Chiclete com Banana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Crystal Clear app kguitar.png Este artigo sobre uma banda ou grupo musical é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Chiclete com Banana (desambiguação).
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde abril de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste(a) artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Chiclete com Banana
Informação geral
Origem Salvador, Bahia
País Brasil
Gênero(s) Axé
Período em atividade 1980 - atualmente
Gravadora(s) Bacarolla
Warner Music
BMG
Sony & BMG Music Entertainment
Sony Music Entertainment
Integrantes Khill
Waltinho Cruz
Wado Marques
Denny
Shanon
Ex-integrantes Bell Marques
Walmar Paim
Cacik Jonne
Missinho
Rubinho
Rey
Rafa Chaves
Wilson Marques
Emerson "Lelo" Lobão
Página oficial chicletecombanana.com.br

Chiclete com Banana é uma banda de axé music brasileira. O grupo atingiu sucesso nacional em 1986 com o lançamento do disco "Gritos de Guerra", que vendeu cerca de um milhão de cópias. Desde então o grupo é um dos principais nomes do axé e micaretas. O grupo conta com grande legião de fãs, conhecidos como chicleteiros. A banda possui seu próprio trio elétrico, batizado de Tiranossauro Rex.


História[editar | editar código-fonte]

Início como banda de baile[editar | editar código-fonte]

A banda originou-se de um conjunto de baile chamado Scorpius que se apresentava em festas de formatura. O grupo tocava em inglês músicas de astros estrangeiros como Rod Stewart, Paul McCartney, e Elton John. Desse grupo já faziam parte Bell (à época tecladista), Rey (à época guitarrista), Missinho, Rubinho Gramacho, Valtinho, Wadinho (à época guitarrista). Denny e Cacik Jonne se juntaram mais tarde aos demais integrantes.[carece de fontes?]

Em 1980 Bell sugere ao grupo tocarem em trio elétrico. Naquele ano foram contratados pelo bloco Traz os Montes para tocarem na pascoa. No ano seguinte, o engenheiro de som Wilson Silva (irmão de Bell e Wadinho) sugeriu e pôs em prática uma ideia revolucionária de fechar toda a lateral do Trio com caixas de som e usar equipamentos de potência transistorizada, passando todos os músicos a tocarem na parte superior do trio, causando assim, na época, grande diferença dentre os demais, já que nesses a percussão localizava-se nas laterais inferiores e somente os músicos de corda permaneciam na parte superior. Esta foi a maior revolução do trio elétrico na década de 80.

Transição pro axé e sucesso nacional[editar | editar código-fonte]

Em 1982 o Chiclete com Banana iniciou experiências com todo estilo de música, do rock ao forró. Nesse ano a banda foi convidada para gravar um disco. Surgiu então a vontade de mudar o nome da banda que estava ultrapassado. Nildão, cartunista e artista gráfico foi o responsável pelo nome, que na época, criou muita polêmica. O nome "Chiclete com Banana" deu-se pela grande mistura de ritmos que a banda fazia. Com o nome da banda definido, o 1º LP foi gravado em 1982 com o nome "Traz os Montes".

Em 1983 gravam o álbum "Estação das Cores". Em 1984 gravam novo album, "Energia". Neste biênio tocaram no "Traz a Massa", que era um bloco mais popular que o "Traz os Montes". Isso permitiu que suas músicas atingissem tanto um público mais popular quanto o das classes mais altas. O Chiclete com Banana sempre contou com o apoio de um público fiel, constituído da mais variadas faixas etárias e que lotam clubes, ginásios, campos de futebol, casas de espetáculos e diversos outros locais em que o grupo se apresenta.

No ano de 1986 com o lançamento do disco "Gritos de Guerra", a banda vendeu quase um milhão de cópias, marcando assim o início do enorme fenômeno chamado Chiclete com Banana. A banda participa de aproximadamente 26 carnavais fora de época e já vendeu quase 13 milhões de discos vendidos, sendo depois da banda Legião Urbana a que mais vendeu discos no Brasil, com cerca de 150 apresentações por ano. A banda possui também o trio elétrico mais moderno e caro do paíA banda participa de aproximadamente 26 carnavais fora de época e já vendeu quase 13 milhões de discos vendidos, sendo depois da banda Legião Urbana a que mais vendeu discos no Brasil, com cerca de 150 apresentações por ano. A banda possui também o trio elétrico mais moderno e caro do país: batizado de Tiranossauro Rex, o projeto custou cerca de 3 milhões de reais. O disco seguinte a "Gritos de Guerra" teve 450 mil cópias vendidas, que é a média de discos da banda vendidos por ano, ou seja, 4 Discos de ouro e 1 de Platina.s: batizado de Tiranossauro Rex, o projeto custou cerca de 3 milhões de reais. O disco seguinte a "Gritos de Guerra" teve 450 mil cópias vendidas, que é a média de discos da banda vendidos por ano, ou seja, 4 Discos de ouro e 1 de Platina.

Em 1985 receberam o convite do bloco "Os Internacionais", onde tocaram por 5 anos (1985, 1986, 1987, 1988 e 1989). Como o Chiclete já tinha o seu próprio trio, resolveu desvincular-se de blocos de Carnaval e tocar para o povão na rua, com ou sem patrocínio, pois já tinham uma estrutura montada e até sua própria produtora, a Mazana. Neste meio tempo apareceu a proposta tentadora do bloco Camaleão. Era a oportunidade de tocar para um público diferente. Firmaram então contrato com o Camaleão (estreando no carnaval de 1990), sendo hoje o bloco mais caro para desfilar no Carnaval de Salvador, onde permaneceram até 2014.

Até abril de 1986 o Chiclete Com Banana era composto por 8 integrantes. Tinham 2 guitarristas (Missinho e Jonny); 3 percussionistas (Waltinho, Denny e Rubinho Gramacho). Saiu então Missinho e Rubinho e só ficaram 6 (seis). Não houve substituição. A saída de Missinho, à epoca considerado um bom compositor e músico, gerou desconfiança nos fãs. Com o lançamento do disco Gritos De Guerra a Banda vendeu entre 750 e 800 mil cópias recebendo 3 discos de platina e marcando assim o início de um fenômeno chamado Chiclete com Banana".

No dia 1 de novembro de 2008, a banda gravou o segundo DVD em sua história na cidade de Salvador. O evento aconteceu no Parque de Exposições da capital baiana. A festa reuniu aproximadamente 50 mil pessoas[1].

Saída de Bell Marques e novas formações[editar | editar código-fonte]

No dia 10 de setembro de 2013, o vocalista Bell Marques[2] anuncia sua saída da banda através de um vídeo[3] postado em sua conta no youtube e causa alvoroço entre seus fans. Desgastes internos e divergências de opinião teriam sido o motivo de seu desligamento[4]. No carnaval de 2014 em Salvador , Bell , fez seu ultimo show de despedida, do campo grande até a castro alves , no bloco Camaleão , assim chegando na castro alves , Bell deu o seu ultimo acorde na guitarra a frente da banda , deixando milhares de fãs emocionados, em seguida foi diretamente para a Barra iniciar o seu novo bloco o "vumbora?!" , Bell começou cantando "Ave Maria", e depois seus sucessos.

No dia 15 de outubro de 2013, é anunciado o novo vocalista, ex-integrante da banda Via Circular, Rafa Chaves. Após a saída oficial do ex-vocalista Bell Marques, Rafa Chaves assume o vocal da Banda Chiclete com Banana, trazendo um nova canção: "Vida que segue", que faz referencia a sua chegada e o novo perfil da banda.

No dia 04 de abril de 2014, a banda faz o seu primeiro show com o novo vocalista no Carnabeirão, carnaval fora de época de Ribeirão Preto(SP). O cantor Rafa Chaves iniciou seu canto pedindo licença para fazer parte da festa. “Ô de casa, salve, salve. Dá licença pra chegar. Sou filho da fantasia que o Chiclete me ensinou sonhar”, parte da letra da canção: "Vida que Segue".A banda participa de aproximadamente 26 carnavais fora de época e já vendeu quase 13 milhões de discos vendidos, sendo depois da banda Legião Urbana a que mais vendeu discos no Brasil, com cerca de 150 apresentações por ano. A banda possui também o trio elétrico mais moderno e caro do país: batizado de Tiranossauro Rex, o projeto custou cerca de 3 milhões de reais. O disco seguinte a "Gritos de Guerra" teve 450 mil cópias vendidas, que é a média de discos da banda vendidos por ano, ou seja, 4 Discos de ouro e 1 de Platina.

No dia 06 de abril de 2014 o chiclete faz o seu segundo show e o primeiro show em palco, com o novo vocalista, realizado no aniversário da cidade de Limoeiro-PE, onde foi bem recebido com a sua nova formação, realizaram um show para cima. Fizeram uma homenagem ao cantor Reginaldo Rossi falecido no final de 2013. O show foi bem diversificado, carimbando o legado e confirmando ainda mais que, a Banda Chiclete com Banana será sempre querida pelos fãs. Com a nova formação, além de shows pelo país, gravaram uma música com o grupo alemão Die Höhner (especialmente para a Copa do Mundo realizada no Brasil), participaram do Fortal (carnaval fora de época de Fortaleza-CE) e diversos programas de televisão. Lançaram também mais 3 músicas novas: "De Braços Abertos", "Pega no Ar" e "Foi no Nana". No carnaval 2015 o Chiclete com Banana desfilará em Salvador nos blocos Nana Banana (sexta e sábado) e Papa (segunda). Fará ainda show em dois camarotes e animará também o carnaval de Porto Seguro-BA.

Popularidade[editar | editar código-fonte]

O Chiclete, como é carinhosamente chamado, possui uma legião de fãs cuja fidelidade se verifica no ininterrupto e constante sucesso que a banda apresenta, ao longo das mais de 30 anos de sucesso.

Chamados de "chicleteiros", os fãs da banda acompanham o trabalho e os blocos onde se apresenta, estes fanáticos chegam a pagar de 50 a 1600 reais por um dia de apresentação do Chiclete. Por isso que são mais de 50 fã clubes no Brasil e mais de 10 no exterior.

A banda participa de aproximadamente 26 carnavais fora de época e já vendeu quase 13 milhões de discos vendidos, sendo depois da banda Legião Urbana a que mais vendeu discos no Brasil, com cerca de 150 apresentações por ano. A banda possui também o trio elétrico mais moderno e caro do país: batizado de Tiranossauro Rex, o projeto custou cerca de 3 milhões de reais. O disco seguinte a "Gritos de Guerra" teve 450 mil cópias vendidas, que é a média de discos da banda vendidos por ano, ou seja, 4 Discos de ouro e 1 de Platina.

Formação[editar | editar código-fonte]

Abaixo formação em Janeiro de 2018:[5]

Ex-integrantes[editar | editar código-fonte]

  • Emerson "Lelo" Lobão:[6] baixo
  • Rafa Chaves: voz e guitarra;
  • Bell Marques: voz e guitarra (anteriormente baixo e violão)
  • Walmar Paim: bateria
  • Rubinho Gramacho: percussão e efeitos
  • Missinho: guitarra e voz
  • João Fernandes (Cacique Jonne): guitarra
  • Reynaldo Gramacho (Rey): bateria
  • Edmilson (Buda): Mesa de Som

Discografia[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]