Cisjordânia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
الضفة الغربية‎
aḍ-Ḍaffah l-Ġarbiyyah,

Cisjordânia
Gentílico: cisjordaniano(a)

Localização de Cisjordânia

Mapa da Cisjordândia:
Cidade mais populosa Hebrom
Língua oficial árabe
Governo Democracia parlamentarista (de jure)
República semipresidencialista de partido único (de facto)
 - Presidente Mahmoud Abbas
Área  
 - Total 5 640 km² 
População  
 - Estimativa para 2014 2 676 740 hab. 
Fuso horário (UTC+1)
 - Verão (DST) (UTC+2)
Cód. Internet .ps
Cód. telef. +970

A Cisjordânia (em árabe: الضفة الغربية, ad-l-Ġarbiyyah Ḍaffah) é um território palestino situado no Oriente Médio, entre Israel e a Jordânia. Embora a maior parte do território da Cisjordânia se encontre ocupada por Israel desde 1967, a Organização das Nações Unidas e a maioria dos seus membros reconhecem a Cisjordânia como parte do Estado da Palestina.

É delimitada pelo rio Jordão e pelo Mar Morto a leste (que a separam da Jordânia) e, a oeste, norte e sul, pela linha verde, que separam a Cisjordânia de Israel. A linha verde é a demarcação estabelecida no armistício árabe-israelense.

A parte leste de Jerusalém, que inclui a cidade velha e é conhecida por Jerusalém Oriental, situa-se na Cisjordânia. O restante do território da Cisjordânia atualmente é dividido em áreas sob controle palestino, que inclui cidades inteiras como Belém, Jericó, Ramala, Hebron, Jenin, Nablus, Qalqilya, Salfit, e áreas sob ocupação militar de Israel, incluídos assentamentos israelenses.

Israel não concorda que a quarta Convenção de Genebra se refira "ao território palestiniano ocupado" argumentando com "o não reconhecimento da soberania do território antes de sua anexação (ilegal) pela Jordânia e Egito", discordando assim do Tribunal Internacional de Justiça, da Autoridade Palestiniana, que governa a Cisjordânia, e do Hamas, que governa a Faixa de Gaza.[1]

Até 1948, o território integrava a parcela remanescente da Palestina histórica,[2] a qual foi dividida em três partes: uma parte passou a integrar o Estado de Israel e as duas outras, Faixa de Gaza e a Cisjordânia, ambas de maioria árabe-palestina, deveriam integrar o Estado da Palestina, a ser criado conforme a Resolução 181 das Nações Unidas (1947), com a anuência da anterior potência colonial da zona, o Reino Unido.

A Plano da ONU para a partilha da Palestina de 1947 previa a criação de dois Estados, um judeu e outro árabe. Invasões de áreas palestinas por parte de Israel, antes mesmo de 1948, e a recusa de aceitação da resolução por partes dos árabes deram início à Guerra Árabe-Israelense de 1948. Após a Guerra dos Seis Dias algumas porções dispersas passaram a ser administradas pela Autoridade Nacional Palestina, mas Israel mantém o controle das fronteiras e está atualmente a construir um muro de separação, com 700 quilômetros de extensão que tem vindo a reduzir "os ataques com homens-bomba vindos da Cisjordânia".[3][4] A despeito da separação, atualmente mais de 380 mil judeus vivem em 125 assentamentos na área destinada a palestinos.[5]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O termo neo-latino Cisjordânia ou Cis-Jordânia (literalmente "deste lado do rio Jordão") é o nome comum para o território nas línguas românicas. O nome Cisjordânia, no entanto, tornou-se o uso padrão para essa entidade geopolítica em inglês e em algumas das outras línguas germânicas desde sua criação após a conquista do exército jordaniano.

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História da Palestina

De 1517 a 1917, a área agora conhecida como Cisjordânia estava sob domínio otomano como parte das províncias da Síria. Após o fim da Primeira Guerra Mundial, foi decidido na Conferência de San Remo, em 1920, que as Potências Aliadas vitoriosas (França, Reino Unido, Estados Unidos, etc) alocariam a área da Palestina ao Mandato Britânico da Palestina (1920–47). A Resolução de San Remo, adotada em 25 de abril de 1920, incorporou a Declaração Balfour de 1917. Ela e o Artigo 22 do Pacto da Liga das Nações foram os documentos básicos sobre os quais o Mandato Britânico na região foi construído. Os britânicos proclamaram Abdullah I como o emir da Transjordânia em 11 de abril de 1921, que declarou o país, hoje conhecido como Jordânia, um reino hachemita independente em 25 de maio de 1946.

Em 1947, a região foi designada como parte de um futuro Estado árabe proposto pelo plano de partição da Palestina feito pelas Nações Unidas (ONU). A resolução recomendava a partição do Mandato Britânico em um Estado judeu, um Estado árabe e um uma Jerusalém como um enclave administrado internacionalmente;[6] uma região mais ampla da Cisjordânia moderna seria atribuída ao Estado árabe. A resolução designou o território descrito como "a região montanhosa de Samaria e Judeia"[7] (a área agora conhecida como "Cisjordânia") como parte do Estado árabe proposto, mas após a Guerra Árabe-Israelense de 1948, esta área foi capturada pela Transjordânia,[8] que foi renomeada como Jordânia três anos após a independência em 1946.

Domínio jordaniano[editar | editar código-fonte]

Os Acordos de Armistício de 1949 definiram a fronteira provisória entre Israel e Jordânia (refletindo essencialmente o campo de batalha após a guerra).[9] Após a Conferência de Jericó de dezembro de 1948, a Transjordânia anexou a área a oeste do rio Jordão em 1950, chamando-a de "Cisjordânia" ou "Cisjordânia", e designou a área a leste do rio como "Margem Leste" ou "Transjordânia". A Jordânia (como agora ela é conhecida) governou a Cisjordânia de 1948 a 1967. A anexação jordaniana nunca foi formalmente reconhecida pela comunidade internacional, com exceção do Reino Unido e do Iraque.[10][11][12] Uma opção de dois Estados, dividindo a Palestina, em oposição a uma solução binária surgiu durante o período do Mandato Britânico na área. O plano de partição das Nações Unidas previa dois Estados, um judeu e outro árabe/palestino, mas após guerra apenas um deles emergiu.[13] Durante o conflito de 1948, Israel ocupou partes do que foi designado no plano de partição da ONU como “Palestina”. O rei Abdullah I da Jordânia foi coroado rei de Jerusalém pelo bispo copta em 15 de novembro de 1948.[14] Os árabes palestinos na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental receberam cidadania jordaniana e metade dos assentos no parlamento jordaniano.[15][16]

Rei Hussein sobrevoando o Monte do Templo em Jerusalém quando a cidade estava sob controle da Jordânia, 1965

Muitos refugiados continuaram a viver em campos e contavam com a assistência da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Próximo Oriente para seu sustento. Refugiados palestinos constituíam mais de um terço da população do reino. composta na época por 1,5 milhão de pessoas. As últimas eleições na Jordânia em que os residentes da Cisjordânia votariam foram as de abril de 1967, mas seus representantes parlamentares continuariam no cargo até 1988, quando as cadeiras da Cisjordânia foram finalmente abolidas. Os palestinos desfrutaram de oportunidades iguais em todos os setores do Estado, sem discriminação.[16] A agricultura continuou sendo a principal atividade econômica do território. A Cisjordânia, apesar de sua área menor, continha metade das terras agrícolas da Jordânia. Em 1966, 43% da força de trabalho de 55 mil pessoas trabalhava na agricultura e 2 300 quilômetros quadrados estavam sob cultivo. Em 1965, 15 mil trabalhadores estavam empregados na indústria, que produzia 7% do PIB. Esse número caiu após a guerra de 1967 e não seria superado até 1983.[17] A indústria do turismo também desempenhava um papel importante. O dinar jordaniano tornou-se a moeda oficial e assim permanece até hoje. Cerca de 80% das terras frutíferas da Jordânia e 40% de seus vegetais ficavam na Cisjordânia.[18]

Às vésperas da ocupação, a Cisjordânia respondia por 40% do PIB jordaniano, entre 34% e 40% de sua produção agrícola e quase metade de sua mão de obra, embora apenas um terço do investimento jordaniano fosse destinado a ela e principalmente à habitação privada setor de construção.[19] Embora seu produto per capita fosse 10 vezes maior do que o da Cisjordânia, a economia israelense na véspera da ocupação havia experimentado dois anos (1966-1967) de uma recessão acentuada. Imediatamente após a ocupação, de 1967 a 1974, a economia deslanchou. À medida que a agricultura deu lugar ao desenvolvimento industrial em Israel, na Cisjordânia o setor agrícola ainda gerava 37% do PIB e a indústria apenas 13%.[20]

A taxa de crescimento da economia da Cisjordânia no período da ocupação jordaniana havia atingido uma taxa anual de 6 a 8%. Essa taxa de crescimento era indispensável se a Cisjordânia do pós-guerra quisesse alcançar a autossuficiência econômica. [18]

Domínio israelense[editar | editar código-fonte]

Mapa da Cisjordândia dividida pelas áreas A (palestina), B (israelo-palestina) e C (israelense), conforme definido pelos Acordos de Oslo

Em junho de 1967, a Cisjordânia e Jerusalém Oriental foram capturadas por Israel como resultado da Guerra dos Seis Dias. Com exceção de Jerusalém Oriental, a Cisjordânia não foi anexada por Israel, mas permaneceu sob controle militar israelense até 1982.

Embora a resolução da cúpula da Liga Árabe de 1974 em Rabat designasse a Organização para a Libertação da Palestina (OLP) como "o único representante legítimo do povo palestino", a Jordânia não renunciou oficialmente à área até 1988,[21] quando acabou com todas as áreas administrativas e laços legais com a Cisjordânia e privou os palestinos da cidadania jordaniana.[22]

Em 1982, como resultado do tratado de paz israelo-egípcio, o governo militar direto foi transformado em uma autoridade semicivil, operando diretamente sob o comando do Ministério da Defesa de Israel, que assumiu assim o controle dos assuntos civis dos palestinos. Os assentamentos israelenses foram, por outro lado, administrados posteriormente como Área da Judeia e Samaria diretamente por Israel.

Desde os Acordos de Oslo de 1993, a Autoridade Palestina controla oficialmente um território geograficamente não contíguo compreendendo aproximadamente 11% da Cisjordânia (conhecido como Área A), que permanece sujeito a incursões militares israelenses. A Área B (aproximadamente 28%) está sujeita ao controle militar israelense-palestino e civil palestino. A Area C (aproximadamente 61%) está sob controle total de Israel. Embora 164 nações se refiram à Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental, como "Território Palestino Ocupado",[23][24] Israel alega que apenas territórios capturados em guerra de "um Estado soberano, estabelecido e reconhecido" podem ser considerados "territórios ocupados".[25]

Após a divisão de 2007 entre o Fatah e o Hamas, as áreas da Cisjordânia sob controle palestino são uma parte exclusiva da Autoridade Palestina, enquanto a Faixa de Gaza é governada pelo Hamas.

Muro da Cisjordânia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Muro da Cisjordânia
Ponto de verificação de Qalandiya entre Ramallah e Jerusalém

O Muro da Cisjordânia é uma barreira física construída pelo governo israelense, consistindo em uma rede de cercas com valas para veículos cercadas por uma área de exclusão média de 60 metros de largura (90%) e até 8 metros de altura de paredes de concreto (10%) (embora na maioria das áreas a parede não seja tão alta).[26] Ela está localizada principalmente na Cisjordânia, parcialmente ao longo da linha do Armistício de 1949, conhecida como "Linha Verde", entre a Cisjordânia e Israel. Em abril de 2006, o comprimento da barreira, conforme aprovado pelo governo israelense, era de 703 quilômetros. Aproximadamente 60% dela foi construída, 8,96% está em construção e 33% da barreira está em projeto.[27] O espaço entre a barreira e a linha verde é uma zona militar fechada conhecida como Zona de Costura, cortando 8,5% da Cisjordânia e englobando dezenas de vilas e dezenas de milhares de palestinos.[28][29][30]

A barreira geralmente segue ao longo ou perto da Linha Verde, mas diverge em muitos lugares para incluir do lado israelense várias das áreas altamente povoadas de assentamentos judeus na Cisjordânia, como Jerusalém Oriental, Ariel, Gush Etzion e Maale Adumim. Os defensores da barreira afirmam que ela é necessária para proteger os civis israelenses dos ataques palestinos, que aumentaram significativamente durante as intifadas;[31][32] ela ajudou a reduzir os incidentes de terrorismo em 90% de 2002 a 2005; mais de uma redução de 96% em ataques terroristas nos seis anos que terminaram em 2007,[33] embora o Controlador do Estado de Israel tenha reconhecido que a maioria doshomens-bomba entraram em Israel através de postos de controle já existentes.[34] Seus apoiadores afirmam que o ônus de combater o terrorismo agora recai sobre a Autoridade Palestina.[35]

Os oponentes afirmam que a barreira é uma tentativa ilegal de anexar terras palestinas sob o pretexto de segurança,[36] que ela viola a lei internacional,[37] tem a intenção ou efeito de antecipar as negociações do estatuto final da região[38] e restringe severamente os meios de subsistência palestinos, particularmente limitando sua liberdade de movimento, minando assim sua economia.[39]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Vista das Montanhas da Judeia perto de Ramala
Cidade de Jericó, Cisjordânia

A Cisjordânia tem uma área de 5 628 km², que compreende 21,2% do antigo Mandato da Palestina (excluindo a Jordânia) e geralmente tem terreno montanhoso acidentado. O comprimento total dos limites terrestres da região são 404 km.[40]

O terreno é principalmente de planalto dissecado acidentado, alguma vegetação no oeste, mas um tanto árido no leste. A extensão de elevação entre a costa do Mar Morto em 408 m abaixo do nível do mar até o ponto mais alto no monte Nabi Yunis, em 1 030 m acima do nível do mar.[41]

A Cisjordânia não tem litoral; as terras altas são a principal área de recarga dos aquíferos costeiros de Israel. Existem poucos recursos naturais na área, exceto as terras altamente aráveis, que representam 27% da área terrestre da região. É principalmente usado como pastagens permanentes (32% das terras aráveis) e usos agrícolas sazonais (40%). Florestas e bosques representam apenas 1%, sem lavouras permanentes.[42]

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima na Cisjordânia é principalmente mediterrâneo, ligeiramente mais frio em áreas elevadas em comparação com a costa, a oeste da área. No leste, a Cisjordânia inclui o Deserto da Judeia e a costa do Mar Morto - ambos com clima seco e quente.[42]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Vista de Hebron, a maior cidade da Cisjordândia e a segunda maior dos territórios palestinos após Gaza
Vista aérea de Modi'in Illit, a maior colônia israelense no território ocupado da Cisjordânia[43]

Em dezembro de 2007, um censo oficial conduzido pela Autoridade Palestina descobriu que a população árabe palestina da Cisjordânia (incluindo Jerusalém Oriental) era de 2 345 000. [44] No entanto, o Banco Mundial e o Grupo de Pesquisa Demográfica Americano-Israelense identificaram uma discrepância de 32% entre as estatísticas de matrículas na primeira série documentadas pelo Ministério da Educação Palestino e as projeções de 2007 da Central de Estatísticas da Palestina (PCBS),[45] com questões também levantadas sobre as premissas de crescimento para o período 1997–2003.[46] A Administração Civil Israelita estimou em 2012 que o número de palestinos na Cisjordânia era de 2 657 029.[47][48]

Existem 389.250 colonos israelenses vivendo na Cisjordânia, excluindo Jerusalém Oriental, [49] bem como cerca de 375 mil judeus israelenses vivendo em Jerusalém Oriental ocupada. Existem também pequenos grupos étnicos, como os samaritanos que vivem dentro e ao redor de Nablus, que chegam às centenas.[50]

Em outubro de 2007, cerca de 23 mil palestinos na Cisjordânia trabalhavam em Israel todos os dias, enquanto outros 9,2 mil trabalhavam em assentamentos israelenses. Além disso, cerca de 10 mil comerciantes palestinos da Cisjordânia eram autorizados a viajar todos os dias para Israel.[51] Em 2014, 92 mil palestinos trabalhavam em Israel legal ou ilegalmente, o dobro de 2010.[52]

Em 2008, aproximadamente 30% dos palestinos, ou 754 263 pessoas, que viviam na Cisjordânia eram refugiados ou descendentes de refugiados de vilas e cidades localizadas no que se tornou Israel durante a guerra árabe-israelense de 1948, de acordo com estatísticas da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Próximo Oriente.[53][54] [55] Um relatório da União Europeia de 2011 intitulado "Área C e construção do Estado Palestino" relatou que antes da ocupação israelense em 1967, entre 200 mil e 320 mil palestinos viviam no Vale do Jordão, 90% que fica na Área C, mas a demolição de casas palestinas e a prevenção da construção de novos edifícios fez esse número cair para 56 mil, 70% dos quais vivem na Área A, na cidade de Jericó.[56][57] [58] Em um período semelhante, a população judaica na Área C cresceu de 1,2 mil para 310 mil pessoas.

Religiões[editar | editar código-fonte]

Na Cisjordânia encontram-se locais que são sagrados tanto para o judaísmo, como para o islamismo e o cristianismo, principalmente após a saída dos judeus do Egito, para a conquista de Canaã sob a liderança de Moisés e seu sucessor, Josué.

Em Hebrom, uma das quatro cidades sagradas para os judeus, encontra-se a Gruta de Macpela, onde se acredita estarem sepultados os três patriarcas, Abraão, Isaque e Jacó, e as suas esposas, Sara, Rebeca e Raquel. O local é venerado por judeus e muçulmanos e sobre este ergue-se a mesquita de Ibrahim (Abraão) e uma grande jazida de xisto betuminoso.

Em Belém ergue-se a Igreja da Natividade, construída segundo a tradição no local onde Jesus nasceu. Na estrada que liga Belém a Jerusalém encontra-se o túmulo de Raquel. Em Jericó, destaca-se o Monte da Tentação, identificado como o local onde o demônio teria tentado seduzir Jesus, oferecendo-lhe todos os reinos do mundo.

Estatuto político[editar | editar código-fonte]

Fronteiras definidas pelo Plano de Partilha de 1947:
  Estado judeu
  Estado árabe
  Possessões árabes

De 1517 a 1917, a Cisjordânia fez parte do Império Otomano. A Turquia, o Estado sucessor dos otomanos, renunciou às suas reivindicações territoriais em 1923, com o Tratado de Lausanne, e a área agora chamada de Cisjordânia tornou-se parte integrante do Mandato Britânico da Palestina. Durante o período do mandato, o Reino Unido não tinha direito à soberania, que era mantida pelo povo sob o mandato.[59] No entanto, os britânicos, como guardiões da terra, implementaram as leis de posse de terra na Palestina, que herdou dos turcos otomanos (conforme definido no Código de Terras Otomano de 1858), aplicando essas leis aos inquilinos legais árabes e judeus. Em 1947, a Assembleia Geral das Nações Unidas recomendou que a área que se tornou a Cisjordânia se tornasse parte de um futuro Estado árabe, mas essa proposta foi rejeitada pelos países árabes da época. Em 1948, a Jordânia ocupou a Cisjordânia e a anexou em 1950.[10]

Em 1967, Israel conquistou a Cisjordânia da Jordânia na Guerra dos Seis Dias. A Resolução 242 do Conselho de Segurança da ONU pedia a retirada (retorno às linhas do Armistício de 1949) dos territórios ocupados no conflito em troca de paz e reconhecimento mútuo. Desde 1979, o Conselho de Segurança e a Assembleia Geral das Nações Unidas[23] os Estados Unidos,[60] a União Europeia,[61] o Tribunal Internacional de Justiça,[62] e o Comitê Internacional da Cruz Vermelha[24] referem-se à Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental, como território palestino ocupado por Israel. A resolução 58/292 da Assembleia Geral (17 de maio de 2004) afirmou que o povo palestino tem direito à soberania sobre a área.[63]

O Tribunal Internacional de Justiça e a Suprema Corte de Israel decidiram que o estatuto político da Cisjordânia é de ocupação militar.[64]

O ramo executivo do governo israelense, por meio do Ministério das Relações Exteriores, definiu a Cisjordânia como território "disputado" em vez de território "ocupado", cujo estatuto só pode ser determinado por meio de negociações. O Ministério diz que territórios "ocupados" têm que ser capturados em guerra de um Estado soberano, estabelecido e reconhecido, e que, uma vez que a Cisjordânia não estava sob a soberania legítima e reconhecida de nenhum Estado antes da Guerra dos Seis Dias, não deve ser considerada um "território ocupado".[25]

A decisão do Tribunal Internacional de Justiça de 9 de julho de 2004, no entanto, concluiu que a Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental, é um território mantido por Israel sob ocupação militar, independentemente de sua situação anterior à ocupação israelense, e que a Quarta Convenção de Genebra aplica-se de jure. [65] A comunidade internacional também considera a Cisjordânia (incluindo Jerusalém Oriental) como territórios ocupados por Israel. [66]

O direito internacional (Artigo 49 da Quarta Convenção de Genebra) proíbe "transferências da população de uma potência ocupante para territórios ocupados", incorrendo na responsabilidade por parte do governo de Israel de não estabelecer cidadãos israelenses na Cisjordânia.[67]

Em fevereiro de 2020, 134 (69,4%) dos 193 Estados-membros das Nações Unidas reconheceram o Estado da Palestina[68] dentro dos territórios palestinos, que são reconhecidos por Israel como constituindo uma única unidade territorial,[69][70] e da qual a Cisjordânia é o núcleo do futuro Estado árabe.[71]

Evolução do Mandato da Palestina e dos Territórios Palestinos modernos
Propostas de 1916-22: As três propostas para a administração da Palestina após a Primeira Guerra Mundial. A linha vermelha é a "Administração Internacional" proposta em 1916 no Acordo Sykes-Picot; a linha azul pontilhada foi proposta pela Organização Sionista Mundial durante a Conferência de Paz de Paris em 1919 e a linha azul se refere às fronteiras finais do Mandato Britânico da Palestina entre 1923-48.
Situação em 1947: Mandato da Palestina, mostrando em azul as áreas controladas por judeus na Palestina em 1947, que constituíam 6% da área territorial do mandato, das quais mais da metade eram controladas pelo Fundo Nacional Judaico (FNJ) e pela Associação da Colonização Judaica da Palestina. A população de judeus cresceu de 83 790 pessoas em 1922 para 608 000 em 1946.
Proposta de 1947: Proposta do plano da ONU para a partilha da Palestina de 1947 (Assembleia Geral das Nações Unidas - Resolução 181 (II), 1947), antes da Guerra árabe-israelense de 1948. A proposta incluía o corpus separatum de Jerusalém, estradas extraterritoriais entre as áreas não contíguas e a consolidação de Jafa como uma exclave árabe.
Situação entre 1948-67: Ocupação da Cisjordânia pela Jordânia e ocupação da Faixa de Gaza pelo Egito (observe a linha pontilhada entre os territórios palestinos e Jordânia/Egito) após a Guerra árabe-israelense de 1948, mostrando a linhas de armistício criadas em 1949 com Israel (linha azul).
Situação atual: Em verde, a região restante que ainda é administrada pela Autoridade Nacional Palestina (sob Oslo 2). A linha azul demarca as fronteiras dos territórios controlados pelo governo israelense.

Economia[editar | editar código-fonte]

No início do século XXI, a economia dos territórios palestinos estava cronicamente deprimida, com taxas de desemprego constantemente acima de 20% desde 2000 (19% na Cisjordânia no primeiro semestre de 2013).[72]

De acordo com um relatório de 2013 do Banco Mundial, as restrições israelenses impedem o desenvolvimento econômico palestino na Área C da Cisjordânia. Um relatório de 2013 do Banco Mundial calcula que, se o Acordo Provisório fosse respeitado e as restrições fossem retiradas, algumas indústrias-chave sozinhas produziriam 2,2 bilhões de dólares por ano a mais (ou 23% do PIB palestino de 2011) e reduzir em cerca de 800 milhões de dólares (50%) o déficit da Autoridade Palestina; a taxa de emprego aumentaria em 35%.[73]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

Universidade de Birzeit, próxima a Ramala

As crianças judias dos colonatos são educadas em escolas que seguem o sistema educativo polonês, enquanto que as crianças árabes são educadas de acordo com um sistema desenvolvido pela Autoridade Nacional Palestiniana, que desde 1994, e em resultado dos Acordos de Oslo, tem a educação como sua responsabilidade (entre 1967 e 1994 o currículo estudado pelos alunos árabes era semelhante ao da Jordânia). Algumas organizações cristãs possuem escolas privadas em cidades da Cisjordânia porque grande parte dos palestinos são árabes cristãos ortodoxos.

Existem hoje em dia 12 universidades palestinianas na Cisjordânia. Algumas são o resultado da evolução de algumas instituições educativas que existiam antes da invasão militar de 1967 e outras surgiram depois desta data. As principais universidades da Cisjordânia são a Universidade de Birzeit (a mais prestigiada), a Universidade de Naja (com maior número de alunos, 9 500 alunos em 2003/04), a Universidade de Belém (parcialmente financiada pelo Vaticano e da responsabilidade dos Irmãos lassalistas) e a Universidade de Hebrom. A Universidade Aberta Al-Qubs oferece cursos através do método de educação à distância. As universidades foram encerradas por Israel durante a primeira Intifada, retornando gradualmente as suas atividades em 1991.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Cfr. a posição de Israel nos pontos 90 e 93 do parecer consultivo da Corte Internacional de Justiça sobre a construção do muro sobre território palestino ocupado, de 9 de julho de 2004 Arquivado em 14 de julho de 2007, no Wayback Machine. (em espanhol). Relativamente à consideração da Cisjordânia como território ocupado, veja-se o ponto 78.
  2. Anteriormente, já havia sido feito um desmembramento para constituir a Transjordânia, em 1922.
  3. «Ex-premiê israelense, Ariel Sharon morre depois de oito anos em coma». Jornal Nacional. 11 de janeiro de 2014. Consultado em 10 de agosto de 2021 
  4. Menos civis israelenses morreram em consequência de ataques palestinos, em 2006, do que em qualquer outro ano desde que a intifada palestina começou em 2000. Os militantes palestinos mataram 23 israelenses e turistas estrangeiros em 2006, em comparação com o número máximo de 289 atingido em 2002, no auge da intifada. Mais significativo ainda, o número de ataques com homens-bomba suicidas em Israel foi quase reduzido a zero. No último ano apenas dois homens-bomba suicidas conseguiram infiltrar-se em Israel, matando 11 pessoas e ferindo outras 30. Em quase nove meses quase não houve qualquer ataque suicida a Israel, o período mais longo sem ataques desde 2000 (In, Nissenbaum, Dion (10 de janeiro de 2007). “Taxa de mortes de civis israelenses assassinados por palestinos caem a seu nível mais baixo em 2006″. Washington Bureau. McClatchy Newspapers (16-04- 2007).
  5. «How many settlers really live in the West Bank? Haaretz investigation reveals». Haaretz.com (em inglês). Consultado em 8 de outubro de 2020 
  6. «A/RES/181(II) of 29 November 1947». domino.un.org. 1947. Consultado em 9 de abril de 2012. Cópia arquivada em 24 de maio de 2012 
  7. «ODS HOME PAGE» (PDF). documents-dds-ny.un.org. Consultado em 16 de fevereiro de 2020 
  8. «Jordan – History – The Making of Transjordan». Cópia arquivada em 21 de setembro de 2011 
  9. General Armistice Agreement between the Hashemite Jordan Kingdom and Israel Arquivado em 14 de maio de 2011 no Wayback Machine. UN Doc S/1302/Rev.1 3 de abril de 1949
  10. a b Joseph Massad said that the members of the Arab League granted de facto recognition and that the United States had formally recognized the annexation, except for Jerusalem.
  11. It is often stated that Pakistan recognized it as well, but that seems to be incorrect; see S. R. Silverburg, Pakistan and the West Bank: A research note, Middle Eastern Studies, 19:2 (1983) 261–263.
  12. George Washington University.
  13. Rochelle Davis, Mimi Kirk (eds.
  14. Enrico Molinari,The Holy Places of Jerusalem in Middle East Peace Agreements: The Conflict Between Global and State Identities, Sussex Academic Press, 2010 p.92.
  15. Armstrong, Karen.
  16. a b Nils August Butenschon; Uri Davis; Manuel Sarkis Hassassian (2000). Citizenship and the State in the Middle East: Approaches and Applications. [S.l.]: Syracuse University Press. ISBN 9780815628293. Consultado em 18 de outubro de 2015 
  17. Paul H. Smith (Julho de 1993). «Assessing the Viability of a Palestinian State». Defense Intelligence College. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2002 
  18. a b Cooley 1984, p. 13.
  19. Mansour 2015, pp. 73–74.
  20. Van Arkadie 1977, p. 104.
  21. Anis F. Kassim, ed. (1988). The Palestine Yearbook of International Law 1987-1988. [S.l.: s.n.] ISBN 978-9041103413 
  22. Karsh, Efraim; Kumaraswamy, P. R. (2003). Efraim Karsh; P. R. Kumaraswamy, eds. Israel, the Hashemites, and the Palestinians: The fateful triangle. [S.l.: s.n.] ISBN 9780714654348 
  23. a b «Applicability of the Geneva Convention relative to the Protection of Civilian Persons in Time of War, of 12 August 1949, to the Occupied Palestinian Territory, including Jerusalem, and the other occupied Arab territories». Nações Unidas. 17 de dezembro de 2003. Consultado em 27 de setembro de 2006. Cópia arquivada em 3 de junho de 2007 
  24. a b «Conference of High Contracting Parties to the Fourth Geneva Convention: Statement by the International Committee of the Red Cross». Comitê Internacional da Cruz Vermelha. 5 de dezembro de 2001. Consultado em 27 de setembro de 2006. Cópia arquivada em 7 de fevereiro de 2011 
  25. a b «Disputed Territories: Forgotten Facts about the West Bank and Gaza Strip». Ministério das Relações Exteriores de Israel. Consultado em 5 de junho de 2012. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2013 
  26. «HCJ 7957/04 Mara'abe v. The Prime Minister of Israel» (PDF). Supreme Court of Israeli (High Court of Justice). Consultado em 17 de dezembro de 2012. Cópia arquivada (PDF) em 28 de outubro de 2005 
  27. «B'Tselem – The Separation Barrier – Statistics». Btselem.org. Consultado em 9 de outubro de 2008. Cópia arquivada em 20 de novembro de 2003 
  28. «Separation Barrier: 9 July 2006: Two Years after the ICJ's Decision on the Separation Barrier». B'tselem. 9 de julho de 2006. Consultado em 11 de maio de 2007. Cópia arquivada em 27 de setembro de 2007 
  29. Margarat Evans (6 de janeiro de 2006). «Indepth Middle East:Israel's Barrier». CBC. Consultado em 5 de novembro de 2007. Cópia arquivada em 18 de maio de 2007 
  30. «Israel's Separation Barrier:Challenges to the Rule of Law and Human Rights: Executive Summary Part I and II». Comissão Internacional de Juristas. 6 de julho de 2004. Consultado em 11 de maio de 2007. Cópia arquivada em 6 de julho de 2007 
  31. «Israel Security Fence – Ministry of Defense». Securityfence.mod.gov.il. Consultado em 9 de outubro de 2008. Cópia arquivada em 3 de outubro de 2013 
  32. «Map of Palestine – Land of Israel, 1845». Zionism-israel.com. Consultado em 3 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2010 
  33. «After Sharon». Wall Street Journal. 6 de janeiro de 2006 
  34. «Legal Consequences of the Construction of a Wall in the Occupied Palestinian Territory» (PDF). 30 de janeiro de 2004. Cópia arquivada (PDF) em 10 de maio de 2011 
  35. Sen. Clinton: I support W. Bank fence, PA must fight terrorism Arquivado em 5 de junho de 2011 no Wayback Machine.. Haaretz, 13 de novembro de 2005
  36. «Under the Guise of Security». Btselem.org. Consultado em 22 de maio de 2011. Cópia arquivada em 5 de abril de 2007 
  37. «U.N. court rules West Bank barrier illegal». CNN. 9 de julho de 2004. Consultado em 22 de maio de 2011. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2012 
  38. Geraldine Bedell (15 de junho de 2003). «Set in stone». The Guardian 
  39. Bogue, Patrick; Sullivan, Richard; Anonymous; Grandinetti, Guglielmo Chelazzi (Fevereiro de 2014). «Settlements and separation in the West Bank: future implications for health». Medicine, Conflict and Survival. 30 (1): 4–10. PMID 24684018. doi:10.1080/13623699.2013.873643 
  40. Arnon, Arie (2007). «Israeli Policy towards the Occupied Palestinian Territories: The Economic Dimension, 1967–2007» (PDF). Middle East Journal. 61: 573–595 [575]. doi:10.3751/61.4.11. Cópia arquivada (PDF) em 30 de junho de 2013 
  41. «A house demolished, three others threatened in the town of Halhul». Applied Researh Institute – Jeruslem & Land Research Center. 24 de março de 2007. Consultado em 14 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 27 de maio de 2007 
  42. a b «Middle East: West Bank». The World Factbook. Central Intelligence Agency. 26 de setembro de 2018. Consultado em 3 de outubro de 2018 
  43. Bronner, Ethan and Kershner, Isabel. Unsettled; In West Bank Settlements, Sign of Hope for a Deal, NY Times, 26 de julho de 2009.
  44. «Palestinians grow by a million in decade». The Jerusalem Post. 9 de fevereiro de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2012 
  45. THE PALESTINIAN CENSUS – SMOKE & MIRRORS Arquivado em 21 de junho de 2011 no Wayback Machine., Independent Media Review Analysis, 11 de fevereiro de 2008
  46. The Million Person Gap: The Arab Population in the West Bank and Gaza Arquivado em 2 de fevereiro de 2007 no Wayback Machine., Mideast Security and Policy Studies No. 65, Fevereiro de 2006
  47. «Molad Analysis – Wrong Number». Cópia arquivada em 24 de setembro de 2014 
  48. Hasson, Nir (30 de junho de 2013). «Demographic Debate Continues – How Many Palestinians Actually Live in the West Bank?». Cópia arquivada em 1 de novembro de 2014 – via Haaretz 
  49. 15,000 More Jews in Judea-Samaria in 2014 Arquivado em 9 de março de 2016 no Wayback Machine., Arutz Sheva
  50. The Samaritan Update Arquivado em 14 de setembro de 2017 no Wayback Machine. Acessado em 8 de janeiro de 2013.
  51. «Israel labour laws apply to Palestinian workers». 10 de outubro de 2007. Consultado em 3 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2009 
  52. «Number of Palestinians Working in Israel Doubled Over Four Years, Central Bank Says». Haaretz. 4 de março de 2015. Cópia arquivada em 26 de setembro de 2015 
  53. «UNRWA in Figures: Figures as of 31 December 2004» (PDF). United Nations. Abril de 2005. Consultado em 27 de setembro de 2006. Cópia arquivada (PDF) em 28 de setembro de 2006 
  54. «Palestinian Central Bureau of Statistics». Autoridade Nacional Palestina. 2007. Consultado em 27 de setembro de 2006. Cópia arquivada em 24 de fevereiro de 2011 
  55. Ksenia Svetlova (1 de dezembro de 2005). «Can trust be rebuilt?». The Jerusalem Post. Consultado em 27 de setembro de 2006. Cópia arquivada em 11 de maio de 2011 
  56. Andrew Rettman (13 de janeiro de 2012). «EU ministers look to Israeli grab of Palestinian farmland». EUobserver. Consultado em 29 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 29 de janeiro de 2012 
  57. Amira Hass (12 de janeiro de 2012). «EU report: Israel policy in West Bank endangers two-state solution». Haaretz. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2014 
  58. «A2. European Union, Internal Report on "Area C and Palestinian State Building," Brussels, January 2012 (excerpts)». Journal of Palestine Studies. 41: 220–223. 2012. doi:10.1525/jps.2012.XLI.3.220 
  59. Quigley, John (2005). The Case for Palestine An International Law Perspective. [S.l.]: Duke University Press 
  60. «Israel and the occupied territories». State.gov. 4 de março de 2002. Consultado em 3 de outubro de 2010 
  61. «Palestine – Trade – European Commission». Cópia arquivada em 15 de julho de 2014 
  62. «Legal Consequences of the Construction of a Wall in the Occupied Palestinian Territory». Tribunal Internacional de Justiça. 9 de julho de 2004. Consultado em 27 de setembro de 2006. Cópia arquivada em 28 de agosto de 2007 
  63. «UN Resolution 58/292 (17 May 2004)». United Nations. Consultado em 22 de maio de 2011. Cópia arquivada em 10 de maio de 2011 
  64. Domb, Fania (2007). International Law and Armed Conflict: Exploring the Faultlines. [S.l.]: Martinus Nijhoff Publishers. ISBN 978-9004154285 
  65. Legal Consequences of the Construction of a Wall in the Occupied Palestinian Territory Arquivado em 6 de julho de 2010[Erro data trocada] no Wayback Machine., see paragraphs 90–101 and p.5
  66. Israel/Occupied Palestinian Territories: The conflict in Gaza: A briefing on applicable law, investigations and accountability, Amnesty International. 19 January 2009.
  67. Independent law report commissioned by the BBC Board of Governors Arquivado em 4 de maio de 2011 no Wayback Machine., BBC Governors' Archive, Fevereiro de 2006 (páginas 48–50)
  68. Evan Centanni, Map: Palestine Recognized by Two More Countries (134/193) Arquivado em 2 de fevereiro de 2014 no Wayback Machine. Political Geography Now, 2 de novembro de 2013
  69. 'West Bank and Gaza Strip as a Single Territorial Unit,' Arquivado em 24 de setembro de 2014 no Wayback Machine. Reut Institute.
  70. 'Palestinian Territories,' Arquivado em 3 de junho de 2009 no Wayback Machine. European Forum for Democracy and Solidarity, 31 de janeiro de 2014
  71. 'An awkward new government,' Arquivado em 1 de julho de 2017 no Wayback Machine. The Economist 7 de junho de 2014.
  72. World Bank 2013, p. 2.
  73. Opera Mundi, ed. (8 de outubro de 2013). «Sem ocupação israelense, economia palestina teria mais de US$3,4 bi por ano para investir». Consultado em 24 de maio de 2021 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Albin, Cecilia (2001). Justice and Fairness in International Negotiation. Cambridge University Press. ISBN 0-521-79725-X
  • Bamberger, David (1985, 1994). A Young Person's History of Israel. Behrman House. ISBN 0-87441-393-1
  • Cooley, John K. (1984). «The War over Water». Foreign Policy (54). pp. 3–26. JSTOR 1148352 
  • Dowty, Alan (2001). The Jewish State: A Century Later. University of California Press. ISBN 0-520-22911-8
  • Eldar, Akiva and Zertal, Idith (2007). Lords of the land: the war over Israel's settlements in the occupied territories, 1967–2007, Nation Books. ISBN 978-1-56858-414-0
  • Gibney, Mark and Frankowski, Stanislaw (1999). Judicial Protection of Human Rights. Praeger/Greenwood. ISBN 0-275-96011-0
  • Gordon, Neve (2008).Israel's Occupation. University of California Press, Berkeley CA, ISBN 0-520-25531-3
  • Gorenberg, Gershom. The Accidental Empire. Times Books, Henry Holt and Company. ISBN 0-8050-8241-7. 2006.
  • Howell, Mark (2007). What Did We Do to Deserve This? Palestinian Life under Occupation in the West Bank, Garnet Publishing. ISBN 1-85964-195-4
  • Mansour, Antoine (2015). «The West Bank Economy: 1948-1984». In: Abed, George T. The Palestinian Economy: Studies in Development under Prolonged Occupation. [S.l.]: Routledge. pp. 71–. ISBN 978-1-317-59291-4 
  • Oren, Michael (2002). Six Days of War, Oxford University Press. ISBN 0-19-515174-7
  • Playfair, Emma (Ed.) (1992). International Law and the Administration of Occupied Territories. Oxford University Press. ISBN 0-19-825297-8
  • Shlaim, Avi (2000). The Iron Wall: Israel and the Arab World, W. W. Norton & Company. ISBN 0-393-04816-0
  • Van Arkadie, Brian (1977). «The Impact of the Israeli Occupation on the Economies of the West Bank and Gaza». Journal of Palestine Studies. 6 (2): 103–129. JSTOR 2535505. doi:10.2307/2535505 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]