora Teolinda Gersão (1940-)[editar | editar código-fonte]

Professora catedrática da Universidade Nova de Lisboa, uma das maiores escritoras portuguesas da actualidade, tem origens na terra, descendente dos criadores da farmácia do Largo da Praça, originalmente "Farmácia de Cernache".

Referências

  1. a b «Paróquia de Ceira». Arquivo da Universidade de Coimbra. Consultado em 8 de Novembro de 2013. 
  2. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
  3. Altura : cadernos de poesia (1945) cópia digital, Hemeroteca Digital


Ícone de esboço Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.