Christian Thielemann

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Christian Thielemann, Ópera Estatal de Viena 2015

Christian Thielemann (1 de Abril de 1959) nasceu em Berlim, Alemanha. É um maestro alemão, atual maestro da Filarmônica de Munique e diretor e conselheiro musical do Festival de Bayreuth.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Thielemann teve aulas de piano e viola quando criança, mas começou sua carreira musical aos dezenove anos de idade na Ópera Alemã de Berlim com Heinrich Hollreiser e assistente de Herbert von Karajan.[1] Ele fez sua estréia nos Estados Unidos em 1991 conduzindo a nova produção de Elektra de Richard Strauss em São Francisco, logo após conduziu a ópera no Metropolitan Opera. Em 1997 ele se tornou diretor musical da Ópera Alemã de Berlim e seu contrato original ia até 2007. Um relatório de 2000 declarou que Thielemann deixaria a Ópera em 2001, por causa de conflitos artísticos, graças a entrada de Udo Zimmermann[2] como diretor artístico. Thielemann permaneceu na companhia até 2004, quando renunciou ao cargo por conflitos envolvendo a Ópera Alemã de Berlim e a Ópera Estatal de Berlim.[3]

Thielemann tornou o maestro principal e diretor musical da Filarmônica de Munique em Setembro de 2004. Seu contrato estende-se até 2011.[4] Em Outubro de 2009, a Orquestra Estatal de Dreden anunciou Thielemann como o próximo maestro principal, efetivando-se em 2012-13.[5]

Thielemann apresenta-se nas mais importantes casas de óperas do mundo. Em 1987 fez sua estreia com Così Fan Tutte, de Wolfgang Amadeus Mozart na Ópera Estatal de Viena. No Royal Opera House, Covent Garden, dirigiu Jenufa, Elektra, Der Rosenkavalier e Die Ägyptische Helena. No Metropolitan Opera House ele conduziu Der Rosenkavalier, Die Frau Ohne Schatten, Arabella e na Ópera Lírica de Chicago, conduziu a nova produção de Die Meistersinger von Nürnberg.

Thielemann é maestro convidado regular dos festivais de Salzburgo e Bayreuth.[6] Fez sua estreia no Festival de Bayreuth em 2000, com uma produção de Die Meistersinger von Nürnberg, de Richard Wagner. Em 2001 conduziu Parsifal, em 2002 a nova produção de Tannhäuser e, com a decisão, em Setembro de 2008, de que Katharina Wagner e Eva Wagner-Pasquier sucedessem Wolfgang Wagner como diretoras do Festival de Bayreuth, Thielemann foi nomeado o conselheiro e diretor musical do festival.[7]

Ele apresenta-se regularmente na Filarmônica de Viena, na Filarmônica de Berlim, Orquestra Estatal de Dresden, Orquestra Real do Concertgebouw, Filarmônica de Israel e na Orquestra Philharmonia, fazendo turnê com essa pela Espanha, Portugal, Itália, Alemanha e Suíça. Nos Estados Unidos apresenta-se com a Orquestra da Filadélfia, Orquestra Sinfônica de Chicago e com a Filarmônica de Nova Iorque.

Thielemann recebeu o Bundesverdienstkreuz em 2003.

Gravações[editar | editar código-fonte]

For EMI Classics

Referências

  1. «Obituary for Heinrich Hollreiser». The Times. 28 de agosto de 2006. Consultado em 24 de fevereiro de 2007 
  2. Denis Staunton (29 de outubro de 2000). «Berlin's maestros out of tune in race rown». The Observer. Consultado em 24 de março de 2007 
  3. Kate Connolly (18 de maio de 2004). «Berlin opera chief quits in cash row». Telegraph. Consultado em 24 de fevereiro de 2007 
  4. «"Intrigantenstadel" - Philharmoniker ausgebuht». Süddeutsche Zeitung. 16 de outubro de 2009. Consultado em 17 de outubro de 2009 
  5. «Christian Thielemann wird Chefdirigent der Staatskapelle Dresden» (Nota de imprensa). Staatskapelle Dresden. 9 de outubro de 2009. Consultado em 13 de outubro de 2009 
  6. Stephen Moss (20 de julho de 2006). «'The only star here is dead'». The Guardian. Consultado em 24 de fevereiro de 2007 
  7. Roger Boyes (2 de setembro de 2008). «Wagner hits a note of peace over Bayreuth». The Times. Consultado em 2 de setembro de 2008 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Christian Thielemann