Cetoniidae

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCetoniidae
Espécie de Cetoniidae do gênero Gymnetis, fotografada nas Ilhas Moleques do Sul
Espécie de Cetoniidae do gênero Gymnetis, fotografada nas Ilhas Moleques do Sul
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Classe: Insecta
Ordem: Coleoptera
Subordem: Polyphaga
Infraordem: Scarabaeiformia
Superfamília: Scarabaeoidea
Família: Cetoniidae

Cetoniidae é uma família (outrora denominada subfamilia Cetoniinae) de besouros escaravelhos, conhecidos como carocha ou carochinha, entre outros nomes[1]. Os adultos de Cetoniidae se alimentam de diversas partes vegetais, como pólen, frutas e néctar[2][3]. As larvas se alimentam de matéria em decomposição, como troncos podres, folhas podres, fezes, entre outros[3][2].

Ocorrem em todos os continentes, com cerca de 4000 espécies já identificadas no mundo e 72 registradas para o Brasil (de 24 gêneros), por volta do ano 2018[2].

Mudanças na Classificação[editar | editar código-fonte]

Na área da Ciência de classificação dos insetos (chamada taxonomia) estudos recentes, das primeiras décadas do século XXI, têm demonstrado que Cetoniidae deve ser de fato considerada uma família, e não uma subfamilia de escaravelhos Scarabaeidae, como muitos pesquisadores tradicionalmente consideraram ao longo do século XX[3][4].

Identificação[editar | editar código-fonte]

Os Cetoniidae estão entre os escaravelhos mais bonitos, pois muitas espécies apresentam cores metálicas ou bastante chamativas, com desenhos e manchas coloridas na carapaça[3]. Espécies do gênero Gymnetis, por exemplo, apresentam pintas como uma onça, ou até manchas como uma zebra. No entanto, também existem espécies de cores totalmente escuras ou menos chamativas.

O tamanho varia, de besouros muito pequenos (alguns milímetros) até enormes (11 centímetros), como as espécies africanas do gênero Goliathus, cujo mais famoso representante é o besouro golias, um dos maiores insetos do mundo[3].

Importância[editar | editar código-fonte]

Muitas espécies são polinizadoras e as larvas se alimentam de matéria orgânica em decomposição, funcionando como recicladoras de nutrientes[3].

Cetoniidae polinizador, com pólen aderido ao corpo.

Alimentação[editar | editar código-fonte]

Dependendo da espécie, os adultos podem se alimentar de frutas, pólen, néctas, pétalas de flores, entre outras partes vegetais[3][2]. Já, as larvas, sempre se alimentam de matéria orgânica em decomposição[2][3].

Diversidade de espécies[editar | editar código-fonte]

Abaixo segue uma amostra da diversidade Cetoniidae.

Referências

  1. José Albertino, Rafael; et al. (2012). Insetos do Brasil: Diversidade e Taxonomia. Ribeirão Preto: Editora Holos. pp. 810pp.
  2. a b c d e EVANGELISTA NETO; et al. (2018). «Diversity of Cetoniidae (Insecta: Coleoptera) in the Cerrado of Central Brazil». Entomological Science, n21, 84 –92. Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  3. a b c d e f g h Micó; et al. (2008). «Larval morphology enhances phylogenetic reconstruction in Cetoniidae (Coleoptera: Scarabaeoidea) and allows the interpretation of the evolution of larval feeding habits». Systematic Entomology 33(1):128 - 144. Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  4. Cherman M.A., Morón M.A. (2014). «Validación de la família Melolonthidae Leach, 1819 (Coleoptera: Scarabaeoidea)». Acta Zoológica Mexicana 30, 201– 220. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
Ícone de esboço Este artigo sobre coleópteros é um esboço relacionado ao Projeto Coleoptera. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.