Ciclo de abuso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O ciclo de abuso é uma teoria do ciclo social desenvolvida em 1979 por Lenore E. Walker para explicar padrões de comportamento em uma relação abusiva.

Visão geral[editar | editar código-fonte]

Lenore E. Walker entrevistou 1.500 mulheres que haviam sido vítimas de violência doméstica e descobriu que havia um padrão semelhante de abuso, chamado "ciclo de abuso".[1] Inicialmente, Walker propôs que o ciclo de abuso descrevesse o controle do comportamento patriarcal dos homens que se sentiam no direito de abusar de suas esposas para manter o controle sobre elas. Os termos "ciclo de golpeamento" e a "síndrome da mulher maltratada" já foram amplamente impedidos por "ciclo de abuso" e "síndrome da pessoa maltratada", respectivamente, por muitas razões: manter a objetividade; porque o ciclo de abuso nem sempre leva a abuso físico; porque os sintomas da síndrome foram observados em homens e mulheres e não se limitam ao casamento e ao namoro. Da mesma forma, Dutton (1994) escreve: "A prevalência da violência nas relações homossexuais, que também parece passar por ciclos de abuso, é difícil de explicar em termos de homens que dominam as mulheres".[2]

O conceito de ciclo de abuso é amplamente utilizado em programas de violência doméstica, particularmente nos Estados Unidos. Os críticos argumentaram que a teoria é falha, uma vez que não se aplica tão universalmente como sugeriu Walker, não descreve com precisão ou completamente todas as relações abusivas e pode favorecer presunções ideológicas sobre dados empíricos.[3]

Fases[editar | editar código-fonte]

O ciclo geralmente ocorre na seguinte ordem e se repetirá até que o conflito seja interrompido, geralmente pelo sobrevivente abandonando completamente o relacionamento[4] ou alguma forma de intervenção.[5] O ciclo pode ocorrer centenas de vezes em um relacionamento abusivo, o ciclo total pode levar de algumas horas a um ano ou mais para se completar. No entanto, a duração do ciclo geralmente diminui ao longo do tempo para que os estágios de "reconciliação" e "calmaria" possam desaparecer, a violência se torna mais intensa e os ciclos se tornam mais freqüentes.[5][6]

1: Construção da tensão[editar | editar código-fonte]

O estresse baseia-se nas pressões do cotidiano, como o conflito sobre as crianças, problemas conjugais, mal-entendidos ou outros conflitos familiares. Ele também se constrói como resultado de doenças, problemas legais ou financeiros, desemprego ou eventos catastróficos, como inundações, estupro ou guerra.[5] Durante este período, o agressor se sente ignorado, ameaçado, irritado ou injustiçado. O sentimento dura, em média, vários minutos a horas, pode durar tanto quanto vários meses.[7]

Para evitar a violência, a vítima pode tentar reduzir a tensão, tornando-se submissa e atenciosa. Ou, para acabar com o abuso, se preparar para a violência ou diminuir o grau de lesão, a vítima pode provocar o agressor. "No entanto, em nenhum momento o agressor se justifica por se envolver em comportamentos violentos ou abusivos", disse Scott Allen Johnson, autor de Physical Abusers and Sexual Offenders.[7]

2: Violência aguda[editar | editar código-fonte]

Caracterizada por explosões de incidentes violentos e abusivos que podem ser precedidos de abuso verbal[5] e incluem abuso psicológico.[7] Durante esta etapa, o agressor tenta dominar o seu parceiro (sobrevivente) com o uso da violência doméstica. Na violência de parceiro íntimo, as crianças são afetadas negativamente por terem testemunhado a violência e a relação do parceiro também se deteriora. A liberação da energia reduz a tensão e o agressor pode sentir ou expressar que a vítima teve o que mereceu.[5]

3: Reconciliação/lua de mel[editar | editar código-fonte]

O abusador pode começar a sentir remorso, sentimentos de culpa ou temer que seu parceiro saia ou ligue para a polícia. A vítima sente dor, medo, humilhação, desrespeito, confusão e pode sentir-se equivocadamente responsável.[5]

Caracterizado por carinho, desculpas ou, alternativamente, ignorando o incidente, esta fase marca um aparente fim de violência, com garantias de que nunca mais irá acontecer, ou que o agressor fará o melhor para mudar. Durante este estágio, o agressor pode sentir ou alegar sentir remorsos e tristeza irresistíveis. Alguns abusadores se afastam da situação com pequenos comentários, mas a maioria acabará por abater o sobrevivente com amor e carinho. O agressor pode se auto-julgar ou fazer ameaças de suicídio para ganhar simpatia e/ou evitar que o sobrevivente abandone o relacionamento. Os abusadores são freqüentemente tão convincentes, e os sobreviventes tão ansiosos para melhorar o relacionamento, que os sobreviventes (que são muitas vezes desgastados e confusos por abusos de longa data) ficam no relacionamento.[8][9]

4: Calmaria[editar | editar código-fonte]

Durante esta fase (que é muitas vezes considerada um elemento da fase de lua de mel / reconciliação), a relação é relativamente calma e pacífica. Durante este período, o agressor pode concordar em se aconselhar, pedir perdão e criar uma atmosfera normal. Em relacionamentos de parceiros íntimos, o abusador pode comprar presentes ou o casal pode se engajar em sexo apaixonado.[5] Ao longo do tempo, as desculpas do agressor e os pedidos de perdão tornam-se menos sinceros e geralmente são declarados para evitar separação ou intervenção.[7] No entanto, as dificuldades interpessoais surgirão inevitavelmente, levando novamente à fase de construção da tensão.[5] O efeito do ciclo contínuo pode incluir perda de amor, desprezo, angústia e/ou deficiência física. Os parceiros íntimos podem separar-se, divorciar-se ou, no extremo, alguém pode ser morto.[5]

Críticas[editar | editar código-fonte]

O a teroria de ciclo de abuso de Walker foi considerada um conceito revolucionário e importante no estudo do abuso e da violência interpessoal,[3] um modelo útil, mas que pode ser simplista. Por exemplo, Scott Allen Johnson desenvolveu um ciclo de 14 estágios que acabou com os estágios de construção da tensão, atuação e calmaria. Por exemplo, existem seis estágios na fase da "escalação" ou da construção da tensão, que inclui disparadores, a vítima se sente vítimizada, irritada e deprimida, há isolamento e planejamento de vingança. Isso leva ao assalto, agindo no plano de vingança, comportamento autodestrutivo, atração de vítimas e agressão física e / ou sexual real. Isto é seguido por uma sensação de alívio, medo das conseqüências, distração e racionalização do abuso.[10]

Donald Dutton e Susan Golant concordam que o ciclo de abuso de Walker descreve com precisão todos os relacionamentos cíclicamente abusivos que estudaram. No entanto, eles também observam que sua pesquisa inicial baseou-se quase inteiramente em dados anedóticos de um grupo bastante pequeno de mulheres que estavam em relações violentas.[3] A própria Walker escreveu: "Essas mulheres não foram selecionadas aleatoriamente e não podem ser consideradas uma base de dados legítima para fazer generalizações específicas".[8]

Referências

  1. Bonnie S. Fisher; Steven P. Lab. Encyclopedia of Victimology and Crime Prevention. SAGE Publications; 2 de fevereiro de 2010. ISBN 978-1-4129-6047-2. p. 257.
  2. Dutton, Donald G. (1994). «Patriarchy And Wife Assault: The Ecological Fallacy» (PDF). Violence and Victims. 9 (2): 167–182. Arquivado do original (PDF) em 29 de dezembro de 2014 
  3. a b c Dutton, Donald G. and Susan Golant. 1997. The Batterer: A Psychological Profile. 0465033881
  4. Bancroft, Lundy. Why does he do that? Inside the minds of angry and controlling men Berkley Publishing Group 2002 ISBN 0-399-14844-2
  5. a b c d e f g h i Willis C. Newman; Esmeralda Newman. Domestic Violence: Causes and Cures and Anger Management. Willis Newman; 12 May 2010. ISBN 978-1-4528-4323-0. p. 9.
  6. Sheila L. Videbeck (1 de julho 2016). Enfermagem em Saúde Mental e Psiquiatria. Artmed Editora. p. 198. ISBN 978-85-363-2729-7.
  7. a b c d Scott Allen Johnson. Physical Abusers and Sexual Offenders: Forensic and Clinical Strategies. CRC Press; 13 July 2006. ISBN 978-0-8493-7259-9. p. 31.
  8. a b Walker, Lenore E. (1979) The Battered Woman. New York: Harper and Row.
  9. Brewster, Susan Helping her get free Seal Press 2006 ISBN 1-58005-167-7
  10. Scott Allen Johnson. Physical Abusers and Sexual Offenders: Forensic and Clinical Strategies. CRC Press; 13 July 2006. ISBN 978-0-8493-7259-9. p. 33–35.