Chico Xavier (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Chico Xavier
Chico Xavier
 Brasil
2010 •  Cor •  125 min 
Direção Daniel Filho
Codireção Cris D’Amato
Produção Lereby
Coprodução Bruno Wainer
Eduardo Girão
Globo Filmes
Estação da Luz Filmes
Produção executiva Julio Uchôa
Roteiro Marcos Bernstein, AC
Baseado na obra "As Vidas de Chico Xavier", de Marcel Souto Maior
Elenco Nelson Xavier
Ângelo Antônio
Matheus Costa
Tony Ramos
Christiane Torloni
Giulia Gam
Letícia Sabatella
Luís Melo
Pedro Paulo Rangel
Giovanna Antonelli
André Dias
Paulo Goulart
Cássia Kiss
Cássio Gabus Mendes
Rosi Campos
Género Biográfico
Música Egberto Gismonti
Produtor de VHX O2 Pós Produções
Laboratório Technicolor Creative Services
Labo Cine do Brasil
Direção de arte Claudio Amaral Peixoto
Direção de fotografia Nonato Estrela, ABC
Figurino Bia Salgado
Edição Diana Vasconcellos, ABC
Distribuição Columbia/Sony Pictures
Downtown Filmes
Lançamento 2 de abril de 2010
Idioma Português
Orçamento R$11 milhões (aprox.)
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Chico Xavier é um filme brasileiro de 2010 dirigido por Daniel Filho, com roteiro de Marcos Bernstein baseado no livro As Vidas de Chico Xavier, de Marcel Souto Maior. Sua estreia foi no dia 2 de abril de 2010. Em 6 de maio de 2010, havia sido visto no cinema por três milhões de pessoas.[1]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Chico Xavier é uma adaptação para o cinema que descreve a vida do médium brasileiro Chico Xavier, que viveu 92 anos (1910-2002), sua atividade mediúnica e filantrópica. O filme descreve uma vida conturbada com lutas e amor. Chico Xavier psicografou mais de 400 livros.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Mariana Bonfim em sua crítica para o Omelete escreveu: "Ao contrário de Lula, o Filho do Brasil (2010), Chico Xavier se apresenta como uma biografia sincera, sem melodramas, desmistificando o santo e o transformando em homem."[2] Sandra Jacqueline Stoll avaliando o filme para o Estadão disse que "ao contrário do que se pensa, Chico Xavier não representa unanimidade no mundo espírita. Ainda que seguido e admirado por milhões de brasileiros, é do meio espírita mais apegado às tradições kardecistas que vem pesada crítica a seu trabalho."[3] Inácio Araujo para a Folha de S.Paulo destacou que o filme é "acima da média" e "exibe acerto de roteiro e direção".[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «'Chico Xavier' faz 3 milhões de espectadores». Terra. 06 maio 2010. Consultado em 07 maio 2010  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  2. Mariana Bonfim (1 de abril de 2016). «Crítica: Chico Xavier». omelete.uol.com.br. Consultado em 21 de outubro de 2016 
  3. Sandra Jacqueline Stoll. «Chico Xavier: o sincretismo além dofilme - Aliás - Estadão». alias.estadao.com.br. Consultado em 21 de outubro de 2016 
  4. Inácio Araujo (25 de julho de 2016). «Crítica: Acima da média, 'Chico Xavier' exibe acerto de roteiro e direção». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 21 de outubro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.