Cidade dormitório

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Muitas vezes, subúrbios são considerados cidades-dormitórios. Na foto, subúrbio de Colorado Springs, no Colorado, nos Estados Unidos.

Cidade-dormitório1 é uma designação usada para se referir a aglomerados urbanos surgidos nos arredores de uma grande cidade tipicamente para servir de moradia a trabalhadores da cidade-núcleo da região. Geralmente, a divisão entre subúrbios e cidades-dormitórios é imprecisa, devido à conurbação das cidades. Cidades-dormitórios costumam estar ligadas por meios de transporte de massa aos locais de trabalho da maioria de seus residentes.

Um resumo da definição "cidade-dormitório" pode ser o seguinte: cidades-dormitório são aquelas em que as atividades existentes não são suficientes para empregar e fixar a sua população ativa, o que leva a maioria dos moradores a se deslocarem diariamente para a cidade mais próxima (em geral, a capital do estado ou uma cidade populosa) para, aí, exercer a sua profissão.

Nos Estados Unidos e na Europa[editar | editar código-fonte]

Cidades-dormitório surgiram em vários países do primeiro mundo nos anos 1950, com a migração de pessoas do centro das cidades para os subúrbios em busca de qualidade de vida. Esse movimento está também associado com o baby boom, o crescimento da população dos Estados Unidos depois da Segunda Guerra Mundial, levando à construção de novas áreas residenciais para atender a uma crescente demanda por moradia.

Nesses países, o estabelecimento de cidades-dormitório foi acompanhado pela criação de uma vasta rede de autoestradas e trens de subúrbio para atender às necessidades de transporte do trabalho para o lar.

Nos países em desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

A Cidade Tiradentes, distrito do subúrbio de São Paulo, no Brasil, possui o maior aglomerado de conjuntos habitacionais da América Latina

Os países em desenvolvimento sofrem, ou sofreram, com o êxodo rural, que é a migração de pessoas do campo para as cidades em busca de emprego e qualidade de vida. Na maioria destes países, a migração exagerada levou ao surgimento de cidades dormitório para abrigar os migrantes. Tais cidades, geralmente, apresentam sérios problemas de infraestrutura devido ao rápido crescimento e falta de planejamento, agravados pelo fato de essas cidades, muitas vezes, não possuirem nenhuma renda, servindo simplesmente como uso residencial.

Algumas cidades-dormitórios estão tentando contornar essa situação através da criação de empregos: por exemplo, a cidade brasileira de Duque de Caxias investe na criação de um polo industrial gás-químico, porém a maior parte dos seus funcionários graduados moram no Rio de Janeiro, que é uma cidade vizinha. Como resultado, a cidade possui o 13º maior produto interno bruto do país, mas convive com situações de abandono.

Muitas vezes, bairros ou distritos da metrópole também podem ser considerados cidades-dormitório: é o caso de Cidade Tiradentes, que, apesar do nome, é um distrito do extremo leste da cidade de São Paulo. Cidade Tiradentes conta com o maior aglomerado de conjuntos habitacionais da América Latina e com uma população de mais de 200 000 habitantes. Apesar do comércio da região, muitos vão até o centro da metrópole a trabalho, principalmente a regiões como o Centro de São Paulo, Avenida Paulista, Itaim Bibi e Santo Amaro. Cidades vizinhas de São Paulo se tornaram cidades-dormitório de São Paulo, com, Ferraz de Vasconcelos, Suzano, Mogi das Cruzes (um importante polo industrial), Itaquaquecetuba, entre muitas outras.

Principais "cidades-dormitórios" do Brasil[editar | editar código-fonte]

Outras[editar | editar código-fonte]

Cidades que, apesar de apresentarem alto desenvolvimento econômico, e/ou uma considerável "independência" em termos de serviços, ainda possuem boa parte de sua população economicamente ativa trabalhando na cidade-núcleo, sendo seu produto econômico muito dependente da proximidade com essa cidade principal;

Referências

  1. Academia Brasileira de Letras. Disponível em http://www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=23. Acesso em 5 de abril de 2013.

Ver também[editar | editar código-fonte]