Chloroleucon tortum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaChloroleucon tortum
Brazilian rain tree - chloroleucon tortum - 4 (7537144616).jpg

Estado de conservação
Espécie em perigo crítico
Em perigo crítico
Classificação científica
Reino: Plantae
Filo: Tracheophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Fabales
Família: Fabaceae
Género: Chloroleucon
Espécie: C. tortum
Nome binomial
Chloroleucon tortum
Martius Pittier
Sinónimos
Pithecellobium tortum
Cathormion tortun

Chloroleucon tortum, também conhecida como tataré, jacaré, piteco, jurema, angico-branco ou ainda vinhático-de-espinho, é uma espécie de legume da família Fabaceae. É nativa da Mata Atlântica carioca, no Brasil.

Características[editar | editar código-fonte]

Flor de tataré no Parque do Ibirapuera, São Paulo

O piteco é uma árvore que pode atingir de 7 a 12 metros. Possui o tronco tortuoso, que dá nome à espécie, e pode atingir até 50 cm de diâmetro. A casca é lisa e esbranquiçada, descamante, normalmente expondo uma madeira branca e de aparência marmorizada, visualmente semelhante ao pau ferro.

As folhas são compostas bipinadas, de cor verde claro, possuem cerca de 3 pares de espinhos, e até 8 pares de folíolos oblongos, cada um com cerca de 15 mm de comprimento por até 5 mm de largura.

A copa baixa e arredondada, podendo atingir até 6 metros de largura. As flores são brancas com tons amarelados, globosas (em forma de escova), com muitos estames e de forte perfume. O fruto é um legume em formato helicoidal, popularmente conhecido como "orelha de macaco". A maturação ocorre entre o final do inverno e início da primavera. As sementes são amareladas, com cerca de 5mm, e embora numerosas, têm baixa capacidade de germinação.

Chloroleucon tortum, uma semana desde o semeio, coletada no Parque do Ibirapuera, em São Paulo

Ocorrência[editar | editar código-fonte]

Nas zonas de restinga e matagais arenosos da Mata Atlântica, na região costeira do Rio de Janeiro[1][2].

Prefere solos arenosos, mas com presença de matéria orgânica. Cresce sob sol pleno, e embora tolere períodos de seca, prefere clima úmido, desenvolvendo-se melhor em áreas com grande precipitação.

Encontra-se na lista da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais na categoria "em perigo crítico".[3]

Usos[editar | editar código-fonte]

O piteco é uma árvore com aparência distinta, e é popular como árvore ornamental, tendo sido utilizada pelos paisagistas Burle Marx e Luiz Emygdio de Mello Filho na arborização do Aterro do Flamengo, por exemplo[4].

Sua madeira é dura e compacta, de aparência marmorizada, e de grande resistência se preservado das intempéries. É utilizada para objetos decorativos e artístico, como objetos torneados e cabos de ferramenta.

O piteco também é uma árvore útil para a recomposição de áreas degradadas, pois suporta bem a insolação direta e não é particularmente exigente quanto às condições do solo[5].

Essa árvore é muito popular como bonsai, dada sua resistência e aparência distinta - a cor da madeira e a descamação da casca atribuem uma aparência envelhecida muito rápido ao tronco. Ela é muito adaptável e fácil de modelar, pois seu crescimento rápido e galhos estratificados na horizontal permitem o treinamento mesmo sem aramação, utilizando apenas a poda[6]. Internacionalmente é conhecida como "brazilian raintree"[7], em alusão à receptividade da planta à regas constantes e ambiente úmido [8].

Referências[editar | editar código-fonte]

Predefinição:Legume


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Chloroleucon tortum