Civilidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Civis)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para Para a norma de conduta da Wikipédia, veja Wikipédia:Civilidade.
Pirâmide da Lua (Teotihuacan, Mexico), um exemplo de projeto que exige uma civilização para ser concretizado.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.

Civilidade é o respeito pelas normas de convívio entre os membros de uma sociedade organizada. Não confundir com civismo que tem a ver com o respeito pela mesma sociedade, mas, pelas instituições e pela leis.

"Normas de convívio" essas que trata-se de regras interiorizadas e maioritariamente aceites como requisitos da vida social, integrando não só os valores, princípios que orientam o comportamento dos indivíduos, mas também as normas de conduta que disciplinam a actividade desses indivíduos.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Civil vem do latim civile, que designava o habitante da cidade civitate. Quando a humanidade se defrontou com o raciocínio, logo com a inteligência, e realmente teve a consciência do "Eu", houve a necessidade do respeito mútuo, do respeito ao outro. Começou então a codificação de civilidade, isto é, regras de convívio social que no início eram somente de respeito do inferior para com seu superior, hierárquico ou sexual, como nos animais irracionais.

O início dos códigos de ética[editar | editar código-fonte]

Iniciou-se então a codificação de normas e regras de convívio social e de conduta, sendo impostas de modo empírico, pela tentativa e erro; os preceitos de civilidade, que eram passados de forma verbal, passaram a ser codificados e seguidos, pois o convívio em sociedade assim o exigiu. Sendo o ser humano um animal social, começou a haver de fato uma organização disciplinadora do grupo onde iniciou-se a separação do ser e do ter

As relações humanas[editar | editar código-fonte]

Com o aumento da complexidade das relações humanas, começou a haver quebras de conduta. Alguns queriam algo que pertencia a outrem, comportamentos começaram a ser repudiados pelo grupo, etc. Iniciou-se então uma codificação dual, entre certo e errado, pois os conflitos começaram a se iniciar dentro dos grupos sociais, que para assegurar sua sobrevivência e coesão formaram as normas civis, normas estas que norteiam a base das civilizações, do convívio em sociedade, seja na selva ou nas cidades.

A codificação de condutas[editar | editar código-fonte]

Com o avançar do tempo e o desenvolvimento social, a vida em grupo passa a exigir uma organização formal que discipline a atividade dos indivíduos, proporcione condições de equilíbrio a suas relações e assegure a distribuição e a posse de seus bens. Foi no direito romano que pela primeira vez as normas do convívio social se dissociaram das noções religiosas e formaram um complexo de leis codificado, de caráter prático e aplicação sistemática, esta baseada no respeito mútuo, pois o homem, por natureza, é moral, racional e social, e a lei facilita o desenvolvimento dessas qualidades inatas, e esta deve seguir à ética, e principalmente ao respeito a outrem. E assim sucessivamente.

Os códigos morais[editar | editar código-fonte]

Sérgio Buarque de Holanda consagrou a expressão homem cordial discorrendo sobre cordialidade e civilidade, atraso e modernidade, tradição e renovação, privado e público. Segundo ele, a definição de civilidade está relacionada à ética e à educação. Os códigos morais regem a conduta dos membros de uma comunidade, de acordo com princípios de conveniência geral, para garantir a integridade do grupo, a convivência pacífica e o bem-estar dos indivíduos que o constituem. Assim, o conceito de pessoa moral se aplica apenas ao sujeito enquanto parte de uma coletividade. [carece de fontes?]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]