Christopher Stevens

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Christopher Stevens
Christopher Stevens em abril de 2012
Nome completo John Christopher "Chris" Stevens
Nascimento 18 de abril de 1960
Grass Valley, Califórnia, Estados Unidos
Morte 11 de setembro de 2012 (52 anos)
Bengasi, Líbia
Nacionalidade norte-americano
Ocupação diplomata e advogado

John Christopher "Chris" Stevens (Grass Valley, Califórnia, 8 de abril de 1960Bengasi, 11 de setembro de 2012) foi um diplomata e advogado americano que era embaixador dos Estados Unidos na Líbia. Foi assassinado durante o ataque terrorista em Bengasi em 2012.[1][2]

Morte[editar | editar código-fonte]

Durante o ataque de Benghasi em 2012, um incêndio foi provocado contra o edifício principal do consulado com três americanos dentro - Stevens, Sean Smith e um oficial de segurança.[3] De acordo com oficiais dos EUA, o oficial de segurança escapou e a equipe encontrou Smith morto. No entanto, a equipe não conseguiu localizar Stevens antes de ser expulsa do prédio sob fogo de armas leves.[3] Civis locais encontraram Stevens e o trouxeram para o Centro Médico de Benghasi em estado de parada cardíaca. A equipe médica tentou ressuscitá-lo, mas ele foi declarado morto por volta das 2 da manhã, horário local, em 12 de setembro de 2012.[3] Relatórios posteriores sugeriram que o ataque foi coordenado e planejado com antecedência, com qualquer protesto coincidente ou possivelmente diverso.[4] O presidente líbio Muhammad Magariaf culpou elementos da Ansar al-Sharia pelo assassinato, ligando-os à Al-Qaeda no Magrebe Islâmico. As autoridades líbias sugeriram que pode ter sido um ataque de vingança montado por legalistas (do falecido líder líbio Muammar Gaddafi) que foram derrotados na Guerra Civil Líbia no ano anterior.[5] Os médicos que cuidaram de Stevens disseram que nenhum ferimento físico visível foi encontrado em seu corpo e que ele morreu por inalação de fumaça, então a hipóxia foi a verdadeira causa da morte.[6]

Túmulo de John Christopher Stevens em Grass Valley, Califórnia

Os sobreviventes americanos foram levados para uma casa segura. Um esquadrão de resgate composto por oito ex-militares americanos foi enviado de Trípoli, a capital. Eles foram emboscados e a casa segura foi atacada. Mais dois americanos morreram, incluindo um enviado de Trípoli; vários ficaram feridos.[3][7][8] Relatórios posteriores identificaram as vítimas como Tyrone S. Woods e Glen A. Doherty , ambos ex-Navy SEALs trabalhando como contratados de segurança e inteligência.[9][10]

Stevens está enterrado no Cemitério New Elm Ridge (anteriormente conhecido como Cemitério Forester) em Grass Valley, Califórnia.

Referências

  1. Barnes, Margaret Coker, Adam Entous and Julian E. (13 de setembro de 2012). «Libya Attack Sparks Crisis». Wall Street Journal (em inglês). ISSN 0099-9660. Consultado em 13 de setembro de 2021 
  2. «US confirms its Libya ambassador killed in Benghazi». BBC News (em inglês). 12 de setembro de 2012. Consultado em 13 de setembro de 2021 
  3. a b c d Hadeel Al Shalchi. «In Libya, deadly fury took U.S. envoys by surprise». Reuters. Consultado em 13 de setembro de 2012 
  4. CBS/AP. «U.S. officials: Deadly Libya attack likely planned». CBS News. Consultado em 11 de setembro de 2012 
  5. Hammond, Andrew (12 de setembro de 2012). «Libya official says Gaddafi loyalists killed U.S. diplomats». Reuters. Consultado em 19 de maio de 2016 
  6. Baker, Peter; Kirkpatrick, David D.; Zway, Suliman Ali; Myers, Steven Lee (15 de setembro de 2012). Joseph, Kahn; Baquet, Dean; Drake, Monica; Sulzberger, Sulzberger; Arthur Ochs, Sulzberger Jr.; Louttit, Meghan, eds. «Diplomats' bodies return to U.S., and Lybian guards recount deadly riot». The New York Times. CLXI (74). New York City. p. A11. Cópia arquivada em 28 de outubro de 2012 
  7. Libya: Assault on U.S. consulate in Benghazi leaves 4 dead, including U.S. Ambassador J. Christopher Stevens CBS News September 11, 2012
  8. US confirms ambassador killed in Benghazi Libya BBC News September 11, 2012
  9. «Statement on the Deaths of Tyrone S. Woods and Glen A. Doherty in Benghazi, Libya». U.S. Department of State. 13 de setembro de 2012. Consultado em 14 de setembro de 2012. Cópia arquivada em 20 de setembro de 2012 
  10. «Two SEAL vets from SD killed in Libya». U-T San Diego. Consultado em 14 de setembro de 2012