Ciclone Idai

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ciclone Idai
Categoria 3 (EFSS)
Idai 2019-03-14 1135Z.jpg
Ciclone Idai em 14 de março de 2019.
Formação 4 de março de 2019
Dissipação 21 de março de 2019
Vento mais forte (1 min) 195 nós (361 km/h, 224 mph)
Pressão mais baixa 940 hPa (mbar)
Danos US$ 7 milhões
Fatalidades 762[1][2][3][3][4] (possivelmente mais de 1000)[5]
Áreas afetadas África do Sul, Moçambique, Malawi e Zimbábue

O ciclone Idai foi o ciclone tropical mais forte a atingir Moçambique desde Jokwe em 2008. A décima tempestade nomeada e o sétimo ciclone tropical da temporada de ciclones no Índico Sudoeste de 2018-2019, o Idai teve origem numa depressão tropical que se formou na costa leste de Moçambique em 4 de março. A depressão atingiu o país no final do dia e permaneceu como um ciclone tropical durante toda a sua caminhada por terra. No dia 9 de março, a depressão ressurgiu no Canal de Moçambique e foi atualizada para a Tempestade Tropical Moderada Idai no dia seguinte.

O sistema começou então a intensificar-se rapidamente, atingindo uma intensidade de pico inicial como um intenso ciclone tropical com ventos de 175 km/h em 11 de março. Idai então começou a enfraquecer devido a mudanças estruturais em curso dentro de seu núcleo interno, caindo para a intensidade do ciclone tropical. A intensidade de Idai permaneceu estagnada por aproximadamente um dia antes de começar a se intensificar novamente. Em 14 de março, Idai atingiu a intensidade máxima com ventos máximos sustentados de 195 km/h e uma pressão central mínima de 940 hPa (27,76 inHg). Idai começou então a enfraquecer à medida que se aproximava da costa de Moçambique devido a condições menos favoráveis. Em 15 de março, Idai atingiu terra firme perto da Beira, em Moçambique, como um ciclone tropical intenso.[6] Idai trouxe fortes ventos e causou graves inundações em Madagascar, Malaui e Zimbábue, além de Moçambique, que mataram mais de 700 pessoas e afetaram outras centenas de milhares de pessoas.[7][8]

Impacto[editar | editar código-fonte]

Enchentes em Tete, Moçambique inundaram numerosas casas depois de Idai ter feito a sua primeira aterragem

Idai causou graves inundações em Madagascar, Malauí, Moçambique, Zimbábue e África do Sul, causando mais de 700 mortes. Só em Moçambique contaram-se 518 vítimas mortais.[9] Mais de 2,5 milhões de pessoas experimentaram os efeitos diretos do ciclone, com centenas de milhares precisando de ajuda.[10]

A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho descreveu os danos na região como "massivos e horripilantes", sendo que corpos foram encontrados a flutuar nas águas de Beira depois da tempestade.[5] Dias após a chegada do ciclone, os rios Pungoé e Buzi, no centro de Moçambique, sobrepuseram as suas margens.[11] Em 19 de Março, uma secção de 50 km do Buzi continuava inundada.[12]

O Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, disse que mais de 1000 pessoas morreram[12] e que este foi "um dos piores desastres" no hemisfério sul, depois que o rápido aumento das águas causou um "oceano interior" em Moçambique.[13]

Voluntários distribuem ajuda humanitária em Chimanimani.

O UNICEF estimou que são necessários cerca de 10 milhões de dólares para as necessidades mais urgentes das crianças.[14] As Nações Unidas e seus parceiros apelaram por 40,8 milhões de dólares como ajuda de emergência para ajudar as pessoas afetadas pelo Idai em Moçambique.[15]

A Força Nacional de Defesa da África do Sul prestou assistência aérea e terrestre aos esforços de socorro no Malawi e Moçambique a partir de 16 de março.[16] Em 18 de março, o Departamento para o Desenvolvimento Internacional do Reino Unido enviou 7,95 milhões de dólares para Moçambique e Malawi como ajuda humanitária.[17] Em 19 de março, a União Europeia liberou uma ajuda emergencial de 3,5 milhões de euros (3,97 milhões de dólares) para Moçambique, Malawi e Zimbábue,[18] enquanto a Sociedade do Crescente Vermelho dos Emirados Árabes Unidos forneceu uma ajuda emergencial de 4,98 milhões de dólares para os países já citados.[19]

Em 22 de março, o Brasil anunciou a doação de 100 mil euros para apoiar o governo de Moçambique nos trabalhos de resgate e reconstrução emergenciais. A doação será feita por meio de fundo solidário a ser criado no âmbito da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.[20]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Floods kill 126 people in SA, Malawi, Mozambique». ZBC News. 14 de março de 2019. Consultado em 14 de março de 2019 
  2. «Cyclone Idai death toll passes 750 with more than 110,000 now in camps». The Guardian. 24 de março de 2019. Consultado em 24 de março de 2019 
  3. a b «"Lives shattered": Cyclone death toll tops 500 in southern Africa; hundreds more still missing». CBS News. 21 de março de 2019. Consultado em 22 de março de 2019 
  4. «Overwhelmed rescuers forced to leave some cyclone victims behind». CBS News. Agence France-Presse. 20 de março de 2019. Consultado em 20 de março de 2019 
  5. a b «Hundreds feared dead after Cyclone Idai». BBC News. 18 de março de 2019. Consultado em 18 de março de 2019 
  6. «Intense Tropical Cyclone Idai Warning 26» (PDF). Meteo France La Reunion. 15 de março de 2019. Consultado em 15 de março de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 15 de março de 2019 
  7. «Floods kill 126 people in SA, Malawi, Mozambique». ZBC News. 14 de março de 2019. Consultado em 14 de março de 2019 
  8. «Cyclone Idai leaves scores dead in Zimbabwe, Mozambique». DW. Consultado em 16 de março de 2019 
  9. observador.pt (1 de abril de 2019). «Moçambique. Número de mortos sobe para 518 e morre primeira vítima de cólera na Beira». Consultado em 1 de abril de 2019 
  10. Max Bearak (19 de março de 2019). «'Everything is destroyed': Mozambique fears massive human toll from Cyclone Idai». The Washington Post. Consultado em 19 de março de 2019 
  11. Matthew Hill (18 de março de 2019). «Mozambique Flood Death Toll May Be More Than 1,000, Zitamar Says». Bloomberg. Consultado em 18 de março de 2019 
  12. a b «Cyclone Idai: 'Massive disaster' in Mozambique and Zimbabwe». BBC. 19 de março de 2019. Consultado em 19 de março de 2019 
  13. https://news.sky.com/story/mozambique-cyclone-idai-one-of-the-worst-disasters-in-the-southern-hemisphere-11670347
  14. «UNICEF diz que são necessários 8,8 ME para ajudar crianças em Moçambique afetadas pelas intempéries». Diário de Notícias. 15 de março de 2019. Consultado em 15 de março de 2019 
  15. «Tropical Cyclone Idai: Appeal for US$40.8 million to provide life-saving assistance». ReliefWeb. United Nations. 16 de março de 2019. Consultado em 17 de março de 2019 
  16. «South African National Defence Force rescues flood victims across cyclone hit SADC countries». African Daily Voice. 18 de março de 2019. Consultado em 18 de março de 2019 
  17. «Cyclone Idai: UK pledges £6m of aid for hundreds of thousands hit by cyclone in Mozambique and Malawi». gov.uk. 18 de março de 2019. Consultado em 19 de março de 2019 
  18. «EU releases €3.5 million in emergency aid following cyclone Idai and deadly floods in Mozambique, Malawi and Zimbabwe». European External Action Service. 19 de março de 2019. Consultado em 19 de março de 2019 
  19. Wam (19 de março de 2019). «UAE to send Dh18.3m relief aid for 1.5m affected by Cyclone Idai». Khaleej Times. Consultado em 19 de março de 2019 
  20. «Doação para Moçambique no contexto da emergência humanitária gerada pelo ciclone Idai». www.itamaraty.gov.br. Consultado em 27 de março de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ciclone Idai
Ícone de esboço Este artigo sobre ciclones tropicais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.