Cidade da Criança (São Bernardo do Campo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cidade da Criança
Localização São Bernardo do Campo,  São Paulo,  Brasil
Endereço Rua Tasman, 301
Website www.cidadedacriancasbc.com.br
Aberto em 10 de outubro de 1968
Funcionamento terça a domingo, das 9 às 17 horas.

A Cidade da Criança é o parque de diversões brasileiro localizado no centro da cidade de São Bernardo do Campo, na região metropolitana de São Paulo, atrás dos antigos estúdios da Companhia Cinematográfica Vera Cruz. Foi o primeiro parque temático do Brasil, tendo sido um empreendimento bastante ousado para a época e que atraiu muitos turistas para o município. Foi criada em 10 de outubro de 1968.[1]

Era dividida em três áreas temáticas sendo uma delas totalmente voltada para a Amazônia, contendo uma réplica do Teatro Amazonas, da Ferrovia Madeira-Mamoré e diversas outras figuras características da região. Entre suas atrações mais famosas estavam uma réplica de submarino, um avião, o Minhocão (montanha russa), a Casa Maluca, entre outras.

Foi construído, inicialmente, como estúdio para gravação da telenovela Redenção, da TV Excelsior. Mesmo depois do fim da telenovela, em 1968, as visitas à cidade cenográfica continuaram.

Estúdios Vera Cruz[editar | editar código-fonte]

Os Estúdios Vera Cruz fica ao lado do terreno onde fica a cidade das crianças, no iniciou da novela Redenção foi feita uma cidade do interior de São Paulo naquele terreno, com uma igreja, delegacia, fórum, prefeitura e algumas casas como pedia o roteiro. Este cenário ainda existe, e esta lá no parque na atual região Redenção.

O Fechamento[editar | editar código-fonte]

Depois do auge nos anos 70 e 80, o parque entrou em decadência, sofrendo com a concorrência do Playcenter e do Hopi Hari. Em 2005 foi fechado pela prefeitura de São Bernardo do Campo, por falta de segurança, e falta de manutenção dos equipamentos, a prefeitura da cidade estava com um projeto de fazer o parque de um local educativo. [1]. Na época do fechamento, vários brinquedos, administrados por terceiros, estavam em mau estado de conservação.

O projeto de transformar a cidade das crianças em parque educativo sofreu alguns problemas, pois o Tribunal de Contas do Estado de São Paulo rejeitou os recursos gastos na Cidade das Crianças provenientes da Secretaria da Educação, tendo em vista que o espaço não foi construído a partir de um projeto pedagógico. Diante disto a prefeitura pretende lançar uma licitação de concessão para o funcionamento e manutenção do parque.[2]

Reinauguração[editar | editar código-fonte]

Apesar de todos os problemas mencionados, a reabertura ao público foi marcada para o dia 17/01/2010. Nesta primeira etapa, porém, ainda estarão fechados o teleférico e o submarino.

O parque foi muito criticado pela imprensa e por visitantes em sua reabertura. Por ter ficado fechado para reformas por cinco anos, o público esperava encontrar um parque completamente novo, o que não se concretizou. No dia da reinauguração, mais de 20 mil visitantes que foram surpreendidos com a ausência de atrações: apenas um carrossel, um planetário, um simulador e uma atração sobre o corpo humano estavam abertas. No mesmo dia da inauguração o simulador foi fechado pois o ar condicionado quebrou.

Com o grande número de criticas, o prefeito Luiz Marinho viabilizou um projeto de inaugurar novas atrações até o final daquele ano. O projeto, quase concluído segundo a prefeitura da cidade, vai trazer novos brinquedos ao parque até dezembro.

As novas atrações são: Minhocão (mini-montanha russa), 'Splash', elevador, 'Carrossel Ferrari', carrinho de bate-bate, 'Twist', roda gigante, entre outros.

Curiosidade[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios (desde fevereiro de 2011).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Coluna Memória, do jornal Diário do Grande ABC, de 10 de outubro de 2008.