Cisgeneridade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Nota: Cis redireciona aqui. Se procura a comuna italiana, veja: Cis (comuna)

Em estudos de gênero, é um termo para pessoas cuja identidade de gênero corresponde ao gênero que lhes foi atribuído no nascimento. Por exemplo, alguém que se identifica como mulher e foi designada como mulher ao nascer é uma mulher cisgênero. O termo cisgênero é o oposto da palavra transgênero.[1][2]

Etimologia e terminologia[editar | editar código-fonte]

O sexólogo alemão Volkmar Sigusch usou o neologismo cissexual (zissexuell em alemão) em uma publicação revisada por pares. Em seu ensaio de 1998, "A Revolução Neosexual", ele cita seu artigo de duas partes de 1991, "Transsexuais e não noser com Blick" ("Transexuais e nossa visão nosomórfica") como a origem do termo.[3]

O cisgênero tem sua origem no prefixo derivado de latim cis- , que significa "deste lado de", que significa o oposto de trans- , que significando "em frente de" ou "do outro lado de". Este uso pode ser visto na distinção cis-trans em química, o cis-trans ou teste de complementação em genética, em Ciscaucasia (do ponto de vista russo), no antigo termo romano Cisalpine Gaul (isto é, "Gália deste lado do Alpes"), Ciskei e Transkei (separados pelo rio Kei) e, mais recentemente, Cisjordânia, como distinto da Transjordânia. No caso do sexo, cis descreve o alinhamento de identidade de género com o sexo atribuído.[4]

Os sociólogos Kristen Schilt e Laurel Westbrook definem o cisgênero como um rótulo para "indivíduos que têm uma correspondência entre o gênero em que foram atribuídos no nascimento, seus corpos e sua identidade pessoal".[1] Um número de derivados dos termos cisgénero e cissexual incluem macho cis para "macho atribuído macho ao nascimento", fêmea cis para "fêmea atribuída fêmea no nascimento", analogamente homem cis e mulher cis,[5] e cissexism e cissexual suposição.[6] Além disso, um estudo publicado no Journal of International AIDS Society usou o termo cisormatividade, semelhante à heteronormatividade dos estudos de diversidade sexual.[7][8] Um adjetivo relacionado é normativo ao gênero porque, como Eli R. Green escreve, "'cisgênero' é usado [em vez do mais popular 'normativo de gênero'] para se referir a pessoas que não se identificam com um gênero experiência diversificada, sem impor a existência de uma expressão normativa de gênero ".[9] Desta forma, cisgênero é preferível porque, ao contrário do termo gênero-normativo, não implica que as identidades transgênero são anormais.

Julia Serano definiu cissexual como "pessoas que não são transexuais e que só experimentaram os seus sexos físico e mental como estando alinhados", enquanto cisgênero é um termo um pouco mais restrito para aqueles que não se identificam como transgênero (uma categoria cultural maior do que transexual que é mais clínico).[10] Para Jessica Cadwallader, o cissexual é "uma maneira de chamar a atenção para a norma não marcada, contra a qual trans é identificada, na qual uma pessoa sente que sua identidade de gênero combina com seu corpo/sexo".[11]

Os termos cigênero e cissexual foram usadas em um artigo de 2006 no Journal of Studies Lesbian[12] e o livro, Whipping Girl de Serano,[10] após o qual o termo ganhou alguma popularidade entre os ativistas que falam Inglês e estudiosos.[13][14][15] Jillana Enteen escreveu em 2009 que o cissexual é "feito para mostrar que existem suposições embutidas codificadas na expectativa dessa conformidade perfeita".[16]

Serano também usa o termo relacionado ao cissexismo , "que é a crença de que os gêneros identificados pelos transexuais são inferiores ou menos autênticos que os dos cissexuais".[17] Em 2010, o termo privilégio cisgênero apareceu na literatura acadêmica, definida como o "conjunto de vantagens imerecidas que os indivíduos que identificam como o gênero ao qual foram atribuídos no nascimento se acumulam unicamente devido a ter uma identidade cisgênera".[18]

Enquanto alguns acreditam que o termo cisgênero é meramente politicamente correto,[19][20][21][22][23] académicos médicos usam o termo e reconheceram sua importância em estudos transgênero desde a década de 1990.[24][25][26]

Em fevereiro de 2014, o Facebook começou a oferecer opções de gênero "personalizadas", permitindo que os usuários se identifiquem com um ou mais termos relacionados a gênero de uma lista selecionada, incluindo cis, cisgênero e outros.[27][28] Cisgênero também foi adicionado ao Oxford English Dictionary em 2013, definido como "designar uma pessoa cujo senso de identidade pessoal corresponde ao sexo e gênero atribuído a ela no nascimento (em contraste com transgênero)".[29]

Críticas[editar | editar código-fonte]

Do feminismo e estudos de gênero[editar | editar código-fonte]

Krista Scott-Dixon escreveu em 2009: "Eu prefiro o termo não-trans a outras opções, como cissexual/Cisgeneridade".[30] Ela sustenta essa opinião porque acredita que o termo "não-trans" é mais claro para as pessoas comuns e ajudará a normalizar os indivíduos transgêneros.

A estudiosa de Estudos de Gênero e Mulheres, Mimi Marinucci, escreve que alguns consideram o binário "cisgênero-transgênero" como tão perigoso ou autodestrutivo quanto o binário masculino-feminino, porque agrupa pessoas que se identificam como lésbicas, gays ou bissexuais (LGB) de forma arbitrária e excessivamente simplista com uma classe heteronormativa de pessoas em oposição a pessoas transexuais. Caracterizar indivíduos LGB junto com pessoas heterossexuais e não trans pode sugerir, de forma problemática, que os indivíduos LGB, ao contrário dos indivíduos transgêneros, "não experimentam nenhum descompasso entre sua própria identidade de gênero e expressão de gênero e expectativas culturais em relação à identidade e expressão de gênero".[31]

Glosswitch escreveu na revista britânica New Statesman que, se um binário de gênero essencial não existe, então a ideia de que a identidade de uma pessoa combina com seu gênero é manter um estereótipo.[32]

Das organizações intersexo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Intersexo

Pessoas intersexo nascem com características sexuais físicas atípicas que podem complicar a atribuição sexual inicial e levar a tratamento médico involuntário ou coagido.[33][34] O termo cisgênero "pode ​​ficar confuso" em relação a pessoas com variações intersexo, embora algumas pessoas intersexo usem o termo, de acordo com o projeto Interact Advocates for Intersex Youth Inter / Act.[35] Hida Viloria da Campanha Intersex pela Igualdade observa que, como uma pessoa nascida com um corpo intersex que tem um senso não-binário de identidade de gênero que "combina" com seu corpo, ela é tanto cisgênero quanto não-conformista, presumivelmente opostos de acordo com a definição de cisgênero; que isso evidencia a base do termo em um modelo sexual binário que não leva em conta a existência das pessoas intersexuais. Ele/ela também critica o fato de que o termo "sexo atribuído ao nascimento" é usado em uma das definições de cisgênero sem notar que bebês são designados como homens ou mulheres independentemente do status intersexo na maior parte do mundo, afirmando que isso ofusca o nascimento de bebês intersexuais e molduras de identidade de gênero dentro de um modelo sexual binário masculino/feminino que não leva em conta tanto a existência de identidades de gênero não conformes de gênero congruentemente nativas.[36]

Referências

  1. a b «Doing Gender, Doing Heteronormativity: 'Gender Normals,' Transgender People, and the Social Maintenance of Heterosexuality». Gender & Society. 23 (4): 440–464 [461]. doi:10.1177/0891243209340034 
  2. «Will the Word "Cisgender" Ever Go Mainstream?». The Atlantic (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2012 
  3. «The Neosexual Revolution». Archives of Sexual Behavior. 27 (4): 331–359. PMID 9681118. doi:10.1023/A:1018715525493 
  4. «Definition of cisgender». Merriam Webster. Consultado em 6 de dezembro de 2012 
  5. «The true meaning of the word 'cisgender'». The Advocate. Consultado em 6 de dezembro de 2012 
  6. Serano, Julia (2007). Whipping Girl: A Transsexual Woman on Sexism and the Scapegoating of Femininity. Berkeley: Seal Press. pp. 164–165. ISBN 978-1580051545 
  7. Logie, Carmen; James, Lana; Tharao, Wangari; Loutfy, Mona. «We don't exist: a qualitative study of marginalization experienced by HIV-positive lesbian, bisexual, queer and transgender women in Toronto, Canada». Journal of the International AIDS Society. 15 (2). 17392 páginas. PMC 3494165Acessível livremente. PMID 22989529. doi:10.7448/ias.15.2.17392 
  8. «Identity, Refugeeness, Belonging: Experiences of Sexual Minority Refugees in Canada». Canadian Review of Sociology. 48 (3): 241–274. 2011. PMID 22214042. doi:10.1111/j.1755-618X.2011.01265.x 
  9. Green, Eli R. (2006). «Debating Trans Inclusion in the Feminist Movement: A Trans-Positive Analysis». Journal of Lesbian Studies. 10 (1/2): 231–248 [247]. PMID 16873223. doi:10.1300/j155v10n01_12 
  10. a b Serano, Julia (2007). Whipping Girl: A Transsexual Woman on Sexism and the Scapegoating of Femininity. [S.l.]: Seal Press. p. 12. ISBN 978-1-58005-154-5 
  11. Sullivan, Nikki; Murray, Samantha (2009). Somatechnics: queering the technologisation of bodies. Surrey, England: Ashgate Publishing. p. 17. ISBN 978-0-7546-7530-3 
  12. Green, Eli R. (2006). "Debating Trans Inclusion in the Feminist Movement: A Trans-Positive Analysis," Journal of Lesbian Studies. Volume: 10 Issue: 1/2. pp. 231−248. ISSN 1089-4160
  13. «Trans (Formative) Relationships: What We Learn About Identities, Bodies, Work and Families from Women Partners of Trans Men». Ph.D Dissertation, Department of Sociology, University of Michigan. 2009 
  14. «Contradictory Realities, Infinite Possibilities: Language Mobilization and Self-Articulation Amongst Black Trans Women». Penn McNair Research Journal. 2 (1) 
  15. «Queer Diagnoses: Parallels and Contrasts in the History of Homosexuality, Gender Variance, and the Diagnostic and Statistical Manual». Archives of Sexual Behavior. 39 (2): 427–460. PMID 19838785. doi:10.1007/s10508-009-9531-5 
  16. Virtual English: Queer Internets and Digital Creolization (Volume 6 of Routledge studies in new media and cyberculture). New York City, New York: Taylor & Francis. 2009. p. 177. ISBN 978-0-415-97724-1 
  17. Serano (2007) also defines cisgender as synonymous with "non-transgender" and cissexual with "non-transsexual" (p. 33).
  18. Walls, N. E., & Costello, K. (2010). "Head ladies center for teacup chain": Exploring cisgender privilege in a (predominantly) gay male context. In S. Anderson and V. Middleton Explorations in diversity: Examining privilege and oppression in a multicultural society, 2nd ed. (pp. 81−93). Belmont, CA: Brooks/Cole. Quote appears on p.83.
  19. Hernandez, Vittorio. «What's Your Choice – Male, Female, Transgender, Intersex?: Other Gender Options Now Available for Facebook Users». International Business Times. Consultado em 6 de dezembro de 2012 
  20. «Was 2014 the year political correctness went stark raving mad?: This year has seen political correctness turn sinister, thanks to the outraged, sanctimonious reactions of social media's PC police, argues Martin Daubney». The Daily Telegraph. Consultado em 6 de dezembro de 2012 
  21. «The march of the new political correctness». The Spectator. London. Consultado em 6 de dezembro de 2012 [ligação inativa] 
  22. Macdonald, Neil. «'Mansplaining' the return of political correctness:The scourge of the '90s, PC seems to be gaining a new foothold on college campuses». CBC.ca. Consultado em 6 de dezembro de 2012 
  23. «How we ended up 'cisgender':The history of a tendentious word». The Spectator. Consultado em 6 de dezembro de 2012 
  24. Aultman, B (2014). «Cisgender». TSQ: Transgender Studies Quarterly. 1 (1–2): 61. doi:10.1215/23289252-2399614 
  25. Tate, Charlotte Chucky; Bettergarcia, Jay N.; Brent, Lindsay M. (2015). «Re-assessing the Role of Gender-Related Cognitions for Self-Esteem: The Importance of Gender Typicality for Cisgender Adults». Psychology & Psychiatry Journal. 72 (5–6): 221–236. doi:10.1007/s11199-015-0458-0 
  26. «New Mental Health Study Findings Have Been Reported by Investigators at Brown University (Gender Minority Stress, Mental Health, and Relationship Quality: A Dyadic Investigation of Transgender Women and Their Cisgender Male Partners)». Mental Health Weekly Digest. 9. 224 páginas. 2015 
  27. Brandon Griggs. «Facebook goes beyond 'male' and 'female' with new gender options». Consultado em 6 de dezembro de 2012 
  28. The Associated Press. «Facebook's New Gender Identity Options» 
  29. Martin, Katherine. «New words notes June 2015». Oxford English Dictionary. Oxford University Press. Consultado em 6 de dezembro de 2012 
  30. «Public health, private parts: A feminist public-health approach to trans issues». Hypatia. 24 (3): 33–55. 2009. doi:10.1111/j.1527-2001.2009.01044.x 
  31. Marinucci, Mimi (2010). Feminism is Queer: The Intimate Connection between Queer and Feminist Theory. [S.l.]: Zed Books. pp. 125–126 
  32. «I don't feel I "match" my gender, so what does it mean to be called cis?». www.newstatesman.com. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  33. Domurat Dreger, Alice (2001). Hermaphrodites and the Medical Invention of Sex. USA: Harvard University Press. ISBN 978-0-674-00189-3 
  34. Eliminating forced, coercive and otherwise involuntary sterilization, An interagency statement, World Health Organization, May 2014.
  35. Inter/Act Youth • Inter/Act has been working with MTV's Faking It on... Interact Advocates for Intersex Youth|Inter/Act Youth. Retrieved October 17, 2014.
  36. Caught in the Gender Binary Blind Spot: Intersex Erasure in Cisgender Rhetoric, Hida Viloria, August 18, 2014. Retrieved October 17, 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]