Chacina em Saudades (Santa Catarina)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Massacre Escolar no Município de Saudades
Local Escola Infantil Pró-Infância Aquarela, Industrial, Saudades, Santa Catarina, Brasil
Coordenadas 26° 55′ 34″ S, 52° 59′ 54″ O
Data 4 de maio de 2021 (2 meses)
9h50[1] (UTC−3)
Tipo de ataque Massacre escolar
Assassinato em massa
Infanticídio
Arma(s) Catana,[2] adaga[3]
Mortes 5
Feridos 1
Responsável(is) Fabiano Kipper Mai
Motivo Desconhecido

A chacina no município de Saudades foi um massacre escolar com infanticídio ocorrido em 4 de maio de 2021 na escola municipal de educação infantil (creche) Aquarela, localizada na cidade de Saudades, próxima a Chapecó, em Santa Catarina. A escola atende crianças de 6 meses a 2 anos de idade.[4][5]

Três crianças, uma professora e uma funcionária morreram no ataque, perpetrado por um jovem de 18 anos, natural da cidade,[4][5][6] identificado pelas autoridades como Fabiano Kipper Mai.[7]

O caso teve repercussão internacional.[8][9][10][11]

Crime[editar | editar código-fonte]

Fabiano Kipper Mai, autor do crime
Espada com lâmina de 80 cm usada por Fabiano Kipper Mai para matar as 3 crianças, a professora e a funcionária.

Segundo informação da Polícia Civil, por volta das 10 da manhã de 4 de maio de 2021, Fabiano Kipper Mai, um jovem de 18 anos sem histórico criminal, dirigiu-se de bicicleta à creche Pró-Infância Aquarela, no centro de Saudades. Ao entrar na creche, começou por atacar uma professora de 30 anos que, embora ferida, correu para uma sala onde estavam quatro crianças e uma funcionária da escola, na tentativa de alertar sobre o perigo. Fabiano Mai atacou então as crianças que estavam na sala e a funcionária. Duas meninas de menos de dois anos de idade e a professora que sofreu o ataque inicial morreram no local. Uma outra criança e a funcionária morreram posteriormente no hospital.[12]

Quando a secretária de educação da cidade, Gisela Hermann, recebeu uma ligação relatando sobre o caso, ela foi até o local e descreveu o que viu: "Chegamos lá, uma cena de terror. Consegui entrar na escola. Tinha um cara deitado no chão, mas ainda vivo, uma professora morta, uma criança morta também. A sala estava fechada, não deixaram a gente entrar".[4][5] Segundo o G1, funcionárias esconderam as crianças quando o assassino começou o ataque.[4]

O delegado regional de Chapecó, Ricardo Newton Casagrande, afirmou que o jovem entrou no local e atingiu as vítimas com uma catana.[4] Fabiano Mai foi preso no local e levado em estado grave a um hospital da cidade vizinha de Pinhalzinho, depois de tentar cometer suicídio desferindo golpes de catana contra si mesmo.[4][6]

O delegado Jerônimo Marçal Ferreira, da Polícia Civil de Santa Catarina e responsável pelo caso, informou que o autor confessou o crime disse que a professora e a agente de educação foram heroínas ao impedir que o jovem fosse para outras salas e mesmo feridas conseguirem com êxito evitar o pior: "Ele tentou entrar em todas as salas e não conseguiu. Aquelas mulheres conseguiram evitar que um mal maior acontecesse, foram muito valentes", disse o delegado.[13]

"Temos duas heroínas. Que Deus as receba junto com essas três crianças. Força e resiliência às famílias. Desejo a todos que consigam superar esse momento triste da sua vida", disse a governadora de Santa Catarina, Daniela Reinehr.

Luto oficial[editar | editar código-fonte]

Logo após o crime, a governadora em exercício do estado, Daniela Reinehr, anunciou luto oficial em seu Twitter. "Decreto luto oficial de três dias no Estado após a tragédia em Saudades, onde morreram crianças e professoras de um centro de educação infantil. Manifesto profunda tristeza e presto minha solidariedade. Determinei que o governo dê todo o amparo necessário às famílias", escreveu.[4]

Vítimas fatais[editar | editar código-fonte]

  • Keli Adriane Aniecevski, de 30 anos, professora
  • Mirla Amanda Renner Costa, de 20 anos, agente educacional
  • Sarah Luiza Mahle Sehn, de 1 ano e 7 meses
  • Murilo Massing, de 1 ano e 9 meses
  • Anna Bela Fernandes de Barros, de 1 ano e 8 meses

Sobrevivente[editar | editar código-fonte]

A agente educativa Aline Biazebetti, de 27 anos, vizinha da escola, resgatou uma das crianças, um menino chamado Henrique. Ao ouvir a confusão, ela entrou na escola enquanto o agressor ainda estava no local, retirou a criança, entrou em um carro e a levou para o hospital. "Nunca vou esquecer o olhar dessa criança para mim, como uma forma de pedir socorro”, disse Aline.[14]

Henrique, que tinha 1 ano e oito meses, precisou passar por uma cirurgia, mas teve alta no dia 09 posterior.[15][16][17]

Prisão, investigação, julgamento e pena[editar | editar código-fonte]

Durante a investigação, que contou até com o apoio da Embaixada dos Estados Unidos, mais de 20 pessoas foram ouvidas, tendo o próprio criminoso prestado depoimento no dia 10 de maio, enquanto ainda estava internado, sob custódia policial, no Hospital Regional do Oeste, em Chapecó. A polícia também aprendeu aparelhos eletrônicos e dispositivos apreendidos pertencentes ao jovem.[18][19]

Mai recebeu alta no dia 12 de maio e foi levado direto para a prisão, já com o "uniforme penitenciário de cor laranja e algemas", relata o Correio do Povo.[16]

No dia 14 de maio, os delegados realizaram uma coletiva de imprensa após o fim do inquérito, detalhando, entre outras coisas: ter escolhido a creche pela fragilidade das vítimas (crianças e mulheres; o autor do ataque tinha plena consciência do que fez e de que isto era errado; que foi um crime premeditado durante 10 meses. O delegado Ferreira também disse que Mai tinha dificuldades de relacionamento em “um nível muito acima do normal”. "Nos últimos tempos, ele cada vez mais foi se isolando no mundo" e que o jovem passou "tinha acesso a muito conteúdo inapropriado e contato com pessoas que pensavam como ele. Começou a alimentar este ódio a ponto de querer descarregar em alguém. Não era alguém específico...era um ódio generalizado".[20]

No dia 21 de maio, Ministério Público de Santa Catarina denunciou Mai por 5 homicídios e uma tentativa com o agravante de crime triplamente qualificado - motivo torpe, utilização de recurso que impossibilitou a defesa das vítimas e utilização de meio cruel.[20]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «"Ele queria matar o máximo possível de pessoas", afirma delegado sobre ataque em Saudades». GauchaZH. 14 de maio de 2021. Consultado em 14 de maio de 2021 
  2. «Katana: vídeo mostra arma utilizada em ataque a creche em Santa Catarina». ND+. Consultado em 5 de maio de 2021 
  3. «Jovem com faca invade creche e mata crianças e professora no Oeste de SC». NSC. Consultado em 5 de maio de 2021 
  4. a b c d e f g «Jovem invade escola e mata três crianças e duas funcionárias no Oeste de SC». G1. Consultado em 4 de maio de 2021 
  5. a b c «Mortes em creche de SC: 'Chegamos lá, uma cena de terror', diz secretária municipal de Educação». G1. Consultado em 4 de maio de 2021 
  6. a b «Vídeos mostram resgate após ataque a creche em Saudades (SC)». R7.com. 4 de maio de 2021. Consultado em 4 de maio de 2021 
  7. Observador. «Brasil. Rapaz de 18 anos invade escola e mata pelo menos 5 pessoas em Santa Catarina». Observador. Consultado em 4 de maio de 2021 
  8. «Brazilian teenager kills three kids, two workers in daycare center». Reuters. 4 de maio de 2021. Consultado em 4 de maio de 2021 
  9. «Attacker kills children, teacher at Brazil day care centre». Outlook India. Consultado em 4 de maio de 2021 
  10. Messerattacke in Kinderkrippe – zwei Kinder tot em heute.at
  11. Brasilien: Angreifer tötet mehrere Menschen in Kita em zeit.de
  12. News, Campo Grande. «Em Santa Catarina, homem invade creche com adaga e mata, pelo menos, 5 pessoas». Campo Grande News. Consultado em 4 de maio de 2021 
  13. «Polícia trabalha com várias hipóteses para descobrir a motivação da chacina em creche de Saudades». GZH. 4 de maio de 2021. Consultado em 5 de maio de 2021 
  14. «Nunca esquecerei o olhar da criança que socorri, diz professora de creche em SC». www.band.uol.com.br. Consultado em 5 de maio de 2021 
  15. «Polícia Civil conclui que autor de ataque a creche em SC agiu sozinho e planejava crime desde o ano passado». Extra Online. Consultado em 23 de maio de 2021 
  16. a b Povo, Correio do. «Autor da chacina em creche catarinense tem alta hospitalar e vai direto para sistema prisional». Correio do Povo. Consultado em 23 de maio de 2021 
  17. R7. «Bebê de 1 ano que sobreviveu a atentado em SC recebe alta». Correio do Povo. Consultado em 23 de maio de 2021 
  18. Braziliense', 'Correio. «Ataque à creche em SC: para polícia, assassino não tem distúrbio». Brasil. Consultado em 23 de maio de 2021 
  19. «Autor de ataque a creche recusou advogado em depoimento à polícia». ISTOÉ Independente. 12 de maio de 2021. Consultado em 23 de maio de 2021 
  20. a b Povo, Correio do. «Autor de ataque em Saudades escolheu creche por fragilidade das vítimas, diz Polícia Civil de SC». Correio do Povo. Consultado em 23 de maio de 2021