Charles-André van Loo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Charles-André van Loo
Nome nativo Charles André van Loo
Nascimento 15 de fevereiro de 1705
Nice
Morte 15 de julho de 1765
Paris
Cidadania França
Progenitores Pai:Louis Abraham van Loo
Filho(s) César van Loo
Ocupação pintor
Prêmios Prix de Rome, Ordem de São Miguel
Magnum opus Louis XV in Armour, Marie Leszczyńska
Movimento estético Rococó

Carle ou Charles-André van Loo (15 de Fevereiro de 170515 de Julho de 1765) foi um pintor francês, diretor da Escola Real de Alunos Protegidos e autor, dentre outros quadros, do famoso: "O deus marinho", exposto no salão da Academia Real de Pintura e Escultura de Paris, em 1741. Sua obra inclui praticamente todas as categorias: religião, história, mitologia, retrato, alegoria, etc.

Vida[editar | editar código-fonte]

Ele nasceu em Nice, até então parte do ducado da Sabóia. Van Loo seguiu seu irmão Jean-Baptiste a Turim e depois a Roma em 1712, onde estudou com supervisão de Benedetto Luti e o escultor Pierre Legros. Depois de deixar a Itália em 1723, trabalhou em Paris, estudou na Académie Royale, onde obteve o primeiro prêmio de desenho em 1723 e recebeu o primeiro prêmio de pintura histórica em 1727 - assim como seu futuro rival François Boucher.

Depois de visitar Turim em 1727, ele foi empregado pelo rei Victor Amadeus II da Sardenha, para quem pintou uma série de assuntos ilustrativos do Tasso. Em 1734, ele se instalou em Paris, e um ano depois tornou-se membro da Académie Royale de Peinture et de Sculpture, subindo rapidamente na hierarquia da academia, patrocinado pela Madame de Pompadour da corte francesa. Em 1762, foi condecorado com a Ordem de São Miguel e nomeado primeiro pintor pelo rei Luís XV da França. Um ano depois, assume o cargo de diretor na Académie Royale[1].

Ele foi o pintor mais bem sucedido da corte francesa, mas seus retratos e pinturas de história também tiveram um enorme sucesso no resto da Europa. [2]

Charles-André van Loo morreu em Paris em 15 de julho de 1765.[3]

Trabalho[editar | editar código-fonte]

Por sua simplicidade de estilo e design, resultado do estudo dos grandes mestres italianos, ele fez muito para purificar a moderna escola francesa; mas o louvor contemporâneo que foi incorporado em suas produções foi um pouco excessivo. Os seus clientes incluíam membros do tribunal, a fábrica de Gobelins, particulares e a igreja. Nos séculos seguintes, a fortuna crítica de Van Loo despencou, embora sua habilidade permaneça admirável. Sua obra "Casamento da Virgem" é preservada no Louvre.[3][2]

Embora seja reconhecidamente versátil no que diz respeito aos seus temas e técnica, não é considerado um artista completamente original. Há, em suas obras, uma remanescência do legado de Nicolas Lancret. Mesmo assim, foi fonte de influência para muitos pintores.[1]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b «Charles-André Van Loo». Encyclopedia Britannica. Consultado em 24 de setembro de 2017 
  2. a b «Charles-André Vanloo, called Carle Van Loo | LACMA Collections». collections.lacma.org (em inglês). Consultado em 23 de setembro de 2017 
  3. a b «Charles-Andre Van Loo | French painter». Encyclopedia Britannica (em inglês) 
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) pintor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Charles-André van Loo