Christopher Wolstenholme

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Chris Wolstenholme
Chris Wolstenholme in 2013.jpg
Chris em 2013.
Informação geral
Nome completo Christopher Tony Wolstenholme
Nascimento 2 de dezembro de 1978 (38 anos)
Origem Rotherham, Inglaterra
País  Reino Unido
Gênero(s) New prog
rock progressivo
Rock alternativo Metal progressivo
Space rock
Instrumento(s) Baixo, bateria, guitarra, teclado, gaita, vocal, harmônio, sintetizador
Período em atividade 1992 - atualmente
Gravadora(s) Warner Bros. Records
Eastwest Records
Atlantic Records
Helium 3
Afiliação(ões) Muse

Christopher Tony Wolstenholme (2 de dezembro de 1978) é um músico da Inglaterra e atual baixista da banda Muse. Após passar a infância em Rotherham, a família resolveu se mudar para Teignmouth, Devon, em 1989. Enquanto viveu em Teignmouth, ele tocou bateria numa banda de garagem, e só depois mais tarde tocou noutra, com Matthew Bellamy e Dominic Howard, seus futuros colegas de carreira.[1]

No princípio ele tocava bateria, mas depois decidiu trocar a percussão para virar baixista da banda, que nessa altura se chamava The Rocket Baby Dolls (mais tarde renomearam a banda para Muse). Mesmo nunca tendo tocado um baixo, Chris Wolstenholme é agora olhado como baixista de topo na indústria musical, sendo elogiado por Paul McCartney pela performance bombástica no Festival de Glastonbury em 2004. Ele vive, hoje, em Teignmouth, com a mulher e seus seis filhos: Alfie (Julho de 1999), Ava-Jo (2001), Frankie (2003), Ernie (2008), Buster (2010) e Teddi (2012). Uma curiosidade sobre ele, é que, fora Black Holes and Revelations, após todo álbum lançado ele tinha um filho com sua mulher. Chris quebrou o pulso em uma partida de futebol em 2004, no V Festival durante um jogo de futebol com Didz Hammond dos The Cooper Temple Clause, e no show Morgan Nicholls tocou baixo no seu lugar. Chris se ocupou em tocar algumas partes no teclado, fazer a segunda voz e jogar balões de água no público.[2]

Em julho de 2012, Chris concedeu uma entrevista para a revista NME onde ele falou sobre as canções "Liquid State" e "Save Me", que estão no sexto álbum da banda, The 2nd Law. Estas duas músicas foram compostas e são cantadas por ele. Wolstenholme disse que escreveu estas canções logo após largar o álcool. Segundo ele, “a canção "Liquid State" fala sobre a pessoa que você se torna quando você está embriagado e sobre a luta interna dentro de si mesmo e como isso te afeta. Já "Save Me" é sobre família, esposa e filhos, que apesar de tudo que eu fiz eles passarem, no fim, eles sempre estão com você e te ajudam a superar”.[3]

Wolstenholme detém um doutorado honorário de Artes pela Universidade de Plymouth.[4]

Referências

Accordrelativo20060224.png Este artigo sobre um(a) músico(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.