Tartaruga-verde

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Chelonia mydas)
Como ler uma infocaixa de taxonomiaTartaruga-verde
Espécime avistado no Havaí em 2005
Espécime avistado no Havaí em 2005
Espécime nadando sobre o planalto de areia em Praia Grande (Playa Grandi), Curaçau
Espécime nadando sobre o planalto de areia em Praia Grande (Playa Grandi), Curaçau
Estado de conservação
Espécie em perigo
Em perigo (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Sub-reino: Bilateria
Infrarreino: Deuterostomia
Filo: Chordata
Subfilo: Vertebrata
Infrafilo: Gnathostomata
Superclasse: Tetrapoda
Classe: Reptilia
Ordem: Testudinata
Subordem: Cryptodira
Superfamília: Chelonioidea
Família: Cheloniidae
Subfamília: Cheloniinae
Género: Chelonia
Espécie: C. mydas
Nome binomial
Chelonia mydas
(Lineu, 1758)
Distribuição geográfica
Mapa de distribuição. Os pontos vermelhos representam os locais com grande depósito de ovos. Os amarelos, para depósitos menores.
Mapa de distribuição. Os pontos vermelhos representam os locais com grande depósito de ovos. Os amarelos, para depósitos menores.
Sinónimos[2]

A tartaruga-verde, tartaruga-aruanã ou só aruanã[3] (nome científico: Chelonia mydas) é uma tartaruga marinha da família dos queloniídeos (Cheloniidae). É o único membro do género Chelonia.[2] A espécie está distribuída por todos os oceanos, nas zonas de águas tropicais e subtropicais e de qualquer altitude do mundo, com duas populações distintas no Oceano Atlântico e no Oceano Pacífico.[4] O nome tartaruga-verde deve-se à coloração esverdeada da sua gordura corporal.

A tartaruga-verde é uma tartaruga marinha com um corpo achatado coberto por uma grande carapaça em forma de lágrima e dois grandes pares de nadadeiras. É de cor clara, exceto em sua carapaça onde os tons variam do oliva-marrom a preta, no Pacífico Oriental. Ao contrário de outros membros de sua família, como a tartaruga-de-pente (Eretmochelys imbricata) e a tartaruga-comum (Caretta caretta), a tartaruga-verde é principalmente herbívora. Os adultos geralmente habitam lagoas rasas, alimentando-se principalmente de diversas espécies de ervas marinhas.[5]

Como outras tartarugas marinhas, migram longas distâncias entre as áreas de alimentação e as suas praias de incubação. Muitas ilhas em todo o mundo são conhecidas como ilhas das Tartarugas por causa da nidificação das tartarugas-verdes em suas praias. As tartarugas fêmeas saem às praias e põem ovos em ninhos que escavam durante a noite. Mais tarde, filhotes emergem em direção à água. Aqueles que sobrevivem alcançam a maturidade sexual ao fim de vinte a cinquenta anos e vivem até 80 anos em liberdade.[4]

Como uma espécie classificada como espécie ameaçada pela União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN / IUCN) e Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies Silvestres Ameaçadas de Extinção (CITES), a tartaruga-verde é protegida contra a exploração, na maioria dos países. É ilegal a coleta, dano ou matá-las. Além disso, muitos países têm leis e decretos para proteger suas áreas de nidificação. No entanto, as populações de tartarugas ainda estão em perigo por causa de diversas práticas humanas. Em alguns países, as tartarugas e seus ovos são caçados para alimento. Poluição indireta prejudica as tartarugas, tanto na população quanto à dimensão individual. Muitas tartarugas morrem em consequência de terminarem nas redes de pescadores. Finalmente, a destruição de habitat é uma grande fonte de perda de praias de nidificação.

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

A tartaruga-verde é um membro da tribo dos queloníneos (Chelonini). Um estudo de 1993 esclareceu a situação do gênero Chelonia em relação às outras tartarugas marinhas. Os grupos carnívoros tartaruga-de-pente (Eretmochelys), tartaruga-comum (Caretta) e Lepidochelys foram atribuídos à tribo dos caretinos (Carettini). O herbívoro Chelonia garantiu sua posição como gênero, enquanto Natator foi removido de outros gêneros do que se acreditava anteriormente.[6]

A espécie foi originalmente descrita por Carlos Lineu em 1758 na 10.ª edição do Systema Naturae como Testudo mydas.[7] Em 1868, Marie Firmin Bocourt nomeou uma espécie particular de tartaruga marinha como Chelonia agassizii em homenagem ao zoólogo suíço-americano Louis Agassiz.[8] Esta "espécie" foi referida como "tartaruga-do-mar-negro".[9] Pesquisas posteriores determinaram que a "tartaruga-do-mar-megro-negra" de Bocourt não era geneticamente distinta da tartaruga-verde e, taxonomicamente não configurada uma espécie separada.[10] Essas duas "espécies" foram então unidas como Chelonia mydas e as populações receberam o estatuto de subespécie: C. mydas mydas se referia à população originalmente descrita, enquanto C. mydas agassizi se referia apenas à população do Pacífico, conhecida como tartaruga-verde-de-galápagos.[11][12] Esta subdivisão foi posteriormente determinada como inválida e todos os membros da espécie foram então designados Chelonia mydas.[2]

O nome comum da espécie não deriva de nenhuma coloração externa verde específica. Seu nome vem da cor esverdeada da gordura encontrada em uma camada entre seus órgãos internos e sua carapaça.[13] Como é uma espécie encontrada em todo o mundo, a tartaruga-verde tem muitos nomes locais. Na língua havaiana é chamada de honu,[14] e é conhecido localmente como símbolo de boa sorte e longevidade.[15] No Brasil, seu outro nome vernacular, aruanã, originou-se no tupi *arua'na, que designa um tipo de peixe. Foi registrado a primeira vez em 1887 e tem como parônimo aruaná, já registrado em 1631 como aruana e então 1886 como aruaná.[16]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Padrão de placas da carapaça e do plastrão

Sua aparência é a de uma típica Tartaruga-marinha. Tem um corpo achatado dorsoventralmente, uma cabeça em forma de bico na extremidade de um pescoço curto e braços em forma de remos bem adaptados à natação.[17] Adultos crescem até 1,5 metro de comprimento.[18] O peso médio de indivíduos maduros é de 68 a 190 quilos e o comprimento médio da carapaça é de 78 a 112 centímetros.[19] Espécimes excepcionais podem pesar 315 quilos ou até mais, com o maior conhecido pesando 395 quilos e medido 153 centímetros de comprimento de carapaça.[20]

Ao contrário de seu parente próximo, a tartaruga-de-pente, o focinho da tartaruga-verde é curto, com um bico sem gancho. O pescoço não pode ser puxado para dentro da carapaça.[21] A mandíbula superior da tartaruga possui uma borda denticulada, enquanto a mandíbula inferior possui uma denticulação mais forte, serrilhada e mais definida. A superfície dorsal da cabeça da tartaruga tem um único par de escamas pré-frontais. Sua carapaça é composta por cinco escudos centrais, com quatro pares de escudos laterais. Por baixo, a tartaruga-verde tem quatro pares de escudos inframarginais cobrindo a área entre o plastrão e o casco. Os apêndices frontais maduros têm apenas uma única garra (em oposição às duas da tartaruga-de-pente), embora uma segunda garra às vezes seja proeminente em espécimes jovens.[22]

A carapaça da tartaruga tem vários padrões de cores que mudam com o tempo. Filhotes, como os de outras tartarugas marinhas, têm principalmente carapaças pretas e plastrões de cor clara. As carapaças dos juvenis se tornam marrom-escuras a verde-oliva, enquanto as dos adultos maduros são inteiramente marrons com raios variegados. Por baixo, o plastrão é amarelo. As patas são de cor escura com linhas amarelas, e geralmente são marcadas com uma grande mancha marrom escura no centro de cada apêndice.[4][23]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Carapaça taxidermizada

A distribuição natural da tartaruga-verde se estende por todos os oceanos tropicais e subtropicais do planeta. As duas principais subpopulações são as subpopulações do Atlântico e do Pacífico oriental. Cada população é geneticamente distinta, com seu próprio conjunto de áreas de nidificação e alimentação dentro do alcance conhecido da população.[4] Uma das diferenças genéticas entre as duas subpopulações é o DNA mitocondrial encontrado nas células. Indivíduos de colônias no Oceano Atlântico e no Mar Mediterrâneo têm semelhanças no DNA mitocondrial, enquanto indivíduos dos oceanos Pacífico e Índico têm outro tipo de DNA mitocondrial.[24] Sua faixa nativa inclui águas tropicais a subtropicais ao longo das costas continentais e ilhas entre 30°N e 30°S. Como as tartarugas-verdes são uma espécie migratória, sua distribuição se estende ao oceano aberto. As diferenças no DNA mitocondrial provavelmente decorrem das populações isoladas umas das outras pelas pontas sul da América do Sul e da África, sem águas quentes às tartarugas-verdes migrarem. Estima-se que a tartaruga-verde habite áreas costeiras de mais de 140 países, com locais de nidificação em mais de 80 países em todo o mundo ao longo do ano. Na costa atlântica dos Estados Unidos, podem ser encontradas do Texas e do norte até Massachussetes. Na costa do Pacífico dos Estados Unidos, foram encontradas do sul da Califórnia ao norte até a ponta mais ao sul do Alasca. As maiores populações de tartarugas-verdes no litoral dos Estados Unidos estão nas ilhas havaianas e na Flórida. Globalmente, as maiores populações estão na Grande Barreira de Coral na Austrália e no Mar do Caribe.[25]

Subpopulação atlântica[editar | editar código-fonte]

Fêmea retornando ao mar após nidificação na ilha Redangue, Malásia

A tartaruga-verde pode ser encontrada geralmente em todo o Oceano Atlântico. Embora a espécie seja mais abundante em climas tropicais, também pode ser encontrada em clima temperado, e indivíduos foram observados até o norte do Canadá no Atlântico Ocidental.[26] e nas Ilhas Britânicas no leste.[27] No Caribe, os principais locais de nidificação identificados são na ilha das Aves, nas Ilhas Virgens Americanas, em Porto Rico, na República Dominicana e na Costa Rica. Nos últimos anos, há sinais de aumento de nidificação nas Ilhas Caimã.[28] Um dos locais de nidificação mais importantes da região está em Tortuguero, na Costa Rica.[29] A maioria da população de da região do Caribe vem de algumas praias em Tortuguero.[30] Nas águas dos Estados Unidos, pequenos locais de nidificação foram observados nos estados da Geórgia, Carolina do Norte, Carolina do Sul e ao longo da costa leste da Flórida. Locais notáveis na América do Sul incluem praias isoladas no Suriname e na Guiana Francesa.[31] No Oceano Atlântico Sul, um dos locais de nidificação mais notáveis é a ilha de Ascensão,[17] que hospeda de seis a 13 mil ninhos.[32][33][34] Em contraste com a distribuição esparsa dos locais de nidificação, as áreas de alimentação são muito mais amplamente distribuídas por toda a região. Importantes áreas de alimentação na Flórida incluem a laguna de Indian River, Florida Keys, a baía da Flórida, Homosassa, rio Crystal e Cedar Key.[17][35]

Subpopulação do Indo-Pacífico[editar | editar código-fonte]

Prestes a ir a superfície para respirar em Cona, Havaí
Imaturo havaiano

No Pacífico, sua distribuição chega ao norte até a costa sul do Alasca e ao sul até o Chile no leste. A distribuição no Pacífico ocidental atinge o norte do Japão e partes do sul da costa do Pacífico da Rússia, e até o extremo sul da Nova Zelândia e algumas ilhas ao sul da Tasmânia. As áreas de nidificação significativas estão espalhadas por toda a região do Pacífico, incluindo o México, as ilhas havaianas, o Pacífico Sul, a costa norte da Austrália e o Sudeste Asiático. As principais colônias de nidificação do Oceano Índico incluem Índia, Paquistão, Seri Lanca e outros países costeiros. As tartarugas também podem ser encontradas em todo o Oceano Índico; a costa leste do continente africano abriga alguns locais de nidificação, incluindo ilhas nas águas ao redor de Madagascar.[36]

Áreas de nidificação específicas[editar | editar código-fonte]

Áreas de nidificação são encontradas ao longo da costa mexicana. Essas tartarugas se alimentam em campos de algas marinhas no Golfo da Califórnia.[37] Tartarugas-verdes pertencentes à distinta subpopulação havaiana nidificam no atol de French Fragate Shoals a cerca de 800 quilômetros a oeste das ilhas havaianas.[14] Nas Filipinas, nidificam nas Ilhas Tartarugas junto com as tartarugas-de-pente.[38] Em dezembro de 2007, época que os espécimes nidificam localmente, pescadores usando um hulbot-hulbot (um tipo de rede de pesca) acidentalmente pegaram um indivíduo em Barangai Bolom, Zamboanga, Filipinas.[39] A Indonésia tem algumas praias de nidificação, sendo uma na Reserva Nacional Meru Betiri em Java Oriental.[40] Ao largo das costas nordeste e norte da Austrália, a Grande Barreira de Coral tem duas populações geneticamente distintas; uma norte e uma sul. Dentro do recife, 20 locais separados consistindo de pequenas ilhas e ilhotas foram identificados como locais de nidificação. Destes, o mais importante está na ilha Raine.[41][42] No Estreito de Torres existe um grande viveiro em Bramble Cay.[43][44] Locais de nidificação são comuns em ambos os lados do Mar Arábico, tanto na Província Oriental do Omã, quanto ao longo da costa de Carachi, Paquistão. Algumas praias específicas ali, como Hawke's Bay e Sandspit, são comuns à subpopulação de tartaruga-verde e tartaruga-oliva. As praias de areia ao longo de Sinde e Baluchistão são locais de nidificação. Cerca 25 quilômetros largo da costa paquistanesa, a ilha de Astola é outra praia de nidificação.[5][45][46]

tartaruga-verde de Galápagos[editar | editar código-fonte]

Tartaruga-verde nadando em Galápagos

A população conhecida como tartaruga-verde-de-galápagos foi registrada e observada nas Galápagos já no século XVII por William Dampier,[47] mas não recebeu a devida atenção, pois o foco de estudo eram as tartarugas-gigantes-de-galápagos (Chelonoidis nigra).[48] Somente nos últimos 30 anos foram realizados extensos estudos sobre seu comportamento. Grande parte do debate se centrou na classificação binomial.[49] O nome Chelonia agassizii já foi aplicado a esta população como uma espécie separada.[10] Uma análise de DNA mitocondrial e nuclear proveniente de quinze praias de nidificação demonstrou que não só não há distinção significativa dessa população, mas que seria parafilético reconhecê-la. Como tal, o nome Chelonia agassizzii é considerado sinônimo júnior de Chelonia mydas e os indivíduos que eram rotulados assim são considerados uma variante local das populações das águas do Pacífico Oriental e de outras áreas de nidificação.[49] Uma distinção morfológica da tartaruga-verde de Galápagos deu origem ao debate, mas a evidência de distinção taxonômica é melhor servida usando a combinação de vários conjuntos de dados. As duas distinções morfológicas mais notáveis são o tamanho adulto, consideravelmente menor, e a pigmentação muito mais escura da carapaça, plastrão e extremidades.[10] Outras distinções são a curvatura da carapaça acima de cada nadadeira traseira, a carapaça mais em forma de domo e a cauda mais longa dos machos adultos. Três possibilidades surgiram de suas características únicas: agassizii poderia ser uma espécie separada, uma subespécie, ou é simplesmente a mesma espécie com mutação de cor.[50] Esses fatos levaram ao debate sobre a separação binomial, mas devido à importância dos resultados dos testes de DNA, não houve distinções feitas neste momento.[49] Em uma reunião de herpetólogos e seus colaboradores em 2000, a evidência à posição taxonômica da tartaruga-verde-de-galápagos foi revisada e a maioria entre os participantes apoiou tratá-la como população ou subespécie da tartaruga-verde (em vez de espécie separada).[51] No entanto, este é possivelmente um caso de taxonomia política. Como tal, as três principais listas de verificação internacionais que cobrem tartarugas do banco de dados mundial de répteis[52] a lista de verificação de Fritz e Havas (2007)[53] e a lista de verificação da União Internacional para a Conservação da Natureza (TTWG 2017)[54] consideram um sinônimo júnior.

Espécime chegando para respirar
Uma tartaruga nadando no Havaí

Habitat[editar | editar código-fonte]

As tartarugas-verdes se movem em três tipos de habitat, dependendo de seu estágio de vida. Põem seus ovos nas praias e os adultos passam a maior parte do tempo em baías costeiras, lagoas e atóis com prados de algas marinhas. Os recifes de coral, onde geralmente ficam fornecem algas vermelhas, marrons e verdes para sua dieta e protegem contra predadores e tempestades violentas dentro do oceano.[25] Gerações inteiras geralmente migram entre um par de áreas de alimentação e nidificação.[17] As tartarugas-verdes são classificadas como uma espécie aquática e estão distribuídas ao redor do globo em águas quentes tropicais a subtropicais. O parâmetro ambiental que limita sua distribuição é a temperatura do oceano abaixo de 7 a 10ºC.[55] As tartarugas passam a maior parte de seus primeiros cinco anos em zonas de convergência dentro do oceano aberto.[5][56] Essas tartarugas jovens raramente são vistas enquanto nadam em águas pelágicas profundas.[57][58] As tartarugas-verdes normalmente nadam a 2,5 a 3 quilômetros por hora.[59]

Ecologia e comportamento[editar | editar código-fonte]

Dieta[editar | editar código-fonte]

A dieta das tartarugas-verdes muda com a idade.[60] Os juvenis são carnívoros, mas à medida que amadurecem tornam-se onívoros. Tartarugas jovens comem ovas de peixes, moluscos, águas-vivas, pequenos invertebrados, vermes, esponjas, algas e crustáceos.[25] As tartarugas-verdes têm uma taxa de crescimento relativamente lenta devido ao baixo valor nutricional de sua dieta. A gordura corporal fica verde por causa da vegetação consumida. A maioria dos espécimes adultos são estritamente herbívoros.[61] Essa mudança na dieta tem efeito na morfologia do crânio, pois sua mandíbula serrilhada os ajuda a mastigar algas e gramas marinhas.[62]

Predadores e parasitas[editar | editar código-fonte]

tartaruga-verde pastando grama marinha

Apenas os seres humanos e os tubarões maiores se alimentam de adultos de tartaruga-verde. Especificamente, os tubarões-tigre (Galeocerdo cuvier) costumam caçar adultos nas águas havaianas.[63] Juvenis e filhotes têm diversos outros predadores, incluindo caranguejos, pequenos mamíferos marinhos e aves limícolas.[4] Além disso, seus ovos são vulneráveis à predação por animais terrestres, como raposas-vermelhas (Vulpes vulpes) e chacais-dourados (Canis aureus).[64] As tartarugas-verdes têm uma variedade de parasitas, incluindo cracas, sanguessugas, protozoários, cestoides e nematoides. As cracas prendem-se à carapaça e as sanguessugas às nadadeiras e à pele, causando danos nos tecidos moles e levando à perda de sangue. Protozoários, cestoides e nematoides levam a morte de muitas tartarugas devido ao dano ao fígado e ao intestino. A maior ameaça de doença à população de tartarugas é o fibropapiloma, que produz o crescimento letal de um tumor em escamas, pulmões, estômago e rins. O fibropapiloma é causado por um herpesvírus que é transmitido por sanguessugas como a Ozobranchus branchiatus, uma espécie de sanguessuga que se alimenta quase inteiramente de tartarugas-verdes.[55][65]

Ciclo da vida[editar | editar código-fonte]

Filhote
Espécime em Maui, Havaí

As tartarugas-verdes migram longas distâncias entre os locais de alimentação e os locais de nidificação; alguns indivíduos nadam mais de 2 600 quilômetros para alcançar seus locais de desova. As tartarugas-verdes se reproduzem em praias no sudeste da Ásia, Índia, ilhas no Pacífico ocidental e América Central.[66] Tartarugas adultas geralmente retornam à praia exata de onde nasceram. As fêmeas geralmente acasalam a cada dois a quatro anos. Os machos, por outro lado, visitam as áreas de reprodução todos os anos, tentando acasalar.[67] A época de acasalamento varia entre as populações. À maioria dos indivíduos no Caribe, a época de acasalamento é de junho a setembro.[17] A subpopulação nidificante da Guiana Francesa nidifica de março a junho.[31] Nos trópicos, as tartarugas-verdes nidificam durante todo o ano, embora algumas subpopulações prefiram épocas específicas do ano. No Paquistão, as tartarugas do Oceano Índico nidificam o ano todo, mas preferem os meses de julho a dezembro.[45]

As tartarugas marinhas voltam às praias onde nasceram para desovar. O motivo do retorno às praias nativas pode ser o de garantir às tartarugas um ambiente com os componentes necessários para que sua nidificação seja bem-sucedida. Estes incluem uma praia de areia, fácil acesso para os filhotes chegarem ao oceano, temperaturas de incubação corretas e baixa probabilidade de predadores que podem se alimentar de seus ovos. Com o tempo, essas tartarugas desenvolveram essas tendências para retornar a uma área que proporcionou sucesso reprodutivo por muitas gerações. Sua capacidade de retornar ao seu local de nascimento é conhecida como filopatria.[68]

O comportamento de acasalamento é semelhante a outras tartarugas marinhas. As fêmeas controlam o processo. Embora algumas populações pratiquem a poliandria, isso não parece beneficiar os filhotes.[69] Após o acasalamento na água, a fêmea se move acima da linha da maré alta da praia, onde cava um buraco com as nadadeiras traseiras que atinge de onzze a 22 polegadas de profundidade, onde deposita seus ovos. O buraco é então coberto novamente.[70] O tamanho da ninhada varia entre 85 e 200 ovos, dependendo da idade da fêmea. Esse processo leva cerca de uma hora a uma hora e meia. Depois que o ninho está completamente coberto, ela retorna ao mar. A fêmea fará isso de três a cinco vezes em uma temporada.[66] A cada ano na Ilha de Ascensão, as fêmeas fazem de seis a 25 mil ninhos. Essas fêmeas estão entre as maiores tartarugas-verdes do mundo; muitos têm mais de um metro de comprimento e pesam até 300 quilos.[71] No Brasil, são feitos aproximatamente quatro mil ninhos por temporada, sobretudo nas ilhas oceânicas do arquipélago de Trindade e Martim Vaz, na costa do Espírito Santo, na Reserva Biológica do Atol das Rocas e no Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha. Há ainda registros de desovas em praias continentais (cerca de 200 ninhos a cada temporada), principalmente no litoral norte da Bahia.[72]

Os ovos são redondos e brancos, com cerca de 45 milímetros de diâmetro. Os filhotes permanecem enterrados por dias até que todos emergem juntos à noite.[70] A temperatura do ninho por volta dos 20-40 dias determina o sexo das tartarugas.[25] Por volta de 50 a 70 dias,[73] os ovos eclodem durante a noite, e os filhotes instintivamente vão direto à água. Este é o momento mais perigoso na vida de uma tartaruga. Enquanto caminham, predadores, como gaivotas e caranguejos, se alimentam deles. Uma porcentagem significativa nunca chega ao oceano. Pouco se sabe sobre a história de vida inicial de tartarugas marinhas recém-nascidas.[17] Os juvenis passam de três a cinco anos em mar aberto antes de se estabelecerem como juvenis ainda imaturos em seu estilo de vida permanente em águas rasas.[57][58] Especula-se que levam de vinte a cinquenta anos para atingir a maturidade sexual. Os indivíduos vivem até oitenta anos na natureza.[4]

Respiração e sono[editar | editar código-fonte]

As tartarugas podem descansar ou dormir debaixo d'água por várias horas de cada vez, mas o tempo de submersão é muito menor durante mergulhos em busca de comida ou para escapar de predadores. A capacidade de prender a respiração é afetada pela atividade e pelo estresse, e é por isso que as tartarugas se afogam em redes de arrasto para camarão e outros materiais de pesca.[22] Durante a noite, enquanto dormem e para se protegerem de potenciais predadores, os adultos se entrincheiram sob rochas abaixo da superfície e sob saliências em recifes e rochas costeiras. Muitas tartarugas-verdes foram observadas retornando ao mesmo local de dormir noite após noite.[25]

Fisiologia e modalidades sensoriais[editar | editar código-fonte]

Nadando em um recife de coral mexicano
Indo para o oceano em uma praia no Parque Histórico Nacional Pu'uhonua o Honaunau

As tartarugas-verdes tendem a ter boa visão, sendo bem adaptadas à vida no mar. Podem ver muitas cores, mas são mais sensíveis à luz entre as cores violeta e amarelo ou a comprimentos de onda de 400 a 600 nanômetros. Não veem muitas cores na porção laranja a vermelha do espectro de luz. Em terra, as são míopes, pois as lentes dos olhos são esféricas e ajustadas à refração debaixo d'água.[25] Não têm orelha externa e apenas um osso da orelha, chamado columela. Com só um osso da orelha, podem ouvir apenas sons de baixa frequência, de 200 a 700 Hz. Os sons também podem ser detectados através de vibrações da cabeça, espinha dorsal e concha. O nariz tem duas aberturas externas e se conecta ao céu da boca através de aberturas internas. A superfície inferior da passagem nasal tem dois conjuntos de células sensoriais chamadas órgão de Jacobson. A tartaruga pode usar esse órgão para cheirar a água, bombeando água para dentro e para fora do nariz.[55]

Como as tartarugas-verdes migram longas distâncias durante as épocas de reprodução, têm sistemas adaptativos especiais para navegar. Em mar aberto, navegam usando as direções das ondas, luz do sol e temperaturas do oceano. Também contêm uma bússola magnética interna. Podem detectar informações magnéticas e são capazes de voltar para seus locais de nidificação ou locais de alimentação preferidos.[55] A filopatria é a capacidade de um animal retornar ao seu local de nascimento para se reproduzir. O comportamento é encontrado em todas as espécies de tartarugas marinhas e em alguns outros animais, como o salmão. Muitos pesquisadores acreditam que as tartarugas marinhas usam um processo chamado imprinting (impressão), que é um tipo especial de aprendizado que ocorre quando nascem, permitindo que reconheçam sua praia nativa. Existem dois tipos de impressão hipotetizadas para esse comportamento. A primeira é a hipótese do imprinting químico: assim como o salmão, as tartarugas marinhas podem ser capazes de usar pistas olfativas para cheirar o caminho. Um problema com essa hipótese é que tartarugas viajam milhares de quilômetros, e os cheiros dessa área não são distinguíveis dessa distância. A segunda hipótese é a geomagnética: essa hipótese afirma que, à medida que eclode, uma jovem tartaruga grava uma impressão do campo magnético da praia em que nasce. Esta hipótese está fortemente correlacionada com o método que as tartarugas marinhas usam para navegar na terra.[68]

Para tolerar a constante perda de calor na água, as tartarugas marinhas podem desviar o sangue de tecidos periféricos em direção ao coração, cérebro e sistema nervoso central. Outros mecanismos incluem tomar sol em praias quentes e produzir calor por meio do movimentos de seus músculos. Nos meses de inverno, as tartarugas que vivem em latitudes mais altas podem hibernar por um curto período na lama.[74]

Características e recursos exclusivos[editar | editar código-fonte]

Espécime perto de Marsa Alã, Egito

As tartarugas-verdes apresentam dimorfismo sexual no desenvolvimento e aparência. Quando adultos, os machos são facilmente distinguíveis das fêmeas por sua cauda mais longa (que se estende visivelmente além do casco) e garras mais longas nas nadadeiras dianteiras. O tempo de eclosão e o sexo das tartarugas são determinados pela temperatura de incubação do ninho. A eclosão é mais rápida em ninhos mais quentes. Locais quentes (acima de 30ºC) favorecem o desenvolvimento de fêmeas, enquanto locais mais frios tendem a produzir machos. A posição do ovo no ninho também afeta a determinação do sexo. Os ovos no centro tendem a eclodir como fêmeas devido ao maior calor no interior do ninho.[25]

As tartarugas-verdes desempenham papel essencial no ecossistema em que vivem. Nos leitos de gramas marinhas, se alimentam aparando apenas a parte superior e deixando as raízes. Através da sua técnica de alimentação, ajudam a melhorar a saúde e o crescimento dos leitos de gramas marinhas. Os leitos fornecem habitat e áreas de alimentação para muitas espécies de peixes e crustáceos. Nas praias de nidificação, as tartarugas-verdes fornecem nutrientes essenciais para o ecossistema através das cascas dos ovos eclodidos. Em seu habitat de recife de coral, têm uma interação simbiótica com peixes de recife, incluindo o cirurgião-amarelo (Zebrasoma flavescens). O cirurgião-amarelo nada junto com a tartaruga e se alimenta de algas, cracas e parasitas em sua concha e nadadeiras. Essa interação de espécies fornece alimento para o cirurgião-amarelo e proporciona uma limpeza e alisamento necessários do casco da tartaruga. Essa limpeza ajuda as tartarugas a nadar, reduzindo a quantidade de arrasto e melhorando sua saúde.[55]

Importância para o ser humano[editar | editar código-fonte]

tartarugas-verdes colhidas em um cais em Key West, Flórida

Historicamente, o couro das tartarugas era curtido e usado para fazer bolsas, principalmente no Havaí.[14] Os chineses antigos consideravam sua carne iguaria.[75] A gordura, a cartilagem e a carne da tartaruga, conhecida como calipee, são procuradas como ingredientes para fazer a sopa de tartaruga, um prato popular americano do século XIX.[13] Em Java, na Indonésia, os ovos eram uma iguaria popular. No entanto, a carne da tartaruga é considerada ḥarām ou "impura" sob a lei islâmica (o Islão é a religião principal de Java). Em Bali, a carne de tartaruga era muito presente em festas cerimoniais e religiosas. As tartarugas eram caçadas nas partes mais remotas do arquipélago indonésio.[76] Bali importa tartarugas marinhas desde a década de 1950, quando seus próprios suprimentos de tartarugas se esgotaram.[77]

Fazendas comerciais, como a Fazenda de Tartarugas Caimã nas Índias Ocidentais, criavam tartarugas para venda comercial de carne, óleo (extraído da gordura), casco e couro feito da pele. O estoque inicial da fazenda era em grande parte de ovos "condenados" retirados de ninhos ameaçados por erosão, inundações ou em solo quimicamente hostil.[78] As fazendas abrigavam até 100 mil tartarugas ao mesmo tempo. Quando os mercados internacionais foram fechados por regulamentação, a fazenda foi convertida em uma atração turística, suportando 11 mil tartarugas.[79] A fazenda começou como Maricultura Ltd., depois Cayman Turtle Farm Ltd e, posteriormente, com a marca Boatswain's Beach, em 2010 a marca da fazenda foi alterada para Cayman Turtle Farm: Island Wildlife Encounter.[80]

As tartarugas marinhas são parte integrante da história e cultura das Ilhas Caimã. Quando as ilhas foram descobertas por Cristóvão Colombo em 1503, as chamou de "As Tartarugas" (Las Tortugas) por causa da abundância de tartarugas marinhas nas águas ao redor das ilhas.[81] Muitos dos primeiros visitantes chegaram às ilhas Caimã para capturar as tartarugas como fonte de carne fresca durante longas viagens. A tartaruga-verde é um símbolo nacional exibido como parte do brasão das ilhas, que também faz parte da bandeira nacional. O padrão monetário do país usa uma tartaruga como marca d'água em suas notas.[82] Uma tartaruga marinha estilizada apelidada de "Sir Turtle" é a mascote da companhia aérea nacional Cayman Airways e faz parte da pintura de sua aeronave.[83]

Um ki'i pōhaku (petróglifo) de uma tartaruga (ou honu) pode ser encontrado na Grande Ilha do Havaí nos campos de lava de Pu'u Loa. A tartaruga-verde sempre teve significado especial aos havaianos e este petróglifo mostra sua importância datando possivelmente de quando as ilhas se tornaram povoadas. A tartaruga simboliza um navegador que pode sempre encontrar o caminho de casa vez após vez. Este símbolo reflete a vida real da tartaruga-verde havaiana, pois nada centenas de quilômetros para colocar seus ovos no mesmo local de nascimento. Embora existam outros mitos também, algumas lendas havaianas dizem que os honu foram os primeiros a guiar os polinésios às ilhas havaianas. Os havaianos reverenciam a tartaruga e a lenda de Kailua, uma tartaruga que podia assumir a forma de uma menina à vontade. Em forma humana, cuidava das crianças que brincavam na praia de Punalu'u.[84]

Conservação[editar | editar código-fonte]

Nas últimas décadas, as tartarugas marinhas passaram da exploração irrestrita para um status de proteção global, com países individuais fornecendo proteção adicional, embora ameaças sérias ainda existam. Todas as populações são consideradas na categoria de risco de extinção como "ameaçadas".[85][86] No Brasil, a espécie consta em várias listas de conservação do país: em 2005, foi classificada como vulnerável na Lista de Espécies da Fauna Ameaçadas do Espírito Santo;[87] em 2010, sob a rubrica de "dados insuficientes" no Livro Vermelho da Fauna Ameaçada no Estado do Paraná;[88] em 2011, como vulnerável na Lista das Espécies da Fauna Ameaçada de Extinção em Santa Catarina;[89] em 2014, como em perigo no Livro Vermelho da Fauna Ameaçada de Extinção no Estado de São Paulo[90] e sob a rubrica de "dados insuficientes" na Lista das Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção no Rio Grande do Sul;[91][92] em 2017, como vulnerável na Lista Oficial das Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção do Estado da Bahia;[93] em 2014, como vulnerável na Portaria MMA N.º 444 de 17 de dezembro de 2014;[94] e em 2018, como vulnerável no Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio)[95][96] e na Lista das Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção no Estado do Rio de Janeiro.[97]

Ameaças[editar | editar código-fonte]

A ação humana apresenta ameaças tanto intencionais e não intencionais à sobrevivência da espécie. Ameaças intencionais incluem a caça furtiva e a colheita de ovos. Também perigosas são as ameaças não intencionais, incluindo colisões com barcos, redes de pescadores sem dispositivos de exclusão de tartarugas, a poluição e a destruição de habitats. A poluição química pode causar tumores;[98] efluentes de portos próximos a locais de nidificação podem criar distúrbios; e a poluição luminosa pode desorientar os filhotes. Com a poluição química presente, há o desenvolvimento de bolas de alcatrão que muitas vezes são comidas pelas tartarugas-verdes, confundindo-as com seus alimentos. As bolas de alcatrão fazem com que ingira toxinas que podem bloquear seus intestinos, deslocar o fígado e os intestinos, causando inchaço do tecido.[99] A perda de habitat geralmente ocorre devido ao desenvolvimento humano das áreas de nidificação. A construção à beira-mar, a "recuperação" de terrenos e o aumento do turismo são exemplos desse desenvolvimento.[4][5] Uma doença infecciosa causadora de tumor, a fibropapilomatose, também causa problemas em algumas populações. A doença mata uma fração considerável dos indivíduos que infecta, embora alguns indivíduos pareçam resistir à doença.[14][100][101] Além disso, pelo menos no Atlântico Sudoeste (rio da Prata, no Uruguai), espécies exóticas invasoras, como Rapana venosa, foram relatadas bioincrustando massivamente tartarugas-verdes imaturas, reduzindo a flutuabilidade, aumentando o arrasto e causando ferimentos graves na carapaça.[102]

Uma tartaruga-verde caçada na Costa Rica
Um instrumento musical confiscado feito da carapaça de uma tartaruga-verde, em exposição no Aeroporto Internacional de Narita

Os habitats de forrageamento das tartarugas-verdes do Pacífico são principalmente desconhecidos.[103] As áreas de forrageamento provavelmente ocorrem ao longo da costa da Baixa Califórnia, no México e sul da Califórnia, onde essas tartarugas têm um alto risco de captura acidental pela pesca costeira. O principal fator de mortalidade para essas tartarugas são os arrastões de camarão no México, nos quais muitas dessas tartarugas não são documentadas. A única área de forrageamento identificada é a baía de São Diego, mas está fortemente poluída com metais. Esses contaminantes têm um efeito negativo no ambiente oceânico e podem causar lesões e morte. As tartarugas-verdes também são ameaçadas pelo emaranhamento e ingestão de plástico. Na baía de São Diego, uma tartaruga-verde adulta foi encontrada morta com uma rede de monofilamento apertada em seu esôfago.[104] Além disso, há indicações de que a mudança climática global está afetando a capacidade das populações na Austrália de produzir machos devido à determinação do sexo dependente da temperatura e ao aumento das temperaturas na região norte da Grande Barreira de Coral.[105] A construção de novas usinas termelétricas pode aumentar a temperatura da água local, o que também é considerado uma ameaça.[106] As tartarugas-verdes são a espécie mais comercializada ao longo da costa sul de Java e são vendidas na forma de animais inteiros, empalhados ou óleo de tartaruga, conhecido localmente como minyak bulus.[107]

O livro do geógrafo James J. Parsons intitulado The Green Turtle and Man desempenhou papel especial no movimento de conservação para salvar a espécie da extinção.[108] A União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) listou repetidamente as tartarugas-verdes em sua Lista Vermelha sob diferentes critérios. Em 1982, a classificou oficialmente como espécie em extinção.[109] As edições de 1986,[110] 1988,[111] 1990,[112] 1994,[113] e a edição histórica de 1996 da Lista Vermelha retiveram a listagem.[114] Em 2001, Nicholas Mrosovsky apresentou uma petição de deslistagem, alegando que algumas populações de tartarugas-verdes eram grandes, estáveis e, em alguns casos, crescentes. Na época, a espécie eras listada sob os rigorosos critérios EN A1abd. O Subcomitê de Padrões e Petições da IUCN decidiu que a contagem visual de fêmeas nidificantes não poderia ser considerada "observação direta" e, portanto, rebaixou o status da espécie para EN A1bd - mantendo o status de ameaçada.[115] Em 2004, a IUCN reclassificou a tartaruga-verde como ameaçada de extinção sob os critérios EN A2bd, que essencialmente afirma que as populações selvagens enfrentam um alto risco de extinção devido a vários fatores. Esses fatores incluem uma provável redução populacional de mais de 50% na última década, conforme estimado a partir de índices de abundância e pela projeção dos níveis de exploração.[1]

Em 3 de maio de 2007, foi listado no Apêndice I da Convenção sobre Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas (CITES) como membro da família dos queloniídeos.[116] A espécie foi originalmente listada no Apêndice II em 1975. Toda a família de tartarugas foi transferida ao Apêndice I em 1977, com exceção da população australiana de tartaruga-verde. Em 1981, a população australiana se juntou ao resto. A lista do Apêndice I proíbe o comércio internacional comercial da espécie (incluindo partes e derivados).[117] A Sociedade Zoológica de Londres listou o réptil como uma espécie EDGE.[118] A população do Mediterrâneo está listada como criticamente ameaçada.[4][13] As subpopulações do leste do Pacífico, do Havaí e do sul da Califórnia são consideradas ameaçadas. Subpopulações mexicanas específicas estão listadas como ameaçadas de extinção. A população da Flórida está listada como ameaçada de extinção. O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) classificou as populações no Paquistão como "raras e em declínio".[46] No Havaí, especificamente na ilha do Havaí (condado do Havaí), o representante do estado Faye Hanohano, um ativista dos direitos nativos havaianos, pressionou por uma medida para que os nativos pudessem capturar legalmente o tartarugas e possivelmente seus ovos também. O projeto de lei, HCR14, foi amplamente ignorado pela mídia, pois naquele momento era apenas uma questão local. Quando o projeto foi aprovado na Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, o Comitê de Energia e Meio Ambiente do Senado dos Estados Unidos se recusou a ouvi-lo, o que significava que o projeto não foi ouvido pelo Senado.[119]

Iniciativas por país[editar | editar código-fonte]

No Aquário de Osaca, uma tartaruga descansando no fundo

Além da gestão por entidades globais como a IUCN e a CITES, países específicos ao redor do mundo empreenderam esforços de conservação. A ilha indonésia de Bali tem usos tradicionais que foram considerados sustentáveis, mas questionáveis perante o aumento de demanda da população. A captura lá foi a mais intensa do mundo.[76] Em 1999, a Indonésia restringiu o comércio e o consumo de tartarugas devido à diminuição da população e à ameaça de boicote turístico. A Indonésia rejeitou um pedido feito pelo governador de Bali I Made Mangku Pastika em novembro de 2009 para estabelecer uma cota de mil tartarugas a serem mortas em cerimônias religiosas hindus. Embora os conservacionistas respeitem a necessidade de tartarugas nos rituais, queriam uma cota menor.[120] Várias áreas protegidas das Filipinas têm locais de nidificação e alimentação de tartarugas-verdes. O mais notável são as ilhas Tartarugas, um local que abrange um município inteiro e um dos mais importantes locais de nidificação de tartarugas-verdes do Sudeste Asiático.[121] Outros locais notáveis incluem o a Área Protegida de Recursos de Gestão El Nido-Taytay]] e o Parque Natural de Recifes de Tubbataha, Patrimônio Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). A espécie é protegida pela Lei da República 9147 ou pela Lei de Conservação e Proteção de Recursos da Vida Selvagem, enquanto os locais onde vivem e nidificam são protegidos pela Lei do Sistema Nacional de Áreas Protegidas Integradas.[122]

O ecoturismo com tartarugas é uma iniciativa presente em Sabá, Malásia. A ilha de Pulau Selingã abriga uma incubadora, onde os funcionários colocam alguns dos ovos para protegê-los de predadores. A incubação leva cerca de sessenta dias. Quando os ovos eclodem, os turistas auxiliam na liberação das tartarugas bebês no mar.[123] A subpopulação havaiana fez um retorno notável e agora é foco do ecoturismo e se tornou uma espécie de mascote do estado. Estudantes da Academia Preparatória do Havaí na Ilha Havaí marcaram milhares de espécimes desde o início dos anos 1990.[14] No Reino Unido, a espécie é protegida por um Plano de Ação de Biodiversidade, devido ao excesso de caça e poluição marinha.[124] A filial paquistanesa do World Wide Fund for Nature (WWF) vem iniciando projetos à eclosão segura de tartarugas desde a década de 1980. No entanto, a população continuou a diminuir.[5] No Atlântico, as iniciativas de conservação se concentraram nos locais de nidificação do Caribe. As praias de nidificação de Tortuguero na Costa Rica têm limites de coleta de ovos desde a década de 1950. O Parque Nacional Tortuguero foi formalmente estabelecido em 1976, em parte, para proteger as áreas de nidificação daquela região.[29] Na ilha de Ascensão, que contém algumas das praias de nidificação mais importantes, foi implementado um programa de conservação ativo.[125]

A Cayman Turtle Farm, localizada em Grande Caimã, foi a primeira fazenda a alcançar duas gerações de tartarugas-verdes em cativeiro.[126] Desde 1968, a fazenda liberou mais de 31 mil tartarugas na natureza,[81] e a cada ano mais tartarugas criadas em cativeiro são lançadas no Mar do Caribe de praias ao redor da ilha de Grande Caimã.[127] Tartarugas criadas em cativeiro liberadas da fazenda como filhotes ou filhotes de um ano com "marcas vivas", agora começaram a retornar ao ninho em Grande Caimã como adultos.[128] Em 19 de fevereiro de 2012, a fazenda lançou a primeira tartaruga-verde de 2ª geração com um Transponder de Rastreamento de Posição, ou PTT[129][130] Além disso, a fazenda fornece produtos à base de carne de tartaruga à população local, que faz parte da culinária tradicional há séculos, reduzindo o incentivo para tirar tartarugas da natureza,[131] o que ao longo dos anos permitiu um aumento no número de tartarugas avistadas nas águas ao redor a ilha de Grande Caimã e nidificação em suas praias.[132]

No Pacífico, as tartarugas-verdes nidificam nos motu (ilhotas) na Área de Conservação de Funafuti, uma área de conservação marinha que cobre 33 quilômetros quadrados (12,74 milhas quadradas) de recife, lagoa e motu no lado oeste do atol de Funafuti em Tuvalu.[133] Na Ilha Raine, até 100 mil fêmeas nidificantes foram observadas em uma temporada. A taxa de eclosão diminuiu na década de 1990, e um declínio ainda maior na população foi ameaçado pela morte de milhares de fêmeas enquanto lutavam para escalar os pequenos penhascos arenosos. Entre 2011 e 2020, um projeto colaborativo do Governo de Queensland, BHP, a autoridade do Parque Marinho da Grande Barreira de Corais, Fundação da Grande Barreira de Corais e proprietários tradicionais de Wuthathi e Meriam, remodelou a ilha usando máquinas pesadas de uma forma que deu às tartarugas fêmeas uma passagem mais suave e reduziu o risco de inundação do ninho. Foi empregado um sofisticado sistema de monitoramento e pesquisa, usando modelagem 3D, satélite e drones.[134]

Genética[editar | editar código-fonte]

O genoma da tartaruga-verde foi sequenciado em 2013 para examinar o desenvolvimento e evolução do plano corporal da tartaruga.[135]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Seminoff, J.A.; et al. (Southwest Fisheries Science Center, U.S.) (2004). «Chelonia mydas». Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas. 2004: e.T4615A11037468. doi:10.2305/IUCN.UK.2004.RLTS.T4615A11037468.enAcessível livremente. Consultado em 4 de maio de 2022 
  2. a b c «Chelonia mydas» (em inglês). ITIS (www.itis.gov). 21 de Fevereiro de 2007 
  3. Grande Dicionário Houaiss, verbete aruanã
  4. a b c d e f g h «Green Sea Turtle (Chelonia mydas. National Geographic - Animals. National Geographic Society. 29 de dezembro de 2005. Consultado em 5 de maio de 2022. Arquivado do original em 5 de fevereiro de 2007 
  5. a b c d e «Green Sea Turtle - Chelonia mydas japonica». Turtles of Pakistan. Wildlife of Pakistan. 2003. Consultado em 5 de maio de 2022 
  6. Bowen, Brian W.; Nelson, William S.; Avise, John C. (15 de junho de 1993). «A Molecular Phylogeny for Marine Turtles: Trait Mapping, Rate Assessment, and Conservation Relevance». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 90 (12): 5574–5577. Bibcode:1993PNAS...90.5574B. PMC 46763Acessível livremente. PMID 8516304. doi:10.1073/pnas.90.12.5574Acessível livremente 
  7. «Testudo mydas» (em inglês). ITIS (www.itis.gov) 
  8. Beolens, B.; Watkins, M.; Grayson, M. (2011). «Chelonia mydas agasizii, p. 2». The Eponym Dictionary of Reptiles. Baltimore: Imprensa da Universidade Johns Hopkins. pp. xiii + 296 pp. ISBN 978-1-4214-0135-5 
  9. «Chelonia agassizii» (em inglês). ITIS (www.itis.gov) 
  10. a b c Karl, Stephen H.; Brian W. Bowen (1999). «Evolutionary Significant Units versus Geopolitical Taxonomy: Molecular Systematics of an Endangered Sea Turtle (genus Chelonia (PDF). Conservation Biology. 13 (5): 990–999. doi:10.1046/j.1523-1739.1999.97352.x. Cópia arquivada (PDF) em 5 de maio de 2022 
  11. «Chelonia mydas mydas» (em inglês). ITIS (www.itis.gov) 
  12. «Chelonia mydas agassizi» (em inglês). ITIS (www.itis.gov) 
  13. a b c «green turtle». Marine Turtles. Marine Conservation Society. 2007. Consultado em 5 de maio de 2022. Arquivado do original em 22 de agosto de 2007 
  14. a b c d e Glick, Daniel (setembro de 2005). «Back from the Brink». Smithsonian Magazine: 54–55. Consultado em 5 de maio de 2022 
  15. Balazs, G. H.; Southwest Fisheries Center (U.S.) (1980). Synopsis of Biological Data on the Green Turtle in the Hawaiian Islands (PDF). Col: NOAA-TM-NMFS-SWFC. 7. Honolulu, Havaí: Departamento de Comércio dos Estados Unidos, Administração Nacional Oceânica e Atmosférica, Serviço Nacional de Pesca Marinha 
  16. Grande Dicionário Houaiss, verbete aruaná
  17. a b c d e f «Green sea turtle (Chelonia mydas. North Florida Field Office. United States Fish and Wildlife Service. 29 de dezembro de 2005. Consultado em 5 de maio de 2022. Arquivado do original em 29 de junho de 2017 
  18. Kindersley, Dorling (2005). Animal. Nova Iorque: DK Publishing. ISBN 978-0-7894-7764-4 
  19. «Sea turtles - physical characteristics». Consultado em 4 de maio de 2022. Arquivado do original em 28 de julho de 2013 
  20. «Species Fact Sheet: Green Sea Turtle». Caribbean Conservation Corporation & Sea Turtle Survival League. Caribbean Conservation Corporation. 29 de dezembro de 2005. Consultado em 5 de maio de 2022. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2007 
  21. «Green Sea Turtle». National Geographic. 11 de abril de 2010 
  22. a b «Green Sea Turtle». MarineBio.org. 21 de maio de 2007. Consultado em 4 de maio de 2022 
  23. Boulenger, G. A. (1890). The Fauna of British India, Including Ceylon and Burma: Reptilia and Batrachia. Londres: Taylor & Francis. pp. 541. ISBN 978-0-548-96848-2 
  24. Bowen, Brian W.; Nelson, William S.; Avise, John C. (15 de junho de 1993). «A Molecular Phylogeny for Marine Turtles: Trait Mapping, Rate Assessment, and Conservation Relevance». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 90 (12): 5574–5577 
  25. a b c d e f g Spotila, J. (2004). Sea Turtles: A Complete Guide to their Biology, Behavior, and Conservation. Baltimore, Marilândia: Imprensa da Universidade Johns Hopkins 
  26. «Green Sea Turtle - Chelonia mydas». Sociedade Herpetológica Canadense [Canadian Herpetological Society / Société d'Herpétologie du Canada]. Consultado em 4 de maio de 2022. Cópia arquivada em 17 de abril de 2021 
  27. «Green Turtle (Chelonia mydas. MarLIN - The Marine Life Information Network. Consultado em 4 de maio de 2022. Cópia arquivada em 4 de maio de 2022 
  28. Connolly, Norma (2 de junho de 2011). «More turtles nesting in Cayman». Caymanian Compass. Consultado em 5 de maio de 2022. Arquivado do original em 23 de setembro de 2015. (Quoted Ebanks-Petrie, Gina and Blumenthal, Janice of the Department of the Environment, Cayman Islands) 
  29. a b Bjorndal, Karen A.; Jerry A. Wetherall; Alan B. Bolten; Jeanne A. Mortimer (fevereiro de 1999). «Twenty-Six Years of Green Turtle Nesting at Tortuguero, Costa Rica: An Encouraging Trend». Conservation Biology. 13 (1): 126–134. doi:10.1046/j.1523-1739.1999.97329.x 
  30. Lahanas, P. N.; K. A. Bjorndal; A. B. Bolten; S. E. Encalada; M. M. Miyamoto; R. A. Valverde; B. W. Bowen (1998). «Genetic composition of a green turtle (Chelonia mydas) feeding ground population: evidence for multiple origins» (PDF). Marine Biology. 130 (3): 345–352. doi:10.1007/s002270050254. Consultado em 5 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 27 de setembro de 2007 
  31. a b Girondot, Marc; Jacques Fretey (1996). «Leatherback Turtles, Dermochelys coriacea, Nesting in French Guiana, 1978–1995». Chelonian Conservation and Biology. 2: 204–208. Consultado em 5 de maio de 2022. Cópia arquivada em 21 de julho de 2011 
  32. Seminoff, Jeffrey A. (2002). IUCN 2002 Red List Global Status Assessment: Green Turtle (Chelonia mydas) (PDF). Glande, Suíça: World Conservation Union (IUCN). Cópia arquivada (PDF) em 17 de dezembro de 2008 
  33. Godley, Brendan J.; Annette C. Broderick; Graeme C. Hays (fevereiro de 2001). «Nesting of green turtles (Chelonia mydas) at Ascension Island, South Atlantic». Biological Conservation. 97 (2): 151–158. doi:10.1016/S0006-3207(00)00107-5 
  34. Broderick, Annette C.; Brendan J. Godley; Graeme C. Hays (2001). «Monitoring and conservation of marine turtles of Ascension Island: a sustainable resource». Interim Report to Foreign and Commonwealth Office Environment Fund for the Overseas Territories. p. 13 
  35. Audubon, Maria R. (1986). Audubon and His Journals: Dover Publications Reprint. Nova Iorque: Scribner's Sons. pp. 373–375. ISBN 978-0-486-25144-8 
  36. Green turtle nesting sites (Mapa). Cartografado por Center for Marine Conservation. 1961. Consultado em 5 de maio de 2022. Cópia arquivada em 28 de setembro de 2007 
  37. Seminoff, Jeffrey A.; Javier Alvarado; Carlos Delgado; Jose Luis Lopez; Gabriel Hoeffer (junho de 2002). «First Direct Evidence of Migration by an East Pacific Green Seaturtle from Michoacan, Mexico to a Feeding Ground on the Sonoran Coast of the Gulf of California». The Southwestern Naturalist. 47 (2): 314–316. JSTOR 3672922. doi:10.2307/3672922 
  38. «Ocean Ambassadors – Philippine Turtle Islands». Coastal Resource & Fisheries Management of the Philippines. OneOcean.org. Consultado em 5 de maio de 2022 
  39. «Abs-Cbn Interactive, Green sea turtle caught in Zamboanga». Consultado em 5 de maio de 2022. Cópia arquivada em 28 de janeiro de 2014 
  40. Indonesian Sea Turtle Conservation (PDF). Yayasan, Indonesia: World Wide Fund for Nature, Indonesia. Consultado em 5 de maio de 2022 
  41. Dobbs, Kirstin (2007). Marine turtle and dugong habitats in the Great Barrier Reef Marine Park used to implement biophysical operational principles for the Representative Areas Program (PDF). Townsville, Queenslândia: Great Barrier Marine Park Authority. ISBN 978-1-876945-58-9. Cópia arquivada (PDF) em 18 de julho de 2011 
  42. Tucker, Anton D.; Mark A. Read (setembro de 2001). «Frequency of Foraging by Gravid Green Turtles (Chelonia mydas) at Raine Island, Great Barrier Reef». Journal of Herpetology. 35 (3): 500–503. JSTOR 1565970. doi:10.2307/1565970 
  43. «Melomys rubicola - Bramble Cay Melomys». Department of Agriculture, Water and the Environment, Australian Government. 22 de agosto de 2021. Consultado em 5 de maio de 2022. Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2011 
  44. Ellison, Joanna (1998). «Natural History of Bramble Cay, Torres Strait» (PDF). Atoll Research Bulletin. 455: 1–31. doi:10.5479/si.00775630.455.1. Consultado em 5 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 20 de janeiro de 2022 
  45. a b Butler, E.; A. Astola (1877). «A summer cruise in the Gulf of Oman». Stray Feathers. 5: 283–304 
  46. a b Groombridge, Brian; Aban Marker Kabraji; Abdul Latif Rao (1988). «Marine Turtles in Baluchistan (Pakistan)». Marine Turtle Newsletter. 42: 1–3. Consultado em 5 de maio de 2022. Cópia arquivada em 8 de fevereiro de 2022 
  47. Green, Derek (1993). «Growth Rates of Wild Immature Green Turtles in the Galápagos Islands, Ecuador». Journal of Herpetology. 27 (3): 338–341. JSTOR 1565159. doi:10.2307/1565159 
  48. Pritchard, Peter C (1971). «Galápagos Sea Turtles – Preliminary Findings» (PDF). Journal of Herpetology. 5 (1/2): 1–9. JSTOR 1562836. doi:10.2307/1562836 
  49. a b c Parham, J. F.; Zug, G. R. (1996). «Chelonia agassizii – Valid Or Not?». Marine Turtle Newsletter. 72: 2–5 
  50. Pritchard, Peter C. H. (1999). «Status of the black sea turtle». Conservation Biology. 13 (5): 1000–1003. doi:10.1046/j.1523-1739.1999.98432.x 
  51. Bowen, B. W.; Karl, S. A. «Status of the East Pacific Green Turtle (Chelonia agassizii. Marine Turtle Newsletter. 89: 20–22 
  52. Uetz, P.; Freed, P.; Hošek, J. (eds.). «Chelonia mydas». The Reptile Database. Consultado em 5 de maio de 2022 
  53. Fritz, Uwe; Peter Havaš (2007). «Checklist of Chelonians of the World» (PDF). Vertebrate Zoology. 57 (2): 165–167. Consultado em 5 de maio de 2022. Arquivado do original (PDF) em 17 de dezembro de 2010 
  54. Rhodin, A. G. J.; Iverson, J. B.; Bour, R. Fritz; Georges, U.; Shaffer, H. B.; van Dijk, P. P. (2017). Rhodin, A. G. J.; Iverson, J.B.; van Dijk, P. P.; Saumure, R. A.; Buhlmann, K. A.; Pritchard, P. C. H.; Mittermeier, R. A., eds. Turtles of the World: Annotated Checklist and Atlas of Taxonomy, Synonymy, Distribution, and Conservation Status. Col: Conservation biology of freshwater turtles and tortoises : a compilation project of the IUCN/SSC Tortoise and Freshwater Turtle Specialist Group. 7 8.ª ed. Lunenburgo: Chelonian Research Foundatio. pp. 1–292. ISBN 9781532350269. doi:10.3854/crm.7.checklist.atlas.v8.2017 
  55. a b c d e Ruckdeschel, C.; Shoop, C. R. (2006). Sea Turtles of the Atlantic and Gulf Coasts of the United States. Atenas: Imprensa da Universidade da Geórgia 
  56. «Green Turtle, Chelonia mydas». Fisheries: Office of Protected Resources. U. S. National Oceanographic Atmospheric Administration. 2007. Consultado em 5 de maio de 2022 
  57. a b Reich, Kimberly J.; Karen A. Bjorndal; Alan B. Bolten (18 de setembro de 2007). «The 'lost years' of green turtles: using stable isotopes to study cryptic lifestages». Biology Letters. 3 (6): 712–4. PMC 2391226Acessível livremente. PMID 17878144. doi:10.1098/rsbl.2007.0394 
  58. a b Brynner, Jeanna (19 de setembro de 2007). «Sea Turtles' Mystery Hideout Revealed». LiveScience. Imaginova Corp. Consultado em 5 de maio de 2022. Cópia arquivada em 8 de maio de 2021 
  59. Luschi, P.; Hays, Graeme; Seppia, C. Del; Mash, R.; Papi, F. (dezembro de 1998). «The navigational feats of green sea turtles migrating from Ascension Island investigated by satellite telemetry». Proc Biol Sci. 265 (1412): 2279–2284 
  60. Arthur, Karen; Boyle, Michelle; Limpus, Colin (30 de junho de 2008). «Ontogenetic Changes in Diet and Habitat Use in Green Sea Turtle (Chelonia mydas) Life History» (PDF). Mar Ecol Prog Ser. 362: 303–311. Bibcode:2008MEPS..362..303A. doi:10.3354/meps07440Acessível livremente. Consultado em 5 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 5 de maio de 2022 
  61. Devaux, Bernard (2000). On the Trail of Sea Turtles. Paris, França: Barron's Nature Travel Guides. ISBN 978-0-7641-1162-4 
  62. «Green Sea Turtle». National Wildlife Federation. 2010. Cópia arquivada em 13 de julho de 2017 
  63. «Hawaiian Green Sea Turtle». Midway Atoll National Wildlife Refuge. 5 de setembro de 2002. Consultado em 5 de maio de 2022. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2007 
  64. Brown, L.; MacDonald, D. W. (1995). «Predation on green turtle Chelonia mydas nests by wild canids at Akyatan beach, Turkey». Biological Conservation. 71 (1): 55–60 
  65. McGowin, A.E.; Truong, T.M.; Corbett, A.M.; Clark, Dave (2011). «Genetic barcoding of marine leeches (Ozobranchus spp.) from Florida sea turtles and their divergence in host specificity». Molecular Ecology Resources. 11 (2): 271–278. PMID 21429133. doi:10.1111/j.1755-0998.2010.02946.x 
  66. a b Ferri, Vincenzo (2002). Turtles & Tortoises. Buffalo, Nova Iorque: Firefly Books. ISBN 978-1-55209-631-4 
  67. «Australian Threatened Species: Green turtle (Chelonia mydas (PDF) (Nota de imprensa). Government of Australia. 2006. Consultado em 5 de maio de 2022. Arquivado do original (PDF) em 11 de setembro de 2007 
  68. a b Wynekey, J.; Lohmann, J. K.; Musick, J. A. (2013). The biology of sea turtles. 3. Boca Ratón, Flórida: CRC Press. pp. 59–70 
  69. Lee, Patricia L. M.; Graeme C. Hays (27 de abril de 2004). «Polyandry in a marine turtle: Females make the best of a bad job». Proceedings of the National Academy of Sciences. 101 (17): 6530–6535. Bibcode:2004PNAS..101.6530L. PMC 404079Acessível livremente. PMID 15096623. doi:10.1073/pnas.0307982101Acessível livremente 
  70. a b Bonin, Franck (2006). Turtles of the World. Baltimore, Marilândia: Imprensa da Universidade Johns Hopkins. ISBN 978-0-8018-8496-2 
  71. Fowler, Stephen (21 de abril de 2002). «About The Green Turtle on Ascension». Turtles. Ascension Island Heritage Society. Consultado em 5 de maio de 2022. Cópia arquivada em 7 de agosto de 2022 
  72. «Tartaruga-verde ou Tartaruga-aruanã». Projeto Tamar. Consultado em 5 de maio de 2022. Cópia arquivada em 19 de abril de 2022 
  73. «Green turtle». wwf.panda.org. Consultado em 5 de maio de 2022. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2018 
  74. Lutz, P. L.; Musick, J. A.; Wyneken, J (1997). The Biology of Sea Turtles. Col: Marine Science series. Boca Ratón, Flórida: CRC Press 
  75. Schafer, Edward H. (1962). «Eating Turtles in Ancient China» (PDF). Journal of the American Oriental Society. 82 (1): 73–74. JSTOR 595986. doi:10.2307/595986 
  76. a b Whitten, T; Soeriaatmadja, R. E.; Suraya A. A. (1996). The Ecology of Java and Bali. Hong Kong: Periplus Editions Ltd. pp. 756–760. ISBN 978-962-593-072-5 
  77. Sumertha, I. N. (1974). «Perikanan penyu dan cara pengelolaan di Indonesia». Dokumen. Kom. IPB. 8: 1–18  citado em Whitten, T.; Soeriaatmadja, R. E.; Suraya, A. A. (1996). The Ecology of Java and Bali. Honguecongue: Periplus Editions Ltd. p. 757. ISBN 978-962-593-072-5 
  78. Fosdick, Peggy & Sam (1994). Last chance lost?: can and should farming save the green sea turtle?. Iorque, PA, USA: Irvin S. Naylor. pp. 73, 90 
  79. Morriss, Andrew. «Survival of the Sea Turtle: Cayman Turtle Farm Starts Over». PERC Reports. Property and Environment Research Center. Consultado em 5 de maio de 2022. Arquivado do original em 23 de julho de 2012 
  80. «About Us: 2010». Cayman Turtle Farm. Consultado em 5 de maio de 2022. Arquivado do original em 7 de maio de 2012 
  81. a b «Turtle release set». Caymanian Compass. 23 de outubro de 2007. Consultado em 5 de maio de 2022. Arquivado do original em 23 de setembro de 2015 
  82. «Fresh, new banknotes ready». Caymanian Compass. 6 de abril de 2011. Consultado em 5 de maio de 2022. Arquivado do original em 23 de setembro de 2015 
  83. McGowan, Cliodhna (13 de maio de 2007). «Sir Turtle to keep flying». Caymanian Compass 
  84. «The Hawaiian Honu and its Meaning». Consultado em 5 de maio de 2022. Cópia arquivada em 5 de maio de 2022 
  85. Fisheries, NOAA. «Green Turtle (Chelonia mydas) :: NOAA Fisheries». www.nmfs.noaa.gov (em inglês). Consultado em 5 de maio de 2022 
  86. «Green Sea Turtles of Florida, Mexico No Longer Endangered». U.S. Fish and Wildlife Service. Discovery News. 2016. Consultado em 5 de maio de 2022 
  87. «Lista de Espécies da Fauna Ameaçadas do Espírito Santo». Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (IEMA), Governo do Estado do Espírito Santo. Consultado em 7 de julho de 2022. Cópia arquivada em 24 de junho de 2022 
  88. Livro Vermelho da Fauna Ameaçada. Curitiba: Governo do Estado do Paraná, Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Paraná. 2010. Consultado em 2 de abril de 2022 
  89. Lista das Espécies da Fauna Ameaçada de Extinção em Santa Catarina - Relatório Técnico Final. Florianópolis: Governo do Estado de Santa Catarina, Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável, Fundação do Meio Ambiente (FATMA). 2010 
  90. Bressan, Paulo Magalhães; Kierulff, Maria Cecília Martins; Sugleda, Angélica Midori (2009). Fauna Ameaçada de Extinção no Estado de São Paulo - Vertebrados (PDF). São Paulo: Governo do Estado de São Paulo, Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo (SIMA - SP), Fundação Parque Zoológico de São Paulo. Consultado em 2 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 25 de janeiro de 2022 
  91. de Marques, Ana Alice Biedzicki; Fontana, Carla Suertegaray; Vélez, Eduardo; Bencke, Glayson Ariel; Schneider, Maurício; Reis, Roberto Esser dos (2002). Lista de Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção no Rio Grande do Sul - Decreto Nº 41.672, de 11 de junho de 2002 (PDF). Porto Alegre: Museu de Ciências e Tecnologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; PANGEA - Associação Ambientalista Internacional; Fundação Zoo-Botânica do Rio Grande do Sul; Secretaria Estadual do Meio Ambiente (SEMA); Governo do Rio Grande do Sul. Consultado em 2 de abril de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 31 de janeiro de 2022 
  92. «Decreto N.º 51.797, de 8 de setembro de 2014» (PDF). Porto Alegre: Estado do Rio Grande do Sul Assembleia Legislativa Gabinete de Consultoria Legislativa. 2014. Consultado em 2 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 16 de março de 2022 
  93. «Lista Oficial das Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção do Estado da Bahia.» (PDF). Secretaria do Meio Ambiente. Agosto de 2017. Consultado em 1 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 2 de abril de 2022 
  94. «PORTARIA N.º 444, de 17 de dezembro de 2014» (PDF). Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ministério do Meio Ambiente (MMA). Consultado em 24 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 12 de julho de 2022 
  95. «Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção» (PDF). Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ministério do Meio Ambiente. 2018. Consultado em 3 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 3 de maio de 2018 
  96. «Chelonia mydas (Linnaeus, 1758)». Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira (SiBBr). Consultado em 22 de abril de 2022. Cópia arquivada em 10 de julho de 2022 
  97. «Texto publicado no Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro contendo a listagem das 257 espécies» (PDF). Rio de Janeiro: Governo do Estado do Rio de Janeiro. 2018. Consultado em 2 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 2 de maio de 2022 
  98. Kessler, Rebecca (9 de novembro de 2010). «Sea Turtle Herpes Tumors Linked to Sewage?». National Geographic News. Consultado em 5 de maio de 2022 
  99. Shigenaka, Gary; Milton, Sarah; Lutz, Peter; Shigenaka, Gary; Hoff, Rebecca Z.; Yender (1 de agosto de 2003). Oil and Sea Turtles: Biology, Planning, and Response (PDF) 1 ed. Florida: U.S. Department Of Commerce: National Oceanic and Atmospheric Administration. pp. 35–46. doi:10.13140/2.1.1774.0486. Consultado em 5 de maio de 2022 
  100. Herbst, Lawrence H. (setembro de 2000). «Marine Turtle Fibropapillomatosis: Hope Floats in a Sea of Ignorance» (PDF). Proceedings of the 19th Annual Symposium on Sea Turtle Conservation and Biology. 19: 39–40. NOAA Technical Memorandum NMFS-SEFSC-443 
  101. Moncada, Felix; Adela Prieto (setembro de 2000). «Incidence of Fibropapillomas in the Green Turtle (Chelonia mydas) in Cuban Waters». Proceedings of the 19th Annual Symposium on Sea Turtle Conservation and Biology. 19: 40–41. NOAA Technical Memorandum NMFS-SEFSC-443 
  102. Lezama, C.; Carranza, A.; Fallabrino, A.; Estrades, A.; Scarabino, F.; López-Mendilaharsu, M. (2013). «Unintended backpackers: bio-fouling of the invasive gastropod Rapana venosa on the green turtle Chelonia mydas in the Río de la Plata Estuary, Uruguay». Biological invasions. 15 (3): 483–487 
  103. Seminoff (2002). «Home range of green turtles Chelonia mydas at a coastal foraging area in the Gulf of California, Mexico». Mar Ecol Prog Ser. 242: 253–265. Bibcode:2002MEPS..242..253S. doi:10.3354/meps242253Acessível livremente 
  104. National Marine Fisheries Service; U.S. Fish and Wildlife Service (1998). Recovery Plan for U.S. Pacific Populations of the East Pacific Green Turtle (Chelonia mydas). Silver Spring, MD: National Marine Fisheries Service 
  105. «Some Great Barrier Reef turtle populations produce nothing but females». 2018 
  106. «Coal-fired plant project threatens endangered sea turtles on Turkey's Mediterranean shores». bianet. 15 de junho de 2020 
  107. Nijman, Vincent (2015). «Decades long open trade in protected marine turtles along java's south coast». Marine Turtle Newsletter – via ResearchGate 
  108. Denevan, William M. (2000). «James J. Parsons, 1915-1997». In: Artmstrong, Patrick H.; Martin, Geoffrey J. Geographers: biobibliographical studies, v. 19. Londres e Nova Iorque: Strand e Mansell Pubishing Limited. p. 90. ISBN 0720123771 
  109. Groombridge, B. (1982). The IUCN Amphibia-Reptilia Red Data Book, Part 1: Testudines, Crocodylia, Rhynocehapalia (PDF). Glande, Suíça: IUCN 
  110. IUCN Conservation Monitoring Centre (1986). 1986 IUCN Red List of Threatened Animals. Glande, Suíça; Cambrígia, Reino Unido: IUCN. ISBN 978-2-88032-605-0 
  111. IUCN Conservation Monitoring Centre (1988). 1988 IUCN Red List of Threatened Animals. Glande, Suíça; Cambrígia, Reino Unido: IUCN. ISBN 9782880329358 
  112. IUCN (1990). 1990 IUCN Red List of Threatened Animals. Glande, Suíça; Cambrígia, Reino Unido.: IUCN 
  113. Groombridge, B. (1994). 1994 IUCN Red List of Threatened Animals. Glande, Suíça: IUCN. ISBN 978-2-8317-0194-3 
  114. Groombridge, B.; Baillie (1996). 1996 IUCN Red List of Threatened Animals. Glande Suíça: IUCN 
  115. Red List Standards; Petitions Subcommittee (18 de outubro de 2001). «Ruling of the IUCN Red List Standards and Petitions Subcommittee on Petitions against the 1996 Listings of Four Marine Turtle Species, 18 October 2001» (PDF). International Union for Conservation of Nature and Natural Resources. Consultado em 5 de maio de 2022. Arquivado do original (PDF) em 6 de dezembro de 2006 
  116. CITES (3 de maio de 2007). «Appendices». Convention on International Trade in Endangered Species of Wild Flora and Fauna. Consultado em 5 de maio de 2022. Arquivado do original (SHTML) em 29 de dezembro de 2007 
  117. UNEP-WCMC. «Chelonia mydas A-301.003.002.002». UNEP-WCMC Species Database: CITES-Listed Species. United Nations Environment Programme – World Conservation Monitoring Centre. Consultado em 5 de maio de 2022. Arquivado do original em 29 de setembro de 2007 
  118. «Green Turtle». EDGE of Existence. Consultado em 5 de maio de 2022 
  119. Callis, Tom (4 de abril de 2013). «Turtle report months away». Hawaii Tribune Herald. Consultado em 5 de maio de 2022 
  120. Karmini, Niniek (27 de novembro de 2009). «Indonesia rejects Bali plan for turtle sacrifices». Associated Press. Consultado em 5 de maio de 2022. Arquivado do original em 27 de novembro de 2009 
  121. «Turtle Islands Wildlife Sanctuary» 
  122. «Protecting the endangered 'pawikan' | Jonathan L. Mayuga». 15 de outubro de 2017 
  123. «Selingan Turtle Island». Borneo: Journey Malaysia. Dolphin Diaries Travel Sdn Bhd. 2007. Consultado em 5 de maio de 2022. Arquivado do original em 22 de julho de 2015 
  124. «Grouped Species Action Plan: Grouped plan for marine turtles». UK Biodiversity Action Plan. UK Joint Nature Conservation Committee. 2006. Consultado em 5 de maio de 2022. Arquivado do original em 5 de agosto de 2007 
  125. «Ascension Conservation». Ascension Conservation, Wildlife. Ascension Conservation. 2007. Consultado em 5 de maio de 2022. Arquivado do original em 28 de setembro de 2007 
  126. «History: 1989». Cayman Turtle Farm. Consultado em 5 de maio de 2022 
  127. Fuller, Brent (18 de novembro de 2011). «Little turtles swimming for it». Caymanian Compass. Consultado em 5 de maio de 2022. Arquivado do original em 23 de setembro de 2015 
  128. Bell, Catherine; Parsons, J.; Austin, T. J.; Broderick, A. C.; Ebanks-Petrie, G.; Godley, G. J. (25 de abril de 2005). «Some of them came home: the Cayman Turtle Farm headstarting project for the green turtle Chelonia mydas». Oryx. 39 (2): 137–148. doi:10.1017/S0030605305000372Acessível livremente 
  129. «Satellite Tracking». Consultado em 5 de abril de 2022 
  130. Cayman Turtle Farm. «Cayman Turtle Farm Green Sea Turtle Releases». SeaTurtle.org. Consultado em 5 de maio de 2022 
  131. Brammer, Jeff (16 de outubro de 2011). «What if the turtle farm went belly up?». Caymanian Compass. Consultado em 5 de maio de 2022. Arquivado do original em 23 de setembro de 2015 
  132. Connolly, Norma (2 de junho de 2011). «More turtles nesting in Cayman». Caymanian Compass. (Quoted Ebanks-Petrie, Gina and Blumenthal, Janice of Department of the Environment, Cayman Islands) 
  133. «Tuvalu Funafuti Conservation Area». Ministry of Communication, Transport and Tourism – Government of Tuvalu. Consultado em 5 de maio de 2022. Arquivado do original em 2 de novembro de 2011 
  134. Kim, Sharnie; Rigby, Mark (12 de junho de 2020). «Green turtle rookery on Raine Island brought back from brink, but scientists' fight not over yet». ABC News. Australian Broadcasting Corporation. Consultado em 5 de maio de 2022 
  135. Wang Z.; Pascual-Anaya, J.; Zadissa A. (2013). «The draft genomes of the soft-shell turtle and green sea turtle yield insights into the development and evolution of the turtle-specific body plan». Nature Genetics. 45 (6): 701–706. PMC 4000948Acessível livremente. PMID 23624526. doi:10.1038/ng.2615 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]