Chico Pinheiro (músico)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2016). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Chico Pinheiro
Nascimento 8 de dezembro de 1979 (39 anos)
São Paulo
Nacionalidade brasileiro

Francisco Pinheiro Christino Netto ou apenas Chico Pinheiro (São Paulo, 8 de dezembro de 1975) é um guitarrista, compositor e arranjador brasileiro.[1][2]

Carreira[editar | editar código-fonte]

É considerado um dos artistas mais expressivos da música brasileira contemporânea. Autodidata, começou tocando violão e piano aos sete anos de idade e passou a atuar profissionalmente aos 15 anos. Formado pela Berklee College of Music, em Boston, Chico é hoje celebrado como excelente instrumentista e compositor único, de grande originalidade e maturidade, e já reconhecido por Edu Lobo, Moacir Santos, Brad Mehldau e Cesar Camargo Mariano como uma das novas referências, um "novo sopro na música brasileira".

Seu primeiro CD, Meia Noite Meio Dia (Sony, 2003) - com participações de Luciana Alves, Lenine, Ed Motta, Chico César e Maria Rita - é incluído pelos jornais O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo e O Globo em suas listas de melhores do ano. Em 2005, lanç, pela gravadora Biscoito Fino, o CD Chico Pinheiro, festejado por imprensa e público, e incluído novamente na lista dos “Melhores do Ano” pelos três maiores jornais do país, além de receber críticas bastante positivas na Europa. O CD teve participações de João Bosco, Luciana Alves e Tati Parra. No mesmo ano, Chico figura como único artista brasileiro solo a se apresentar no palco Jazz do TIM Festival, ao lado de Brad Mehldau, Nancy Wilson, Dave Holland e Birelli Lagrene.

Em dezembro de 2007, lança seu 3º CD, NOVA (inaugurando também o selo Buriti), em parceria com o guitarrista e compositor americano Anthony Wilson (Diana Krall), disco que novamente foi incluído entre os melhores do ano pela crítica especializada no Brasil e obteve excelentes críticas nos EUA, sendo inclusive citado entre os melhores pela revista Down Beat. Em 2010, lança o álbum There's a storm Inside, pelo selo CT Music/ Japan/ Sunnyside Records/ USA, desta vez distribuído no mundo todo e mais uma vez obtendo críticas excelentes. Desse disso, gravado parte nos Estados Unidos e parte no Brasil, participam Dianne Reeves, Bob Mintzer, Oscar Castro Neves e Luciana Alves.

Este último eleito entre os melhores CDs do ano pela Revista Downbeat, Revista Veja, O Estado de São Paulo, Folha de São Paulo, Jornal O GLOBO e Revista Rolling Stone ( na categoria 'melhor disco', e por duas vezes na categoria 'melhor música', com 'There's a storm inside' e 'Recriando a criação'); 'TRIZ' (Buriti/ Monteverdi, 2012),  em parceria com o compositor e pianista André Mehmari e o Compositor e cantor Sergio Santos,  também com críticas extremamente elogiosas e figurando em listas de melhores do ano.

Em 2016 lança VARANDA, CD em parceria com Tiago Costa, Edu Ribeiro, Bruno Migotto e Felipe Salles,  novamente alcançando a cotação máxima na Revista Downbeat. A publicação americana de mais prestígio ressalta Pinheiro como "prodígio da Guitarra".

Como instrumentista e compositor,  foi contemplado na Associação Latin Jazz Corner - USA com os prêmios  Best Latin Jazz Guitarist of 2010 e Best Latin Jazz Composition of 2010. Em 2012, Chico figura na lista Annual Critics Poll 2012, da revista DOWNBEAT, na categoria 'RISING STAR/ Guitar, ao lado de Julian Lage, Adam Rogers e Peter Bernstein. Em 2019, figura novamente na mesma lista publicada pela revista.

Chico já dividiu projetos, gravações e apresentações com Placido Domingo, Herbie Hancock, Brian Blade, Kurt Elling, Joyce, Dori Caymmi, Danilo Caymmi, The Orpheus Chamber Orchestra, Bob Mintzer, The Bob Mintzer Big Band, The Israeli Chamber Orchestra, The Swiss Jazz Orchestra, The Danish Radio Big Band,  Sammy Figueroa, Dianne Reeves, Rosa Passos, Edu Lobo, Ed Motta, Dori Caymmi, Danilo Caymmi, Chico César, Cesar Camargo Mariano, João Donato, Johnny Alf, Cachaíto Lopez (Buena Vista Social Club), Brad Mehldau, Mark Turner, Chris Potter, Esperanza Spalding, Nnenna Freelon, Swiss Jazz Orchestra, Paris Jazz Big Band, Eddie Gomez, Claudio Roditi, Peter Erskine, Ari Hoenig, Bob Malach, Ivan Lins, entre outros.

Parceiros de canções incluem Aldir Blanc, Maysa, Paulo César Pinheiro, Jesse Harris, Pedro Luís, Chico César, Tiago Torres da Silva, José Miguel Wisnik, Guile Wisnik e Paulo Neves. Desde a sua estreia fonográfica solo, em 2003, Chico vem excursionando pelo mundo todo, onde se apresenta em vários teatros e festivais de jazz e música brasileira.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • Meia Noite Meio Dia (2003, Sony Music)
  • Chico Pinheiro (2005, Biscoito Fino)
  • NOVA (2007, Buriti Records/ Goat Hill Recordings)
  • There's a Storm Inside (2010, Sunnyside Records/ CT Music Japan)
  • Seasons (2011, Goat Hill Recordings) com Anthony Wilson, Julian Lage & Steve Cardenas
  • "TRIZ" (2012, Buriti Records/ Estúdio Monteverdi) com André Mehmari e Sérgio Santos
  • "VARANDA" (2016, Tapestry Records) com Tiago Costa, Edu Ribeiro, Felipe Salles e Bruno Migotto

Referências

  1. Dicionário Cravo Albin de MPB - Chico Pinheiro
  2. «Formação». Músicos do Brasil. Consultado em 28 de março de 2016.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre músico é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.