Chatterbot

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Captura de ecrã do programa ELIZA a conversar com um interlocutor humano em Emacs.

Chatbot (ou chatterbot) é um programa de computador que tenta simular um ser humano na conversação com as pessoas. O objetivo é responder as perguntas de tal forma que as pessoas tenham a impressão de estar conversando com outra pessoa e não com um programa de computador. Após o envio de perguntas em linguagem natural, o programa consulta uma base de conhecimento e em seguida fornece uma resposta que tenta imitar o comportamento humano.

Origem do termo[editar | editar código-fonte]

O termo Chatterbot surgiu da junção das palavras chatter (a pessoa que conversa) e da palavra bot (abreviatura de robot), ou seja, um robô (em forma de software) que conversa com as pessoas.

A palavra foi inventada por Michael Mauldin (Criador do primeiro Verbot, Julia) em 1994, para descrever estes robôs de conversação na Twelfth National Conference on Artificial Intelligence.[1]

Chatbots em aplicativos de mensagens[editar | editar código-fonte]

Durante a F8, conferência do Facebook voltada para desenvolvedores, a rede social anunciou o lançamento da sua loja de robôs. A empresa está oferecendo aos desenvolvedores acesso a mecanismos avançados de linguagem natural, o que permite que eles criem robôs que podem continuar aprendendo com o passar do tempo. O Facebook ainda tem a vantagem de ter uma base rica em dados, que permite que os desenvolvedores criem robôs muito personalizados. O lançamento incluiu alguns robôs em páginas de parceiros, como a CNN, HP e Wall Street Journal.[carece de fontes?]

Ele estão se tornando uma tendência por conta de uma convergência de três coisas: primeiramente, a penetração de aparelhos móveis; depois, o crescimento do uso de aplicativos de mensagens; e, por último, os recentes e rápidos avanços no desenvolvimento de inteligência artificial, que permite que esses robôs para chats possam ser mais detalhistas e parecerem mais humanos[2].

Em Agosto de 2016 o WhatsApp, maior aplicativo de mensagens do mundo, alterou o seus termos de serviço para incluir chatbots na sua plataforma. Na nova versão está escrito que usuários poderão receber notificações de empresas sobre compras, reservas, atualizações de produtos e mensagens de marketing.

Como funciona os Chatbots?[editar | editar código-fonte]

Basicamente, os chatbots funcionam a partir de regras e (às vezes) com inteligência artificial. No primeiro caso, são parametrizadas palavras-chave e fluxos de navegação bem definidos. Já no segundo, ainda raro, há um ganho de “aprendizado” com o tempo, ou seja, quanto mais utilizados, mais inteligentes ficam os chatbots baseados nessa tecnologia[3].

Um dos grandes benefícios dos chatbots é que eles facilitam as interações, especialmente quando elas são repetitivas, como é o caso das redes sociais. Neles, é possível parametrizar respostas automáticas para determinadas perguntas ou afirmações que os internautas fazem.

De acordo com a revista Forbes, dezenas de empresas já estão usando chatbots tanto para interagir com seus clientes quanto para receber pagamentos. Receber pagamentos on-line, aliás, é outra funcionalidade possível de ser executada por web robots.Eles conhecem o histórico dos usuários e podem facilitar na hora de oferecer condições de fechamento da compra, produtos complementares, entre outras funções que ajudam a melhorar a experiência e a potencializar as vendas. Entre as empresas que já fazem uso de chatbots destacam -se bancos e grandes sites de notícia. O Washington Post, por exemplo, já possui um bot em aperfeiçoamento capaz de personalizar notícias para seus leitores sem que eles precisem baixar um aplicativo. Segundo o portal Digiday, a ideia é que o bot possa dialogar com os internautas e pesquisar com rapidez para entregar informações, “agindo como um repórter”.[4]

Plataformas para criação de Chatbots[editar | editar código-fonte]

Plataformas são sistemas computacionais, geralmente fornecidos no modelo de computação na nuvem (cloud computing), sem ter a necessidade de saber programar ou complexidade de construir uma robusta infraestrutura. A grande vantagem das plataformas está nos diversos serviços oferecidos em conjunto, na prática uma plataforma pode ser considerada um série de serviços ou sistemas que podem funcional em conjunto ou separados, todos compartilhando um série de pré-configurações nativas.

Referências

  1. «AAAI-94: Twelfth National Conference on Artificial Intelligence» 
  2. Wright, David (13 de abril de 2016). «Seriam os chat-bots os novos apps?». Kantar. Consultado em 25 de abril de 2016 
  3. «Chatbot: Entenda tudo sobre esse assunto». blog.simply.com.br. 20 de fevereiro de 2017 
  4. «Guia completo sobre Chatbots». blog.simply.com.br. 1 de fevereiro de 2017 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Temas relacionados
Chatterbots
Ícone de esboço Este artigo sobre programação de computadores é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.