Ciclo do Cacau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde maio de 2009)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.

O Ciclo do Cacau foi um momento da história econômica no período do Brasil Colonial, quando era o segundo maior produtor mundial de cacau.

História[editar | editar código-fonte]

O Cacau não é da maneira que conhecemos hoje através do chocolate, primeiramente com ele era feita uma bebida de sabor amargo e apimentado. Podemos ver hoje chocolate com pimenta, para aproximar ao sabor de antigamente. A Amazônia é considerada o berço do fruto, ainda assim, a floresta é pouco explorada e de tempos em tempos um "novo" cacau é descoberto.

Produção[editar | editar código-fonte]

Pelo rio Amazonas, passou para o Pará e percorreu pela Bahia, onde foi mais favorável com 95% da produção no Brasil. Atualmente, esses dois estados com maior produção de Cacau no Brasil enfrentam momentos opostos. A Bahia sofre com a queda na produção, enquanto no Pará, o crescimento vem sendo gradativo.

Hoje[editar | editar código-fonte]

Hoje, o Brasil encontra-se na 5ª posição dos maiores produtores mundiais do mundo, atrás da Costa do Marfim, Gana, Indonésia, Nigéria.

Beneficiamento[editar | editar código-fonte]

O beneficiamento é importante para o determinar a qualidade e o sabor do chocolate, é preciso ser feito em comunidades com água encanada e luz elétrica. Esse processo envolve encontrar os cacaueiros, colher e quebrar os frutos, extrair as amêndoas envoltas na polpa branca, fermentá-las por sete dias e secá-las por mais cinco. Logo após, é preciso esmagá-la para fazer o chocolate.

Legislação[editar | editar código-fonte]

Pela Legislação Brasileira, há regiões da Amazônia declaradas como reserva extrativista, ou seja, ninguém pode ir para lá e pegar o cacau.

Referências

[1]

[2]

  1. Luiza Olivett; Diego Badaró, "Floresta, Cacau E Chocolate", p. 97, Senac São Paulo, 2016
  2. Schmidt,Flávio Luis / Efraim, Priscilla, "Pré-Processamento de Frutas, Hortaliças, Café, Cacau e Cana de Açúcar", p. 113, Elsevier - Campus, 2014