Chimpanzé-comum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaChimpanzé [1]
Ocorrência: 4–0 Ma
Pan troglodytes (male).jpg
Estado de conservação
Espécie em perigo
Em perigo (IUCN 3.1) [2]
Classificação científica
Domínio: Eukariota
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Primates
Subordem: Haplorrhini
Infraordem: Simiiformes
Parvordem: Catarrhini
Superfamília: Hominoidea
Família: Hominidae
Subfamília: Homininae
Tribo: Hominini
Subtribo: Panina
Género: Pan
Espécie: P. troglodytes
Nome binomial
Pan troglodytes
(Blumenbach, 1776)
Distribuição geográfica
Mapa de distribuição das quatro subespécies de chimpanzé-comum: 1. P. t. verus. 2. P. t. vellerosus. 3. P. t. troglodytes. 4. P. t. schweinfurthii.
Mapa de distribuição das quatro subespécies de chimpanzé-comum: 1. P. t. verus. 2. P. t. vellerosus. 3. P. t. troglodytes. 4. P. t. schweinfurthii.
Subespécies
Sinónimos
Simia troglodytes Blumenbach, 1776

Troglodytes troglodytes (Blumenbach, 1776)
Troglodytes niger E. Geoffroy, 1812
Pan niger (E. Geoffroy, 1812)

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies

O chimpanzé-comum (nome científico: Pan troglodytes), também conhecido como chimpanzé-robusto,[2] é uma das duas espécies de chimpanzés que vivem no continente africano, juntamente com o chimpanzé-pigmeu (bonobo). Evidências de fósseis e sequenciamento de DNA mostram que essas duas espécies são os parentes vivos mais próximos dos humanos.[3] O chimpanzé-comum possui quatro subespécies confirmadas e uma quinta subespécie proposta.

O chimpanzé-comum é coberto por pêlos grossos e pretos, mas tem o rosto, dedos, palmas das mãos e solas dos pés desprovidos de pêlos. É maior e mais robusto que o bonobo, com machos pesando 40-70 kg e fêmeas pesando 27-50 kg, medindo de 100 a 150 cm. Seu período de gestação é de oito meses, muito semelhante à dos humanos que é de 9 meses. O bebê é desmamado por volta dos três anos de idade, mas geralmente mantém um relacionamento próximo com sua mãe por mais alguns anos, atingindo a puberdade entre os 8 e 10 anos.

Os chimpanzés-comuns vivem em grupos que variam de entre 15 a 150 indivíduos, embora viajam em grupos menores durante o dia. A espécie vive em uma hierarquia patriarcal e rigorosa, o que significa que as disputas geralmente podem ser resolvidas sem a necessidade de violência. Quase todas as populações de chimpanzés foram registadas utilizando ferramentas, modificando gravetos, pedras, relva, folhas e usando-os para adquirir mel, cupins, formigas, nozes e água.[4] A espécie também foi encontrada utilizando gravetos afiados como uma lança para caçar pequenos mamíferos.[5]

O chimpanzé-comum está listado na lista vermelha da IUCN como uma das espécies ameaçadas de extinção.[2] A população estimada de chimpanzés-comuns em vida selvagem é de cerca de 170.000 a 300.000 indivíduos, na África Ocidental e Central.[2] As maiores ameaças para o chimpanzé-comum são a destruição do habitat, a caça furtiva e doenças infecciosas transmitidas majoritariamente por seres humanos.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A palavra chimpanzé é derivada do dialeto Banto, o Tshiluba, onde era kivili-chimpenze[6], com o significado de "macaco" ou semelhante ao homem. O nome científico Pan troglodytes reflete a grande confusão que prevalecia no status taxonômico da espécie no início de suas pesquisas científicas, bem como a influência de mitos e lendas. O nome do gênero Pan, definido em 1816 pelo naturalista alemão Lorenz Oken (1851-1779),[7] deriva do deus grego . O nome da espécie troglodita em grego significa "morador das cavernas", um nome inapropriado, uma vez que o chimpanzé comum não habita cavernas. Este nome foi originalmente cunhado no século XVII pelo naturalista sueco Carlos Lineu como o nome da suposta espécie Homo troglodytes (que significa "o homem mora em cavernas") para denotar uma tribo humana lendária que supostamente existiu na África.[8]

Taxonomia e genética[editar | editar código-fonte]

O primeiro grande macaco conhecido pela ciência ocidental no século XVII foi o orangotango (gênero Pongo), o nome malaio local sendo registrado em Java pelo médico holandês Jacob de Bondt. Em 1641, o anatomista holandês Nicolaes Tulp atribuiu o nome incorretamente a um chimpanzé ou bonobo da Angola levado para a Holanda por comerciantes holandeses.[9] O naturalista alemão Johann Friedrich Blumenbach classificou o chimpanzé como Simia troglodytes em 1775. Outro naturalista alemão, Lorenz Oken, cunhou o gênero Pan em 1816. O bonobo foi reconhecido como uma espécie distinta do chimpanzé em 1933.[8][10]

Subespécies[editar | editar código-fonte]

Até à data, foram definidas quatro subespécies do chimpanzé-comum,[11][12] que diferem umas das outras principalmente na sua área de distribuição ao longo do Continente Africano:

As diferenças externas entre essas subespécies não são significativas, exceto pela tendência de tamanhos menores do corpo nas subespécies da África Ocidental. Estudos genéticos mostram que as subespécies da África Ocidental e as subespécies da Nigéria-Camarões estiveram, de fato, relativamente isoladas umas das outras e umas das outras por centenas de milhares de anos, mas não há diferenças genéticas significativas entre as subespécies da África Central e da África Oriental.[13]

Uma quinta subespécie foi proposta, o chimpanzé do sudeste (P. troglodytes marungensis), sendo encontrada em Burundi, Ruanda, Tanzânia e Uganda.[14]

Evolução[editar | editar código-fonte]

Apesar de um grande número de descobertas de fósseis de Homo, os fósseis de Pan não foram descritos até 2005. As populações de chimpanzés existentes na África Ocidental e Central não se sobrepõem aos principais sítios de fósseis humanos na África Oriental, mas fósseis de chimpanzés já foram relatados no Quênia, o que indica que tanto humanos quanto membros do clado Pan estavam presentes no Vale do Rift da África Oriental durante o Pleistoceno Médio.[15]

Evidências de DNA sugerem que as espécies de bonobos e chimpanzés se separaram há menos de um milhão de anos (semelhante em relação ao Homo sapiens e Homo neanderthalensis).[16][17] Um estudo genético de 2017 sugere um fluxo gênico antigo (introgressão) do bonobo para os ancestrais dos chimpanzés entre 200 e 550 mil anos atrás.[18]

A linhagem do chimpanzé se separou do último ancestral comum da linhagem humana há cerca de seis milhões de anos. Já que nenhuma outra espécie além do Homo sapiens sobreviveu da linhagem humana dessa ramificação, ambas as espécies de chimpanzés são os parentes vivos mais próximos dos humanos; a linhagem de humanos e chimpanzés divergiu dos gorilas (gênero Gorilla) há cerca de sete milhões de anos.

Características físicas[editar | editar código-fonte]

Os chimpanzés adultos têm uma altura média de 150 cm.[19] Os machos adultos selvagens pesam entre 40–70 kg, com as fêmeas pesando entre 27–50 kg.[20]

O chimpanzé é mais robusto que o bonobo, mas menos que o gorila. Os braços de um chimpanzé são mais longos que as pernas e podem chegar abaixo dos joelhos. As mãos têm dedos longos com polegares curtos e unhas planas. Os pés são adaptados para agarrar, sendo o dedão do pé oponível. A pelve é longa com um ílio estendido. A cabeça do chimpanzé é arredondada, com um rosto proeminente e prognóstico e uma sobrancelha pronunciada. Possui olhos voltados para a frente, nariz pequeno, orelhas arredondadas não lobuladas, lábio superior longo e móvel e, nos machos adultos, caninos afiados. Os chimpanzés não têm a crista sagital proeminente e a musculatura associada da cabeça e pescoço dos gorilas.[10][21]

Os corpos dos chimpanzés são cobertos por pêlos grossos, exceto o rosto, dedos das mãos e dos pés, palmas das mãos e solas dos pés. Os chimpanzés perdem mais cabelo à medida que envelhecem e desenvolvem manchas calvas. O cabelo de um chimpanzé é geralmente preto, mas pode ser castanho ou ruivo. À medida que envelhecem, podem aparecer manchas brancas ou cinzentas, principalmente no queixo e na região inferior. A pele pode variar de pálida a escura, as fêmeas desenvolvem uma pele inchada e rosada durante o estro.[10][21]

Os chimpanzés são adaptados para locomoção arbórea e terrestre. A locomoção arbórea consiste em escalada vertical e braquiação.[22][23] No solo, os chimpanzés movem-se tanto quadrúpede quanto bípede, que parecem ter custos de energia semelhantes. Tal como acontece com os bonobos e gorilas, os chimpanzés são quadrúpedes e andam pelos nós dos dedos, o que possivelmente evoluiu de forma independente em cada gênero.[24] A força física dos chimpanzés é cerca de 1,5 vezes maior do que a dos humanos, devido ao maior conteúdo de fibras musculares de contração rápida, uma das adaptações do chimpanzé para escalar e balançar.[25]

Ecologia[editar | editar código-fonte]

O chimpanzé é uma espécie altamente adaptável e vive em uma variedade de habitats, incluindo savana seca, floresta tropical perene, floresta montana, floresta pantanosa e em áreas mistas de floresta e savana.[26][27]

Dieta[editar | editar código-fonte]

Uma mãe com seu filhote comendo figo no Parque Nacional de Kibale, Uganda.

Os chimpanzés-comuns são frugívoros onívoros e sua dieta é altamente variável de acordo com as suas populações individuais e estações do ano. As frutas compreendem cerca de metade da dieta, mas as folhas, cascas e talos também são importantes. Os pequenos mamíferos compreendem um pequeno componente, mas significativo na dieta de muitas populações.[2]

Um estudo na floresta de Budongo, Uganda, descobriu que 64,5% do tempo de alimentação dos chimpanzés concentrava-se em frutas (84,6% das quais maduras), particularmente aquelas de duas espécies de Ficus, Maesopsis eminii e Celtis durandii. Além disso, 19% do tempo de alimentação foi gasto em folhas arbóreas, principalmente Broussonetia papyrifera e Celtis gentlebraedii.[28] Embora o chimpanzé seja principalmente herbívoro, ele também come mel, insetos, pássaros e seus ovos, e mamíferos de pequeno a médio porte, incluindo outros primatas.[29] As espécies de insetos consumidas incluem a formiga tecelã Oecophylla longinoda, os Macrotermes, os cupins e as abelhas.[30][31] A espécie Piliocolobus badius está no topo das presas preferidas dos mamíferos, juntamente ao macaco de cauda vermelha, babuínos amarelos, jagra, cabrito-azul e javalis.[32]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Groves, C.P. (2005). Wilson, D.E.; Reeder, D.M. (eds.), ed. Mammal Species of the World 3 ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press. 183 páginas. ISBN 978-0-8018-8221-0. OCLC 62265494 
  2. a b c d e Oates, J.F., Tutin, C.E.G., Humle, T., Wilson, M.L., Baillie, J.E.M., Balmforth, Z., Blom, A., Boesch, C., Cox, D., Davenport, T., Dunn, A., Dupain, J., Duvall, C., Ellis, C.M., Farmer, K.H., Gatti, S., Greengrass, E., Hart, J., Herbinger, I., Hicks, C., Hunt, K.D., Kamenya, S., Maisels, F., Mitani, J.C., Moore, J., Morgan, B.J., Morgan, D.B., Nakamura, M., Nixon, S., Plumptre, A.J., Reynolds, V., Stokes, E.J. & Walsh, P.D. (2008). Pan troglodytes (em inglês). IUCN 2012. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2012 . Página visitada em 06 de dezembro de 2012..
  3. «Estudo: genoma do bonobo é 98,7% igual ao do ser humano». 13 de junho de 2012 
  4. Boesch C, Boesch H. (1993) "Diversity of tool use and tool-making in wild chimpanzees". In: Berthelet A, Chavaillon J, editors. The use of tools by human and non-human primates. Oxford, England: Oxford Univ Pr; p 158-87.
  5. Gibbons, A. (23 de fevereiro de 2007). «PRIMATE BEHAVIOR: Spear-Wielding Chimps Seen Hunting Bush Babies». Science. 315 (5815): 1063–1063. ISSN 0036-8075. doi:10.1126/science.315.5815.1063 
  6. «chimpanzé | Palavras | Origem Da Palavra». origemdapalavra.com.br. Consultado em 25 de agosto de 2020 
  7. International Commission on Zoological Nomenclature, London (1985). Bulletin of zoological nomenclature (em English). [S.l.]: London 
  8. a b Stanford, Craig B. (Craig Britton), 1956-. The new chimpanzee : a twenty-first-century portrait of our closest kin. Cambridge, Massachusetts: [s.n.] OCLC 1005760108 
  9. «Going the whole orang: Darwin, Wallace and the natural history of orangutans». Studies in History and Philosophy of Science Part C: Studies in History and Philosophy of Biological and Biomedical Sciences (em inglês). 51: 53–63. 1 de junho de 2015. ISSN 1369-8486. doi:10.1016/j.shpsc.2015.02.006 
  10. a b c Jones, Clyde; Jones, Cheri A.; Jones, J. Knox; Wilson, Don E. (17 de maio de 1996). «Pan troglodytes». Mammalian Species (em inglês) (529): 1–9. ISSN 0076-3519. doi:10.2307/3504299 
  11. Groves, Colin P. (2001). Primate taxonomy. Washington, DC: Smithsonian Institution Press. OCLC 44868886 
  12. de Manuel, Marc; Kuhlwilm, Martin; Frandsen, Peter; Sousa, Vitor C.; Desai, Tariq; Prado-Martinez, Javier; Hernandez-Rodriguez, Jessica; Dupanloup, Isabelle; Lao, Oscar (28 de outubro de 2016). «Chimpanzee genomic diversity reveals ancient admixture with bonobos». Science (New York, N.Y.). 354 (6311): 477–481. ISSN 0036-8075. PMC 5546212Acessível livremente. PMID 27789843. doi:10.1126/science.aag2602 
  13. Hey, Jody (1 de abril de 2010). «The Divergence of Chimpanzee Species and Subspecies as Revealed in Multipopulation Isolation-with-Migration Analyses». Molecular Biology and Evolution (em inglês). 27 (4): 921–933. ISSN 0737-4038. doi:10.1093/molbev/msp298 
  14. Shea, Brian T.; Leigh, Steven R.; Groves, Colin P. (1993). «Multivariate Craniometric Variation in Chimpanzees». Boston, MA: Springer US: 265–296. ISBN 978-1-4899-3747-6 
  15. McBrearty, Sally; Jablonski, Nina G. (1 de setembro de 2005). «First fossil chimpanzee». Nature. 437 (7055): 105–108. ISSN 1476-4687. PMID 16136135. doi:10.1038/nature04008 
  16. Won, Yong-Jin; Hey, Jody (1 de fevereiro de 2005). «Divergence Population Genetics of Chimpanzees». Molecular Biology and Evolution (em inglês). 22 (2): 297–307. ISSN 0737-4038. doi:10.1093/molbev/msi017 
  17. Fischer, Anne; Wiebe, Victor; Pääbo, Svante; Przeworski, Molly (1 de maio de 2004). «Evidence for a Complex Demographic History of Chimpanzees». Molecular Biology and Evolution (em inglês). 21 (5): 799–808. ISSN 0737-4038. doi:10.1093/molbev/msh083 
  18. de Manuel, Marc; Kuhlwilm, Martin; Frandsen, Peter; Sousa, Vitor C.; Desai, Tariq; Prado-Martinez, Javier; Hernandez-Rodriguez, Jessica; Dupanloup, Isabelle; Lao, Oscar (28 de outubro de 2016). «Chimpanzee genomic diversity reveals ancient admixture with bonobos». Science (New York, N.Y.). 354 (6311): 477–481. ISSN 0036-8075. PMC 5546212Acessível livremente. PMID 27789843. doi:10.1126/science.aag2602 
  19. Braccini, Stephanie; Lambeth, Susan; Schapiro, Steve; Fitch, W. Tecumseh (2010). «Bipedal tool use strengthens chimpanzee hand preferences». Journal of human evolution. 58 (3): 234–241. ISSN 0047-2484. PMC 4675323Acessível livremente. PMID 20089294. doi:10.1016/j.jhevol.2009.11.008 
  20. Smith, R. J.; Jungers, W. L. (1997). «Body mass in comparative primatology». Journal of Human Evolution. 32 (6): 523–559. ISSN 0047-2484. PMID 9210017. doi:10.1006/jhev.1996.0122 
  21. a b «The behavior guide to African mammals : including hoofed mammals, carnivores, primates : Estes, Richard : Free Download, Borrow, and Streaming». Internet Archive (em inglês). Consultado em 25 de agosto de 2020 
  22. Hunt, K. D. (1991). «Mechanical implications of chimpanzee positional behavior». American Journal of Physical Anthropology. 86 (4): 521–536. ISSN 0002-9483. PMID 1776659. doi:10.1002/ajpa.1330860408 
  23. Pontzer, Herman; Wrangham, Richard W. (2004). «Climbing and the daily energy cost of locomotion in wild chimpanzees: implications for hominoid locomotor evolution». Journal of Human Evolution. 46 (3): 317–335. ISSN 0047-2484. PMID 14984786. doi:10.1016/j.jhevol.2003.12.006 
  24. Kivell, Tracy L.; Schmitt, Daniel (25 de agosto de 2009). «Independent evolution of knuckle-walking in African apes shows that humans did not evolve from a knuckle-walking ancestor». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 106 (34): 14241–14246. ISSN 0027-8424. PMC 2732797Acessível livremente. PMID 19667206. doi:10.1073/pnas.0901280106 
  25. O’Neill, Matthew C.; Umberger, Brian R.; Holowka, Nicholas B.; Larson, Susan G.; Reiser, Peter J. (11 de julho de 2017). «Chimpanzee super strength and human skeletal muscle evolution». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 114 (28): 7343–7348. ISSN 0027-8424. PMC 5514706Acessível livremente. PMID 28652350. doi:10.1073/pnas.1619071114 
  26. Poulsen, John R.; Clark, Connie J. (1 de abril de 2004). «Densities, Distributions, and Seasonal Movements of Gorillas and Chimpanzees in Swamp Forest in Northern Congo». International Journal of Primatology (em inglês). 25 (2): 285–306. ISSN 1573-8604. doi:10.1023/B:IJOP.0000019153.50161.58 
  27. Goodall, Jane, 1934- (1986). The chimpanzees of Gombe : patterns of behavior. Cambridge, Mass.: Belknap Press of Harvard University Press. OCLC 12550961 
  28. Newton-Fisher, Nicholas E. (1999). «The diet of chimpanzees in the Budongo Forest Reserve, Uganda». African Journal of Ecology. 37 (3): 344–354. doi:10.1046/j.1365-2028.1999.00186.x 
  29. Isabirye-Basuta, G. (1989). «Feeding ecology of chimpanzees in the Kibale Forest, Uganda». In: Heltne, P. G.; Marquardt, L. A. Understanding chimpanzees. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press. pp. 116–127. ISBN 978-0-674-92091-0 
  30. Tutin, Caroline E. G.; Fernandez, Michel (1992). «Insect‐eating by sympatric Lowland gorillas (Gorilla g. gorilla) and chimpanzees (Pan t. troglodytes) in the Lopé Reserve, Gabon». American Journal of Primatology. 28 (1): 29–40. PMID 31941221. doi:10.1002/ajp.1350280103 
  31. Deblauwe, Isra (2007). «New insights in insect prey choice by chimpanzees and gorillas in Southeast Cameroon: The role of nutritional value». American Journal of Physical Anthropology. 135 (1): 42–55. PMID 17902166. doi:10.1002/ajpa.20703 
  32. Boesch, C.; Uehara, S.; Ihobe, H. (2002). «Variations in chimpanzee-red colobus interactions». In: Boesch, C.; Hohmann, G.; Marchant, L. F. Behavioral diversity in chimpanzees and bonobos. Cambridge, England: Cambridge University Press. pp. 221–30. ISBN 978-0-521-00613-2 
Ícone de esboço Este artigo sobre Macacos do Velho Mundo ou Hominoidea, integrado ao WikiProjeto Primatas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.