Clássica de San Sebastián

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para a versão feminina, veja Clássica de San Sebastián feminina.

Clássica de San Sebastián
Donostia Klasikoa
imagem ilustrativa de artigo Clássica de San Sebastián
Pódio da edição 2005
Generalidades
Desporto ciclismo
Categoria UCI World Tour 1.uwT
Data julho
Criação 1981
Organizador ...
Formato Cycling (road) pictogram.svg Ciclismo de estrada
Edição 41.ª (a 2021)
Região País Basco País Basco
País Flag of Spain.svg Espanha
Sítio eletrónico www.klasikoa.eus
Vencedores
Maior campeão Espanha Marino Lejarreta (3)
Campeão Bélgica Remco Evenepoel
Nº de equipas UCI WorldTeam
UCI ProTeam

A Clássica de San Sebastián (oficialmente: Clásica Ciclista San Sebastián) é uma clássica ciclista espanhola que se disputa em San Sebastián e os arredores da província de Guipúscoa, no último sábado do mês de julho ou o primeiro ou segundo sábado do mês de agosto.[1]

Criou-se em 1981 e fez parte da Copa do Mundo de Ciclismo desde a criação desta em 1989 até seu desaparecimento no ano 2005 quando surgiu o UCI ProTour. Actualmente está incluída no UCI WorldTour (anteriormente UCI ProTour) do calendário de máxima categoria mundial como clássica de segunda categoria por trás dos monumentos do ciclismo.

Está organizada por Organizações Ciclistas Euskadi, depois da fusão da Bicicleta Basca com a Volta ao País Basco no ano 2009.

O corredor com mais vitórias é Marino Lejarreta, com três.

Percurso[editar | editar código-fonte]

Perfil da edição de 2009 onde se podem identificar nos últimos 75 km por esta ordem os altos, portos ou cotas de Irurain, Gaintzurizketa, Jaizquíbel, Gaintzurizketa, Arkale e Miracruz.[2]

Sempre se iniciou e finalizado em San Sebastián e o trecho inicial e intermediário tem sido variável em todas suas edições por isso sua quilometragem total não tem sido o mesmo ainda que quase sempre tem rondado os 230 km.[3] A sua máxima dificuldade é o alto de Jaizquíbel (catalogado de 1.ª categoria) situado nas primeiras edições a uns 15 km de meta ainda que com progressivas mudanças foi-se afastando da chegada. Assim nessas primeiras edições se subia pela vertente de Fuenterrabía até que para oferecer outras alternativas dando oportunidade a outro tipo de corredores e não favorecer tanto aos escaladores se decidiu subir pela vertente oposta de Pasaia para colocar dito porto a uns 30 km da chegada.

Vistas de San Sebastián desde o Igueldo (Bordako Tontorra) ponto decisivo desde 2014.

Com o passo dos anos esta mudança resultou insufiente para que se rompesse o grande grupo e este se jogasse a vitória em San Sebastián ou nas cotas prévias de Gaintzurizketa e especialmente de Miracruz (a 3 km da meta) já que em algumas edições chegou a ter um desnível similar ao da Milão-Sanremo (clássica especialmente indicada para sprinters) com grupos a mais de 50 corredores se jogando a vitória depois de diversos reagrupamentos.[4][5]

Como no ano 2000 chegou um grupo de 53 corredores[4] desde o 2001 depois de Jaizkibel incluiu-se o porto de Gurutze (catalogado de 3.ª categoria), substituindo a cota de Gaintzurizketa, deixando Jaizquíbel a 32 km da chegada.[6] Esta mudança num princípio se provocou que chegasse um grupo mais seleccionado. No entanto, depois da edição do 2006 na que chegou um grupo de 51 corredores[5] se procuraram outro tipo de alternativas que foram introduzidas progressivamente. Em 2008 substituiu-se Gurutze por Gaintzurizketa+Arkale (catalogado de 2.ª categoria) situando Jaizkibel a 38,5 km da chegada.[2] Depois, em 2010, acrescentou-se um circuito repetindo duas vezes a parte dura da corrida (Jaizkibel e Gaintzurizketa+Arkale).[7] Finalmente, em 2014, introduziu-se outro circuito dentro de San Sebastián passando duas vezes por meta para subir o alto de Igueldo -pela vertente chamada Bordako Tontorra- (catalogado de 2.ª categoria) a 7 km da meta, mas deixando o último passo por Jaizquíbel a 53,9 km de meta.[8] Leste último mudança não tem estado isento de críticas dado que pode condicionar muito a corrida já que poderia evitar ataques longínquos e favorecer aos escaladores[9] coisa que se quis evitar nas primeiras edições.

Na edição do 2018 segue-se correndo nos arredores da província de Guipúscoa no País Basco até cidade de San Sebastián, assim mesmo, o número total de portos de montanha se mantém com 8 passos, dos quais Jaizquíbel e Arkale se sobem por partida dupla com o propósito de provocar uma forte selecção na corrida, mais adiante os ciclistas enfrentam o último porto de Murgil Tontorra com um comprimento de 1,8 quilómetros ao 11,3% para depois descer e finalizar sobre a cidade de San Sebastián.[10]

Palmarés[editar | editar código-fonte]

Wikidata-logo S.svgAnoVencedorSegundoTerceiro
1981ESP Marino LejarretaGBR Graham JonesESP Faustino Rupérez
1982ESP Marino LejarretaESP Jesús Rodríguez MagroESP Pedro Delgado
1983BEL Claude CriquielionESP Antonio CollGER Reimund Dietzen
1984SUI Niki RüttimannGER Reimund DietzenESP Celestino Prieto
1985NED Adri van der PoelESP Iñaki GastónESP Juan Fernández Martín
1986ESP Iñaki GastónESP Marino LejarretaESP Juan Fernández Martín
1987ESP Marino LejarretaESP Ángel ArroyoESP Federico Echave
1988NED Gert-Jan TheunisseESP Enrique AjaNED Steven Rooks
1989AUT Gerhard ZadrobilekESP Francisco AntequeraSUI Tony Rominger
1990ESP Miguel IndurainFRA Laurent JalabertIRL Sean Kelly
1991ITA Gianni BugnoESP Pedro DelgadoITA Maurizio Fondriest
1992MEX Raúl AlcaláITA Claudio ChiappucciNED Eddy Bouwmans
1993ITA Claudio ChiappucciITA Gianni FaresinITA Alberto Volpi
1994FRA Armand de Las CuevasUSA Lance ArmstrongITA Stefano Della Santa
1995USA Lance ArmstrongITA Stefano Della SantaBEL Johan Museeuw
1996GER Udo BöltsITA Stefano CattaiITA Massimo Podenzana
1997ITA Davide RebellinUKR Alexandr GonchenkovITA Stefano Colagè
1998ITA Francesco CasagrandeBEL Axel MerckxITA Leonardo Piepoli
1999ITA Francesco CasagrandeBEL Rik VerbruggheITA Giuliano Figueras
2000NED Erik DekkerBEL Andrei TchmilLAT Romāns Vainšteins
2001FRA Laurent JalabertITA Francesco CasagrandeITA Davide Rebellin
2002FRA Laurent JalabertESP Igor AstarloaITA Gabriele Missaglia
2003ITA Paolo BettiniITA Ivan BassoITA Danilo Di Luca
2004ESP Miguel Ángel Martín PerdigueroITA Paolo BettiniITA Davide Rebellin
2005ESP Constantino ZaballaESP Joaquim RodríguezITA Eddy Mazzoleni
2006ESP Xavier FlorencioITA Stefano GarzelliKAZ Andrey Kashechkin
2007ITA Leonardo BertagnolliESP Juan Manuel GárateESP Alejandro Valverde
2008ESP Alejandro ValverdeRUS Alexandr KolobnevITA Davide Rebellin
2009CZE Roman KreuzigerFRA Mickaël DelageSVK Peter Velits
2010ESP Luis León SánchezKAZ Alekszandr VinokurovESP Carlos Sastre
2011BEL Philippe GilbertESP Carlos BarredoBEL Greg Van Avermaet
2012ESP Luis León SánchezAUS Simon GerransBEL Gianni Meersman
2013FRA Tony GallopinESP Alejandro ValverdeCZE Roman Kreuziger
2014ESP Alejandro ValverdeNED Bauke MollemaESP Joaquim Rodríguez
2015GBR Adam YatesBEL Philippe GilbertESP Alejandro Valverde
2016NED Bauke MollemaFRA Tony GallopinESP Alejandro Valverde
2017POL Michał KwiatkowskiFRA Tony GallopinNED Bauke Mollema
2018FRA Julian AlaphilippeNED Bauke MollemaFRA Anthony Roux
2019BEL Remco EvenepoelBEL Greg Van AvermaetSUI Marc Hirschi
2020cancelado
2021USA Neilson PowlessSLO Matej MohoričDEN Mikkel Honoré
2022BEL Remco EvenepoelFRA Pavel SivakovBEL Tiesj Benoot

Nota: Na Clássica de San Sebastián de 2009, Carlos Barredo foi inicialmente o ganhador, mas foi desclassificado por dopagem (ver Desclassificação de Carlos Barredo).

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Mais vitórias[editar | editar código-fonte]

Ciclista Vitórias Anos
Espanha Marino Lejarreta 3 1981, 1982 e 1987
Itália Francesco Casagrande 2 1998 e 1999
França Laurent Jalabert 2 2001 e 2002
Espanha Luis León Sánchez 2 2010 e 2012
Espanha Alejandro Valverde 2 2008 e 2014
Bélgica Remco Evenepoel 2 2019 e 2022

Vitórias consecutivas[editar | editar código-fonte]

Em negrito corredores activos.

Palmarés por países[editar | editar código-fonte]

País Vitórias Último vencedor
Flag of Spain.svg Espanha 12 Alejandro Valverde em 2014
 Itália 7 Leonardo Bertagnolli em 2007
 França 5 Julian Alaphilippe em 2018
 Países Baixos 4 Bauke Mollema em 2016
 Bélgica 4 Remco Evenepoel em 2022
 Estados Unidos 2 Neilson Powless em 2021
Suíça 1 Niki Rüttimann em 1984
 Áustria 1 Gerhard Zadrobilek em 1989
 México 1 Raúl Alcalá em 1992
 Alemanha 1 Udo Bölts em 1996
 Chéquia 1 Roman Kreuziger em 2009
 Reino Unido 1 Adam Yates em 2015
 Polónia 1 Michał Kwiatkowski em 2017

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Clássica de San Sebastián