Cidade global

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Cidade global (também chamada de cidade mundial, cidade alfa ou centro mundial) é uma cidade considerada um lugar importante no sistema econômico global. O conceito vem dos estudos urbanos e da geografia e se assenta na ideia de que a globalização criou, facilitou e promulgou locais geográficos estratégicos de acordo com uma hierarquia de importância para o funcionamento do sistema global de finanças e comércio.

A mais complexa dessas entidades é a "cidade global", através da qual as relações vinculativas de uma cidade têm efeito direto e tangível sobre assuntos globais através de meios sócio-económicos.[1] A expressão "cidade global", em oposição à megacidade, foi introduzida por Saskia Sassen, em referência a Londres, Nova Iorque e Tóquio, em sua obra de 1991 "A Cidade Global".[2] O termo "cidade mundial" já tinha sido usado por Patrick Geddes, em 1915, para descrever as cidades que controlam uma quantidade desproporcional de datas de negócios globais. Depois dele Peter Hall, em sua obra The World Cities (1966) usou uma série de critérios para definir as cidades que ocupam o topo da hierarquia urbana mundial. Vinte anos depois, John Friedmann lançou The World City Hypothesis e indicou as cidades que comandavam a economia global.[3] [4] . Com uma metodologia multidisciplinar e inovadora, Ronald Daus investigará depois o papel de um “fundamento europeu”, existente desde a “invenção” do colonialismo, nas cidades globais extra-europeias que se desenvolvem durante o século XX e que é responsável pelo caos urbanístico que assola localidades situadas tanto fora da Europa como nela própria, suscitando novas questões em áreas como as da sociologia ou da antropologia cultural (ver biografia e referências).

Características[editar | editar código-fonte]

A classificação de cidade global é vista como benéfica e, por isso, muitos grupos têm tentado classificar quais as cidades que podem ser vistas como "cidades mundiais".[3] Embora haja um consenso sobre quais são as cidades líderes do mundo,[5] definir quais são os critérios para que essa classificação seja feita pode afetar outras cidades incluídas.[3] Os critérios para a identificação tendem a basear-se num "valor critério" ("por exemplo, se o setor produtor de serviços é o maior setor econômico, então a cidade X é uma cidade global)[3] ou em uma "determinação iminente" (se o setor produtor de serviços da cidade X é maior do que o setor produtor de serviços das cidades N, então a cidade X é uma cidade global).[3]

Algumas características básicas de cidades globais são:

Estudos[editar | editar código-fonte]

Estudos do GaWC[editar | editar código-fonte]

Mapa das cidades globais de acordo com Globalization and World Cities (GaWC) (dados de 2010).

A primeira tentativa de definir, categorizar e classificar as cidades globais usando de "dados relacionados" foi feita em 1998 por Jon Beaverstock, Richard G. Smith e Peter Taylor, que trabalharam na Universidade de Loughborough, no Reino Unido. Juntos, eles estabeleceram a Globalization and World Cities Research Network e uma lista de cidades globais foi descrita no Boletim de Pesquisa GaWC 5 e cidades classificadas com base em sua conectividade através de quatro "serviços de produção avançada": contabilidade, publicidade, bancária/financeira e direito.[5] O inventário GaWC identifica três níveis de cidades globais e vários sub-níveis. Esta lista geralmente denota cidades em que há escritórios de algumas empresas multinacionais de prestação de serviços financeiros e consultoria ao invés de denotar outros centros culturais, políticos e econômicos. As classificações de 2004 reconheceram vários novos indicadores, enquanto continuavam a classificar a economia das cidade mais fortemente do que fatores políticos ou culturais. A lista é classificada nas seguintes categorias:[15]

  • Cidades alfa++ - Londres e Nova York, que são muito mais integradas à economia global do que todas as outras cidades.
  • Cidades alfa+ - complementam Londres e Nova York, preenchendo nichos de serviços avançados para a economia global.
  • Cidades alfa - cidades que ligam as principais regiões econômicas à economia mundial.
  • Cidades beta - cidades que ligam regiões econômicas secundária à economia mundial.
  • Cidades gama - cidades que ligam regiões econômicas menores à economia mundial.
  • Cidades autossuficientes - cidades que têm um grau suficiente de serviços de modo a não ser, obviamente, dependente de outras cidades globais

Cidades Alfa[editar | editar código-fonte]

Alfa++
Alfa+
Alfa
Alfa-

Outras categorias[editar | editar código-fonte]

Categoria Cidades
Beta+
Beta
Beta−
Gama+
Gama
Gama−

Índice de Cidades Globais[editar | editar código-fonte]

Índice de Cidades Globais

Em 2008, a revista estadunidense Foreign Policy, em conjunto com empresa de consultoria A.T. Kearney e pelo Conselho de Chicago sobre Assuntos Globais, publicou um ranking de cidades globais, com base em entrevistas com Saskia Sassen, Witold Rybczynski e outros.

A publicação observou que "as maiores e mais interconectadas cidades do mundo ajudam a definir as agendas globais, perigos para transnacionais e servem como hubs de integração global. Elas são os motores de crescimento para seus países e os portais para os recursos de suas regiões."[16]

Em 2010 o índice foi atualizado. As únicas cidades lusófonas e brasileiras a aparecer no ranking foram São Paulo e Rio de Janeiro, nas posições 35ª e 49ª, respectivamente. As trinta primeiras cidades do ranking foram:[17]

Cidades por categoria[editar | editar código-fonte]

Posição População[18] População da área metropolitana[19] População estrangeira[20] Custo de vida para expatriados (mais cara primeiro)[13] Número de passageiros no sistema de metrô Extensão da rede de metrô Número de passageiros anuais no sistema aeroviário Número de bilionários (US$)[14] Produto Metropolitano Bruto em PPC[21]
1 Xangai Tóquio Dubai Luanda Tóquio Xangai Londres Moscou Tóquio
2 Karachi Seul Toronto Tóquio Moscou Londres Nova Iorque Nova Iorque Nova Iorque
3 Mumbai Cidade do México Hong Kong N'Djamena Seul Nova Iorque Tóquio Londres Los Angeles
4 Pequim Nova Iorque Miami Moscou Xangai Pequim Atlanta Hong Kong Chicago
5 Moscou Mumbai Los Angeles Genebra Pequim Berlim Paris Istambul Paris
6 Istambul Jacarta Riade Osaka Nova Iorque Seul Chicago Mumbai,
São Paulo
Londres
7 São Paulo São Paulo Sydney Zurique Paris Tóquio Los Angeles n/a Osaka
8 Tianjin Déli São Francisco Singapura Cidade do México Moscou Pequim Taipei,
Los Angeles,
Pequim
Cidade do México
9 Guangzhou Osaka Melbourne Hong Kong Hong Kong Madrid Xangai n/a Filadélfia
10 Shenzhen Xangai Londres São Paulo Guangzhou Guangzhou Dallas n/a Washington, D.C.

Referências

  1. Sassen, Saskia - The global city: strategic site/new frontier
  2. Sassen, Saskia - The Global City: New York, London, Tokyo. (1991) - Princeton University Press. ISBN 0-691-07063-6
  3. a b c d e Doel,M. & Hubbard, P., (2002), "Taking World Cities Literally: Marketing the City in a Global Space of flows",City, vol. 6, no. 3, pp. 351-368. Subscription required
  4. The urban geography reader. Nicholas R. Fyfe e Judith T. Kenny(ed.). J. Beaverstock, R. Smith e P. Taylor. "World-city Network: a new metageography?"
  5. a b GaWC Research Bulletin 5, GaWC, Loughborough University, 28 de julho de 1999
  6. Chapter 5: Globalization and cultural choice PDF (352 KB), "2004 Human Development Report" (page 99), UNDP, 2004
  7. Mapping the Global Network Economy on the Basis of Air Passenger Transport Flows, GaWC, Loughborough University, 8 de dezembro de 2004
  8. Mobility 2001 PDF (1.59 MB), WBCSD
  9. World-wide quality of living survey, Mercer, 10 de abril de 2006
  10. [1] PDF (registration required)
  11. World Indices, Bloomberg
  12. Urban Characteristics,City Level, 1993 PDF (61.6 KB), "World Resources 1998-99", WRI, 1998.
  13. a b Worldwide Cost of Living survey 2011 - City rankings, Mercer, 12 July 2011
  14. a b Moscow Leads Cities With Most Billionaires, Forbes, 17 May 2011
  15. "The World According to GaWC 2010". Globalization and World Cities (GaWC) Study Group and Network. Loughborough University. Consult. 15/09/2011. 
  16. "The 2008 Global Cities Index". Foreign Policy [S.l.: s.n.] (November/December 2008). 21 de outubro de 2008. Consult. 31 de outubro de 2008. 
  17. The Urban Elite: The A.T. Kearney Global Cities Index 2010
  18. "Cities: largest (without surrounding suburban areas)". Geohive. Consult. 03/08/2011. 
  19. R.L. Forstall, R.P. Greene, and J.B. Pick, "Which are the largest? Why published populations for major world urban areas vary so greatly", City Futures Conference, (University of Illinois at Chicago, July 2004) – Table 5 (p.34)
  20. Global City Migration Map
  21. PriceWaterhouseCoopers, "UK Economic Outlook, March 2007", page 5. "Table 1.2 – Top 30 urban agglomeration GDP rankings in 2005 and illustrative projections to 2020 (using UN definitions and population estimates)". Arquivado desde o original (PDF) em 2007-06-10. Consult. 2007-03-09. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons