Cidades da Suécia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cidades da Suécia

Na atual organização politica da Suécia não existe o conceito jurídico de cidade. A "Reforma municipal de 1971" (Kommunreformen 1971) unificou o sistema administrativo urbano e rural, abolindo a noção de "cidade". Todavia, subsiste no dia a dia das pessoas a ideia de "cidade". [1]

É costume designar de cidade:[2]

  • Os 133 centros urbanos que até 1971 tinham direito à designação de cidade.
  • As cidades históricas, tradicionalmente designadas de cidade.
  • Algumas sedes dos antigos municípios chamados ”comunas urbanas”
  • Os centros urbanos com mais de 10 000 habitantes - seguindo a norma usada pelo Instituto Nacional de Estatística da Suécia

As cidades na Suécia[editar | editar código-fonte]

Na Era viking, nasceram, floresceram e decaíram pequenas cidades e locais de comércio. Algumas desapareceram para sempre, ou deram lugar a novas cidades, como no caso de Birka e Uppåkra. Outras existem ainda nos nossos dias, como é o caso de Sigtuna, Skara e Visby. Já na Idade Média, durante cerca de um século, os reis, os bispos, os burgueses e os comerciantes criaram sucessivamente uma rede de cidades medievais no país. [3]

Essas primeiras cidades da Suécia eram pequenas povoações com algumas centenas ou poucos milhares de habitantes, mas nelas estava concentrado muito poder político e económico. Entre essas cidades há que destacar Sigtuna e Lund (século X), Skara, Helsingborg, Lomma e Lödöse (século XI), Visby (século XII), Söderköping, Estocolmo, Kalmar, Uppsala, Jönköping, Nyköping, Örebro, Arboga, etc... (século XIII). A primeira concessão conhecida de um "título de cidade" (stadsprivilegiebrev) foi feita pelo rei Magno, o Tesoureiro a Jönköping em 1284, concedendo aos burgueses locais o monopólio do comércio e da pequena indústria, assim como o direito a organizarem mercados nos dias de Santo António e de São Francisco. [4] [5]

No dia em que a população da Suécia atingiu os 10 milhões de habitantes – 20 de janeiro de 2018, as 10 maiores cidades do país eram: [6] [7]

  1. Estocolmo
  2. Gotemburgo
  3. Malmo
  4. Uppsala
  5. Linköping
  6. Örebro
  7. Västerås
  8. Helsingborg
  9. Norrköping
  10. Jönköping

As maiores cidades da Suécia[editar | editar código-fonte]

Cidade População "Título de cidade"
Estocolmo 851,155 1250
Gotemburgo 516,532 1619
Malmo 293,909 1250
Upsália 140,454 1286
Vesteros 110,877 990
Orebro 107,038 1200
Lincopinga 97,428 1287
Helsimburgo 97,122 1085
Ionecopinga 89,396 1284
Norcopinga 83,561 1384
Lunda 82,800 990
Uma 75,645 1622
Gevália[carece de fontes?] 71,033 1446
Borås 63,441 1622
Vexiônia 65,000 1342
Södertälje 64,619 1000
Carlostádio 61,685 1584
Esquiltuna 60,185 1659
Täby 58,000
Halmostádio 55,688 1200

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Pamp, Bengt (1988). «Städernas namn (Nomes das cidades)». Ortnamnen i Sverige (Nomes de localidades da Suécia) (em sueco). Lund: Studentlitteratur. p. 56. 199 páginas. ISBN 91-44-01535-6 
  2. http://www.ne.se/stad
  3. J Gaspar. «A evolução da morfologia urbana na Suécia». Finisterra - Revista Portuguesa de Geografia. p. 56. Consultado em 11 de fevereiro de 2019 
  4. Harrison, Dick (13 de fevereiro de 2011). «Sveriges äldsta städer». Svenska Dagbladet. ISSN 1101-2412 
  5. Dick Harrison. «De första städerna i Sverige» (em sueco). Populär historia, 1/2007. Consultado em 14 de agosto de 2018 
  6. Simon Lundberg e Hannah Rohrmüller (21 de fevereiro de 2018). «Nyheter24» (em sueco). Nyheter24 
  7. «Cópia arquivada». Consultado em 15 de agosto de 2018. Arquivado do original em 11 de agosto de 2018 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


  1. «Tätorter 2015 – befolkning 2015–2018, landareal, andel som överlappas av fritidshusområden» (em sueco). Instituto Nacional de Estatística da Suécia (Statistiska centralbyrån, SCB. Consultado em 18 de maio de 2019