Christine Lagarde

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Christine Lagarde
Lagarde em 2011
Nascimento 1 de janeiro de 1956 (64 anos)
Paris, França
Residência Washington, D.C.
Nacionalidade França francesa
Alma mater Universidade de Paris X - Nanterre
Instituto de Estudos Políticos de Aix-en-Provence
Cargo Presidente do Banco Central Europeu (BCE)
Assinatura
Christine Lagarde Signature.jpg

Christine Lagarde de seu nome completo Christine Madeleine Odette Lagarde (Paris, 1 de janeiro de 1956) é uma advogada, economista e política francesa filiada ao partido Os Republicanos, que exerce as funções de Presidente do Banco Central Europeu desde Novembro de 2019. Antes desta nomeação, foi Presidente e Directora-Geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), entre Julho de 2011 e Novembro de 2019.[1]

Lagarde foi a primeira mulher a presidir a grande firma de advocacia internacional Baker & McKenzie, entre 1999 e 2004. Foi Ministra das Economia, Finanças, e Emprego no governo do primeiro-ministro François Fillon desde 19 de junho de 2007 até 29 de junho de 2011. Anteriormente, havia sido Ministra da Agricultura e Pescas durante um mês entre maio-junho de 2007 no governo de François Fillon, e Ministra do Comércio Exterior entre 2005-2007 no governo de Dominique de Villepin.[2]

Apesar de não ter formação acadêmica em Economia, Christine Lagarde apresentou em 25 de maio de 2011 a sua candidatura à direção do FMI, na sequência do afastamento de Dominique Strauss-Kahn,[3][4]cujo efeito garantiu a eleição anunciada no dia 28 de junho de 2011, garantindo o posto de primeira mulher no comando do Fundo.[5]

Em dezembro de 2016, um tribunal francês considerou-a culpada de negligência relacionada com o seu papel na arbitragem de Bernard Tapie [6], mas não aplicou qualquer sanção. Em 2018, a Forbes classificou-a comno sua número três na lista das 100 Mulheres Mais Poderosas do Mundo.[7]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Christine Lagarde nasceu em 1956 no 9º arrondissement de Paris. Seu pai, Robert Lallouette, foi um professor de Inglês na Faculdade de Rouen, e sua mãe Nicole trabalhou como professora. Christine Lagarde cresceu em Le Havre, na Normandia, juntamente com dois irmãos e a sua mãe.

Após graduar-se em 1974 no Liceu Claude Monet em Le Havre, recebeu uma bolsa de estudo e ingressou na Holton Arms School em Bethesda, Maryland, onde completou uma licenciatura em Inglês. De regresso a França, Christine Lagarde formou-se no Institut d'Études Politiques d'Aix-en-Provence em Direito Social e frequentou a Universidade de Paris X - Nanterre (ou Sciences Po Paris) preparando-se para a candidatura de admissão à ENA. Lagarde foi reprovada duas vezes no vestibular e acabou por receber um mestrado em Inglês, um mestrado em Direito comercial e um diploma em Direito do trabalho pela Universidade de Paris X - Nanterre.[8]

Christine Lagarde é divorciada e tem dois filhos, Pierre-Henri Lagarde (nascido em 1986) e Thomas Lagarde (nascido em 1988). Seu companheiro é o empresário Xavier Giocanti de Marselha.[9][10] Ela é vegetariana e nunca bebe álcool.[11] Suas paixões são yoga, mergulho, e natação.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Christine Lagarde ingressou na empresa Baker & McKenzie de Chicago em 1981, tornando-se advogada associada adjunta em 1991, membro do Comité Executivo em 1995, Presidente da Comissão Executiva entre 1999-2004 e membro do Comité de Estratégia Global desde 2004. Posteriormente, trabalhou como advogada no Tribunal de apelação de Paris antes de ser nomeada ministra primeira vez em 2005.

Entre 2003 e 2005, Lagarde foi também conselheira de duas filiais da empresa-mãe Baker & McKenzie, sediadas em paraísos fiscais, uma nas Bermudas, outra em Singapura. Aquando do escândalo dos Panama Papers, C.Lagarde, que era então líder do FMI, criticou duramente os subterfúgios das multinacionais para fugirem ao pagamento de impostos: “A evasão fiscal provoca uma maior dívida pública e menor investimento em educação, saúde e outros serviços”.[12]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Nma entrevista em maio de 2012, Lagarde foi interrogada sobre a Grécia atingida pela crise, dando uma resposta pouco simpática. Referiu-se à evasão fiscal grega e concordou com a sugestão do entrevistador de que os gregos "se divertiram muito", mas agora "está na hora de pagar" [13][14] Os seus comentários provocaram reações imediatas: o vice-primeiro-ministro da Grécia, Evangelos Venizelos, disse que ela "insultou o povo grego", enquanto o primeiro-ministro Alexis Tsipras, declarou: "Não precisamos da sua compaixão"[15][16] [17] Às suas acusações de que os gregos não pagavam os seus impostos em número suficiente, respondeu o Professor Emérito John Weeks, da Universidade de Londres, comentando a fraca autoridade moral de C.Lagarde, que, como diretora do FMI, recebia em 2012 um salário anual livre de impostos de 380 mil euros, (mais regalias) - um salário superior ao do Presidente dos Estados Unidos da América. [18][19] [20]Não pagar impostos é a norma para a maioria dos funcionários das Nações Unidas , abrangidos por uma convenção sobre relações diplomáticas assinada pela maioria das nações"[62]; Lagarde diz que não gosta de pagar impostos.[21][22][23]

Referências

  1. Adeniyi, Olakunle (17 de julho de 2019). «IMF's Christine Lagarde resigns as Managing Director». Fellow Press (em inglês). Consultado em 22 de novembro de 2019 
  2. Pagina do Governo francês: Christine Lagarde, Ministre de l'Économie, de l'Industrie et de l'Emploi Arquivado em 29 de abril de 2009, no Wayback Machine. (francês)
  3. Folha de S.Paulo: Ministra francesa Christine Lagarde anuncia candidatura ao FMI 25 de maio 2011
  4. Diário de Noticias: Christine Lagarde confirma candidatura ao FMI 25 de maio 2011
  5. EFE/O Estado de S.Paulo (28 de junho de 2011). Christine Lagarde é eleita a nova diretora-gerente do FMI, acesso em 28 de junho de 2011
  6. «IMF head convicted of criminal charges over massive government payout». The Independent (em inglês). 19 de dezembro de 2016. Consultado em 22 de novembro de 2019 
  7. «Christine Lagarde». Forbes (em inglês). Consultado em 22 de novembro de 2019 
  8. Site governamental francês do comercio exterior: Biographie de Mme Christine Lagarde, ministre déléguée au Commerce extérieur Arquivado em 1 de dezembro de 2008, no Wayback Machine. (francês)
  9. Republique française: Biographie Arquivado em 1 de dezembro de 2008, no Wayback Machine. (französisch)
  10. Paris Match: Xavier Giocanti, le mari de... Christine Lagarde Arquivado em 3 de janeiro de 2013, no Wayback Machine. 26 de julho 2010 (francês)
  11. Gala.fr: Christine Lagarde (francês)
  12. Observador. «Christine Lagarde foi conselheira de duas empresas sediadas em paraísos fiscais». Observador. Consultado em 3 de dezembro de 2019 
  13. Aitkenhead, Decca (25 de maio de 2012). «Christine Lagarde: can the head of the IMF save the euro?». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  14. Elliott, Larry; Aitkenhead, Decca (25 de maio de 2012). «It's payback time: don't expect sympathy – Lagarde to Greeks». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  15. Osborne, Alistair (27 de maio de 2012). «Irate Greeks vilify IMF chief on Facebook after she brands them tax dodgers» (em inglês). ISSN 0307-1235 
  16. «Líder socialista diz que Lagarde ″insultou os gregos″ - DN». www.dn.pt. Consultado em 3 de dezembro de 2019 
  17. «Líder do Syriza responde a Lagarde: Os gregos "pagam os seus impostos"». www.jornaldenegocios.pt. Consultado em 3 de dezembro de 2019 
  18. Staff, Guardian (27 de maio de 2012). «Letters: IMF boss is in no position to preach». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  19. Aldrick, Philip (29 de maio de 2012). «Christine Lagarde attack on Greece backfires as she pays no tax» (em inglês). ISSN 0307-1235 
  20. Lusa, Agências, PÚBLICO. «Directora do FMI continua sob crítica: ganha 380 mil/ano livre de impostos». PÚBLICO. Consultado em 3 de dezembro de 2019 
  21. «Lagarde: "Eu não gosto, ninguém gosta de pagar impostos"». www.jornaldenegocios.pt. Consultado em 3 de dezembro de 2019 
  22. Wood, Robert W. «IMF's Christine Lagarde: 'I Don't Pay Taxes, But You Should'». Forbes (em inglês). Consultado em 3 de dezembro de 2019 
  23. Willsher, Kim (29 de maio de 2012). «Christine Lagarde, scourge of tax evaders, pays no tax». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons


Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.